Página 1 dos resultados de 6 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

Risco downside e CoVaR no mercado brasileiro de ações; Downside risk and CoVaR in the Brazilian stock market

Alexandrino, Thiago Basso
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 29/11/2013 Português
Relevância na Pesquisa
36.98%
Um dos objetivos deste estudo é testar modelos de precificação de ativos financeiros, especialmente o de risco downside de Ang et al. (2006), em todas as ações da Bovespa, para o período que se estende de janeiro de 1999 a julho de 2012. Para atingi-lo, aplica-se o método de regressões Fama e MacBeth (1973) com retornos um período à frente. A quase totalidade dos modelos testados é rejeitada, inclusive a existência de um eventual prêmio para o risco downside. A exceção é o modelo que inclui com o beta tradicional e o seu quadrado, o que permite rejeitar o CAPM devido a não linearidade no risco de mercado. A relação existente entre o beta e o retorno das ações seria positiva até beta igual a 0,642 e depois negativa. Outra meta desta dissertação é comparar as estimações condicionais às não condicionais do modelo CoVaR de Adrian e Brunnermeier (2011) para as 16 ações da Bovespa utilizadas por Almeida et al. (2012), que obtiveram apenas estimações não condicionais para o Brasil em um período semelhante. Os resultados daqui mostram uma baixa e não estatisticamente significante correlação com os de Almeida et al. (2012). Para este estudo, tem-se que as duas formas de calcular o CoVaR são similares para o teste de estresse...

Impacto de uma melhor governança corporativa e uma maior escolaridade do conselho de administração e da diretoria executiva no d-beta das empresas

Kawakami, Marcos Yoshiro
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
56.69%
O desenvolvimento do mercado financeiro e, principalmente, a abertura para o capital externo impulsionaram o desenvolvimento das boas práticas de governança corporativa. Um de seus benefícios é reduzir o custo de captação da empresa e, consequentemente, gerar maior valor para a companhia. Com o novo cenário, o conselho de administração tem um papel fundamental na atividade de governança corporativa, supervisionando a diretoria executiva. O presente trabalho investiga se a adoção de melhores práticas de governança corporativa diminui o risco das empresas. Adicionalmente, analisa se um grau de escolaridade mais alto entre membros do conselho de administração e da diretoria executiva impacta no risco. Para atingir o objetivo, adotou-se o método dos mínimos quadrados para regredir o risco, variável dependente, contra as variáveis independentes nível de governança corporativa e grau de escolaridade. Para o cálculo do risco, utilizaremos a metodologia apresentada por Estrada (2007), o downside beta, ou seja, risco que considera apenas os retornos negativos. Os resultados do estudo sugeriram que um nível de governança corporativa mais alto está presente nas empresas que apresentam um maior risco visto pelo mercado...

Custo de capital próprio em mercados emergentes: uma abordagem empírica no Brasil com o downside risk

Fortunato,Graziela Xavier; Motta,Luiz Felipe Jacques da; Russo,Giuseppe
Fonte: Universidade Presbiteriana Mackenzie Publicador: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2010 Português
Relevância na Pesquisa
36.67%
Este artigo visa testar empiricamente a proposta de Estrada (2000) para as empresas que compõem o Ibovespa, avaliando se para mercados emergentes existem outras medidas de risco sistemático diferentes do beta do capital asset pricing model (CAPM). Dessa forma, testou-se o downside risk que capta a parte negativa do retorno. Além de dados em cross section, utilizaram-se dados em painel, como uma contribuição adicional ao trabalho de Estrada (2000). Os resultados encontrados não confirmam que o downside risk seja uma medida apropriada ao mercado brasileiro. Outras medidas de risco apresentaram melhor correlação com o retorno, permitindo o cálculo do custo de capital com valor diferente daquele obtido pela aplicação do beta. De acordo com Estrada (2000), os resultados sugerem que os mercados emergentes estão em posição intermediária entre os mercados integrados e segmentados, tal como confirmado para o mercado brasileiro.

Evaluation of Malaysian mutual funds in the maximum drawdown risk measure framework

Baghdadabad, M.; Glabadanidis, P.
Fonte: Emerald Group Publishing Ltd Publicador: Emerald Group Publishing Ltd
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
26.54%
PURPOSE – This paper aims to evaluate the risk-adjusted performance of the management styles of Malaysian mutual funds using nine modified performance evaluation measures generated by the maximum drawdown risk measure (M-DRM) based on the modern portfolio theory. The purpose is to report the findings in a manner which is realizable by the average investors and portfolio managers. DESIGN/METHODOLOGY/APPROACH – This paper evaluates the performance of more than 400 Malaysian mutual funds using risk-adjusted returns over the two sub-periods of 2000-2005 and 2006-2011. The M-DRM, as a different measure from downside risk, is applied to improve nine risk-adjusted performance measures of Sortino, Treynor, M-squared, Jensen's alpha, information ratio (IR), MSR, upside partial ration (UPR), FPI, and leverage factor. It proposes a new single-factor model to test the maximum drawdown beta and alpha in the M-DRM framework. FINDINGS – The evidence clearly indicates that the replacement framework in terms of MDB, the maximum drawdown beta, and the maximum drawdown CAPM can be replaced by the conventional frameworks in terms of MVB, beta, and the CAPM and also MSB, downside beta, and D-CAPM for modifying nine performance evaluation measures from the management styles of Malaysian mutual funds. PRACTICAL IMPLICATIONS – The research evidence reported in this paper can be applied as input in the process of decision making by small and average investors and portfolio managers who are seeking the possibility of participating in the global stock market through mutual funds. ORIGINALITY/VALUE – This paper is the first study to estimate a new regression model in the M-DRM framework to evaluate the performance of Malaysian mutual funds. In addition...

An extensile method on the arbitrage pricing theory based on downside risk (D-APT)

Baghdadabad, M.R.T.; Glabadanidis, P.T.
Fonte: Emerald Group Publishing Limited Publicador: Emerald Group Publishing Limited
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2014 Português
Relevância na Pesquisa
56.93%
PURPOSE – The purpose of this paper is to propose a new and improved version of arbitrage pricing theory (APT), namely, downside APT (D-APT) using the concepts of factors’ downside beta and semi-variance. DESIGN/METHODOLOGY/APPROACH – This study includes 163 stocks traded on the Malaysian stock market and uses eight macroeconomic variables as the dependent and independent variables to investigate the relationship between the adjusted returns and the downside factors’ betas over the whole period 1990-2010, and sub-periods 1990-1998 and 1999-2010. It proposes a new version of the APT, namely, the D-APT to replace two deficient measures of factor's beta and variance with more efficient measures of factors’ downside betas and semi-variance to improve and dispel the APT deficiency. FINDINGS – The paper finds that the pricing restrictions of the D-APT, in the context of an unrestricted linear factor model, cannot be rejected over the sample period. This means that all of the identified factors are able to price stock returns in the D-APT model. The robustness control model supports the results reported for the D-APT as well. In addition, all of the empirical tests provide support the D-APT as a new asset pricing model, especially during a crisis. RESEARCH LIMITATIONS/IMPLICATIONS – It may be worthwhile explaining the autocorrelation limitation between variables when applying the D-APT. PRACTICAL IMPLICATIONS – The framework can be useful to investors...

Downside risk in stock and currency markets

Dobrynskaya, Victoria
Fonte: London School of Economics and Political Science Thesis Publicador: London School of Economics and Political Science Thesis
Tipo: Thesis; NonPeerReviewed Formato: application/pdf
Publicado em /09/2014 Português
Relevância na Pesquisa
36.93%
This thesis consists of an introductory chapter, three main chapters, and a concluding chapter. In Chapter 2, which was nominated for an EFMA 2014 Best Paper Award, I provide a novel risk-based explanation for the profitability of global momentum strategies. I show that the performance of past winners and losers is asymmetric in states of the global market upturns and downturns. Winners have higher downside market betas and lower upside market betas than losers, and hence their risks are more asymmetric. The winner-minus-loser (WML) momentum portfolios are exposed to the downside market risk, but serve as a hedge against the upside market risk. The high returns of the WML portfolios compensate investors for their high risk asymmetry. After controlling for this risk asymmetry, the momentum portfolios do not yield significant abnormal returns, and the momentum factor becomes insignificant in the cross-section. The two-beta CAPM with downside risk explains the cross-section of returns to global momentum portfolios well. In the third chapter, published in the Review of Finance and the winner of EFMA 2013 John Doukas Best Paper Award, I propose a new factor – the global downside market factor – to explain high returns to carry trades. I show that carry trades have high downside market risk...