Página 1 dos resultados de 44722 itens digitais encontrados em 0.032 segundos

Avaliação de Riscos : Estimação Qualitativa da Probabilidade e da Gravidade em Contexto de Risco Elevado

Ribeiro, António Augusto
Fonte: Repositório Científico Lusófona Publicador: Repositório Científico Lusófona
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
36.54%
O processo de gestão de risco consiste, no estudo estruturado de todos os aspetos inerentes ao trabalho e é composto pela análise de risco, avaliação de risco e controlo de risco. Na análise de risco, é efetuada a identificação de todos os perigos presentes e a estimação da probabilidade e da gravidade, de acordo com o método de avaliação de risco escolhido. Este estudo centra-se na primeira etapa do processo de avaliação de risco, mais especificamente na análise de risco e nos marcadores de informação necessários para se efetuar a estimação de risco na industria extrativa a céu aberto (atividade de risco elevado). Considerando que o nível de risco obtido, depende fundamentalmente da estimação da probabilidade e da gravidade, ajustada a cada situação de risco, procurou-se identificar os marcadores e compreender a sua influência nos resultados da avaliação de risco (magnitude). O plano de trabalhos de investigação foi sustentado por uma metodologia qualitativa de recolha, registo e análise dos dados. Neste estudo, a recolha de informação foi feita com recurso às seguintes técnicas de investigação: - Observação estruturada e planeada do desmonte da rocha com recurso a explosivos; - Entrevista individual de formadores e gestores de risco (amostragem de casos típicos); Na análise e discussão qualitativa dos dados das entrevistas recorreu-se às seguintes técnicas: - Triangulação de analistas e tratamento de dados cognitiva (técnicas complementares); - Aposição dos marcadores de informação...

Uma contribuição à auditoria do risco de derivativos

Carvalho, Luiz Nelson Guedes de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 11/10/1996 Português
Relevância na Pesquisa
36.55%
De uma maneira geral, tem se observado empiricamente que os ecanismos de financiamento do desenvolvimento econômico foram, nos países de economias ditas "emergentes", fortemente concentrados, nas últimas décadas, em mecanismos de crédito como supridores de capital. Isso se observa nos modelos de financiamento da implantação dos setores de infra-estrutura industrial no Brasil, como o siderúrgico, elétrico e de telecomunicações, por exemplo; não se nega ter havido esforços de captação de recursos de capital de risco, mas é evidente terem sido os mecanismos de dívida largamente utilizados no período e nas indústrias referidas. Mais recentemente, talvez nos últimos 10 a 15 anos, há nítidas evidências da migração dos agentes para mecanismos de atração de capital de risco, em parte substituindo, em parte complementando o endividamento pelo recurso ao mercado de capitais. Esse esforço visivelmente se concentra na busca por redução do custo de capital, elemento fundamental, em Teoria de Finanças, para motivar empreendedores em busca de parceiros financeiros para a consecução de planos de implantação/expansão de projetos na economia real. A esse respeito, estatística divulgada em uma das edições de julho de 1993 pela revista "The Economist" demonstra que...

Análise da suscetibilidade e do grau de risco a escorregamentos rasos na bacia do Alto Aricanduva, RMSP (SP); Analysis the susceptibility and the risk degree to shallow landslides in Aricanduva upper basin, São Paulo Metropolitan Region (SP)

Listo, Fabrizio de Luiz Rosito
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 14/04/2011 Português
Relevância na Pesquisa
36.53%
Na cidade de São Paulo, é freqüente a ocorrência de escorregamentos, causando a destruição de moradias e muitos danos econômicos com vítimas fatais e aumentando, a cada ano, o número de áreas de risco. O objetivo geral desta pesquisa é analisar o grau de risco e a suscetibilidade a escorregamentos translacionais rasos na bacia do rio Limoeiro, localizada na cabeceira da bacia do rio Aricanduva, uma das principais da cidade de São Paulo. Especificamente, objetiva-se, identificar e analisar as principais intervenções antropogênicas (classes de uso do solo) no período 1973-2007, identificar em escala de zoneamento e caracterizar espacialmente as áreas de risco, caracterizar e analisar o papel dos parâmetros topográficos e avaliar a concordância entre o mapa de risco e o de suscetibilidade. No mapeamento de risco, foi elaborada uma ficha de campo para avaliar o grau de risco em quatro escalas: R1 (baixo risco), R2 (médio), R3 (alto) a R4 (muito alto). A análise evolutiva do uso do solo foi realizada pela interpretação de fotografias aéreas. A partir de um Modelo Digital do Terreno foram gerados os mapas de ângulo, aspecto, curvatura e área de contribuição e calculada a Freqüência de Distribuição (FD), que foram correlacionados com o mapa de risco...

Risco ambiental para as instituições financeiras bancarias

Maria de Fatima Cavalcante Tosini
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 28/04/2005 Português
Relevância na Pesquisa
36.53%
O Risco ambiental pode ser definido como uma medida de potenciais danos que uma atividade econômica pode causar ao meio ambiente. O risco ambiental passou a ser risco financeiro com a adoção do Princípio do Poluidor Pagador pelos sistemas jurídicos nacionais e pela sociedade civil da maioria dos países. Por este princípio, as externalidades relacionadas ao meio ambiente são internalizadas aos custos produtivos de todos os setores da economia. O setor financeiro como um dos mais importantes agentes do desenvolvimento econômico, não pode ficar à margem dos problemas ambientais. Por outro lado, as transformações ocorridas no setor financeiro, nas três últimas décadas, obrigaram as instituições financeiras a adotarem modelos de gerenciamento focado em risco. O objetivo deste trabalho foi verificar se o risco ambiental passou a ser efetivamente mais um risco a ser gerenciado pelas instituições financeiras bancárias e dar uma visão de como, no Sistema Financeiro Nacional, os bancos têm incorporado o risco ambiental em seus modelos de gerenciamento de risco. Para tanto, foi realizada uma revisão bibliográfica; incluindo publicações científicas, artigos de jornais, textos disponibilizados na Internet, livros, artigos e documentos de instituições oficiais. Informações adicionais foram obtidas por meio de algumas entrevistas e participação em alguns seminários sobre o tema. O levantamento das informações permitiu concluir que o risco ambiental tem impacto sobre os quatro grandes grupos de risco enfrentados pelas instituições bancárias ? risco de mercado...

Comunicação e governança do risco : exemplos de comunidades expostas à contaminação por chumbo no Brasil e Uruguai; Risk communication and governance : examples of communities exposed to lead contamination in Brazil and Uruguay

Gabriela Marques Di Giulio
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 16/12/2010 Português
Relevância na Pesquisa
36.52%
Este trabalho tem o objetivo de contribuir para a fundamentação teórica na qual se apóiam a comunicação e governança do risco, por meio da análise de três casos de contaminação ambiental e humana por chumbo, enfocando a participação dos diferentes grupos sociais na construção social do risco, de modo a subsidiar a regulamentação de práticas institucionais que assegurem a participação pública no enfrentamento/gerenciamento de situações de risco para o ambiente e saúde pública. São analisadas as experiências de Santo Amaro da Purificação (BA), Bauru (SP) e La Teja (Montevidéu, Uruguai). Com este estudo busca-se identificar, compreender e analisar como o problema da contaminação por chumbo alcançou a opinião pública, foi percebido, comunicado e gerenciado nos três casos em foco. A partir da proposta de uma abordagem integrada para lidar com os riscos em situações de áreas contaminadas, entendendo o risco como inegavelmente real e como uma construção social, este trabalho se apóia na discussão sobre a abordagem da amplificação social do risco, comunicação do risco participativa e governança do risco. As hipóteses e os argumentos defendidos neste trabalho são testados e validados a partir de uma pesquisa documental...

Risco de queda em doentes confusos : estudo exploratório numa unidade hospitalar de medicina

Risso, Sandra Margarida Gaiato
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 30/10/2012 Português
Relevância na Pesquisa
36.54%
Os idosos confusos constituem uma parte significativa dos doentes dos serviços de medicina. A Confusão tem um peso significativo para o Risco de Queda. Estando estes idosos sujeitos à ocorrência de queda, o que pode dar origem a internamentos prolongados e até levar à morte, por ferimentos graves, torna-se necessário que os enfermeiros estejam despertos para a problemática e consigam, eficazmente, identificar doentes confusos e com risco de queda, para implementar intervenções eficazes. Pretendeu-se investigar em que medida o juízo clínico dos enfermeiros perante os diagnósticos de Confusão e Risco de Queda se aproxima do nível de identificação proporcionado por instrumentos de medida, devidamente validados. Assim, efetuou-se um estudo exploratório e descritivo, em que se aplicou uma escala de avaliação de Confusão (a Escala de Confusão Neecham) e uma escala de avaliação de Risco de Queda (o Modelo de Hendrich II de Risco de Queda) a uma amostra de 96 doentes com mais de 65 anos, internados num serviço de medicina (em dois momentos distintos: na admissão e na alta). Colheram-se dados do processo clínico, referentes aos diagnósticos de enfermagem “Confusão” e “Risco de Queda”, efetuados pelo juízo clínico dos enfermeiros...

Cobertura do risco financeiro nas empresas do PSI 20

Augusto, Lara de Campos
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
36.53%
Na presente dissertação pretende-se estudar a cobertura do risco financeiro nas empresas do PSI 20. O conceito de risco e os instrumentos para a sua cobertura são temas essenciais na era global em que vivemos, pois cada vez mais o dia a dia é pautado por céleres mudanças e constantes incertezas, onde os investidores são cada vez mais exigentes. Assim, torna-se fundamental estudar todos os temas relacionados com o risco e de que forma se adaptam e protegem as empresas. Neste âmbito foi efetuada uma análise aos relatórios e contas (individuais e consolidadas) das empresas que compõem o PSI 20, entre 2008 e 2012, de forma a identificar os riscos financeiros a que estavam as empresas sujeitas, bem como os instrumentos de cobertura utilizados. Foi, ainda, feita uma comparação entre setores típicos da atividade económica o que permitiu a identificação de diferenças a nível do tipo de risco financeiro a que cada setor estava mais sujeito, bem como distintas formas de cobertura e utilização de instrumentos para cobertura desses mesmos riscos. No que se refere à identificação do risco financeiro, verificámos que os riscos presentes nas empresas do PSI 20 são: o risco de crédito, o risco de câmbio, o risco de taxa de juro...

Perfil de risco cardiovascular em amostras de estudantes do ensino secundário da região de Lisboa

Rocha, Teresa Maria Rodrigues, 1978-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 Português
Relevância na Pesquisa
36.54%
Introdução: As doenças cardiovasculares são a primeira causa de morte, em ambos os sexos, nos países desenvolvidos (≈ 50% na Europa e 32% em Portugal). São um problema de saúde pública que urge minorar. O seu impacto justificou a implementação do Programa Nacional de Prevenção e Controlo das Doenças Cardiovasculares pelo Alto Comissariado da Saúde. Sendo consensual que a promoção da saúde e a prevenção da doença cardiovascular deve começar na infância, a dificuldade é motivar os jovens a optarem por estilos de vida saudáveis, o que depende muito da percepção do seu risco cardiovascular. Objectivos: Relativamente aos estudantes do ensino secundário (15 aos 18 anos) pretendeu-se: a) definir o perfil de risco cardiovascular pela determinação da prevalência de factores de risco e estimativa do risco absoluto e do risco relativo, b) caracterizar os hábitos alimentares e a actividade física e c) avaliar as implicações dos resultados na definição de estratégias de prevenção cardiovascular. Material e Métodos: Estudo transversal que englobou 8 Escolas da Região de Lisboa, (5 públicas, 3 privadas) e um total de 854 estudantes (idade 16,3 ± 0.92 anos), 54% do sexo feminino. Instrumentos de medição: sistema de tecnologia Accu-Chek e Accutrend...

Formação em Gestão de Risco e Segurança do Doente

Marinho, A; Barata, F; Bordalo, I; Tavares, L; Trindade, L; Lage, MJ; Ramos, S
Fonte: Gabinete de Gestão do Risco do Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Publicador: Gabinete de Gestão do Risco do Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE
Tipo: Outros
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.42%
A Gestão do Risco define-se como a cultura, processos e estruturas que sustentam a gestão efetiva de potenciais oportunidades e efeitos adversos, implicando a definição e a utilização de vários instrumentos que permitem a identificação e a avaliação dos riscos (gestão de risco proactiva) e a deteção e análise de incidentes (gestão de risco reativa). A premência de disponibilizar formação sobre Gestão do Risco e Segurança do Doente a todos os profissionais do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), criou a necessidade de encontrar múltiplas estratégias que permitam alcançar este objetivo. Desta forma a Equipa de Gestão do Risco do CHCL estabeleceu um programa de formação sobre este tema de forma a dar resposta às necessidades de formação neste âmbito em todas as áreas profissionais. Este programa de formação é realizado nos moldes tradicionais de ensino/aprendizagem com obrigatoriedade presencial, constando-se a necessidade de promover outras estratégias de formação modernas que atinjam o máximo de profissionais possível. Uma destas estratégias passa pelo planeamento e organização de formação e-learning nesta área com a finalidade de potencializar um modelo de ensino/aprendizagem não presencial.

Formação em Gestão de Risco e Segurança do Doente

Marinho, A; Barata, F; Bordalo, I; Tavares, L; Trindade, L; Lage, MJ; Ramos, S
Fonte: Gabinete de Gestão do Risco do Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Publicador: Gabinete de Gestão do Risco do Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE
Tipo: Outros
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.42%
A Gestão do Risco define-se como a cultura, processos e estruturas que sustentam a gestão efetiva de potenciais oportunidades e efeitos adversos, implicando a definição e a utilização de vários instrumentos que permitem a identificação e a avaliação dos riscos (gestão de risco proactiva) e a deteção e análise de incidentes (gestão de risco reativa). A premência de disponibilizar formação sobre Gestão do Risco e Segurança do Doente a todos os profissionais do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), criou a necessidade de encontrar múltiplas estratégias que permitam alcançar este objetivo. Desta forma a Equipa de Gestão do Risco do CHCL estabeleceu um programa de formação sobre este tema de forma a dar resposta às necessidades de formação neste âmbito em todas as áreas profissionais. Este programa de formação é realizado nos moldes tradicionais de ensino/aprendizagem com obrigatoriedade presencial, constando-se a necessidade de promover outras estratégias de formação modernas que atinjam o máximo de profissionais possível. Uma destas estratégias passa pelo planeamento e organização de formação e-learning nesta área com a finalidade de potencializar um modelo de ensino/aprendizagem não presencial.

Contributos para os fundamentos categoriais da matemática do risco

Gonçalves, Carlos Pedro dos Santos
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2010 Português
Relevância na Pesquisa
36.54%
Doutoramento em Gestão; A matemática do risco, enquanto o ramo da matemática que apoia a ciência do risco na investigação do seu objecto, o risco, enquanto tal, não possui um corpo conceptual formal unificado. A presente tese contribui para um tal corpo, investigando a matemática do risco a partir dos seus fundamentos, assumindo o risco, enquanto tal, como o objecto de investigação. É reconhecido que a teoria das categorias permite introduzir um substrato matemático comum, tanto para a matemática da medição do risco como para a modelação de sistemas em situações de risco. Assim, os fundamentos da matemática do risco são trabalhados a partir do formalismo da lógica da teoria das categorias, no seio da linguagem formal LCat, subjacente ao cálculo categorial, permitindo desenvolver a conexão entre o objecto da ciência do risco, o formalismo e a ciência dos sistemas, a qual constitui um substrato conceptual científico para a ciência do risco. Investigando a conexão entre a teoria das categorias, a topologia categorial, e as noções de acaso, aleatório, estocástico, caos e aleatoriedade algorítmica, o formalismo da teoria das categorias é directamente ligado à matemática do risco e, assim...

Modelação matemática da caracterização da contaminação de terrenos e análise de risco

Bragança, Maria Luísa de
Fonte: Faculdade de Ciências e Tecnologia Publicador: Faculdade de Ciências e Tecnologia
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 Português
Relevância na Pesquisa
36.53%
Dissertação apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para obtenção do grau de Mestre em Engenharia Geológica (Georrecursos); O presente trabalho corresponde à Dissertação do Mestrado em Engenharia Geológica, na vertente de Georrecursos, e enquadra-se no domínio da engenharia geológica ambiental. O estudo teve por objectivo a análise de resultados de dois métodos de modelação geoestatística distintos - estimação por krigagem e a simulação sequencial - para a avaliação do risco para a saúde de uma área contaminada, através de duas abordagens distintas: (i) estimação e simulação dos teores de um poluente e sua posterior transformação num valor de risco; (ii) estimação e simulação de uma variável binária - valores de risco - para a obtenção dos respectivos mapas de risco estimados/simulados. Desenvolveu-se em três etapas principais: a primeira consistiu na análise estatística dos dados experimentais; a segunda, na aplicação das abordagens de modelação geoestatística; e uma terceira, para a avaliação dos resultados obtidos. Na primeira etapa (análise estatística dos dados) foram estudados quatro elementos poluentes nos solos (o arsénio, o cobre...

Como identificar elevado risco de fratura osteoporótica? : utilização do FRAX® clínico, densitometria óssea ou ambos?

Pinto, Clara Peneda Seoane Vilela
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2013 Português
Relevância na Pesquisa
36.54%
Introdução: É fundamental identificar os indivíduos com maior risco de fratura osteoporótica de forma a instituir tratamento preventivo. Contudo, na prática clínica muitos indivíduos em risco não são identificados e tratados, enquanto outros de baixo risco recebem tratamento para a osteoporose sem necessidade. Para melhorar e facilitar o diagnóstico de risco de fratura, recentemente foi possível conjugar os vários fatores clínicos de risco de fratura osteoporótica numa ferramenta criada pela OMS, o FRAX®, sendo disponibilizada em 2012, a versão aplicável à população portuguesa. Este instrumento permite calcular o risco absoluto de fratura a 10 anos. O FRAX® funciona em duas versões – FRAX clínico, sem incluir resultado de densitometria óssea (DMO) e FRAX com DMO. O FRAX® clínico é mais simples, rápido de aplicar e barato, mas o seu valor clínico não está bem estabelecido. Assim, a pergunta central deste estudo é: Como identificar o elevado risco de fratura osteoporótica: utilização do FRAX® clínico, densitometria óssea ou ambos? Materiais e Métodos: Estudo epidemiológico de comparação de testes diagnósticos (FRAX, DMO) em amostras emparelhadas. Foi realizado no Centro de Saúde da Covilhã (CSC) durante 4 meses...

Um modelo integrado de gestão do risco agrícola para o Brasil.

VIEIRA JUNIOR, P. A.; BUAINAIN, A. M.; MADI, M. A. C.; VIEIRA, A. C. P.; DOURADO NETO, D.; CHANG, C. S.; ASSAD, E. D.
Fonte: Revista Brasileira de Risco e Seguro, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 1-40, out./mar. 2008/2009. Publicador: Revista Brasileira de Risco e Seguro, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 1-40, out./mar. 2008/2009.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Português
Relevância na Pesquisa
46.25%
O seguro agrícola é um dos mais importantes instrumentos para o desenvolvimento do setor agrícola, pois, ao permitir proteção ao produtor rural contra efeitos adversos de eventos ambientais e do mercado torna-se indispensável à estabilidade da renda, à geração de emprego e ao desenvolvimento tecnológico. No setor agrícola, além do risco de mercado, existem diversas outras fontes que a tornam uma atividade eminentemente arriscada. A principal delas se refere ao fato de que a atividade agrícola é altamente dependente de condições ambientais de difícil controle pelo homem, de modo que as variáveis climáticas e sua interação com fatores bióticos podem influenciar sobremaneira o resultado final da safra. A realidade histórica mostra que o seguro agrícola permite ao produtor rural manter sua renda na ocorrência de um sinistro, o que é fundamental para o setor agrícola e a sociedade em geral.; 2008

Risco cardiovascular em mulheres com câncer de mama; Cardiovascular risk of women with breast cancer

Silva, Érika Pereira de Sousa e
Fonte: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (FM); Faculdade de Medicina - FM (RG) Publicador: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (FM); Faculdade de Medicina - FM (RG)
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
36.53%
OBJECTIVES: To investigate the prevalence of risk factors for cardiovascular disease (CVD), estimate the cardiovascular risk, acoording to the Framingham and Systematic Coronary Risk Evaluation (SCORE) risk models, and evaluate the agreement between both risk models in middleaged breast cancer survivors (BCS). METHODS: A cross-sectional study was conducted between august 2002 and june 2003, including 67 breast cancer survivors. Participants were recruited from the Menopause and Breast Cancer Outpatient Facilities ( Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP), ranging in age from 45 – 65 years, who underwent complete oncologic treatment and were not users of hormone replacement therapy, tamoxifen or aromatase inhibitors in the last six months. Evaluated risk factors for CVD like us: dyslipidemia, obesity, arterial hypertension, diabetes and smoking, and risk of CVD. The risk of CVD was estimated according to the Framingham and SCORE models. The risk of CVD was classified as low ( < 10%) , moderate ( 10 -20%) and high ( > 20%), according to Framingham function, and low ( < 3%), moderate ( ≥ 3% and < 5%) and high ( ≥ 5%), according to SCORE model. A descriptive analysis with absolute and relative frequencies, means and standard deviations (SD) was carried out. To investigate agreement between both risk models...

Fatores de personalidade e percepção de risco podem predizer o comportamento de risco? Um estudo com universitários

Mundim-Masini, Amanda Almeida
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
36.53%
O risco é um construto subjetivo que possui diferentes sentidos para diferentes pessoas, assim como a percepção da sua probabilidade de ocorrência. Ele está sujeito às influências de diversos fatores psicológicos, sociais, institucionais e culturais. Apesar de a percepção de risco ser entendida como um processo analítico de informações, há necessidade de considerar também a influência de questões experienciais e do pensamento intuitivo, guiados por processos emocionais e afetivos. Comportamento de risco é qualquer ação que possui pelo menos uma consequência incerta, podendo ser positiva ou negativa. Desse modo, um dos objetivos da teoria da decisão é estudar e proporcionar estratégias de tomada de decisão sob condições de risco e incerteza, para que as pessoas consigam atingir satisfatoriamente seus objetivos e expectativas. Diante disto, o presente estudo tem como objetivo conhecer o impacto da personalidade e da percepção de risco sobre o comportamento de risco, bem como o impacto da personalidade sobre a percepção de risco. A pesquisa contou com uma amostra constituída por 122 estudantes universitários. Para verificar o relacionamento entre as variáveis, foram realizadas análises de correlação e de regressões múltipla e linear simples...

Relação entre Percepção e Comportamento de risco e níveis de habilidades cognitivas em um grupo de adolescentes em situação de vulnerabilidade social

Paulino, Janaina Aparecida
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
36.56%
Este estudo teve por objetivo analisar a relação entre níveis de habilidades cognitivas (inteligência verbal e não verbal) e percepção de risco e intenção em apresentar comportamentos de risco em um grupo de adolescentes em situação de vulnerabilidade social. A hipótese central deste trabalho foi a de que adolescentes com altos níveis de habilidades cognitivas apresentariam maior percepção do risco e se engajariam menos em comportamentos de risco. Participaram da pesquisa quarenta e oito adolescentes que participam do Projeto de ação social denominado Agente Jovem em uma cidade do triângulo mineiro com idade entre 15 e 17 anos de idade, cujas famílias vivem em situação de risco social conforme os indicadores apresentados pelo SUAS. Os sujeitos responderam a três instrumentos, sendo uma escala de percepção de risco e intenção de apresentar comportamento de risco, e dois testes que avaliam habilidades cognitivas: a Bateria de Provas de Raciocínio (BPR-5) e o teste das matrizes progressivas de Raven. Os instrumentos foram aplicados no Centro de Referência a Assistência Social após aceite voluntário e autorização dos pais. Após a coleta, realizou-se a análise descritiva e correlacional dos dados. Os resultados indicaram que de maneira geral a amostra como um todo possui níveis de desempenho na faixa média nas provas de habilidades cognitivas. Vale destacar que houve diferença significativa no desempenho de homens e mulheres para raciocínio mecânico...

Cardioproteção Escola-Avaliação do risco cardiovascular

Ferreira, Paulo Alexandre Carvalho
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 22/07/2014 Português
Relevância na Pesquisa
36.54%
Introdução: Apesar da evolução do conhecimento científico e dos avanços tecnológicos alcançados, as doenças cardiovasculares continuam a ser uma das principais causas de mortalidade e morbilidade em Portugal, em parte, devido a estilos de vida inadequados e na adoção de comportamentos pouco saudáveis, que se refletem no desenvolvimento de fatores de risco cardiovasculares. O estudo dos fatores de risco CV, permite um planeamento individualizado de estratégias capazes de promover a adoção de estilos de vida mais saudáveis e a prevenção precoce. Objectivos: Foram realizadas avaliações de fatores de risco/rastreio cardiovascular numa Instituição de Ensino Superior de Coimbra, com os objetivos de: - Promover a deteção precoce de fatores de risco.- Promover um estilo de vida saudável, reduzindo os fatores de risco cardiovascular.- Avaliar o risco cardiovascular (SCORE). Metodologia: Estudo exploratório e descritivo, com avaliações dos Fatores de Risco Cardiovasculares, amostra de 51 pessoas, não probabilística (docentes e não docentes): - Tensão Arterial, - Frequência Cardíaca, - Índice de Massa Corporal, Perímetro Abdominal,- Teste colesterol e glicémia, - Questões/Inquérito sobre estilos/hábitos de vida...

Caracterização dos fatores de risco para trombose venosa profunda em pacientes de uma Unidade de Terapia Intensiva

Marisa Lopes Correia Gomes da Silva
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 16/02/2006 Português
Relevância na Pesquisa
36.53%
A Trombose Venosa Profunda (TVP) tem como complicações: a embolia pulmonar (potencialmente fatal) e a insuficiência venosa crônica (com elevado custo social). O diagnóstico impreciso da TVP e da embolia pulmonar aponta para a importância de sua prevenção. A estratificação de risco é a estratégia que permite determinar a profilaxia da TVP adequada a cada caso. Este estudo que se insere na linha de pesquisa Processo de Cuidar em Saúde de Enfermagem, teve como objetivos identificar a prevalência dos FR para TVP numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital escola; verificar a distribuição dos pacientes de acordo com o grau de risco para a doença, com o uso de três escalas de estratificação de risco para TVP (Escala de Autar. escala da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e Escala de Weinmann e Salzman); avaliar a concordância entre três escalas quanto ao nível de risco para TVP; e, verificar se existe associação entre o nível de risco identificado e o emprego de profilaxia adequada. Foram sujeitos do estudo 152 pacientes internados na UTI do HC-Unicamp, no período de dezembro de 2004 a junho de 2005. Durante um período de sete dias a partir da internação na UTI (ou período menor...

Como identificar elevado risco de fratura osteoporótica? : utilização do FRAX® clínico, densitometria óssea ou ambos?

Pinto, Clara Peneda Seoane Vilela
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2013 Português
Relevância na Pesquisa
36.54%
Introdução: É fundamental identificar os indivíduos com maior risco de fratura osteoporótica de forma a instituir tratamento preventivo. Contudo, na prática clínica muitos indivíduos em risco não são identificados e tratados, enquanto outros de baixo risco recebem tratamento para a osteoporose sem necessidade. Para melhorar e facilitar o diagnóstico de risco de fratura, recentemente foi possível conjugar os vários fatores clínicos de risco de fratura osteoporótica numa ferramenta criada pela OMS, o FRAX®, sendo disponibilizada em 2012, a versão aplicável à população portuguesa. Este instrumento permite calcular o risco absoluto de fratura a 10 anos. O FRAX® funciona em duas versões – FRAX clínico, sem incluir resultado de densitometria óssea (DMO) e FRAX com DMO. O FRAX® clínico é mais simples, rápido de aplicar e barato, mas o seu valor clínico não está bem estabelecido. Assim, a pergunta central deste estudo é: Como identificar o elevado risco de fratura osteoporótica: utilização do FRAX® clínico, densitometria óssea ou ambos? Materiais e Métodos: Estudo epidemiológico de comparação de testes diagnósticos (FRAX, DMO) em amostras emparelhadas. Foi realizado no Centro de Saúde da Covilhã (CSC) durante 4 meses...