Página 1 dos resultados de 1406 itens digitais encontrados em 0.004 segundos

Epidemiologia da infecção hospitalar e mortalidade intra-hospitalar de uma unidade de terapia intensiva neonatal em hospital de referência regional de São Paulo; Nosocomial infections epidemiology and in-hospital mortality in a neonatal intensive care unit of a regional reference hospital. São Paulo, Brazil

Pinheiro, Monica de Souza Bomfim
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 14/08/2008 Português
Relevância na Pesquisa
66.77%
As taxas de infecção hospitalar (IH) entre centros neonatais variam consideravelmente, sugerindo que fatores de risco possam ser modificados pela qualidade da assistência, as características do recém-nascido (RN) e o controle das infecções. O objetivo deste estudo foi analisar a epidemiologia da infecção e da mortalidade hospitalar na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal do Hospital Geral de Itapecerica da Serra SECONCI SP OSS de 1º de janeiro de 2002 a 31 de dezembro de 2003. O estudo foi desenvolvido em modelo de coorte e a análise dos dados referentes às IH precoces e tardias foi retrospectiva, mas eles foram coletados prospectivamente, seguindo os métodos do NNIS (National Nosocomial Infection Surveillance System). Os RN foram classificados pelo Neonatal Therapeutic Intervention Scoring System (NTISS) para avaliar sua gravidade, dentro das primeiras 24 horas após a admissão. Foram incluídos no estudo 486 RN: 426 de origem interna (87,7%) e 60 de origem externa (12,3%). A incidência acumulada de IH foi de 30,6% e a densidade de 25,1 por 1.000 pacientes-dia (7,9 para infecção precoce e 17,2 para a tardia). A sepse foi o tipo de infecção mais freqüente (54,0%) seguida pela pneumonia (20,0%). Dos agentes microbianos isolados...

Infecção hospitalar no Centro de Tratamento Intensivo Geral de um hospital escola da Região Sul do Brasil

Barbosa, Gilberto da Luz
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
66.68%
Objetivos Avaliamos a incidência de infecção hospitalar no CTI clínico-cirúrgico de um hospital escola no sul do Brasil. Foram utilizadas taxas ajustadas para o tempo de permanência dos pacientes e para o tempo de exposição aos procedimentos invasivos. Também investigamos a influência da causa básica de internação (trauma, neurológico e clínico-cirúrgico) nas taxas de infecções. Material e Métodos Os pacientes internados no CTI Clínico-cirúrgico de março a dezembro de 1999, foram prospectivamente seguidos para a detecção de infecção hospitalar. Para o diagnóstico de infecção hospitalar utilizou-se as definições do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) e as taxas foram calculadas de acordo com a metodologia NNIS (Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica). Resultados Foram acompanhados 686 pacientes (4201 pacientes-dia). Ocorreram 125 infecções hospitalares, sendo que a incidência global foi de 18,2% ou 29,8 infecções por 1000 pacientes-dia. Os sítios de infecção mais freqüente foram: pneumonia (40%), infecção urinária (24%) e septicemia primária (12,8%). As taxas de infecções hospitalares, associadas aos procedimentos invasivos, foram as seguintes: 32,2 pneumonias por 1000 ventiladores mecânico-dia...

Ocorrência de infecção hospitalar em idosos internados em hospital universitário

Villas Bôas, Paulo José Fortes; Ruiz, Tânia
Fonte: Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Saúde Pública
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 372-378
Português
Relevância na Pesquisa
66.81%
OBJETIVO: A infecção hospitalar é uma importante causa de morbidade e mortalidade na população idosa. O estudo realizado teve como objetivo avaliar a ocorrência e os fatores de risco da infecção hospitalar. MÉTODOS: Realizou-se estudo prospectivo em uma amostra de 322 idosos com 60 anos e mais, internados em um hospital universitário, entre setembro de 1999 e fevereiro de 2000. O cálculo da amostra foi feito pela fórmula de Fisher e Belle, com intervalo de confiança de 0,95%, de um total de 760 idosos internados, proporcionalmente ao número de pacientes em cada unidade de internação, no ano de 1997. Os critérios para definição da infecção hospitalar foram os do Center for Diseases and Prevention Control. Para a análise estatística dos dados foram utilizados o odds ratio e regressão logística. RESULTADOS: A taxa de infecção hospitalar encontrada foi de 23,6%. As topografias prevalentes de infecção hospitalar foram infecção respiratória (27,6%), do trato urinário (26,4%) e do sítio cirúrgico (23,6%). O tempo de internação dos pacientes sem infecção hospitalar foi de 6,9 dias e dos com infecção hospitalar foi de 15,9 (p<0,05). A taxa de mortalidade dos pacientes internados foi de 9,6% e a de letalidade dos pacientes com infecção hospitalar de 22...

Adequação do uso de antibioticos e os fatores de risco para infecção hospitalar no Hospital das Clinicas da Unicamp

Marcia Regina Campos Costa da Fonseca
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 03/06/2002 Português
Relevância na Pesquisa
66.71%
Este estudo consta de duas partes, sendo que a primeira refere-se a um estudo prospectivo com o objetivo de descrever o padrão e a adequação do uso de antibióticos e a segunda, a um estudo caso-controle (razão: 1:4), com o objetivo de analisar os fatores de risco para infecção hospitalar. Ambas foram desenvolvidas nas enfermarias do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) durante o ano de 2000. Durante o período de um mês, todos os pacientes das enfermarias incluídas no estudo foram acompanhados,desde sua internação até a saída. Foram coletados dados de: características demográficas, diagnósticos de internação, intervenções cirúrgicas, exames laboratoriais, exposição a antibióticos, incluindo indicação, dose, esquema, duração e exposições a fatores de risco para infecção hospitalar. Umtotal de 938 pacientes foi avaliado (385 de enfermarias clínicas e 553 de enfermarias cirúrgicas). Destes, 570 (60,8%) utilizaram 989 antibióticos, sendo encontrados 38 diferentes agentes antimicrobianos nas prescrições. A média de uso de antibióticos foi de 1,74, sendo que 7,5% utilizaram quatro ou mais (0-10). Profilaxia cirúrgica e doenças do aparelho respiratório foram as principais indicações para o uso de antibióticos...

Controle de infecção hospitalar como indicador da qualidade dos hospitais do municipio de Campinas e região

Tania Cristina de Oliveira
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 18/12/1997 Português
Relevância na Pesquisa
66.71%
Através da descrição da organização e do funcionamento das Comissões e Serviços de Controle de Infecção Hospitalar de 28 hospitais do município de Campinas, SP e da identificação dos principais problemas dos serviços pesquisados, no que diz respeito à operacionalização das atividades de controle de infecção, pretendeu-se testar um modelo de avaliação da qualidade de serviços de saúde. O estudo usou como metodologia básica o estudo epidemiológico descritivo do tipo série de casos. Foram entrevistados os Presidentes e /ou Enfermeiras das Comissões e Serviços de Controle de Infecção Hospitalar e visitadas as áreas de maior importância para o controle de infecção em 28 hospitais do município de Campinas e região. Para a análise dos resultados, elaborou-se um sistema de pontuação e classificação dos hospitais, segundo a presença de determinadas características. Os escores médios das variáveis relativas à organização do controle de infecção hospitalar, existência de normas e de infta-estrutura para a prevenção de infecções nos hospitais estudados foram comparados, utilizando-se estratificação dos serviços por categoria, vínculo docente e número de leitos e procedimentos de análise multivariada e regressão linear. A análise revelou diferenças significativas entre os estratos de hospitais estudados...

Questões éticas enfrentadas pelas enfermeiras na assistência ao cliente com infecção hospitalar

Guimarães, Silvia Regina Lopes
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
66.78%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde.; A partir do desconhecimento de muitos clientes do seu diagnóstico de infecção hospitalar, optou-se por constituir um processo reflexivo junto a um grupo de enfermeiras de Unidades de Internação Cirúrgica e do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar de uma instituição hospitalar, na região sul do Rio Grande do Sul. O enfoque foi direcionado para questões éticas percebidas pelas enfermeiras na assistência aos clientes acometidos por infecção hospitalar. O referencial teórico-metodológico foi subsidiado na Teoria Humanística de Paterson e Zderad. Mediante a realização de encontros individuais e coletivos e da análise dos dados colhidos, constituiu-se as seguintes categorizações: 1) a responsabilidade na revelação do diagnóstico de infecção hospitalar; 2) sentimentos que emergem nas enfermeiras na assistência aos clientes com infecção hospitalar; 3) os conflitos e dilemas na revelação do diagnóstico de infecção hospitalar; 4) a relação das enfermeiras com clientes acometidos por infecção hospitalar e seus familiares; 5) o relacionamento das enfermeiras com a equipe multidisciplinar. O trabalho levanta questões acerca do enfrentamento ético dos sentimentos e conflitos no cotidiano assistencial junto aos clientes portadores de infecção hospitalar.

SAVIH - Sistema para Auxílio à Vigilância de Infecção Hospitalar

Araújo, Marcos Venícios Conceição
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 57 f.| il., tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
66.71%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação, Florianópolis, 2002.; Um paciente que apresente infecção hospitalar será submetido a tratamentos agressivos com uso de terapêuticas modernas, sua permanência será prolongada e a sua evolução poderá ser fatal, a detecção dos fatores de risco e o diagnostico prévio podem reduzir drasticamente a incidência de infecção em pacientes internados. O desenvolvimento de uma metodologia informatizada, que auxilie ao especialista em IH simular as probabilidades de um paciente apresentar infecção hospitalar, mesmo que ainda não tenha apresentado, pode antever ações de diagnóstico e consequentemente de tratamento preventivo diminuído assim o ciclo de tratamento do paciente. Este projeto prevê o uso da metodologia NNISS (National Nosocomial Infections Surveillance) para registro de infecção hospitalar, onde o registro da busca ativa de pacientes através de procedimentos e formulário padronizados, bem como o uso de software para auxilio ao diagnostico através de técnicas de tratamento de incerteza, especificamente sistemas especialistas probabilísticos. Este projeto apresenta um modelo de software componentizado...

Vigilância Epidemiológica da Infecção. Resultados de Inquéritos de Prevalência num Hospital Pediátrico

Neto, MT
Fonte: Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa central, EPE Publicador: Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa central, EPE
Tipo: Aula
Publicado em //2011 Português
Relevância na Pesquisa
66.74%
Introdução: Os Inquéritos de prevalência são estudos transversais que medem o número de doentes com infecção um determinado dia. Enquadramento: foram realizados dois inquéritos de prevalência em Portugal em anos sequenciais – 2009 e 2010. O hospital de Dona Estefânia participou em ambos. O objectivo deste estudo foi mostrar os resultados obtidos num hospital pediátrico e compará-los com resultados nacionais e do CHLC. População: Para efeitos do estudo foram excluídas grávidas e puérperas e mulheres internadas em enfermaria de ginecologia e as crianças transferidas de outros hospitais para tratarem infecções adquiridas nesses hospitais. Foram incluídos no estudo 121 doentes no primeiro ano e 126 no segundo. Resultados: A percentagem de RN foi semelhante nos dois anos (19% e 20,6%) assim como a de lactentes (24,8% e 27,8%). A taxa de infecção hospitalar foi de 11,6% em 2009 e 4,8% em 2010. A grande prematuridade (IG<28s) e o muito baixo peso (PN<1500g) como risco intrínseco e a punção venosa periférica e a cirurgia como risco extrínseco sobressaíram como os mais importantes nos dois anos. No que respeita a exposição a dispositivos invasivos, procedimentos e intervenções sobressaíram a NPT...

Vigilância Epidemiológica da Infecção. Resultados de Inquéritos de Prevalência num Hospital Pediátrico

Neto, MT
Fonte: Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa central, EPE Publicador: Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa central, EPE
Tipo: Aula
Publicado em //2011 Português
Relevância na Pesquisa
66.74%
Introdução: Os Inquéritos de prevalência são estudos transversais que medem o número de doentes com infecção um determinado dia. Enquadramento: foram realizados dois inquéritos de prevalência em Portugal em anos sequenciais – 2009 e 2010. O hospital de Dona Estefânia participou em ambos. O objectivo deste estudo foi mostrar os resultados obtidos num hospital pediátrico e compará-los com resultados nacionais e do CHLC. População: Para efeitos do estudo foram excluídas grávidas e puérperas e mulheres internadas em enfermaria de ginecologia e as crianças transferidas de outros hospitais para tratarem infecções adquiridas nesses hospitais. Foram incluídos no estudo 121 doentes no primeiro ano e 126 no segundo. Resultados: A percentagem de RN foi semelhante nos dois anos (19% e 20,6%) assim como a de lactentes (24,8% e 27,8%). A taxa de infecção hospitalar foi de 11,6% em 2009 e 4,8% em 2010. A grande prematuridade (IG<28s) e o muito baixo peso (PN<1500g) como risco intrínseco e a punção venosa periférica e a cirurgia como risco extrínseco sobressaíram como os mais importantes nos dois anos. No que respeita a exposição a dispositivos invasivos, procedimentos e intervenções sobressaíram a NPT...

Óbitos associados à infecção hospitalar, ocorridos em um hospital geral de Sumaré-SP, Brasil

Guimarães,Aline Caixeta; Donalisio,Maria Rita; Santiago,Thaiana Helena Roma; Freire,June Barreiros
Fonte: Associação Brasileira de Enfermagem Publicador: Associação Brasileira de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2011 Português
Relevância na Pesquisa
66.72%
Este estudo investigou o perfil sócio-demográfico, clínico e etiológico dos óbitos associados à infecção hospitalar ocorridos no Hospital Estadual Sumaré, SP, de 2007 a 2008. O estudo retrospectivo dos prontuários (n = 133) mostrou média de 35 dias e desvio padrão de 32,4 dias de internação. A maioria dos pacientes (97%) foi submetida a procedimento invasivo, associados à infecção hospitalar (p≤0,05), entre as quais: 90 (67,7%) pneumonias, 62 (46,6%) infecções urinárias e 97 (73%) infecções de corrente sanguínea. Os óbitos foram associados à infecção hospitalar sendo que, em 75 (56,4%), a infecção foi a causa básica, com etiologia definida em 110 (82,7%), das quais 34 (30,9%) ocorreu por microrganismos multirresistentes. O microorganismo mais freqüente foi Staphylococcus aureus (25%) associado a pneumonias e infecção de corrente sanguínea. O monitoramento da infecção hospitalar contribuiu com a intervenção em situação de risco de complicações clínicas e morte.

Ocorrência de infecção hospitalar em idosos internados em hospital universitário

Villas Bôas,Paulo José Fortes; Ruiz,Tânia
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2004 Português
Relevância na Pesquisa
66.81%
OBJETIVO: A infecção hospitalar é uma importante causa de morbidade e mortalidade na população idosa. O estudo realizado teve como objetivo avaliar a ocorrência e os fatores de risco da infecção hospitalar. MÉTODOS: Realizou-se estudo prospectivo em uma amostra de 322 idosos com 60 anos e mais, internados em um hospital universitário, entre setembro de 1999 e fevereiro de 2000. O cálculo da amostra foi feito pela fórmula de Fisher e Belle, com intervalo de confiança de 0,95%, de um total de 760 idosos internados, proporcionalmente ao número de pacientes em cada unidade de internação, no ano de 1997. Os critérios para definição da infecção hospitalar foram os do Center for Diseases and Prevention Control. Para a análise estatística dos dados foram utilizados o odds ratio e regressão logística. RESULTADOS: A taxa de infecção hospitalar encontrada foi de 23,6%. As topografias prevalentes de infecção hospitalar foram infecção respiratória (27,6%), do trato urinário (26,4%) e do sítio cirúrgico (23,6%). O tempo de internação dos pacientes sem infecção hospitalar foi de 6,9 dias e dos com infecção hospitalar foi de 15,9 (p<0,05). A taxa de mortalidade dos pacientes internados foi de 9,6% e a de letalidade dos pacientes com infecção hospitalar de 22...

Estudo da ocorrência de infecção hospitalar em cães e gatos em um centro cirúrgico veterinário universitário

Arias,Mônica V. Bahr; Aiello,Graciane; Battaglia,Luana de A.; Freitas,Julio C. de
Fonte: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) Publicador: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2013 Português
Relevância na Pesquisa
66.72%
Infecção hospitalar ou nosocomial é aquela adquirida durante a hospitalização do paciente, e que pode ser relacionada os procedimentos hospitalares invasivos realizados durante o internamento. O presente trabalho teve como objetivos estudar a ocorrência de infecção hospitalar em animais atendidos em um Centro Cirúrgico Veterinário Universitário de Pequenos Animais submetidos a procedimentos cirúrgicos e/ou invasivos; discutir as possíveis causas de infecção, detectar as bactérias presentes quando possível e verificar a sensibilidade antimicrobiana destes agentes. O trabalho foi desenvolvido através do acompanhamento diário de 131 animais internados neste setor e busca ativa de casos de infecção hospitalar. Em 104 animais (91 cães e 13 felinos), foram realizados 113 procedimentos cirúrgicos e em 27 animais condutas não cirúrgicas tais como acompanhamento de parto e pós-parto, desobstrução uretral e colocação de talas. Todos os animais foram submetidos à colocação de cateter para fluidoterapia e/ou aplicação de medicamentos e/ou anestésicos em algum momento durante o internamento. O índice de infecção do sítio cirúrgico foi de 7,96% sendo 4,54% nas cirurgias limpas, 4,25% nas cirurgias limpa-contaminadas...

Infecção hospitalar em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: há influência do local de nascimento?

Pinheiro,Monica de Souza B.; Nicoletti,Christiane; Boszczowsk,Icaro; Puccini,Dilma Mineko T.; Ramos,Sonia Regina T. S.
Fonte: Sociedade de Pediatria de São Paulo Publicador: Sociedade de Pediatria de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2009 Português
Relevância na Pesquisa
66.74%
OBJETIVO: Analisar comparativamente a incidência e o perfil etiológico da infecção hospitalar em recém-nascidos (RN) de origem interna e externa, admitidos em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). MÉTODOS: Estudo de coorte em RN internados na UTIN em 2002 e 2003. A vigilância epidemiológica das infecções hospitalares foi realizada prospectivamente, seguindo-se os métodos do National Nosocomial Infections Surveillance System. Compararam-se as características clínicas, demográficas, a incidência de infecção hospitalar precoce e tardia e o perfil dos microrganismos isolados dos RN com infecção tardia, segundo o local de nascimento. RESULTADOS: Incluíram-se no estudo 426 RN de origem interna (88%) e 60 de origem externa (12%). A incidência de infecção hospitalar precoce foi 10% e tardia, 21%, sem diferença estatística entre os RN internos e externos quanto à ocorrência de infecção hospitalar precoce (p=0,40) e tardia (p=0,41). Entre os micro-organismos isolados na infecção tardia, 52% foram Gram-positivos, com predomínio do Staphylococcus coagulase negativo, tanto para as infecções em RN externos (33%) quanto internos (41%). Dentre os Gram-negativos, Pseudomonas spp. e Enterobacter spp. foram isolados com maior frequência nos RN externos. A sepse (54%) e a pneumonia (20%) foram as infecções mais frequentes. CONCLUSÕES: Entre os grupos de RN separados de acordo com o local de nascimento...

Infecção hospitalar em uma unidade de terapia intensiva neonatal do Sul do Brasil

Dal-Bó,Karla; Silva,Rosemeri Maurici da; Sakae,Thiago Mamôru
Fonte: Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB Publicador: Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 Português
Relevância na Pesquisa
66.68%
OBJETIVO: Descrever a incidência e a epidemiologia da infecção hospitalar em recém-nascidos internados em unidade de terapia intensiva neonatal de um hospital no sul de Santa Catarina. MÉTODOS: Foi realizado um estudo de coorte prospectivo durante 1 ano, com 239 neonatos que permaneceram internados após 48 horas da admissão. Os critérios utilizados para diagnóstico de infecção estiveram de acordo com os preconizados pelo Center for Disease Control and Prevention e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RESULTADOS: A incidência de infecção hospitalar foi de 45,8%, sendo a infecção primária na corrente sanguínea o principal motivo de internação (80,7%), seguida da pneumonia (6,7%). O Staphylococcus coagulase negativo foi o agente mais encontrado nas hemoculturas e como colonizante na unidade estudada. A prematuridade foi o motivo de internação prevalente. A taxa de mortalidade geral foi de 12,1%, e a mortalidade por infecção nosocomial foi de 33,8%. CONCLUSÕES : A incidência de infecção nosocomial na unidade estudada está acima da reportada por outros estudos nacionais, sendo a infecção primária na corrente sanguínea e a pneumonia os principais sítios de infecção hospitalar.

Infecção hospitalar no olhar de enfermeiros portugueses: representações sociais

Moura,Maria Eliete Batista; Ramos,Maria Natália; Sousa,Cristina Maria Miranda de; Silva,Antonia Oliveira; Alves,Maria do Socorro da Costa Feitosa
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2008 Português
Relevância na Pesquisa
66.71%
A infecção hospitalar é um fenômeno complexo e conflituoso, devendo ser consideradas as influências de natureza sociocultural. O estudo objetivou apreender as representações sociais sobre infecção hospitalar elaboradas por enfermeiros portugueses. Trata-se de um estudo exploratório desenvolvido com 35 enfermeiros em Lisboa-Portugal, que trabalhavam na área hospitalar. Os dados foram produzidos através da entrevista em profundidade, no período de novembro de 2006 a fevereiro de 2007, e submetidos à técnica de análise de conteúdo temática. Os resultados apontaram três categorias simbólicas em que os sujeitos descrevem o conceito de infecção hospitalar, falam das práticas dos enfermeiros frente à infecção hospitalar e da percepção sobre a participação dos gestores das instituições de saúde na prevenção e controle da infecção hospitalar. Observa-se uma preocupação dos enfermeiros com os aspectos relacionados à política institucional e funcional adotada na prevenção e no tratamento das infecções hospitalares.

A infecção hospitalar no contexto das políticas relativas à saúde em Santa Catarina

Silva,Ruvani Fernandes da
Fonte: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto / Universidade de São Paulo Publicador: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto / Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2003 Português
Relevância na Pesquisa
66.71%
O Ministério da Saúde tem norteado as ações de saúde no sentido de controlar e/ou melhorar a assistência. Em 1994, foi realizado, simultaneamente, estudo e pesquisa nacional para conhecer e avaliar a qualidade das ações em controle de infecção hospitalar. Os resultados apontam incidência média de infecção hospitalar 15,5% e freqüência de hospitais que executam procedimentos de risco corretamente 42,5%. O objetivo deste estudo é fazer relato da situação das comissões de controle de infecção hospitalar no contexto das políticas de saúde em Santa Catarina. O Programa de Controle de Infecção Hospitalar foi criado em 1992, tendo grande receptividade, sendo implantadas comissões em 90 hospitais, representando aumento significativo (7% em 1992, para 43%, em 1993). Existem, em todo o Estado, 177 comissões de controle de infecção hospitalar, totalizando 77%. Atualmente, são 16 hospitais acreditados em controle de infecção e 30 em preparação para avaliação da acreditação.

Infecção hospitalar

Esmanhoto, Rita
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Teses e Dissertações Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
66.69%
Resumo: O presente estudo avalia 261 profissionais de saúde egressos dos Cursos de Introdução ao Controle de Infecção Hospitalar do Ministério da Saúde e 57 instituições hospitalares participantes dos cursos através de seus representantes indicados. Os cursos foram realizados pelo Centro de Treinamento do Hospital de Clinicas da Universidade Federal do Paraná. O objetivo dos cursos era capacitar àqueles profissionais a implantar e implementar Comissões de Controle de Infecção Hospitalar. Ao final de 5 anos de treinamentos, somente 15 profissionais continuavam trabalhando com controle de infecção hospitalar, mas apenas 5 (os do próprio Centro de Treinamento) faziam uma carga horária diária considerada adequada pelos padrões ministeriais. Os hospitais examinados, em sua maioria, ainda não haviam constituído suas Comissões ou desempenhavam apenas uma pequena parte do elenco das funções consideradas necessárias ao desenvolvimento de um programa efetivo de controle de infecção hospitalar. Este trabalho estuda os motivos para esses resultados frustrantes e apresenta estratégias que se mostraram mais eficazes para o controle da infecção hospitalar no Estado do Paraná.

Ocorrência de infecção hospitalar em idosos internados em hospital universitário; Occurrence of hospital infection among interned elderly in a university hospital

Villas Bôas, Paulo José Fortes; Ruiz, Tânia
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/06/2004 Português
Relevância na Pesquisa
66.76%
OBJETIVO: A infecção hospitalar é uma importante causa de morbidade e mortalidade na população idosa. O estudo realizado teve como objetivo avaliar a ocorrência e os fatores de risco da infecção hospitalar. MÉTODOS: Realizou-se estudo prospectivo em uma amostra de 322 idosos com 60 anos e mais, internados em um hospital universitário, entre setembro de 1999 e fevereiro de 2000. O cálculo da amostra foi feito pela fórmula de Fisher e Belle, com intervalo de confiança de 0,95%, de um total de 760 idosos internados, proporcionalmente ao número de pacientes em cada unidade de internação, no ano de 1997. Os critérios para definição da infecção hospitalar foram os do Center for Diseases and Prevention Control. Para a análise estatística dos dados foram utilizados o odds ratio e regressão logística. RESULTADOS: A taxa de infecção hospitalar encontrada foi de 23,6%. As topografias prevalentes de infecção hospitalar foram infecção respiratória (27,6%), do trato urinário (26,4%) e do sítio cirúrgico (23,6%). O tempo de internação dos pacientes sem infecção hospitalar foi de 6,9 dias e dos com infecção hospitalar foi de 15,9 (p; OBJECTIVE: Hospital infection is an important cause of morbidity and mortality in the elderly population. The objective of this study was to evaluate the occurrence of hospital infection and risk factors associated with it. METHODS: This is a prospective study of a sample of 332 elderly people...

A infecção hospitalar no contexto das políticas relativas à saúde em Santa Catarina; La infección hospitalaria en el contexto de las políticas relacionadas con la salud en Santa Catarina; Hospital infection in the context of the health policies established by the state of Santa Catarina

Silva, Ruvani Fernandes da
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/02/2003 Português
Relevância na Pesquisa
66.71%
O Ministério da Saúde tem norteado as ações de saúde no sentido de controlar e/ou melhorar a assistência. Em 1994, foi realizado, simultaneamente, estudo e pesquisa nacional para conhecer e avaliar a qualidade das ações em controle de infecção hospitalar. Os resultados apontam incidência média de infecção hospitalar 15,5% e freqüência de hospitais que executam procedimentos de risco corretamente 42,5%. O objetivo deste estudo é fazer relato da situação das comissões de controle de infecção hospitalar no contexto das políticas de saúde em Santa Catarina. O Programa de Controle de Infecção Hospitalar foi criado em 1992, tendo grande receptividade, sendo implantadas comissões em 90 hospitais, representando aumento significativo (7% em 1992, para 43%, em 1993). Existem, em todo o Estado, 177 comissões de controle de infecção hospitalar, totalizando 77%. Atualmente, são 16 hospitais acreditados em controle de infecção e 30 em preparação para avaliação da acreditação.; El Ministerio de Salud, tiene orientada las acciones de salud en el sentido de controlar y/o mejorar la atención. En 1994 fue realizado simultáneamente un estudio e investigación nacional para conocer y evaluar la calidad de las acciones en el control de las infecciones hospitalarias. Los resultados muestran la incidencia promedio de las infecciones hospitalarias en un 15...

Ocorrência de infecção hospitalar em idosos internados em hospital universitário

Villas Bôas,Paulo José Fortes; Ruiz,Tânia
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2004 Português
Relevância na Pesquisa
66.81%
OBJETIVO: A infecção hospitalar é uma importante causa de morbidade e mortalidade na população idosa. O estudo realizado teve como objetivo avaliar a ocorrência e os fatores de risco da infecção hospitalar. MÉTODOS: Realizou-se estudo prospectivo em uma amostra de 322 idosos com 60 anos e mais, internados em um hospital universitário, entre setembro de 1999 e fevereiro de 2000. O cálculo da amostra foi feito pela fórmula de Fisher e Belle, com intervalo de confiança de 0,95%, de um total de 760 idosos internados, proporcionalmente ao número de pacientes em cada unidade de internação, no ano de 1997. Os critérios para definição da infecção hospitalar foram os do Center for Diseases and Prevention Control. Para a análise estatística dos dados foram utilizados o odds ratio e regressão logística. RESULTADOS: A taxa de infecção hospitalar encontrada foi de 23,6%. As topografias prevalentes de infecção hospitalar foram infecção respiratória (27,6%), do trato urinário (26,4%) e do sítio cirúrgico (23,6%). O tempo de internação dos pacientes sem infecção hospitalar foi de 6,9 dias e dos com infecção hospitalar foi de 15,9 (p<0,05). A taxa de mortalidade dos pacientes internados foi de 9,6% e a de letalidade dos pacientes com infecção hospitalar de 22...