Página 1 dos resultados de 162 itens digitais encontrados em 0.002 segundos

Influência da renda sobre as despesas com alimentação fora do domicílio, no Brasil, 2002-2003; Influence of income on food expenditures away from home among Brazilian families, 2002-2003

CLARO, Rafael Moreira; LEVY, Renata Bertazzi; BANDONI, Daniel Henrique
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
46.47%
Objetivou-se descrever e avaliar a influência da renda sobre a participação da alimentação fora do domicílio no Brasil. Utilizaram-se dados coletados pela Pesquisa de Orçamentos Familiares realizada em 2002/2003 (POF 2002/2003), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Analisaram-se os registros dos gastos com aquisições de alimentos e bebidas consumidos fora do domicílio. A associação entre a participação da alimentação fora do domicílio e a renda, ajustada para atributos sócio-demográficos, foi estudada por meio de modelos de regressão utilizados para estimação de coeficientes de elasticidade-renda. A alimentação fora do domicílio representou 21% do total dos gastos com alimentação; destaque-se que o incremento de 10% na renda aumentaria em 3% a participação da alimentação fora do domicílio. O efeito da renda sobre a participação da alimentação fora, ainda que sempre positivo, diminui conforme elevação da renda, sendo alto nos domicílios com renda inferior a R$68,70 per capita/mês. Há influência da renda nos gastos com alimentação fora do domicílio, assim a evolução favorável da renda resultará em aumento dessa forma de se alimentar.; This study describes and evaluates the influence of income on the percentage of food expenditures away from home for Brazilian families. Food acquisition data from the National Household Budget Survey conducted from 2002 to 2003 (POF 2002/2003) by the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE) or National Census Bureau was used in the analysis. Information on food-and-drink expenditures away from home was analyzed. The influence of income on the share of food purchased away from home in the household budget...

Estudo da elasticidade-renda da demanda de carne bovina, suína e de frango no Brasil; Study of income-elasticity of beef, pork and poultry meat's demand in Brazil

Carvalho, Thiago Bernardino de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 20/04/2007 Português
Relevância na Pesquisa
56.66%
O Brasil possui um mercado interno potencial para o consumo de alimentos, principalmente para as carnes. A carne já faz parte da alimentação dos brasileiros e sua demanda está ligada a vários fatores, como preços, qualidade, aspectos nutricionais, preferência, gosto e, principalmente, a restrição orçamentária, ou seja, a renda. A fim de determinar o quanto a renda impacta o consumo de carnes, buscou-se no presente estudo estimar as elasticidades-renda da demanda de carne bovina, suína e de frango, no Brasil e suas regiões. As elasticidades foram obtidas por meio do ajustamento de uma poligonal com três segmentos. Os coeficientes de elasticidade-renda do dispêndio, calculados para as carnes de forma geral, foram sempre menores do que 1, sendo a carne bovina, responsável pelos valores extremos: a de primeira, próxima de 1 e a de segunda, próxima de zero. As altas elasticidades obtidas para a carne bovina de primeira e também para a carne suína indicam que há maiores aumentos nas despesas de ambas as carnes, quando há uma variação positiva na renda da população. Para a carne bovina de segunda e para a carne de frango o impacto é menor. Por fim, pode-se inferir, tendo-se observado em muitos casos elasticidades decrescentes de acordo com o aumento de renda...

Influência da renda e preço dos alimentos sobre a participação de frutas, legumes e verduras no consumo alimentar das famílias do município de São Paulo; Influence of income and price on the share of fruits and vegetables (F&V) on the household food consumption in the city of São Paulo

Claro, Rafael Moreira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 26/09/2006 Português
Relevância na Pesquisa
56.93%
Objetivo. Analisar a influência da renda e dos preços dos alimentos sobre a participação de frutas, legumes e verduras no consumo alimentar das famílias residentes no município de São Paulo. Métodos. A Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), realizada entre 1998/1999 no município de São Paulo, serviu de base para este estudo. O padrão alimentar das famílias foi descrito a partir da participação relativa de 18 grupos de alimentos no total mensal de calorias adquirido pela família para consumo no domicilio. A influência da renda familiar e do preço dos alimentos sobre a participação de frutas, legumes e verduras (FLV) no padrão alimentar foi estudada empregando-se técnicas de análise de regressão múltipla (modelo log-log) para estimação de coeficientes de elasticidade-preço e elasticidade-renda. Resultados. Identificou-se efeito estatísticamente significante da renda familiar (efeito positivo), do preço das próprias frutas, legumes e verduras (efeito negativo) e do preço do conjunto dos demais alimentos (efeito positivo). A comparação da magnitude desses efeitos, feita pela comparação dos coeficientes de elasticidade, indica maior efeito do preço das frutas...

Estimativa econométrica das elasticidades renda e preço da demanda por gás natural para o setor industrial brasileiro; Econometric Forecasts: A Study on Long-Term Price and Income Elasticity for Natural Gas in the Brazilian Industrial Sector

Cabral, Renata Fonseca
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 11/06/2013 Português
Relevância na Pesquisa
56.78%
Este trabalho tem como objetivo estimar a elasticidade renda e preço da demanda por gás natural no Brasil para o setor industrial brasileiro. O segmento de consumo industrial representa cerca de dois terços do consumo de gás natural no país, destacando sua importância estratégica na elaboração de política energética relacionada ao gás. Este trabalho apresenta também o incremento nas trocas internacionais de gás natural e a perspectiva de aumento do uso desse energético no Brasil e no mundo. Alguns desafios ainda se colocam para a efetiva globalização dessa indústria, como: a necessidade de realização de investimentos em infraestrutura de produção, transporte e distribuição; o aprimoramento do acesso às principais reservas do hidrocarboneto; e as incertezas com relação à evolução da demanda. Utiliza-se o estudo estatístico econométrico para estimar as elasticidades preço e renda, ou seja, para investigar como a demanda industrial brasileira reage frente a um aumento ou diminuição de preço do gás e das variações na renda disponíveis no Brasil. Como proxy da renda industrial utilizam-se os dados do PIB industrial brasileiro. Após identificar que as séries estudadas eram não estacionárias, optou-se pela utilização do conceito de cointegração. Os resultados obtidos por meio do referido modelo mostraram que a demanda estudada é muito mais sensível a variações do preço do gás natural do que a variações na renda. Desse modo...

Padrões de orçamento familiar : uma análise mercadológica

Silva, Hermes Moretti Ribeiro da
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Tese de Doutorado
Português
Relevância na Pesquisa
46.56%
Cada vez mais se reconhece que as diferentes categorias do orçamento familiar disputam recursos limitados de uma família. Isto sugere uma visão mais ampla e sistêmica de concorrência, já que os gastos dos consumidores em um determinado setor poderão ser melhor compreendidos se relacionados com os de outros setores. Faz sentido, então, concentrar estudos na própria manifestação do comportamento de compra, expressa pelo orçamento familiar, visto que as decisões mais prioritárias (vitais) estão estabelecidas na forma como o consumidor distribui seus recursos nas grandes categorias de despesa (alimentação, habitação, transporte, vestuário, lazer etc). Neste contexto delineia-se o principal objetivo desta tese que é investigar o fenômeno da alocação de despesas que compõem o orçamento familiar, identificando padrões, segmentos de mercado e suas implicações para o Marketing. O referencial teórico divide-se em três grandes partes: a segmentação de mercado, o orçamento familiar e os fatores econômicos e sócio-demográficos que se relacionam com o orçamento familiar. A clássica Hierarquia das Necessidades de Maslow é abordada, além de temas oriundos da literatura de economia como as Leis de Engel e elasticidade-renda da demanda. Utilizando dados de uma amostra de famílias do estado de São Paulo e valendo-se da técnica de análise de agrupamentos...

O Papel da elasticidade da renda tributável na avaliação do custo de eficiência da tributação

Freitas, Pedro Ricardo Bernardino
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
46.98%
O trabalho utiliza conceitos da economia do bem estar e a elasticidade da renda tributável para analisar o custo social das reações comportamentais dos contribuintes do imposto de renda sobre as pessoas físicas no Brasil, em resposta a uma mudança de política tributária. A elasticidade da renda tributável despertou grande atenção recente, motivada pela perspectiva de estimar em conjunto todas as reações comportamentais a uma mudança no sistema tributário através de um único parâmetro, mensurando custos de eficiência e de bem estar suportados pela economia de forma relativamente simples. O trabalho aborda a utilização de medidas de variação de bem estar para avaliar mudanças na política tributária e faz uma resenha da literatura sobre a elasticidade da renda tributável, conceitos, características, vantagens e limitações. Um modelo de preferências é especificado para exemplificar a dimensão das reações à tributação e os custos de eficiência envolvidos, e discutir a viabilidade do emprego da elasticidade da renda tributável como parâmetro estrutural.; This study aims to analyse the social cost and behavioural responses due the taxation of earned income in Brazil using welfare concepts and the elasticity of taxable income with respect to the net of tax rate. The elasticity of taxable income has deserved great attemption and is a main issue in public economics research agenda. Under some conditions...

Elasticidade-renda dos produtos alimentares nas regiões metropolitanas brasileiras: uma aplicação da POF 1995/1996

Silveira,Fernando Gaiger; Menezes,Tatiane A. de; Magalhães,Luís Carlos G. de; Diniz,Bernardo P. Campolina
Fonte: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE Publicador: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2007 Português
Relevância na Pesquisa
66.72%
O objetivo deste trabalho é estimar a elasticidade-renda para trinta e seis produtos alimentares. A base de dados utilizada é a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 1995/96 do IBGE, que abarca informações extremamente detalhadas sobre o consumo alimentar das famílias das onze maiores regiões urbanas brasileiras. As variáveis utilizadas na estimação do modelo foram obtidas diretamente dos microdados dessa pesquisa. Isto permitiu que os logaritmos dos preços alimentares e do recebimento mensal familiar per capita fossem calculados diretamente das observações individualizadas e não sobre os dados agregados das classes de rendas originais da POF. A metodologia empregada foi o modelo QUAIDS. Os resultados encontrados permitem aprofundar o conhecimento sobre as diferenças do padrão de consumo entre as diversas classes de renda, assim como entre regiões tão distintas como Sudeste e Sul e o Nordeste brasileiro. Evidenciou-se a existência de insuficiência no consumo alimentar domiciliar no Brasil e que tal fato se concentra nas famílias de baixa renda, nas quais as despesas com alimentação respondem pela maior parcela do orçamento.

Influência da renda sobre as despesas com alimentação fora do domicílio, no Brasil, 2002-2003

Claro,Rafael Moreira; Levy,Renata Bertazzi; Bandoni,Daniel Henrique
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2009 Português
Relevância na Pesquisa
46.47%
Objetivou-se descrever e avaliar a influência da renda sobre a participação da alimentação fora do domicílio no Brasil. Utilizaram-se dados coletados pela Pesquisa de Orçamentos Familiares realizada em 2002/2003 (POF 2002/2003), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Analisaram-se os registros dos gastos com aquisições de alimentos e bebidas consumidos fora do domicílio. A associação entre a participação da alimentação fora do domicílio e a renda, ajustada para atributos sócio-demográficos, foi estudada por meio de modelos de regressão utilizados para estimação de coeficientes de elasticidade-renda. A alimentação fora do domicílio representou 21% do total dos gastos com alimentação; destaque-se que o incremento de 10% na renda aumentaria em 3% a participação da alimentação fora do domicílio. O efeito da renda sobre a participação da alimentação fora, ainda que sempre positivo, diminui conforme elevação da renda, sendo alto nos domicílios com renda inferior a R$68,70 per capita/mês. Há influência da renda nos gastos com alimentação fora do domicílio, assim a evolução favorável da renda resultará em aumento dessa forma de se alimentar.

Lar "Doce" Lar: uma análise do consumo de açúcar e de produtos relacionados no Brasil

Souza,Mauricio Jorge Pinto de; Oliveira,Pedro Rodrigues de; Burnquist,Heloisa Lee
Fonte: Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural Publicador: Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.68%
O principal objetivo do presente trabalho é avaliar as características do consumo de açúcar e de produtos que usam açúcar em sua composição, utilizando dados das Pesquisas de Orçamentos Familiares (POF) de 2002/2003 e 2008/2009. Para tanto, foi utilizada a metodologia proposta por Hoffmann (1983, 2010) para a estimativa da elasticidade-renda. Os resultados mostram a significativa redução do consumo e dispêndio per capita associado ao açúcar cristal e refinado no período, bem como o aumento do consumo de açúcar na forma de produtos industrializados. Adicionalmente, a elasticidade-renda estimada para os produtos industrializados é bastante superior à do açúcar, indicando a preferência pelos consumos industrializados, associado ao processo de aumento na renda observada no período.

Elasticidade-renda e elasticidade: desigualdade da probreza no Nordeste brasileiro.

ARAÚJO, J. A. de; TABOSA, F. J. S.; KHAN, A. S.
Fonte: Revista de Política Agrícola, Brasília, DF, ano 21 , n. 1, p. 50-59, jan./mar. 2012. Publicador: Revista de Política Agrícola, Brasília, DF, ano 21 , n. 1, p. 50-59, jan./mar. 2012.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Português
Relevância na Pesquisa
56.81%
O presente artigo estima a elasticidade-renda e a elasticidade-desigualdade da pobreza no Nordeste e nas áreas rurais e urbanas, utilizando como indicador de pobreza os seguintes índices: P0 (proporção de pobres), P1 (hiato da pobreza) e P2 (hiato quadrático da pobreza), controladas pela renda média familiar per capita, e o índice de Gini, como indicador de desigualdade. Os dados foram obtidos da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) do período de 1995 a 2009 (IBGE, 2009). Estima-se o modelo econométrico para dados em painel com efeitos fixos e efeitos aleatórios. Os resultados mostram que a redução da desigualdade tem mais impacto sobre a queda dos níveis de pobreza do que sobre o crescimento da renda média, e que as políticas de combate à pobreza devem ser diversificadas, ou seja, devem variar segundo a área (rural ou urbana) a que forem destinadas.; 2012

Elasticidades de Engel no Brasil usando um sistema de equações com especificação LOGIT; Elasticidades de Engel no Brasil usando um sistema de equações com especificação LOGIT: Textos para Discussão Interna (TD) 116; Engel elasticities in Brazil using a system of equations with LOGIT specification

Rossi, José W.; Neves, Cesar das
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
46.61%
O texto utiliza a metodologia de Tyrrell e Mount para estimar a elasticidade-renda e elasticidade-consumo com relação ao tamanho da família para os 8 grandes itens da despesa familiar no Brasil, com base em dados da ENDEF (IBGE) relativos a 1974. Os dados utilizados provêm da pesquisa ENDEF realizada pelo IBGE entre 1973 e 1974. Apenas as elasticidades relativas ao Brasil como um todo foram estimadas neste estudo.; 15 p.

A elasticidade-renda do comércio regional de produtos manufaturados; Texto para Discussão (TD) 1536: A elasticidade-renda do comércio regional de produtos manufaturados; Texto para Discussão Cepal Ipea 18: A elasticidade-renda do comércio regional de produtos manufaturados; The income elasticity of regional trade in manufactured goods

Castilho, Marta dos Reis; Luporini, Viviane
Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL); Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL); Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
46.74%
O objetivo do trabalho é apresentar um estudo comparativo das elasticidades-renda das exportações setoriais brasileiras para seus principais mercados de destino. A análise das elasticidades-renda é precedida de apresentação detalhada do comércio exterior brasileiro em suas dimensões geográfica e setorial. A seção 1 analisa a evolução do comércio exterior entre 1990 e 2008, chamando atenção para os principais fatores que explicam a evolução das exportações e das importações. A seção 2 é dedicada à análise detalhada das exportações no mesmo período. A seção 3 articula as dimensões geográficas e setoriais e coloca em evidência a especialização das exportações brasileiras segundo os parceiros, conforme já comentado rapidamente. A seção 4 introduz a equação a ser estimada após chamar atenção para as principais questões teóricas e empíricas que envolvem a estimação de equações de exportações. São apresentados igualmente os dados utilizados e os setores selecionados para as estimações. A metodologia e a estratégia de estimação são apresentadas na seção 5. Os resultados encontram-se na seção 6 que precede as conclusões.; 71 p. : il.

Elasticidade-renda e elasticidade-preço da demanda de automóveis no Brasil; Texto para Discussão (TD) 558: Elasticidade-renda e elasticidade-preço da demanda de automóveis no Brasil; Income elasticity and price elasticity of car demand in Brazil

De Negri, João Alberto
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
46.9%
O desempenho da indústria automobilística brasileira nos anos 90 tem sido influenciado pela liberalização do mercado doméstico. A análise das variáveis preços, vendas e importações de veículos novos no Brasil comprovou que os efeitos da abertura sobre os preços domésticos são mais evidentes a partir de julho de 1993. Além da abertura do mercado, o setor foi influenciado por políticas de incentivos específicas como os acordos das Câmaras Setoriais (1992 e 1993) e o regime automotivo (1996 a 1999). As análises dos impactos dessas políticas e de políticas alternativas sobre o desempenho do setor dependem do tamanho das elasticidades da demanda estimadas. Este trabalho avaliou a elasticidade-renda e a elasticidade-preço da demanda de automóveis no Brasil para os anos 90. Os resultados indicaram a elasticidade-renda entre 1,1 e 1,5; a elasticidade-preço, entre -0,6 e -0,7; a elasticidade cruzada da demanda de automóveis nacionais, em relação ao preço dos carros importados, foi 0,2.; 22 p. : il.

Gastos alimentares nas grandes regiões urbanas do Brasil: aplicação do modelo AID aos microdados da POF 1995/1996 IBGE; Texto para Discussão (TD) 896: Gastos alimentares nas grandes regiões urbanas do Brasil: aplicação do modelo AID aos microdados da POF 1995/1996 IBGE; Food spending in the bigger Brazilian urban regions: applying the IDA model to POF 1995/1996 IBGE

Menezes, Tatiane; Silveira, Fernando Gaiger; Magalhães, Luís Carlos G. de; Tomich, Frederico Andrade; Vianna, Salvador Werneck
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
46.6%
Os gastos das famílias brasileiras com alimentos têm sido afetados pelas alterações na renda, e em sua distribuição, pelos preços relativos dos bens e por outras transformações estruturais ocorridas na sociedade brasileira – entre as quais podem ser citadas as associadas à urbanização e ao estilo de vida, às mudanças demográficas e às mudanças da composição das famílias – e ainda dependem do grau de instrução escolar e do sexo do chefe da unidade famíliar. O objetivo principal desse trabalho é estimar a elasticidade-renda para 39 produtos alimentares a partir do modelo AID (Almost Ideal Demand System) com expansão quadrática para gastos familiares per capita. A base de dados utilizada foi a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 1995/1996 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que abarca informações extremamente detalhadas sobre o consumo alimentar das famílias das onze maiores regiões urbanas brasileiras. As variáveis utilizadas na estimativa do modelo foram obtidas diretamente dos microdados dessa pesquisa. Isso permitiu que fossem calculados os logaritmos dos preços alimentares e do recebimento mensal familiar per capita, diretamente das observações individualizadas e não sobre os dados agregados das classes de rendas originais da POF. Os resultados encontrados permitem aprofundar o conhecimento sobre as diferenças do padrão de consumo entre as diversas classes de renda...

Elasticidade renda e preço da demanda residencial de energia elétrica no Brasil; Texto para Discussão (TD) 489: Elasticidade renda e preço da demanda residencial de energia elétrica no Brasil; Income elasticity and price of residential electricity demand in Brazil

Andrade, Thompson A.; Lobão, Waldir J. A.
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
56.68%
Este trabalho analisa a evolução do consumo residencial de energia elétrica no Brasil no período 1963/95, estima as elasticidades renda e preço desta demanda e usa o modelo econométrico estimado para fazer projeções das quantidades demandadas desta energia no período 1997/2005. Para atualizar as estimativas feitas para estas elasticidades, o modelo utilizado considera a influência sobre a demanda que a queda no preço real dos eletrodomésticos está tendo no aumento da posse destes equipamentos nas residências. O exercício de projeção objetiva não apenas quantificar os volumes demandados de eletricidade no futuro, mas também avaliar o efeito que políticas de recuperação do valor tarifário — seja para aumentar o potencial de rentabilidade das empresas do setor a serem privatizadas, seja para diminuir o crescimento da demanda desta energia — teriam sobre as quantidades demandadas.; 20 p. : il.

Elasticidade-renda dos produtos alimentares nas regiões metropolitanas brasileiras: uma aplicação da POF 1995/1996

Silveira, Fernando Gaiger; Menezes, Tatiane A. de; Magalhães, Luís Carlos G. de; Diniz, Bernardo P. Campolina
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2007 Português
Relevância na Pesquisa
66.72%
The aim of this paper is to estimate the income elasticity for thirty-six food commodities. The database used was the Household Budgeting Survey (POF, 1995/96) from IBGE (Brazilian Institute of Geography and Statistics), which has extremely detailed information about consumption in eleven bigger Brazilian urban regions. The variables used in estimation process come from the survey micro-data. This procedure allowed that the logarithms of the prices of food and the monthly per capita familiar income were directly calculated from the individualized observations, instead of aggregate data. The methodology estimation was the QUAIDS model. The results allow deepening the knowledge on the differences of the consumption standards among the diverse income strata, as well as between distinct regions as Southeastern and South and the Brazilian Northeast. It was demonstrated that there is an insufficiency in the domiciliary food consumption in Brazil and that such fact is concentrated in the low-income families, in which the expenditure with foods represents the biggest share of the budget.; O objetivo deste trabalho é estimar a elasticidade-renda para trinta e seis produtos alimentares. A base de dados utilizada é a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 1995/96 do IBGE...

Elasticidade-renda do consumo de frango nas regiões metropolitanas do Brasil; Income-elasticity of poultry meat consumption in metropolitan areas of Brazil

Bacchi, Miriam Rumenos Piedade; Spolador, Humberto Francisco Silva
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Publicador: Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/09/2002 Português
Relevância na Pesquisa
46.81%
Estudos sobre o comportamento de mercado de carnes podem gerar parâmetros de interesse para agentes do setor e formuladores de políticas. A definição da elasticidade renda do consumo de frango permite a elaboração de análises prospectivas sobre a demanda potencial desse produto. Dessa forma, o presente estudo teve por objetivo principal estimar as elasticidades-renda do consumo físico de carne de frango. Resultados da Pesquisa de Orçamento Familiares (POF) de 1987-88 e de 1995-96, publicados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) foram utilizados na análise. As elasticidades foram obtidas por meio do ajustamento de uma poligonal com três segmentos relacionando o logaritmo do consumo físico per capta de carne de frango com o recebimento familiar per capta. Para o ajustamento do modelo foi utilizado o método de Mínimos Quadrados Generalizados. As elasticidades foram obtidas considerando o consumo total, o de carcaça e o de alguns corte individuais de frango. O resultado referente à elasticidade-renda média para consumo total permite classificar o frango como um bem normal. As elasticidades-renda médias obtidas apontam que o peito de frango e a coxa são bens superiores. No que se refere à carcaça (frango abatido na designação do IBGE)...

Elasticidade Renda e Elasticidade Preço das Exportações e das Importações de Produtos Industrializados no Brasil (2003-2010): Uma Avaliação Utilizando Dados em Painel

Kawamoto, Carlos Tadao; Banco Central do Brasil; Santana, Breno Lobo; Banco Central do Brasil e UnB; Fonseca, Hélio
Fonte: Editora UFPR Publicador: Editora UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 15/04/2014 Português
Relevância na Pesquisa
46.61%

Influência da renda sobre as despesas com alimentação fora do domicílio, no Brasil, 2002-2003

Claro,Rafael Moreira; Levy,Renata Bertazzi; Bandoni,Daniel Henrique
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2009 Português
Relevância na Pesquisa
46.47%
Objetivou-se descrever e avaliar a influência da renda sobre a participação da alimentação fora do domicílio no Brasil. Utilizaram-se dados coletados pela Pesquisa de Orçamentos Familiares realizada em 2002/2003 (POF 2002/2003), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Analisaram-se os registros dos gastos com aquisições de alimentos e bebidas consumidos fora do domicílio. A associação entre a participação da alimentação fora do domicílio e a renda, ajustada para atributos sócio-demográficos, foi estudada por meio de modelos de regressão utilizados para estimação de coeficientes de elasticidade-renda. A alimentação fora do domicílio representou 21% do total dos gastos com alimentação; destaque-se que o incremento de 10% na renda aumentaria em 3% a participação da alimentação fora do domicílio. O efeito da renda sobre a participação da alimentação fora, ainda que sempre positivo, diminui conforme elevação da renda, sendo alto nos domicílios com renda inferior a R$68,70 per capita/mês. Há influência da renda nos gastos com alimentação fora do domicílio, assim a evolução favorável da renda resultará em aumento dessa forma de se alimentar.

Consumo de alimentos orgânicos e de produtos light ou diet no Brasil: fatores condicionantes e elasticidades-renda.

Oliveira, Fabíola Cristina Ribeiro de; Hoffmann, Rodolfo
Fonte: Segurança Alimentar e Nutricional Publicador: Segurança Alimentar e Nutricional
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Exploratória. Formato: application/pdf
Publicado em 04/11/2015 Português
Relevância na Pesquisa
46.42%
O expressivo crescimento da variedade de alimentos disponíveis para grande parte dos brasileiros durante o último século não levou, necessariamente, a uma alimentação saudável. Cresce a preocupação com o sobrepeso e a obesidade e com a qualidade dos alimentos, expandindo-se a demanda por alimentos com atributos especiais, como os orgânicos, os light e os diet. O principal objetivo deste artigo é estimar as elasticidades-renda das despesas e do consumo de diversos tipos de alimentos orgânicos e light/diet, comparando-as com as elasticidades-renda dos mesmos tipos de alimentos sem esses atributos especiais. São utilizados os microdados da Pesquisa de Orçamentos Familiares de 2008-2009. As elasticidades são estimadas por meio de um modelo que corresponde a uma poligonal com três segmentos mostrando como o logaritmo da despesa (ou consumo) varia em função do logaritmo da renda familiar per capita. Modelos de lógite estimados mostram que a probabilidade de uma família consumir esses alimentos especiais cresce com a renda e com a escolaridade. A residência urbana contribui para o consumo de alimentos light/diet, mas não para o consumo de produtos orgânicos. A elasticidade-renda dos alimentos orgânicos e dos alimentos light/diet é substancialmente maior que a dos alimentos correspondentes sem esses atributos especiais.