Página 1 dos resultados de 93 itens digitais encontrados em 0.036 segundos

Utilização da membrana amniótica na trabeculectomia para o tratamento do glaucoma primário de ângulo aberto; The use of amniotic membrane in trabeculectomy for the treatment of primary open angle glaucoma

Eliezer, Ricardo Nunes
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 07/02/2007 Português
Relevância na Pesquisa
116.4%
INTRODUÇÃO: A trabeculectomia é a técnica de eleição para o tratamento cirúrgico do glaucoma. Entretanto, estudos recentes têm demonstrado perda da eficácia e menor redução da pressão intra-ocular dos pacientes submetidos à cirurgia ao longo dos anos. Esta diminuição decorre do contínuo processo de cicatrização e proliferação de fibroblastos na superfície epiescleral na região da bolha filtrante. Com o objetivo de diminuir esta proliferação fibroblástica e a conseqüente perda de função da trabeculectomia, introduziu-se o uso de antimetabólicos como o 5-fluorouracil e a mitomicina C. O uso dos antimetabólicos, no entanto, com freqüência é acompanhado dos indesejáveis efeitos da filtração excessiva e hipotonia. O uso da membrana amniótica em oftalmologia remonta aos anos de 1940, quando vários autores relataram seus efeitos benéficos no tratamento de doenças da superfície ocular. Além de promover a epitelização de superfícies, a membrana amniótica também é inibidora da fibrose. O efeito inibidor da fibrose pela membrana amniótica é altamente desejável na modulação da cicatrização após a trabeculectomia. O objetivo deste estudo é comparar a eficácia e a segurança do uso da membrana amniótica na trabeculectomia no tratamento cirúrgico do glaucoma primário de ângulo aberto. MATERIAL E MÉTODOS: Foi realizado um estudo prospectivo aberto...

Picos de pressão intra-ocular: comparação entre curva tensional diária, minicurva e medida da pressão intra-ocular às 6 horas

Rodrigues, Luciana Duarte; Silva, Maria Rosa Bet de Moraes; Schellini, Silvana Artioli; Jorge, Edson Nacib
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 127-131
Português
Relevância na Pesquisa
106.51%
INTRODUÇÃO: A pressão intra-ocular (Po) é o fator de risco isolado mais importante para o desenvolvimento do glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA). O controle da Po é o objetivo principal da terapia antiglaucomatosa até o momento. A curva tensional diária (CTD) é de grande importância para o diagnóstico e seguimento do glaucoma primário de ângulo aberto. Métodos simplificados como a minicurva têm sido utilizados em seu lugar por serem mais práticos. OBJETIVO: Comparar curva tensional diária, minicurva e medida isolada às 6 horas quanto à detecção de picos pressóricos e verificar a influência da variação postural na medida das 6 horas da manhã. MÉTODOS: Sessenta e quatro pacientes (126 olhos) com glaucoma primário de ângulo aberto ou suspeita de glaucoma foram submetidos à curva tensional diária. A minicurva considerou as medidas das 9, 12, 15 e 18 horas da mesma curva tensional diária. A medida das 6 horas foi realizada no escuro, com o paciente deitado, utilizando o tonômetro de Perkins. Logo após, foi feita nova medida, com o paciente sentado, usando o tonômetro de Goldmann. A Po média e a ocorrência de picos (Po > 21 mmHg) da curva tensional diária e minicurva foram comparados, assim como o horário de ocorrência dos picos. RESULTADOS: A Po média foi maior no glaucoma primário de ângulo aberto do que nos suspeitos tanto na minicurva como na curva tensional diária Quando comparadas...

Identificação de genes associados ao glaucoma primário de ângulo aberto; Identification of genes associated with primary open angle glaucoma

Bibiana Amelia Cosim dos Santos
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 23/11/2012 Português
Relevância na Pesquisa
116.43%
O glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA) é uma doença neurodegenerativa. Suas características clínicas incluem lesão progressiva do disco óptico com perda de campo visual correspondente. Vários fatores de risco estão associados para sua instalação e desenvolvimento¸ o principal é o aumento da pressão intra-ocular (PIO). Apesar de ser uma doença de herança complexa, foi possível, através da biologia molecular, identificar quatro genes associados a esta forma de glaucoma por meio de estudos de ligação em famílias com esta afecção. O primeiro foi o gene MYOC, descrito em 1997, seguido pelos genes OPTN, WDR36 e NTF4, identificados em 2002, 2005 e 2009, respectivamente. Existem outros 14 loci já descritos em famílias com GPAA com padrão de herança autossômico dominante, cujos genes associados ao glaucoma não foram ainda identificados. Desta forma, através de marcadores do tipo microssatélites - escolhidos a partir do mapa genético humano Généthon serão avaliados os loci candidatos (GLC1A e GLC1J - GLC1N) associados ao glaucoma primário de ângulo aberto em duas famílias informativas portadoras de GPAA. Simultaneamente, será realizada a análise de ligação nestas mesmas famílias por meio de lâminas ou microarrrays de single nucleotide polymorphisms (SNPs) utilizando-se o GeneChip® Mapping 10K 2.0. Na primeira abordagem por meio de microssatélites foram avaliados 33 indivíduos da família 1 e 18 indivíduos da família 2 enquanto que na análise por meio das lâminas de SNPs foram investigados 19 membros da família 1 e 11 membros da família 2. Não houve ligação dos loci investigados: GLC1A...

Impacto do Diâmetro do Nervo Óptico na Amplitude de Pulso Ocular no Glaucoma Primário de Ângulo Aberto

Abegão Pinto, L; Ferreira, J; Patrício, M; Rios, C; Cunha, JP; Marques-Neves, C
Fonte: Sociedade Portuguesa de Oftalmologia Publicador: Sociedade Portuguesa de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2011 Português
Relevância na Pesquisa
116.26%
Introdução: A pressão intra-craniana (PIC) tem sido descrita como estando envolvida no glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA). A sua avaliação está contudo limitada pela necessidade de métodos invasivos, como a punção lombar. A ecografia ocular permite uma avaliação indirecta da PIC através da medição do diâmetro da bainha do nervo óptico (NO). Desconhece-se se esta nova variável tem capacidade de modular factores de risco normalmente investigados em doentes com GPAA. Objectivo: Avaliar o impacto do diâmetro da bainha do NO na pressão intra-ocular (PIO) e na amplitude de pulso ocular (OPA) de doentes com GPAA. Métodos: Quinze doentes com GPAA foram submetidos a medição da PIO por tonometria de contorno dinâmico, avaliação topográfica do disco óptico e ecografia ocular modo B com sonda doppler. Apenas o olho com maior dano glaucomatoso foi seleccionado por doente. Resultados: A média do diâmetro da bainha do NO foi de 5,6±0,67mm, a PIO média de 17,8±2,2mmHg e a OPA de 3,1±1,7mmHg. O diâmetro da bainha do NO correlacionou-se negativamente a OPA (r=-0.54, p=0.05), não tendo influenciado a PIO (r=-0,25, p=0,41). Da avaliação hemodinâmica, apenas o índice de resistência da artéria central da retina (CRA) foi influenciado pelo diâmetro da bainha do NO (r=-0.52...

Impacto do Diâmetro do Nervo Óptico na Amplitude de Pulso Ocular no Glaucoma Primário de Ângulo Aberto

Abegão Pinto, L; Ferreira, J; Patrício, M; Rios, C; Cunha, JP; Marques-Neves, C
Fonte: Sociedade Portuguesa de Oftalmologia Publicador: Sociedade Portuguesa de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2011 Português
Relevância na Pesquisa
116.26%
Introdução: A pressão intra-craniana (PIC) tem sido descrita como estando envolvida no glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA). A sua avaliação está contudo limitada pela necessidade de métodos invasivos, como a punção lombar. A ecografia ocular permite uma avaliação indirecta da PIC através da medição do diâmetro da bainha do nervo óptico (NO). Desconhece-se se esta nova variável tem capacidade de modular factores de risco normalmente investigados em doentes com GPAA. Objectivo: Avaliar o impacto do diâmetro da bainha do NO na pressão intra-ocular (PIO) e na amplitude de pulso ocular (OPA) de doentes com GPAA. Métodos: Quinze doentes com GPAA foram submetidos a medição da PIO por tonometria de contorno dinâmico, avaliação topográfica do disco óptico e ecografia ocular modo B com sonda doppler. Apenas o olho com maior dano glaucomatoso foi seleccionado por doente. Resultados: A média do diâmetro da bainha do NO foi de 5,6±0,67mm, a PIO média de 17,8±2,2mmHg e a OPA de 3,1±1,7mmHg. O diâmetro da bainha do NO correlacionou-se negativamente a OPA (r=-0.54, p=0.05), não tendo influenciado a PIO (r=-0,25, p=0,41). Da avaliação hemodinâmica, apenas o índice de resistência da artéria central da retina (CRA) foi influenciado pelo diâmetro da bainha do NO (r=-0.52...

Prevalência de glaucoma identificada em campanha de detecção em São Paulo

Póvoa,Cristine Araújo; Nicolela,Marcelo Teixeira; Valle,Ana Letícia Siqueira Leão; Gomes,Luís Eduardo de Siqueira; Neustein,Isaac
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2001 Português
Relevância na Pesquisa
106.55%
Objetivo: Descrever os achados de um programa de detecção de glaucoma em São Paulo dando-se ênfase para dados de prevalência de glaucoma e doenças associadas. Métodos: Durante uma semana, em agosto de 1997, foi realizada no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo, uma campanha de detecção de glaucoma. Durante este período, 1438 pacientes com idade variando entre 40 e 87 anos (média de 58,24 ± 10,88 anos), foram examinados quanto ao glaucoma. Idade mínima de 40 anos foi utilizada como critério de inclusão. O exame de triagem consistiu em um questionário padronizado, medida da pressão intra-ocular (PIO) e avaliação do nervo óptico por oftalmoscopia direta. Pacientes com pressão intra-ocular elevada e/ou disco óptico suspeito foram encaminhados para exame oftalmológico detalhado, campo visual e estereofoto de papila. As fichas clínicas dos pacientes foram revistas por dois experientes observadores. Resultados: Cento e cinco pacientes (7,3%) foram diagnosticados como portadores de glaucoma sendo 86,7% desses (6,3% do total examinado) portadores de glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA). Cinqüenta e seis (61,5%) dos pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto apresentaram pressão intra-ocular de triagem abaixo de 22 mmHg...

Resultados pressóricos da esclerectomia profunda não penetrante no tratamento do glaucoma primário de ângulo aberto

Guedes,Ricardo Augusto Paletta; Guedes,Vanessa Maria Paletta
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2004 Português
Relevância na Pesquisa
116.26%
OBJETIVO: O presente estudo tem como objetivo avaliar a eficácia, por meio da análise de seus resultados pressóricos, da esclerectomia profunda não penetrante para tratamento cirúrgico do glaucoma primário de ângulo aberto. MÉTODOS: Estudo retrospectivo de 104 olhos operados pela técnica de esclerectomia profunda não penetrante de 1999 a 2002. Nos casos em que havia risco para falência da bolsa filtrante (idade inferior a 45 anos, negros, cirurgia ocular prévia) a mitomicina C foi utilizada. A análise dos resultados foi feita avaliando-se a pressão intra-ocular final. A taxa de sucesso foi calculada para toda a população e separando os grupos com e sem utilização de mitomicina C. RESULTADO: Para uma pressão intra-ocular pré-operatória média de 22,57±4,92 mmHg, os autores encontraram uma pressão intra-ocular pós-operatória média de 14,22±2,89 mmHg com tempo médio de acompanhamento de 19,4 meses. A mitomicina C foi utilizada em 80 olhos. O sucesso absoluto (pressão <18 mmHg sem medicação) para a população estudada foi de 82,7%. A taxa de sobrevida ao final de 3 anos foi de 79,3% para o grupo com mitomicina C e de 67,9% para o grupo sem mitomicina C. CONCLUSÃO: Embora haja ainda falta de estudos prospectivos randomizados para se avaliar o real valor desta modalidade cirúrgica...

Relação entre a espessura corneana e a gravidade de defeito de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto

Meirelles,Sergio Henrique Sampaio; Álvares,Riani Morelo; Botelho,Priscilla Barbuto; Morais,Fábio Barreto; Moreira,Pedro Bertino; Villela,Ana Carolina de Magalhães
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2006 Português
Relevância na Pesquisa
126.32%
OBJETIVO: Avaliar se a espessura central da córnea pode influenciar na gravidade de defeitos de campo visual no glaucoma em pacientes com pressão intra-ocular controlada ambulatorialmente. MÉTODOS: Estudo transversal de 85 olhos de 85 pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto em tratamento e com níveis pressóricos inferiores a 19 mmHg. Os pacientes foram divididos em três grupos de acordo com os critérios de gravidade de defeito de campo visual de Anderson. Os grupos eram compostos de 30 olhos com defeito leve de campo visual, 28 olhos com defeito moderado e 27 olhos com defeito grave. Foram avaliadas e comparadas a pressão intra-ocular e a espessura central da córnea entre os três grupos. RESULTADOS: A espessura central da córnea foi significativamente menor no grupo grave (média de 513 ± 26 µm) comparado aos grupos leve (média de 535 ± 35 µm) e moderado (média de 533 ± 30 µm) (p = 0,0182). Não houve diferença estatisticamente significativa entre as pressões intra-oculares dos três grupos (p = 0,0851). O grupo grave apresentou média de idade e número de medicações estatisticamente maior quando comparado aos outros grupos. CONCLUSÃO: Os nossos resultados sugerem relação entre a espessura corneana e a gravidade do glaucoma e que a medida da espessura central da córnea deve ser levada em consideração na estimativa da pressão-alvo no tratamento do glaucoma. Os pacientes com defeito grave de campo visual apresentaram córneas mais finas que os pacientes com defeito leve ou moderado.

Efeitos da leitura, exercício e exercício sob leitura na pressão intra-ocular de portadores de glaucoma primário de ângulo aberto ou hipertensão ocular controlados clinicamente com medicação tópica

Medina,Alice Maria Corrêa; Lima,Núbia Vanessa dos Anjos; Santos,Regina Cândida Ribeiro dos; Pereira,Marco César Araújo; Santos,Procópio Miguel dos
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2007 Português
Relevância na Pesquisa
116.41%
OBJETIVO: Verificar a pressão intra-ocular (Po) em indivíduos usuários de análogos de prostaglandina, prostamida ou beta-bloqueador em portadores de glaucoma primário de ângulo aberto ou hipertensão ocular após leitura, exercício e exercício sob leitura. MÉTODOS: Quarenta indivíduos (79 olhos), subdivididos em 5 grupos: G1 (portadores de hipertensão arterial e glaucoma ou hipertensão ocular usando análogos de prostaglandinas ou prostamidas); G2 (portadores de hipertensão arterial e glaucoma ou hipertensão ocular usando beta-bloqueador); G3 (indivíduos sem hipertensão arterial e portadores de glaucoma ou hipertensão ocular em uso de análogos de prostaglandinas ou prostamidas); G4 (indivíduos sem hipertensão arterial e portadores de glaucoma ou hipertensão ocular em uso de beta-bloqueador) e G5 (indivíduos sem hipertensão arterial e sem glaucoma ou hipertensão ocular), tiveram a pressão intra-ocular verificada antes e após realizarem leitura, exercício e exercício sob leitura. Cada teste foi realizado em dia distinto e sempre no período vespertino. RESULTADOS: Não houve diferença estatisticamente significante na média da pressão intra-ocular inicial e final nos diferentes grupos do estudo quando submetidos à leitura...

Concentração de proteínas no humor aquoso de pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto em tratamento clínico

Prata,Tiago dos Santos; Navajas,Eduardo Vitor; Melo Jr.,Luiz Alberto Soares; Martins,João Roberto Maciel; Nader,Helena Bonciani; Belfort Jr.,Rubens
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2007 Português
Relevância na Pesquisa
116.48%
OBJETIVOS: Comparar a concentração total de proteínas no humor aquoso entre pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto e sem glaucoma. MÉTODOS: Foram coletadas amostras de humor aquoso de 22 pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto (grupo GPAA) no momento da trabeculectomia. Na coleta, 0,1 mL de humor aquoso foi aspirado da câmara anterior através de uma agulha de calibre 26, no início do procedimento cirúrgico. Coleta semelhante foi realizada em 22 pacientes sem glaucoma no início da cirurgia de catarata (grupo controle). A amostra de humor aquoso foi armazenada a -20°C após a coleta. A concentração total de proteínas no humor aquoso foi determinada por meio de um teste colorimétrico. RESULTADOS: A média geométrica da concentração total de proteínas no humor aquoso foi de 32 mg/dL (amplitude: 8-137 mg/dL) no grupo glaucoma primário de ângulo aberto e de 16 mg/dL (amplitude: 2-85 mg/dL) no grupo controle. A razão da concentração total de proteínas no humor aquoso entre estes dois grupos foi de 2,0 (intervalo de confiança de 95%: 1,3 a 3,2; p=0,003). CONCLUSÕES: A concentração total de proteínas no humor aquoso de pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto foi aproximadamente duas vezes maior quando comparada aos pacientes sem glaucoma.

Estudo comparativo entre a curva diária de pressão intra-ocular e a associação da curva ambulatorial com o teste de sobrecarga hídrica no glaucoma primário de ângulo aberto, glaucoma de pressão normal e olhos normais

Meirelles,Sergio Henrique Sampaio; Yamane,Riuitiro; Álvares,Riani Morelo; Botelho,Priscilla Barbuto; Morais,Fábio Barreto; Moreira,Pedro Bertino; Dantas,Adalmir Morterá; Moraes Júnior,Haroldo Vieira de
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2007 Português
Relevância na Pesquisa
126.31%
OBJETIVO: Avaliar e correlacionar os picos e a flutuação da pressão intra-ocular verificados na associação da curva ambulatorial com o teste de sobrecarga hídrica com os picos e a flutuação verificados na curva diária de pressão intra-ocular. MÉTODOS: A amostra foi constituída de 77 olhos de 77 pacientes divididos em três grupos compostos por 31 olhos de 31 pacientes portadores de glaucoma primário de ângulo aberto, 26 olhos de 26 pacientes com glaucoma de pressão normal e 20 olhos normais de 20 indivíduos. RESULTADOS: Houve correlação significativa entre os picos de pressão obtidos na curva diária de pressão intra-ocular e os picos de pressão verificados na curva ambulatorial, no teste de sobrecarga hídrica e na associação da curva ambulatorial com o teste de sobrecarga hídrica. O procedimento em que os picos de pressão apresentaram maior correlação com os picos da curva diária de pressão intra-ocular foi a curva ambulatorial (r²= 0,81), embora não tenha havido diferença estatisticamente significativa com os coeficientes de correlação verificados nos outros métodos. A correlação entre a flutuação da pressão intra-ocular obtida na associação da curva ambulatorial com o teste de sobrecarga hídrica e a flutuação da pressão verificada na curva diária de pressão intra-ocular apresentou uma fraca associação (r²= 0...

Correlação entre a espessura corneana central e o comprimento axial ocular nos portadores de glaucoma e em olhos normais

Mello,Paula Resende Aquino de Assis Pereira; Meirelles,Sérgio Henrique Sampaio; Moraes Júnior,Haroldo Vieira de
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2009 Português
Relevância na Pesquisa
106.52%
OBJETIVO: Correlacionar a espessura corneana central com o comprimento axial ocular nos portadores de glaucoma primário de ângulo aberto, com glaucoma primário de fechamento angular e indivíduos com olhos normais. MÉTODOS: A amostra foi constituída de 94 olhos de 94 pacientes, divididos em três grupos compostos por 33 olhos de 33 pacientes portadores de glaucoma primário de ângulo aberto, 30 olhos de 30 pacientes com glaucoma primário de fechamento angular e 31 olhos normais de 31 indivíduos. A espessura corneana e o comprimento axial do olho foram obtidos pela paquimetria ultrassônica e ecobiometria, respectivamente. RESULTADOS: A média da espessura corneana central foi de 535,1 mm no glaucoma primário de fechamento angular; 520,6 mm no glaucoma primário de ângulo aberto e 519,2 mm nos olhos normais (p=0,18). A média do comprimento axial do globo ocular nos portadores de glaucoma primário de fechamento angular foi de 22,16 mm e nos grupos com glaucoma primário de ângulo aberto e olhos normais foram de 22,68 mm e 22,64 mm, respectivamente (p=0,13). Não houve correlação significativa entre a espessura corneana central e comprimento axial do globo ocular nos grupos com glaucoma primário de fechamento angular (r=-0...

Análise discriminante dos pacientes portadores de glaucoma primário de ângulo aberto através do exame de Doppler colorido e do campo visual

Ramos,Maria Helena Mandello Carvalhães; Bergés,Olivier; Prata Jr,João Antonio; Allemann,Norma
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2011 Português
Relevância na Pesquisa
116.32%
OBJETIVO: Determinar se as variáveis obtidas com exame Doppler colorido associadas às de campo visual são capazes de discriminar olhos normais de olhos glaucomatosos. MÉTODOS: Foram avaliados prospectivamente 36 pacientes portadores de glaucoma primário de ângulo aberto em uso de medicação antiglaucomatosa (grupo glaucoma) e 20 voluntários normais (grupo controle). Analisou-se a distribuição dos grupos quanto ao sexo, idade, espessura corneana central, pressão intraocular, índices globais da perimetria computadorizada Octopus ("mean defect" e "loss variance") e os parâmetros do Doppler colorido (velocidade sistólica máxima e índice de resistência). RESULTADOS: Não houve diferença estatística significativa entre os grupos em relação à idade, espessura corneana e pressão intraocular. A análise discriminante mostrou que as variáveis: índice de resistência (IR) da artéria ciliar curta posterior (ACCP), "mean defect" (MD) e "loss variance" (LV) apresentaram influência estatisticamente significativa para o diagnóstico positivo de glaucoma. A função discriminante obtida foi: -3,637 + 0,109 MD + 0,028 LV + 4,325 IR ACCP. A probabilidade do diagnóstico positivo do glaucoma a partir do "score" -1,61 foi de 90%. CONCLUSÃO: Foi possível identificar através da análise discriminante...

Influência da postura na pressão intra-ocular e nos defeitos de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto e glaucoma de pressão normal

Meirelles,Sérgio Henrique Sampaio; Mathias,Cristina Rodrigues; Brandão,Gilberto; Frota,Ana Carolina de Arantes; Yamane,Riuitiro
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2008 Português
Relevância na Pesquisa
126.31%
OBJETIVO:Avaliar a variação da pressão intra-ocular (PIO) na mudança de posição em pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA), glaucoma de pressão normal (GPN) e olhos normais (ON), e correlacionar esta variação à gravidade do defeito de campo visual. MÉTODOS: Foram avaliados 32 olhos de 32 pacientes com GPAA, 30 olhos de 30 pacientes com GPN e 20 olhos de 20 ON. A PIO foi aferida às 6h da manhã na posição supina e 5min após com o paciente sentado. Foi avaliada a correlação entre variação da pressão decorrente da mudança de posição e os defeitos de campo visual. Foram utilizados os testes estatísticos não paramétricos de Kruskal-Wallis, Wilcoxon, Mann-Whitney e o teste de correlação linear de Spearman. Foi considerado significativo valor de p menor que 0,05. RESULTADOS: Foi encontrada diferença significativa entre as pressões intra-oculares na posição supina e assentada nos três grupos (p<0,001). Não houve diferença significativa na variação da PIO com a mudança de posição entre os três grupos (p=0,17). Não houve correlação significativa entre a variação da PIO nas duas posições e o índice MD do campo visual nos grupos GPAA (p=0,81) e GPN (p=0,89). CONCLUSÃO:Os resultados sugerem que existe aumento significativo da PIO com a mudança da posição assentada para supina em pacientes com GPAA...

Estudo comparativo entre o tonômetro de aplanação de Goldmann e o tonômetro de contorno dinâmico de Pascal no glaucoma primário de ângulo aberto e olhos normais

Meirelles,Sergio Henrique Sampaio; Mathias,Cristina Rodrigues; Azevedo,Gilberto Brandão de; Álvares,Riani Morelo; Mattosinho,Clarissa Campolina de Sá; Jardim,Jetro Saul; Bastos,Cláudia Castor Xavier; Meneses,Luciana
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2008 Português
Relevância na Pesquisa
126.26%
OBJETIVO: Comparar as medidas da pressão intra-ocular (PIO) obtidas com o tonômetro de aplanação de Goldmann (TAG) e o tonômetro de contorno dinâmico (TCD) e correlacioná-las com a espessura central da córnea (ECC). MÉTODOS: Estudo transversal, com os pacientes divididos em dois grupos: glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA) e olhos normais (ON). As medidas da PIO foram obtidas em todos os pacientes com o TAG e o TCD. Um examinador realizou as tonometrias com o TAG e outro examinador com o TCD. A ECC foi obtida pelo paquímetro ultrassônico. Os resultados foram avaliados através do teste Z para amostras independentes, teste t de Student para amostras relacionadas, teste de correlação linear de Pearson e gráfico de Bland-Altman. RESULTADOS: Foram incluídos 134 olhos de 71 pacientes. O grupo GPAA foi constituído por 85 olhos de 45 pacientes e o grupo ON por 49 olhos de 26 indivíduos com olhos normais. Não houve diferença significativa da ECC entre os dois grupos em ambos os olhos (p= 0,54 OD; p= 0,71 OE). As tonometrias realizadas com o TCD foram maiores nos dois grupos (GPAA: p< 0,01; ON: p= 0,01). Houve correlação significativa entre as tonometrias do TAG e do TCD nos dois grupos separados ou em conjunto (p< 0...

Estudo do comportamento da PIO de 24 horas e frequência de glaucoma em pacientes com síndrome da apnéia obstrutiva do sono

Silva,Maria Rosa Bet de Moraes; Weber,Silke Anna Theresa
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 Português
Relevância na Pesquisa
116.36%
OBJETIVO: Determinar a frequência de glaucoma e avaliar o comportamento da pressão intraocular (PIO) de 24 horas em pacientes portadores da síndrome da apnéia obstrutiva do sono (SAOS). MÉTODOS: Foi realizado estudo transversal em 11 pacientes consecutivos portadores de SAOS diagnosticados por polissonografia. Foram analisados dados demográficos: idade, sexo, raça/cor, peso, altura e doenças associadas. Os pacientes foram submetidos à avaliação oftalmológica completa que incluiu campo visual e também avaliação da pressão intraocular (PIO) de 24 horas com tonômetro de aplanação às 9h, 12h, 15h, 18h, 24h e 6h deitado e sentado. O critério para diagnóstico de glaucoma foi alteração de campo visual (CV) compatível com glaucoma e uma ou mais das seguintes alterações: relação escavação disco ³ 0,7, hemorragia, defeito em cunha, vaso em baioneta, sinal de Hoyt, assimetria > que 0,2 entre as escavações dos dois olhos. O ângulo devia ser aberto sem alterações. RESULTADOS: 9 (82%) de 11 pacientes apresentaram glaucoma ou suspeita de glaucoma, sendo 9% glaucoma de pressão normal e 73% suspeita de glaucoma por apresentarem alterações do nervo óptico ou hipertensão ocular. A média dos valores de PIO dos 11 pacientes apresentou-se mais elevada às 6 horas quando os pacientes estavam deitados. Ocorreram flutuações de PIO ³ 5 mmHg em 7 (64%) dos pacientes sendo que ocorreram flutuações de até 14 mmHg e picos de PIO de até 32 mmHg. CONCLUSÃO: A SAOS pode ser um fator de risco importante para o esenvolvimento de glaucoma principalmente de pressão normal. Pacientes com SAOS devem ser referidos para o oftalmologista e os oftalmologistas devem estar atentos para a associação de distúrbios do sono em pacientes com glaucoma de ângulo aberto.

Complicações pós-operatórias precoces de trabeculectomia com mitomicina, em pacientes portadores de glaucoma primário de ângulo aberto

Gutemberg,Gustavvo Carneiro Vilasboas; Silva Filho,Fernando José da; Rehder,José Ricardo Carvalho Lima
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2010 Português
Relevância na Pesquisa
116.26%
OBJETIVO: Avaliar as complicações precoces encontradas em cirurgias de trabeculectomia com uso de mitomicina, realizadas em serviço-escola de residência médica, visando melhor aperfeiçoamento na técnica e acompanhamento pós-operatório dos pacientes. MÉTODOS: Estudo retrospectivo por meio de análise de prontuários. Os pacientes foram avaliados quanto ao sexo, idade e raça. Foram incluídos todos os pacientes portadores de glaucoma primário de ângulo aberto e submetidos à trabeculectomia com mitomicina. Um total de 43 pacientes foram analisados, 25 eram do sexo masculino, 18 do sexo feminino; a idade variou de 51 a 82 anos (média 68 anos) e 19 eram negros. Os pacientes eram avaliados no 1º e 7º dia de pós-operatórios, ou se necessário antes da 1ª semana. As complicações foram registradas e constituíam de: vazamento da bolha; câmara anterior rasa; atalamia; h; Descolamento de coróide. RESULTADOS: A média de idade foi de 68 anos, 58,1% dos pacientes (25 no total) eram do sexo masculino, 44,1% eram negros. O vazamento da bolha foi a intercorrência mais frequente, representando 25,56% das cirurgias e 36,66% de todas as complicações (11 pacientes). Câmara anterior rasa foi observada em 17,5% das cirurgias e 22...

Avaliação do comportamento da pressão intraocular em pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto assimétrico submetidos ao teste provocativo da ibopamina

Lima,Fernando Paulo Alves; Tecchio,Letícia Trevisan; Ferreira,Luciana Amizo; Magarifuchi,Maurício; Machado,Ricardo Giacometti
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 Português
Relevância na Pesquisa
116.25%
OBJETIVO: Avaliar o efeito da ibopamina a 2% tópica e comparar a variação na pressão intraocular (PIO) em olhos com glaucoma primário de ângulo aberto assimétrico (GPAA). MÉTODOS: Quinze pacientes (30 olhos) com GPAA com evolução assimétrica da neuropatia entre os dois olhos, onde comparamos em cada paciente a resposta a ibopamina e o defeito perimétrico, caracterizado por uma diferença de pelo menos 5dB de MD entre os olhos. O teste estatístico utilizado foi o t Student bicaudal e para significância estatística estabeleceu-se p <0,05. RESULTADOS: Em 80% dos casos, (12/15 pacientes) o olho mais afetado pelo defeito perimétrico apresentou um aumento da PIO e/ou uma variaçã da PIO pós-ibopamina maior, sendo o resultado estatisticamente significativo (p<0,0001 e p = 0,0006), respectivamente. CONCLUSÃO: Este estudo mostrou que o defeito perimétrico no GPAA é significativamente relacionado com a positividade do teste de ibopamina sendo que olhos com maior defeito no campo visual apresentam maiores picos de PIO (max-PIO) pós-ibopamina e/ou uma maior variação em relação a sua PIO prévia ao teste (v-PIO).

Estudo pressórico da esclerectomia profunda com implante de SkGel no glaucoma primário de ângulo aberto

Almodin,Juliana; Picosse,Claudio Rabelo Santos; Cvintal,Tadeu; Almodin,Flavia
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 Português
Relevância na Pesquisa
116.31%
OBJETIVO: Avaliar a eficácia, em termos de redução da pressão intraocular (PIO) da esclerectomia profunda não penetrante (EP) com uso de implante de SkGel. MÉTODOS: Trata-se de um estudo observacional, retrospectivo através da revisão de prontuários do Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal. Foram avaliados 45 olhos de 37 pacientes submetidos à EP com implante de Skgel nos últimos 10 anos por glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA). O estudo analisou resultados pressóricos após 12 meses de acompanhamento em um período de 10 anos, de 1997-2007. Todos os pacientes apresentavam PIO não controlada com medicação hipotensora ocular máxima tolerada ou PIO controlada, porém com dano glaucomatoso em progressão. RESULTADOS: A população global estudada foi composta de 37 pacientes, sendo 23 (62,16%) mulheres e 14 (37,83%) homens, com um total de 45 olhos. A média de idade da população em estudo foi de 57,4 +/- 14,5 anos. A PIO média pré-operatória foi de 20,50 +/- 6,40 mmhg, após 12 meses de acompanhamento, a PIO média pós-operatória foi de 14,00 +/- 3,90 mmhg. A redução média da PIO foi de - 6,50 mmhg +/- 7,20 mmhg. As taxas de sucesso absoluto (PIO<21mmhg sem medicação hipotensora) e relativo (PIO<21mmhg com medicação hipotensora) observadas foram de 71...

Avaliação da eficácia do bimatoprosta 0,03% (Glamigan, Germed, Brasil) na redução da pressão intraocular em pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto e hipertensão ocular

Almodin,Juliana; Di Sessa,Luiz Fernando Santini; Almodin,Flavia; Cvintal,Tadeu
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2012 Português
Relevância na Pesquisa
116.26%
OBJETIVO: Avaliar a eficácia do colírio bimatoprosta 0,03% (Glamigan, Germed, Brasil) na redução da pressão intraocular (PIO) em pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA) ou hipertensão ocular (HO), bem como avaliar os efeitos colaterais decorrentes do uso da droga no desenho epidemiológico randomizado, controlado. MÉTODOS: Foram avaliados pacientes portadores de GPAA ou HO, acima de 18 anos de idade. Todos os pacientes receberam o colírio Glamigan® como primeira droga a ser introduzida no tratamento, tendo sido utilizada uma gota uma vez ao dia (à noite), e 30 dias após foram submetidos à tonometria de aplanação (Goldmann) para mensuração da PIO. RESULTADOS: A amostra do estudo foi composta por 35 (66 olhos) pacientes portadores de GPAA e HO, sendo 16 do sexo masculino (45,7%) e 19, do feminino (54,3%). A média de idade foi de 66,7 anos, sendo a idade máxima 84 anos. A média de redução da PIO após 30 dias de uso do Glamigan® foi de 6,5mmHg. Em relação aos efeitos colaterais, 17 (26,6%) pacientes referiram hiperemia conjuntival, 10 (15,6%) a dor, 8 (12,5%) o ardor, 5 (7,8%) o prurido ocular e 2 (3,1%) o embaçamento visual. CONCLUSÃO: A medicação Glamigan® foi eficiente na redução da PIO após 30 dias de uso contínuo...