Página 1 dos resultados de 22 itens digitais encontrados em 0.000 segundos

Estudo da prevalência do vírus Influenza A e B numa amostragem populacional do Arquipélago da Madeira

Camacho, Sílvia Cristina Sardinha
Fonte: Universidade da Madeira Publicador: Universidade da Madeira
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 04/10/2013 Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
As infecções respiratórias de etiologia viral constituem um problema alarmante de Saúde Pública, sendo responsáveis pelo elevado e constante aumento dos índices de morbimortalidade registados no Mundo associados ao vírus influenza. O presente estudo teve como objetivo avaliar a prevalência dos anticorpos IgG e IgM em soros de utentes com requisições para análises serológicas ao vírus influenza A e B. Os utentes foram atendidos entre 1 de Abril de 2009 e 30 de Abril de 2011. Outro objectivo foi determinar a epidemiologia do vírus pandémico A (H1N1) 2009 nos indivíduos com sintomatologia de gripe durante o período entre Julho de 2009 e Julho de 2010 utilizando a técnica de RT-PCR em amostras de exsudado (ou aspirado) nasofaríngeo. Tendo por base o universo de amostragem de 981 indivíduos, constatou-se que 10,7 e 8,2% da população analisada apresenta valores positivos de anticorpos IgM e IgG indicativos de infecção pelo vírus influenza A e B, respectivamente. Constatou-se, também, que entre os 1934 indivíduos submetidos a procedimentos de diagnóstico laboratorial para a detecção de infecção pelo vírus pandémico A (H1N1) 2009, cerca de 747 (38,6%) estavam infectados. Verificou-se que, a população mais jovem foi mais susceptível à infecção pelo vírus influenza A (H1N1) 2009. Isto difere da típica época de gripe sazonal...

Estudo da resposta inflamatória em lactentes com sibilância : análise de IL-10 e celularidade no aspirado nasofaríngeo

Pitrez, Paulo Marcio Condessa
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
47.41%
Episódios de sibilância secundários a infecções respiratórias virais são comuns nos primeiros anos de vida. Contudo, sua patogênese e relação com o posterior surgimento de asma permanecem ainda pouco esclarecidos. Com o objetivo de analisar a resposta celular e da IL-10 em lactentes com sibilância, foram analisadas amostras de aspirado nasofaríngeo de 71 lactentes. Os pacientes foram classificados em três grupos: primeiro episódio de sibilância (n=36), sibilância recorrente (n=18) e infecção de vias aéreas superiores (n=17). O exame citológico da secreção nasofaríngea demonstrou uma predominância de neutrófilos em todos os grupos. Não foi evidenciada a presença de eosinófilos na secreção nasofaríngea de nenhum paciente, exceto em um caso do grupo de sibilância recorrente, cujo percentual dessas células foi de 1%. Foram encontrados níveis de IL-10 significativamente aumentados no aspirado nasofaríngeo do grupo com primeiro episódio de sibilância, quando comparados ao grupo de infecção de vias aéreas superiores (p=0,017). Não foi encontrada correlação significativa entre os níveis de IL-10 em secreção nasofaríngea e gravidade do episódio de sibilância. Conclui-se que os neutrófilos são as células que predominam na resposta inflamatória em lactentes com sibilância secundária à infecção respiratória viral e que a IL-10 pode ser uma citocina com participação importante na predisposição à doença obstrutiva brônquica do lactente.; Wheezing in infancy during viral respiratory infections is common. However...

Avaliação do estado nutricional, tipo de aleitamento e a evolução de lactentes previamente hígidos com bronquiolite viral aguda

Dornelles, Cristina Toscani Leal
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
Objetivos: Avaliar associação do estado nutricional e o tipo de aleitamento, na evolução da Bronquiolite Viral Aguda, em lactentes hospitalizados, menores de seis meses, previamente hígidos. Métodos: Estudo transversal prospectivo, realizado com 175 lactentes de zero a seis meses com diagnóstico clínico de bronquiolite viral aguda e primeiro episódio de sibilância, atendidos nas unidades pediátricas de emergência, internação e cuidados intensivos, em um hospital público de atendimento terciário, no sul do Brasil. Foi coletado aspirado nasofaríngeo para detecção de vírus através do teste da imunofluorescência indireta. Após preencherem os critérios de inclusão e assinatura do termo de consentimento informado, foram submetidos a avaliação antropométrica, entrevista com os pais ou responsáveis e acompanhados. Os desfechos clínicos foram tempo de uso de oxigênio, tempo de hospitalização e local de internação. Resultados: Na classificação do estado nutricional, encontramos 72,6% de eutróficos, 6,3% de desnutridos, 8,6% com risco nutricional, 10,9% com sobrepeso e 1,7% de obesos. Foi comparado o estado nutricional em relação ao aleitamento materno exclusivo, observando-se que 81% das crianças desnutridas e com risco nutricional não recebiam aleitamento materno exclusivo...

Prevalência de vírus respiratório em pacientes atendidos por asma aguda na sala de emergência; Prevalence of respiratory viruses and the associations with clinical findings of acute asthma in the emergency room

Rocha, Ivete Terezinha Machado da
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
Introdução: As infecções virais do trato respiratório (IVTR) têm sido freqüentemente identificadas em associação com asma aguda (AA) em crianças, porém poucos estudos têm mostrado resultados similares em adultos com asma. Objetivos: Avaliar a prevalência de infecção viral na asma aguda em pacientes atendidos no setor de adultos do departamento de emergência (DE), comparando as características entre os grupos com amostras positivas e negativas para os vírus respiratórios. Material e Métodos: Conduzimos um estudo transversal de pacientes que se apresentaram com AA no setor de adultos do DE (idade igual ou maior que 12 anos) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Um aspirado nasofaríngeo foi obtido para detecção de antígeno com a técnica de coloração de imunofluorescência indireta (vírus sincicial respiratório, adenovírus, influenza e parainfluenza tipo 1, 2, 3 e 4). Foram coletados dados referentes a características demográficas, medicações regulares, história médica pregressa, crise que levou à atual visita ao DE e desfechos da crise. Resultados: No período de março de 2004 a novembro de 2005, 111 pacientes foram examinados para IVTR. Foram identificados vírus respiratórios em 15 pacientes (8 com Adenovírus...

Incidência de infecção viral do trato respiratório em asma aguda atendida em sala de emergência; Incidence of viral infection of the respiratory tract in acute asthma patients treated in the emergency room

Rocha, Ivete Terezinha Machado da; Menegotto, Diego Milan; Hoffmann, Cristine Feliciati; Menna Barreto, Sérgio Saldanha; Dalcin, Paulo de Tarso Roth; Straliotto, Selir Maria; Kang, Suzie Hyeona; Pasin, Lilian Rech; Fischer, Joseane; Nieto, Fabiane Batist
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
Objetivo: Avaliar a incidência de infecção viral em asma aguda em pacientes atendidos em setor de adultos de um serviço de emergência. Métodos: Conduzimos um estudo de coorte de pacientes que se apresentaram com asma aguda no setor de adultos do Serviço de Emergência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (idade > 12 anos). Um aspirado nasofaríngeo foi obtido para detecção de antígenos com a técnica de coloração de imunofluorescência indireta para os vírus sincicial respiratório, adenovírus, influenza e parainfluenza tipos 1, 2, 3 e 4. Foram coletados dados referentes a características demográficas, história médica pregressa, crise que levou à atual visita ao serviço de emergência e desfechos da crise. Resultados: No período de março a julho de 2004, 49 pacientes foram examinados para infecção viral do trato respiratório. Foram identificados vírus respiratórios em 6 pacientes (3 com adenovírus, 2 com influenza A e 1 com parainfluenza tipo 1). Os pacientes com infecção viral do trato respiratório apresentaram média de idade de 61,7 ± 11,5 anos, enquanto que os pacientes sem infecção viral apresentaram média de idade de 41,7 ± 20,9 anos (p = 0,027). Não houve outras diferenças significativas quanto às características clínicas e desfechos. Conclusão: Este estudo mostra uma incidência de 12...

Infecção pelo vírus respiratório sincicial em crianças menores de um ano de idade internadas por doença respiratória aguda em Pelotas, RS; Respiratory syncytial virus infection in children under one year of age hospitalized for acute respiratory diseases in Pelotas, RS

Macedo, Silvia Elaine Cardozo; Menezes, Ana Maria Baptista; Post, Paulo; Albernaz, Elaine; Knorst, Marli Maria
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
Introdução: As doenças respiratórias agudas (DRAs) são causa significativa de morbimortalidade infantil. Objetivo: Analisar as hospitalizações por DRA em crianças menores de um ano de idade e avaliar sua associação com a presença do vírus respiratório sincicial (VRS). Casuística e métodos: Foi realizado um estudo de casos e controles na cidade de Pelotas. Todas as crianças de até um ano de idade incompleto hospitalizadas por DRAs, de agosto de 1997 a julho de 1998, foram acompanhadas nos quatro hospitais da cidade. Um questionário era aplicado às mães das crianças sobre questões referentes à sintomatologia do quadro atual, além de questões demográficas, socioeconômicas, alimentares e antecedentes mórbidos. O diagnóstico definitivo de DRAs era conferido pelo árbitro do estudo (pediatra) com base na revisão dos dados do prontuário hospitalar e do questionário. O VRS foi pesquisado através da realização de imunofluorescência direta no aspirado nasofaríngeo. Resultados: Foram analisadas 650 crianças, sendo que a incidência anual de internações por DRA foi de 13,9%. A maioria das internações ocorreu de julho a outubro, sendo as causas mais freqüentes: pneumonia (43,7%), bronquiolite (31,0%), asma (20...

Prevalência de vírus respiratórios em crianças de creche com sintomas de infecções respiratórias agudas

Bonfim, Caroline Measso do
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 85 f. : il. color.
Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Pós-graduação em Microbiologia - IBILCE; As infecções do trato respiratório estão associadas com mortalidade significativa no mundo inteiro e afetam principalmente crianças menores de cinco anos de idade. A maioria das infecções respiratórias é causada por agentes virais como: Vírus Sincicial Respiratório (RSV), Influenzavírus tipo A e B (FLUA e FLUB), Parainfluenza tipo 1, 2 and 3 (PIV-1, PIV-2 e PIV-3), Rhinovirus (HRV) e Metapneumovirus Humano (hMPV). O conhecimento da epidemiologia e prevalência desses vírus é importante para que metodologias terapêuticas possam ser aplicadas apropriadamente e saber como esses vírus estão circulando. O objetivo deste trabalho foi investigar a incidência de 8 tipos de vírus respiratórios em 279 amostras de aspirado nasofaríngeo obtidas de Julho/2004 a Setembro de 2005 de 120 crianças (73 do sexo masculino e 47 do sexo feminino) com idade entre 0 a 6 anos com sintomas de infecção respiratória aguda. A análise foi realizada pela técnica de RT-PCR e seqüenciamento direto. Nossos resultados mostraram que 27,2% (76/279) das amostras foram positivas para pelo um dos vírus respiratórios, sendo 84,2% (64/76) de Picornavírus...

Prevalência de colonização por MRSA no Centro Hospitalar P. Varzim/V.Conde

Valadas, Marta Maria Bezerra
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
27.11%
Entre todas as infecções relacionadas com os cuidados de saúde, são particularmente preocupantes aquelas por Staphylococcus aureus resistentes à meticilina (MRSA), devido à frequência, à morbilidade e aos custos de tratamento muito elevados. Este estudo, teve como objectivo, determinar a prevalência e os factores associados à colonização e infecção, provocadas por MRSA, em doentes internados no Centro Hospitalar Póvoa de Varzim/Vila do Conde. O rastreio foi efectuado através de colheitas de pus, hemoculturas, exsudado de lesão cutânea, exsudado umbilical, exsudado nasofaringeo, expectoração, aspirado brônquico e aspirado nasofaringeo, vindas dos internamentos do Centro Hospitalar. A prevalência de MRSA foi de 14,6% no total de rastreios efectuados. Dos rastreios positivos, 50% corresponderam a amostras colhidas em pacientes do género masculino, 38,4% do género feminino. A prevalência de MSSA foi de 14,8% no período de estudo.; Among all the infections related to the healthcare, the ones caused by the methicillinresistant Staphylococcus aureus (MRSA) are the most worrying, due to its frequency, morbidity and to the very high treatment costs. This study had as goal to determine the prevalence and the factors associated to the colonization and infection...

Padrão de celularidade nas vias aéreas superiores de lactentes com bronquiolite aguda: neutrófilos ou eosinófilos?

Pitrez,Paulo M.C.; Pinto,Leonardo A.; Machado,Denise C.; Tsukazan,Maria T.; Jones,Marcus H.; Stein,Renato T.
Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria Publicador: Sociedade Brasileira de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2003 Português
Relevância na Pesquisa
27.41%
OBJETIVO: O objetivo deste estudo é analisar o exame citológico do aspirado nasofaríngeo de lactentes com bronquiolite aguda, especificamente em relação à presença de neutrófilos e eosinófilos MÉTODOS: Foram recrutados lactentes hospitalizados com diagnóstico de bronquiolite aguda, no Hospital São Lucas da PUCRS, no período entre maio e julho de 2002. O aspirado nasofaríngeo foi coletado nas primeiras 48 horas de internação hospitalar. O exame citológico diferencial foi realizado com coloração de May Grunwald Giemsa. Foram realizadas também contagem total de células e viabilidade celular nas amostras estudadas. RESULTADOS: Foram selecionados 38 lactentes com bronquiolite aguda. A idade mediana foi de 2,2 meses (interquartil: 1,2-3,5), sendo 21 pacientes do sexo masculino. O exame citológico diferencial demonstrou um predomínio absoluto de neutrófilos, com mediana de 95% (interquartil: 94-97). Não foi detectada a presença de eosinófilos nas amostras estudadas. CONCLUSÕES: O aspirado nasofaríngeo de lactentes hospitalizados com bronquiolite aguda apresenta um predomínio absoluto de neutrófilos. Não foram encontrados eosinófilos nessas amostras. Esses achados demonstram que lactentes com bronquiolite aguda apresentam uma resposta inflamatória neutrofílica...

Concentrações de interleucina-2 na secreção nasofaríngea de crianças com bronquiolite viral aguda pelo vírus respiratório sincicial

Giugno,Katia M.; Machado,Denise C.; Amantéa,Sérgio L.; Barreto,Sérgio S. Menna
Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria Publicador: Sociedade Brasileira de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2004 Português
Relevância na Pesquisa
47.11%
OBJETIVO: Avaliar as concentrações de interleucina-2 (IL-2) na secreção nasofaríngea de crianças (0-24 meses) acometidas de bronquiolite viral aguda pelo vírus respiratório sincicial nas primeiras 12 horas de hospitalização e correlacionar os níveis encontrados com a gravidade da doença. MÉTODOS: Estudo prospectivo com amostragem seqüencial realizado no período de junho a agosto de 1999. Foram incluídos 62 pacientes previamente hígidos, internados com diagnóstico de bronquiolite viral aguda caracterizado por pródromos recentes de coriza e/ou obstrução nasal que evoluíram com pelo menos dois dos seguintes sinais: disfunção respiratória, taquipnéia, sibilos ou crepitações. Todos os pacientes tiveram a presença de vírus respiratório sincicial detectada no aspirado nasofaríngeo. As amostras de secreção nasofaríngea foram obtidas nas primeiras 12 horas de hospitalização. As dosagens de IL-2 foram realizadas por ensaio imunoenzimático. A gravidade da doença foi avaliada por: medida da saturação de oxigênio da hemoglobina por oximetria de pulso, sistema de escore clínico modificado, tempo de uso de oxigênio, tempo de hospitalização e necessidade de ventilação mecânica, sendo estas variáveis comparadas em relação às medianas de IL-2 através dos testes de Spearman e Kruskal-Wallis e...

Bronquiolite aguda por rinovírus em lactentes jovens

Pitrez,Paulo M. C.; Stein,Renato T.; Stuermer,Larissa; Macedo,Izolete S.; Schmitt,Virgínia M.; Jones,Marcus H.; Arruda,Eurico
Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria Publicador: Sociedade Brasileira de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2005 Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
OBJETIVO: Determinar a prevalência de infecção por rinovírus em lactentes menores de 6 meses hospitalizados por bronquiolite aguda. MÉTODOS: Foram selecionados de forma prospectiva lactentes hospitalizados com diagnóstico de bronquiolite aguda, no Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, no período entre maio e setembro de 2002. Foi pesquisada a presença de vírus respiratórios no aspirado nasofaríngeo (ANF), através de imunofluorescência direta para vírus sincicial respiratório, parainfluenza, influenza e adenovírus. Para detecção do rinovírus, foi utilizada a reação de transcrição reversa, seguida de reação em cadeia da polimerase, específicas para picornavírus, seguidas de hibridização com sonda específica para rinovírus. RESULTADOS: Foram selecionados 45 lactentes hospitalizados com diagnóstico de bronquiolite aguda. A mediana da idade dos pacientes selecionados foi de 2 meses. Foram encontradas amostras positivas para vírus respiratórios em 35/45 (77,8%) casos. Foi detectado mais de um vírus em 7/35 (20%) amostras. Das amostras positivas, o vírus sincicial respiratório foi detectado em 33/35 (94%) casos. O rinovírus foi detectado em 6/35 casos (17%). CONCLUSÕES: O rinovírus foi o segundo agente mais freqüentemente detectado em secreção nasal de lactentes jovens hospitalizados por bronquiolite aguda.

Incidência de infecção viral do trato respiratório em asma aguda atendida em sala de emergência

Rocha,Ivete Terezinha Machado da; Menegotto,Diego; Hoffmann,Cristiane Feliciati; Menna-Barreto,Sergio Saldanha; Dalcin,Paulo de tarso Roth; Straliotto,Selir Maria; Kang,Suzie Hyona; Pasin,Lilian Rech; Fischer,Josiane; Nieto,Fabiane
Fonte: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia Publicador: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2005 Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
OBJETIVO: Avaliar a incidência de infecção viral em asma aguda em pacientes atendidos em setor de adultos de um serviço de emergência. MÉTODOS: Conduzimos um estudo de coorte de pacientes que se apresentaram com asma aguda no setor de adultos do Serviço de Emergência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (idade > 12 anos). Um aspirado nasofaríngeo foi obtido para detecção de antígenos com a técnica de coloração de imunofluorescência indireta para os vírus sincicial respiratório, adenovírus, influenza e parainfluenza tipos 1, 2, 3 e 4. Foram coletados dados referentes a características demográficas, história médica pregressa, crise que levou à atual visita ao serviço de emergência e desfechos da crise. RESULTADOS: No período de março a julho de 2004, 49 pacientes foram examinados para infecção viral do trato respiratório. Foram identificados vírus respiratórios em 6 pacientes (3 com adenovírus, 2 com influenza A e 1 com parainfluenza tipo 1). Os pacientes com infecção viral do trato respiratório apresentaram média de idade de 61,7 ± 11,5 anos, enquanto que os pacientes sem infecção viral apresentaram média de idade de 41,7 ± 20,9 anos (p = 0,027). Não houve outras diferenças significativas quanto às características clínicas e desfechos. CONCLUSÃO: Este estudo mostra uma incidência de 12...

Concentrações de interleucina-2 na secreção nasofaríngea de crianças com bronquiolite viral aguda pelo vírus respiratório sincicial; Concentrations of interleukin-2 in the nasopharyngeal secretion of children with acute respiratory syncytial virus bronchiolitis

Giugno, Katia Maria; Machado, Denise Cantarelli; Amantea, Sergio Luis; Menna Barreto, Sérgio Saldanha
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
Objetivo: Avaliar as concentrações de interleucina-2 (IL-2) na secreção nasofaríngea de crianças (0-24 meses) acometidas de bronquiolite viral aguda pelo vírus respiratório sincicial nas primeiras 12 horas de hospitalização e correlacionar os níveis encontrados com a gravidade da doença. Métodos: Estudo prospectivo com amostragem seqüencial realizado no período de junho a agosto de 1999. Foram incluídos 62 pacientes previamente hígidos, internados com diagnóstico de bronquiolite viral aguda caracterizado por pródromos recentes de coriza e/ou obstrução nasal que evoluíram com pelo menos dois dos seguintes sinais: disfunção respiratória, taquipnéia, sibilos ou crepitações. Todos os pacientes tiveram a presença de vírus respiratório sincicial detectada no aspirado nasofaríngeo. As amostras de secreção nasofaríngea foram obtidas nas primeiras 12 horas de hospitalização. As dosagens de IL- 2 foram realizadas por ensaio imunoenzimático. A gravidade da doença foi avaliada por: medida da saturação de oxigênio da hemoglobina por oximetria de pulso, sistema de escore clínico modificado, tempo de uso de oxigênio, tempo de hospitalização e necessidade de ventilação mecânica, sendo estas variáveis comparadas em relação às medianas de IL-2 através dos testes de Spearman e Kruskal-Wallis e...

Validación de método de PCR tiempo real para cuantificar Pneumocystis Jirovecii en muestras respiratorias no invasivas y en tejido pulmonar

Astorga Saavedra, Jaime Felipe
Fonte: Universidad de Chile Publicador: Universidad de Chile
Tipo: Tesis
Português
Relevância na Pesquisa
26.84%
Tesis presentada a la Universidad de Chile para optar al grado académico de Magíster en Bioquímica área de especialización en Bioquímica Clínica y Memoria para optar al título profesional de Bioquímico; Pneumocystis jirovecii es un microorganismo fúngico capaz de infectar el tracto respiratorio de individuos con algún tipo de inmunocompromiso, y causarles neumonía por Pneumocystis (PCP). Investigaciones más recientes han comprobado que P. jirovecii también se puede hallar en el tracto respiratorio de personas aparentemente inmunocompetentes, sobre todo en lactantes menores de un año de edad, en quienes se denomina “infección primaria”. Aquellos hospederos en quienes se ha detectado el microorganismo en muestras respiratorias, pero que no presentan sintomatología de PCP, se consideran “colonizados” por Pneumocystis. A pesar de los avances en la investigación básica, clínica y epidemiológica de Pneumocystis, no se ha comprobado si el hongo contribuye a la morbilidad de enfermedades respiratorias que a veces presentan pacientes adultos colonizados o lactantes con infección primaria. En vista de lo anterior, y considerando el inconveniente que Pneumocystis no es un hongo cultivable hasta el momento...

Nuevos virus respiratorios en niños de 2 meses a 3 años con sibilancias recurrentes

Maffey,Alberto F; Venialgo,Carolina M; Barrero,Paola R; Fuse,Valentina A; Márques,María de los A; Saia,Mariana; Villalba,Analía; Teper,Alejandro M; Mistchenko,Alicia S
Fonte: Archivos argentinos de pediatría Publicador: Archivos argentinos de pediatría
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2008 Português
Relevância na Pesquisa
47.11%
Introducción. Los virus respiratorios son los agentes que con más frecuencia desencadenan sibilancias, especialmente, el virus sincicial respiratorio en los lactantes y los rinovirus en niños mayores. Objetivos. Conocer la prevalencia y la circulación estacional de los virus respiratorios nuevos y tradicionales en lactantes y niños pequeños con sibilancias recurrentes. Material y métodos. Estudio de corte transversal, prospectivo y descriptivo. Se incluyeron pacientes de 2 meses a 3 años con sibilancias recurrentes y factores de riesgo para desarrollar asma hospitalizados por obstrucción bronquial. Se obtuvo una muestra de secreciones respiratorias por aspirado nasofaríngeo y se utilizó la técnica de inmunofluorescencia para detectar Virus Sincicial Respiratorio, Adenovirus, Parainfluenza 1, 2 y 3 e Influenza A y B, y la Reacción en Cadena de la Polimerasa para determinar Rinovirus, Enterovirus, Virus Sincicial Respiratorio, Bocavirus, Adenovirus y Coronavirus. Resultados. Se evaluaron 119 pacientes (61 femeninos), edad (x E DE) 1,5 E 0,9 años. Los días de internación y de requerimientos de oxígeno fueron (x E DE): 6,3 E 2,9 y 4,4 E 2,7 respectivamente. Se hallaron 102 (86%) casos positivos. El 55% de los virus se detectó por Inmunofluorescencia y el 45% por Reacción en Cadena de la Polimerasa. El 75% de las muestras respiratorias presentó un solo agente viral...

Optimización del procesamiento y la conservación de muestras clínicas destinadas al diagnóstico molecular de coqueluche

Pianciola,L.; Mazzeo,M.; Flores,D.; Hozbor,D.
Fonte: Revista argentina de microbiología Publicador: Revista argentina de microbiología
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
Coqueluche o pertussis es una infección respiratoria aguda, muy contagiosa y particularmente grave en menores de un año. En la enfermedad clásica, el diagnóstico clínico puede realizarse sin dificultad. En otros casos se requiere la confirmación por el laboratorio. Los métodos usados son el cultivo, la serología y la PCR. Para esta última, la muestra de elección es el aspirado nasofaríngeo y la metodología más sencilla de procesamiento utiliza proteinasa K. Aunque por lo general los resultados son satisfactorios, frecuentemente se presentan dificultades relacionadas con la naturaleza mucosa de los especímenes. Por otra parte, existen incertidumbres respecto de las condiciones óptimas de conservación de las muestras. En el presente estudio se evaluaron distintas técnicas de procesamiento y diversas condiciones de conservación de los materiales. Los resultados obtenidos permitieron seleccionar un método que optimiza el procesamiento de estas muestras, con un desempeño comparable al de los métodos comerciales y costos muy inferiores. Asimismo, las experiencias diseñadas para evaluar la conservación de las muestras nos permitieron elaborar una serie de recomendaciones, que pueden resultar muy valiosas cuando se debe guiar la derivación desde los lugares donde se atienden los pacientes hasta los centros donde se realizan las determinaciones basadas en metodologías moleculares.

Estudio sobre la eficacia y utilidad de la solución salina hipertónica al 3% en la bronquiolitis aguda del lactante hospitalizado

Martín Martín,R.; Yep Chullen,G.; Sánchez Bayle,M.; Villalobos Pinto,E.; Flores Pérez,P.
Fonte: Pediatría Atención Primaria Publicador: Pediatría Atención Primaria
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; journal article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: text/html; application/pdf
Publicado em 01/06/2013 Português
Relevância na Pesquisa
27.11%
Objetivo: estudiar la utilidad de la solución salina hipertónica (SSH) al 3% inhalada en el tratamiento de la bronquiolitis aguda (BA) del lactante hospitalizado. Pacientes y métodos: estudio de casos y controles realizado con 639 pacientes de edad inferior a siete meses e ingresados con diagnóstico de BA, primer episodio, durante tres periodos estacionales consecutivos, en la sección de lactantes de un hospital pediátrico de Madrid (España). Los pacientes que recibieron como tratamiento, durante los dos primeros periodos estacionales, suero salino fisiológico (SSF) inhalado con o sin medicación se consideraron el grupo control y los pacientes que recibieron, durante el tercer periodo estacional, suero salino hipertónico al 3% inhalado con o sin medicación se consideraron como casos. Los días de hospitalización y las horas de oxigenoterapia fueron utilizados como medidas de resultado. Resultados: de la totalidad de los niños estudiados, 460 recibieron SSF inhalado, y 179 recibieron SSH al 3%. En el grupo que recibió SSF, la estancia media en el hospital fue de 5,16 días (intervalo de confianza del 95% [IC 95%]: 4,78-5,56) y el tiempo medio de oxigenoterapia fue de 57,34 (IC 95%: 52,93-61,75) frente a 4,90 días (IC 95%: 4...

Lactancia materna y protección contra las infecciones respiratorias en los primeros meses de vida

Bueno Campaña,M.M.; Calvo Rey,C.; Jimeno Ruiz,S.; Faustino Sánchez,M.; Quevedo Teruel,S.; Martínez Granero,M.Á.; Delgado Iribarren,A.; Casas Flecha,I.
Fonte: Pediatría Atención Primaria Publicador: Pediatría Atención Primaria
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; journal article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: text/html; application/pdf
Publicado em 01/06/2011 Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
Introducción: entre las ventajas de la lactancia materna (LM) se incluye su papel protector ante infecciones respiratorias (IR). Objetivos: describir el patrón de LM de una cohorte de recién nacidos (RN) y su protección contra las IR en el lactante. Material y métodos: estudio prospectivo de 316 RN, de las áreas 8 y 9 de Madrid, desde el nacimiento mediante llamadas telefónicas quincenales durante el invierno, registrando datos clínicos y epidemiológicos. Si presentaban sintomatología compatible con IR se recogió aspirado nasofaríngeo. Resultados: mil ochocientas sesenta y cinco llamadas (mediana: 4,2 [1-11]) y 106 visitas programadas. Al mes, el 56,1% recibía LM exclusiva; a los tres meses, el 39,4%, y a los cinco meses, el 31,9%. La LM exclusiva se mantuvo 65,1 días (desviación estándar: 43,49) y ningún factor se asoció a una mayor duración. Hubo 89 episodios de IR aguda. Los hermanos escolares multiplican por 1,74 (intervalo de confianza del 95% [IC 95%]: 1,12-2,72) el riesgo de IR en todos los estratos de duración de LM exclusiva. El riesgo de infección se multiplica por cinco (IC 95%: 2,07-12,19) si la LM exclusiva dura menos de un mes, por 9,8 (IC 95%: 4,06-23,66) si dura entre 30 y 60 días y por 3,4 (IC 95%: 1...

Infecciones graves por virus respiratorio sincicial en lactantes menores de tres meses: Incidencia en pacientes sin factores de riesgo clásicos

BELLO,OSVALDO; LANGENHIN,MALBINA; PUJADAS,MóNICA; MATEO,SOLEDAD; CHIPARELLI,HéCTOR
Fonte: Archivos de Pediatría del Uruguay Publicador: Archivos de Pediatría del Uruguay
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2001 Português
Relevância na Pesquisa
27.11%
Introducción: el virus respiratorio sincicial es el agente patógeno detectado con más frecuencia en niños hospitalizados por infección respiratoria aguda baja. Las recomendaciones para profilaxis han sido usadas para lactantes con alto riesgo de enfermedad severa por virus respiratorio sincicial. Nuestra hipótesis fue que niños sin factores de riesgo pueden desarrollar enfermedad severa por virus respiratorio sincicial. Objetivo: el objetivo del presente estudio fue determinar la incidencia de virus respiratorio sincicial en infección respiratoria aguda baja graves en niños menores de 90 días de edad y evaluar las características de dicha población. Método: se realizó un estudio prospectivo, descriptivo, entre el 1 de abril y el 30 de setiembre de 2000. Fueron incluidos todos los pacientes menores de 90 días con infección respiratoria aguda baja que presentaban signos de falla respiratoria y requirieron admisión en la Unidad de Reanimación y Estabilización del Departamento de Emergencia Pediátrica. Muestras de aspirado nasofaríngeo fueron testadas mediante inmunofluorescencia directa y cultivos celulares para identificar virus respiratorio sincicial. Resultados: fueron enrolados un total de 61 pacientes; fue detectado virus respiratorio sincicial en aspirado nasofaríngeo en 34 de ellos (56%). Tres prematuros (menores de 32 semanas) fueron excluidos del análisis por tratarse de niños con factores de riesgo (n=31). Los datos demográficos fueron los siguientes: varones 21/31 (68%); edad rango (media) 6-90 (40 días)...

Estrategia de atención hospitalaria de niños con infección respiratoria aguda baja

Pinchak,María Catalina; Hackembruch,Cecilia; Algorta,Gabriela; Rubio,Ivonne; Montano,Alicia; Pirez,María Catalina; Ferrari,Ana María
Fonte: Archivos de Pediatría del Uruguay Publicador: Archivos de Pediatría del Uruguay
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2007 Português
Relevância na Pesquisa
26.53%
Introducción: en Uruguay las infecciones respiratorias agudas bajas (IRAB) constituyen la primera causa de internación en el Hospital Pediátrico del Centro Hospitalario Pereira Rossell, aumentando considerablemente la demanda asistencial en los meses fríos. Para hacer frente a esta demanda se implementó en 1999 una estrategia asistencial que se denominó “Plan de invierno” (PI). En el marco de este programa se habilitó en el 2005 una Unidad de Hospitalización para niños con IRAB de probable etiología viral. Como forma de evaluar la contribución de esta Unidad al cumplimiento del PI, se describen los resultados de su funcionamiento y los costos del mismo. Resultados: la Unidad funcionó entre el 15 de junio y el 31 de octubre. Del total de niños hospitalizados por IRAB de probable etiología viral, 625 (29,3%) ingresaron a la Unidad, donde ingresaron además 102 niños con neumonía de probable etiología bacteriana y 112 con otras enfermedades. Se realizó investigación de antígenos de VRS y de adenovirus en aspirado nasofaríngeo en 98% de los niños con IRAB de probable etiología viral, con franco predominio del primero. El uso de la medicación se adecuó a lo recomendado, con un cumplimiento aún insuficiente de las pautas del hospital. La duración media de la estadía fue de 4...