Página 1 dos resultados de 204 itens digitais encontrados em 0.011 segundos

Modos de enfrentamento de pessoas com insuficiência renal crônica terminal em tratamento hemodialítico; Ways of coping of the people with terminal chronic renal failure in hemodialysis treatment.

Bertolin, Daniela Comelis
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 26/09/2007 Português
Relevância na Pesquisa
116.37%
A Insuficiência Renal Crônica Terminal (IRCT) é uma doença crônica nãotransmissível e um problema de saúde pública, constituindo uma das principais causas de morte e incapacitação no mundo. A condição crônica de saúde é uma situação estressante e fonte de novos estressores que são enfrentados, de acordo com o significado que têm para os envolvidos. Os modos de enfrentamento podem amenizar os efeitos do estresse, favorecendo o processo adaptativo. Objetivos: Analisar os modos de enfrentamento das pessoas com IRCT frente à situação de doença e ao tratamento por hemodiálise, segundo variáveis sociodemográficas, clínicas e hábitos de vida. Material e método: Trata-se de um estudo descritivo, transversal e populacional, que utiliza análise quantitativa, desenvolvido no Instituto de Urologia e Nefrologia de São José do Rio Preto (IUN), onde foram entrevistados 107 pacientes acometidos por IRCT em tratamento hemodialítico há seis meses ou mais, adultos (pacientes com 18 anos ou mais), orientados, tendo condições de responder aos questionários propostos sem prejuízo nas respostas; que concordaram em participar do estudo, assinando o termo de consentimento livre e esclarecido. Os instrumentos utilizados foram o Inventário de Estratégias de Enfrentamento de Folkman e Lazarus (1985) e um roteiro de entrevista semi-estruturada para caracterização da população elaborado para este estudo. Resultados: A maioria das pessoas entrevistadas era do sexo masculino...

O cuidador do idoso com insuficiência renal crônica em diálise peritoneal ambulatorial contínua; The caregiver of elderly patients with chronic renal insufficiency receiving continuous ambulatory peritoneal dialysis.

Ribeiro, Daniele Favaro
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 26/09/2008 Português
Relevância na Pesquisa
106.27%
O idoso com insuficiência renal crônica terminal (IRCT) em tratamento de Diálise peritoneal ambulatorial contínua (DPAC) requer maior atenção da família frente às dificuldades decorrentes. Assim, este estudo tem como objetivos: caracterizar os idosos com diagnóstico de IRCT em tratamento de DPAC, atendidos em uma Unidade Nefrológica de um Hospital Escola do interior paulista, bem como seus respectivos cuidadores familiares, e descrever o processo de cuidar desses idosos. Trata-se de um estudo de caráter qualitativo em que se utilizou como técnica de coleta de dados a história oral temática. Foi adotada a análise temática dos dados segundo Minayo. Participaram do estudo nove cuidadores familiares de idosos com IRCT em tratamento de DPAC. A coleta de dados foi realizada no domicílio dos cuidadores, no período de agosto de 2007 a janeiro de 2008. Quanto à caracterização dos idosos, 55,6% eram homens; média de idade de 70 anos; 88,9% eram casados; 88,9% aposentados e 55,6% recebiam 1 salário mínimo (SM); o tempo em que permaneceram recebendo cuidados foi em média 2,4 anos e todos eram dependentes de outra pessoa para realizar a troca de bolsa de diálise. Em relação aos cuidadores, 88,9% eram mulheres, 77,8% casados...

Avaliação da qualidade de vida de pacientes com insuficiência renal crônica em tratamento por diálise peritoneal automatizada e hemodiálise utilizando o instrumento SF-36; Evaluation of Quality of Life of end-stage renal disease patients treated with either automatic peritoneal dialysis or hemodialysis using SF-36 questionnaires

Arenas, Valquiria Greco
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 03/08/2006 Português
Relevância na Pesquisa
106.22%
INTRODUÇÃO: A avaliação da QV tem se destacado de modo crescente em pesquisas clínicas de pacientes com insuficiência renal crônica terminal (IRCT), sendo o SF-36 um dos instrumentos mais utilizados nesta população. O objetivo deste estudo foi avaliar e comparar a QV nos pacientes com IRCT que estavam em tratamento dialítico de DPA e HD utilizando o SF-36 e avaliar se parâmetros sociais, demográficos, econômicos, clínicos e de adequação em diálise interferem na QV desses grupos. MÉTODOS: este estudo transversal, prospectivo e observacional, foi realizado em uma unidade de diálise satélite no município de São Paulo, em dezembro de 2003. Foram incluídos no estudo os pacientes de DPA ou HD, com tempo na terapia maior que 90 dias, idade entre 18 e 75 anos, com domínio da língua portuguesa e que concordaram em responder o instrumento para avaliação da QV. Participaram 22 pacientes de DPA e 79 de HD. Através do prontuário médico, foram coletados dados demográficos, sociais, econômicos, informações clínicas e exames laboratoriais. A QV foi avaliada apenas uma vez durante entrevista com a pesquisadora. Os valores obtidos na QV foram cruzados com as demais variáveis para verificar se havia interação significativa. RESULTADOS: Os grupos foram muito semelhantes entre si na maioria das variáveis analisadas. Na HD observou-se tempo maior de tratamento (p=0.002) e níveis de albumina sérica mais elevados que DPA (p<0...

Hiperparatireoidismo secundário e hipertrofia ventrticular em pacientes com insuficiência renal crônica terminal mantidos em hemodiálise

Randon, Roseli Beatriz
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
106.36%
Justificativa: Embora pacientes portadores de insuficiência renal crônica terminal (IRCT) desenvolvam, freqüentemente, anormalidades estruturais cardíacas, em particular a hipertrofia ventricular esquerda (HVE), nem todos os mecanismos envolvidos neste processo estão adequadamente estudados. Objetivo: Avaliar a associação entre o paratormônio (PTH) e a massa ventricular esquerda (MVE) em indivíduos urêmicos terminais. Métodos: Pacientes estáveis em hemodiálise crônica foram avaliados por ecocardiografia bidimensional e tiveram seus níveis de PTH medidos por radioimunoensaio (iPTH - molécula intacta). Foram excluídos pacientes hipertensos não controlados, diabéticos e os com mais de 65 anos. Os pacientes foram estratificados de acordo com os níveis de iPTH em níveis baixos ( 100 pg/ml), níveis intermediários (101 à 280 pg/ml) e níveis elevados (281 pg/ml). Resultados: Quarenta e um pacientes em hemodiálise, com tempo de tratamento hemodialítico de 3-186 meses foram avaliados. A média de idade foi de 45 anos (18 a 61) e houve predomínio de homens (63%). Foi identificada uma associação estatisticamente significativa e positiva entre o índice de MVE (IMVE) e o iPTH (r=0,34; P=0,03) em toda a amostra. Na análise de subgrupos não se constatou associação estatisticamente significativa nos grupos com iPTH baixo e intermediário...

Hiperoxalúria primária com insuficiência renal crônica terminal em lactente

Macedo, Célia S.; Yoshida, Eneida M.; Viero, Rosa Marlene; Riyuzo, Márcia C.; Bastos, Herculano Dias
Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria Publicador: Sociedade Brasileira de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 171-175
Português
Relevância na Pesquisa
126.43%
Objetivo: descrever caso clínico de um lactente com insuficiência renal crônica terminal, causada por hiperoxalúria primária.Método: após revisão da literatura, verifica-se a raridade da doença; na França, a prevalência é de 1,05/milhão, com taxa de incidência de 0,12/milhão/ano. Pesquisa abordando centros especializados mundiais detectou, em 1999, 78 casos em lactentes; destes, em 14% o quadro inicial foi de uremia. A gravidade e a raridade da doença sugerem o relato deste caso.Resultados: criança de sexo feminino, com quadro de vômitos e baixo ganho de peso desde os primeiros meses de vida, desenvolveu insuficiência renal terminal aos 6 meses de idade, sendo mantida em tratamento dialítico desde então. Aos 8 meses, foi encaminhada para esclarecimento diagnóstico, apresentando déficit pôndero-estatural grave e os seguintes exames laboratoriais: uréia= 69 mg/dl, creatinina=2,2 mg/dl e clearance de creatinina= 12,5 ml/min/1.73m²SC. O exame de urina foi normal, a ultra-sonografia renal revelou tamanho normal e hiperecogenicidade de ambos os rins. A dosagem de oxalato urinário foi de 9,2mg/kg/dia ou 0,55 mmol/1.73m²SC, e a relação oxalato:creatinina, de 0,42. A biópsia renal diagnosticou presença de grande quantidade de depósitos de cristais de oxalato de cálcio no parênquima renal. A radiografia de ossos longos evidenciou sinais sugestivos de osteopatia oxalótica...

Medo de cair em pessoas com insuficiência renal crónica terminal

Cardoso, Catarina Henriques Mourela
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
126.32%
Enquadramento: A Insuficiência Renal Crónica Terminal (IRCT) implica a realização de hemodiálise ou diálise peritoneal. A diálise apresenta vários riscos que afetam a qualidade de vida das pessoas, sendo um deles o risco de queda, que está associado à fragilidade após os tratamentos. Após uma queda é frequente uma pessoa ter medo de cair. Esta percepção de medo pode contribuir também para o risco de queda, acabando por ser tornar um ciclo vicioso. O medo de cair tem sido pouco estudado na população com IRCT. Objetivos: Este estudo teve como objetivo avaliar o medo de cair na população com IRCT e a sua relação com características sociodemográficas e clínicas, frequência de quedas, força muscular e equilíbrio funcional. Metodologias: Realizou-se um estudo transversal, do tipo descritivo, comparativo e correlacional, com uma abordagem quantitativa. Utilizou-se um questionário baseado na checklist da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde para recolher dados relativos à caracterização socio-demográfica e clínica e frequência de quedas da amostra. O medo de cair foi avaliado através de uma questão adicionada ao questionário e através da aplicação da Escala de Confiança no Equilíbrio Específica para a Atividade (Escala ABC). Foram recolhidos dados de equilíbrio funcional através do Teste Levantar e Sentar 5 vezes e de força muscular através de um dinamómetro digital isométrico. A análise dos dados foi realizada com recurso a estatística descritiva e inferencial. Resultados: Fizeram parte do estudo 72 participantes com uma média etária 62...

Risco de queda e fatores psicossociais em pessoas com insuficiência renal crónica terminal

Valente, Carolina Domicilia
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
126.34%
Enquadramento: O aumento da incidência e prevalência da insuficiência renal crónica terminal (IRCT) é atualmente considerado um problema de saúde pública mundial. A IRCT implica terapia renal de substituição, por hemodiálise, diálise peritoneal ou transplantação renal. Em Portugal, as pessoas com 65 ou mais anos representam a maior faixa populacional a realizar hemodiálise e diálise peritoneal. A pessoa em hemodiálise tende a sofrer limitações funcionais, tais como dificuldade na marcha e diminuição do equilíbrio, aumentando o risco de queda. Sabe-se também que o risco de queda se encontra associado a fatores psicossociais; no entanto, estes encontram-se pouco estudados, especialmente nesta população. Objetivo: Este estudo teve como objetivo analisar a relação entre o risco de queda na pessoa com IRCT e fatores psicossociais (ansiedade, depressão e isolamento social). Metodologia: Estudo transversal, do tipo descritivo-correlacional, com uma amostra de conveniência, utilizando uma abordagem quantitativa. Os dados de caracterização sociodemográfica e clínica foram obtidos através de um questionário baseado na checklist da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. O risco de queda foi avaliado a partir do Teste Levantar e Sentar 5 vezes e da Força Muscular Isométrica. Os sintomas de ansiedade e depressão foram avaliados com a Escala de Ansiedade e Depressão Hospitalar. Para avaliação do isolamento social foi utilizada a Escala Breve de Redes Sociais de Lubben. A análise dos dados foi efetuada com o recurso à estatística descritiva e inferencial. Resultados: A amostra foi constituída por 72 participantes...

Aumento na prevalência de diabete melito como causa de insuficiência renal crônica dialítica: análise de 20 anos na região Oeste do Paraná

Peres,Luis A.B.; Matsuo,Tiemi; Delfino,Vinicius D.A.; Peres,Celeide P.A.; Almeida Netto,José Henrique de; Ann,Hi K.; Camargo,Maurício T.A.; Rohde,Noris R.S.; Uscocovich,Vanessa F.M.
Fonte: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Publicador: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2007 Português
Relevância na Pesquisa
106.17%
A nefropatia diabética (ND) é a principal causa de insuficiência renal crônica terminal (IRCT) nos países desenvolvidos. OBJETIVOS: Observar se ocorreu aumento da prevalência de diabete melito (DM) como causa de IRCT nos últimos 20 anos e comparar a sobrevida em diálise dos diabéticos e não diabéticos. MÉTODOS: Análise retrospectiva dos pacientes mantidos em diálise na região Oeste do Paraná no período de 1985 a 2005. A estimativa de sobrevida foi realizada pela Curva de Sobrevida de Kaplan-Meier. RESULTADOS: Durante este período, foram admitidos em diálise 645 pacientes. Em 16,1% deles o DM foi a causa da IRCT. Observou-se aumento na prevalência de DM como causa de IRCT. A sobrevida dos pacientes em diálise foi inferior nos diabéticos. CONCLUSÕES: A prevalência de DM como causa de IRCT aumentou progressivamente nos últimos 20 anos em nossa região. A sobrevida de pacientes diabéticos em diálise foi menor que a dos não-diabéticos.

Hiperoxalúria primária com insuficiência renal crônica terminal em lactente

Macedo,Célia S.; Yoshida,Eneida M.; Viero,Rosa Marlene; Riyuzo,Márcia C.; Bastos,Herculano D.
Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria Publicador: Sociedade Brasileira de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2002 Português
Relevância na Pesquisa
126.41%
Objetivo: descrever caso clínico de um lactente com insuficiência renal crônica terminal, causada por hiperoxalúria primária.Método: após revisão da literatura, verifica-se a raridade da doença; na França, a prevalência é de 1,05/milhão, com taxa de incidência de 0,12/milhão/ano. Pesquisa abordando centros especializados mundiais detectou, em 1999, 78 casos em lactentes; destes, em 14% o quadro inicial foi de uremia. A gravidade e a raridade da doença sugerem o relato deste caso.Resultados: criança de sexo feminino, com quadro de vômitos e baixo ganho de peso desde os primeiros meses de vida, desenvolveu insuficiência renal terminal aos 6 meses de idade, sendo mantida em tratamento dialítico desde então. Aos 8 meses, foi encaminhada para esclarecimento diagnóstico, apresentando déficit pôndero-estatural grave e os seguintes exames laboratoriais: uréia= 69 mg/dl, creatinina=2,2 mg/dl e clearance de creatinina= 12,5 ml/min/1.73m²SC. O exame de urina foi normal, a ultra-sonografia renal revelou tamanho normal e hiperecogenicidade de ambos os rins. A dosagem de oxalato urinário foi de 9,2mg/kg/dia ou 0,55 mmol/1.73m²SC, e a relação oxalato:creatinina, de 0,42. A biópsia renal diagnosticou presença de grande quantidade de depósitos de cristais de oxalato de cálcio no parênquima renal. A radiografia de ossos longos evidenciou sinais sugestivos de osteopatia oxalótica...

Transtornos depressivos em crianças com leucemia linfoide aguda e com insuficiência renal crônica terminal: estudo de série de casos

Oliveira,Juliana; Bandim,José Marcelino; Cabral Filho,José Eulálio
Fonte: Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2009 Português
Relevância na Pesquisa
126.25%
OBJETIVO: Investigar a presença de transtornos depressivos em crianças portadoras de leucemia linfoide aguda (LLA) e insuficiência renal crônica terminal (IRCT) atendidas no IMIP. MÉTODO: Estudo descritivo do tipo série de casos, composto por 52 crianças entre 8 e 15 anos portadoras de LLA e de IRCT. RESULTADOS: Três (5,8%) casos preenchiam os critérios para episódio depressivo maior (EDM), sendo dois portadores de IRCT e um portador de LLA. Oito (15,4%) preenchiam os critérios para transtorno distímico (TD), todos eles portadores de IRCT. A associação entre faixa etária e EDM não foi significativa (p=0,327). Entretanto, a faixa etária foi significante em relação ao TD (p=0,014), todos os seus portadores tinham entre 12 e 15 anos de idade. A associação entre os transtornos depressivos e o tempo de evolução da doença de base não foi significante. Contudo, observou-se uma tendência a quanto maior o tempo de evolução da doença de base, maior a associação com o TD. CONCLUSÃO: A frequência de EDM ficou dentro da faixa encontrada na literatura para escolares saudáveis, entretanto, a de TD foi mais alta. Não foram encontradas diferenças significantes entre as faixas etárias no diagnóstico de EDM. Porém...

Mudança do nível de qualidade de vida em portadores de insuficiência renal crônica terminal durante seguimento de 12 meses

Santos,Paulo Roberto; Pontes,Lígia Regina Sansigolo Kerr
Fonte: Associação Médica Brasileira Publicador: Associação Médica Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2007 Português
Relevância na Pesquisa
126.25%
OBJETIVO: Entre as doenças crônicas, a insuficiência renal crônica terminal (IRCT) se destaca no impacto negativo sobre a qualidade de vida (QV). O estudo teve como objetivo verificar mudança de QV em portadores de IRCT em hemodiálise durante 12 meses e identificar variáveis associadas com piora ou melhora de QV. MÉTODOS: A amostra foi constituída por uma coorte de 93 pacientes de uma mesma unidade hospitalar localizada no interior do Ceará, Brasil. O instrumento Medical Outcomes Study Questionaire 36-Item Short Form Health Survey (SF-36) foi aplicado em 2004 e 2005 para medida de QV com pontuações de 0 (pior) a 100 (melhor) referentes a oito dimensões e dois componentes resumidos (físico e mental). A amostra foi estratificada em três categorias: sem mudança, com melhora e sem piora de QV de acordo com a variação dos dois componentes resumidos (físico e mental). RESULTADOS: Houve variação média positiva (melhora) das pontuações referentes à dimensão Limitação por Aspectos Emocionais (36,0 ± 40,1 vs. 57,0 ± 45,7; p=0,004) e ao Componente Mental Resumido (53,4 ± 22,2 vs. 61,6 ± 23,5; p=0,021). Pacientes com variação negativa (piora) referente ao Componente Mental encontravam-se há menos tempo em diálise quando comparados com os pacientes sem mudança (36...

Avaliação da função cognitiva em pacientes com insuficiência renal crônica em diálise peritoneal

Costa, Caroline Reinhardt Correa
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
106.41%
Introdução: A doença renal crônica é um grave problema de saúde pública no país. Déficit cognitivo é comum em pacientes com insuficiência renal crônica terminal e depressão é uma condição prevalente na doença renal crônica terminal.Objetivo: avaliar a função cognitiva de pacientes com insuficiência renal crônica submetidos à diálise peritoneal no Hospital São Lucas da PUC e Hospital Beneficência Portuguesa de Pelotas.Materiais e Métodos: Estudo transversal controlado. Foram incluídos pacientes em tratamento para doença renal crônica terminal, em diálise peritoneal há pelo menos três meses, com idade acima de 18 anos, e pontuação no Mini Exame do Estado Mental acima de 18. Foram excluídos pacientes com demência prévia conhecida, história de acidente vascular cerebral, doença aguda, e hospitalizado com dificuldades de aprendizagem conhecidas. O grupo controle incluiu parentes saudáveis de pacientes em Diálise Peritoneal (DP) e Hemodiálise (HD), mesma idade e nível sócio-educativo. Todos os participantes foram submetidos a uma única aplicação de testes psicométricos no momento da consulta clínica ou agendados. Os testes utilizados foram a Escala de Inteligência Wechsler para Adultos (WAIS-III)...

Costo-efectividad de intervenciones para insuficiencia renal crónica terminal

Arredondo,Armando; Rangel,Ricardo; Icaza,Esteban de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/1998 Português
Relevância na Pesquisa
116.28%
OBJETIVO: Analisó el costo-efectividad en intervenciones para pacientes con insuficiencia renal crónica terminal (IRCT) en términos de los costos económicos de cada intervención, los años de vida ganados y la calidad de vida que generan tres alternativas comparables y mutuamente excluyentes: diálisis peritoneal contínua ambulatoria (DPCA), la hemodiálisis (HD) y el trasplante renal (TR). MÉTODO: El diseño del estudio fue de tipo longitudinal. Los costos de cada intervención se determinaron mediante la técnica de manejo de caso promedio. Las medidas para evaluar los criterios de efectividad elegidos fueron la probabilidad de sobrevida y el Año de Vida Ajustado por Calidad (QALY, Quality Adjusted Life Year) medido por el Indice de Rosser. RSULTADOS: Los costos de manejo anual de caso fueron: diálisis peritoneal $5,643.07, hemodiálisis $9,631.60 y trasplante $3,021.63. En cuanto a la efectividad, la sobrevida del injerto de trasplante renal resultó de 89,9% y 79,6% a uno y tres años respectivamente, mientras que los pacientes sometidos a DPCA tienen una sobrevida de 86,2% y 66,9% a un año y a tres años respectivamente. En cuanto a los QALY's, los resultados para cada intervención fueron: DPCA 0,879; HD 0,864; y para el TR 0...

Costo-efectividad de intervenciones para insuficiencia renal crónica terminal; Cost-effectiveness of interventions for end-stage renal disease

Arredondo, Armando; Rangel, Ricardo; Icaza, Esteban de
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/1998 Português
Relevância na Pesquisa
116.43%
OBJETIVO: Analisar o custo-efetividade de intervenções realizadas em pacientes com insuficiência renal crônica terminal (IRCT) quanto a custos econômicos de cada intervenção, anos de vida ganhos e qualidade de vida que geram três alternativas comparáveis e mutuamente excluentes: diálise peritoneal contínua ambulatória (DPCA), hemodiálise (HD) e transplante renal (TR). MÉTODO: O desenho do estudo foi do tipo longitudinal. Os custos de cada intervenção foram determinados mediante a técnica de manejo de caso promédio. As medidas para avaliar os critérios de efetividade elegidos foram a probabilidade de sobrevida e o Ano de Vida Ajustado por Qualidade (QALY, Quality Adjusted Life Year) medido pelo Índice de Rosser. RESULTADOS: Os custos do manejo anual de caso foram: diálise peritoneal US$5,643.07, hemodiálise US$9,631.60 e transplante US$3,021.63. Quanto à efetividade, a sobrevida do transplante renal resultou em 89,9% e 79,6% para um e três anos, respectivamente, enquanto que os pacientes submetidos a DPCA têm uma sobrevida de 86,2% e 66,9% para um ano e três anos, respectivamente. Quanto aos QALY's, os resultados para cada intervenção foram: DPCA 0,879; HD 0,864; e para o TR 0,978. CONCLUSÃO: A intervenção mais custo-efetivo mostrou ser o transplante renal com um coeficiente de 3...

Calidad de vida en pacientes con insuficiencia renal crónica en tratamiento con diálisis

Seguí Gomà,Anna; Amador Peris,Patricia; Ramos Alcario,Ana Belén
Fonte: Revista de la Sociedad Española de Enfermería Nefrológica Publicador: Revista de la Sociedad Española de Enfermería Nefrológica
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; journal article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: text/html; application/pdf
Publicado em 01/09/2010 Português
Relevância na Pesquisa
106.16%
Introducción: En la última década, han proliferado los estudios para evaluar la calidad de vida relacionada con la salud en pacientes con Insuficiencia Renal Crónica en tratamiento sustitutivo con diálisis. Objetivo: Evaluar la CV y las características personales de pacientes con IRC y comparar con la población general. Material y método: Estudio descriptivo de corte transversal con una muestra de 96 pacientes en diálisis de un centro de Tarragona. Para hacer la valoración de la Calidad de Vida utilizamos el cuestionario de salud SF-36 y lo comparamos con los valores normales de referencia de la población española. Se valoran los siguientes datos: edad, sexo, estado civil, profesión, lugar donde vive, tiempo que tarda en llegar al centro de diálisis, transporte utilizado, tiempo que lleva en tratamiento y por último el acceso vascular. Resultados: La edad media del estudio es de 62,12 años en un rango comprendido entre 18 y 90 años. Predominan los varones con un 53,1%. El 66,7% están casados, unos 60,4% jubilados y el 88,6% viven acompañados. También hemos comparado según el trayecto a realizar hasta la unidad, tiempo que tardan y el tipo de transporte que utilizan siendo el 55,2% que se desplazan en ambulancia. Para finalizar...

Desarrollo y validación de un instrumento para la evaluación de distorsiones cognitivas en pacientes con insuficiencia renal crónica terminal

Lerma,Abel; Salazar,Elihud; Perez-Grovas,Héctor; Bermudez,Luis; Gutiérrez,David; Reyes-Lagunes,Isabel; Bochicchio,Tommaso; Robles-García,Rebeca; Lerma,Claudia
Fonte: Instituto Mexicano de Psiquiatría Ramón de la Fuente Publicador: Instituto Mexicano de Psiquiatría Ramón de la Fuente
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 Português
Relevância na Pesquisa
106.18%
Antecedentes Las alteraciones psicológicas son frecuentes en los pacientes con insuficiencia renal crónica terminal (IRC). Desde la perspectiva teórica cognitivo-conductual, éstas pueden deberse en gran medida a distorsiones cognitivas específicas (DC), que son susceptibles de ser modificadas mediante intervenciones breves. El objetivo del presente estudio fue desarrollar y validar un instrumento de evaluación de las DC de pacientes con IRC. Método Se integró un cuestionario con una frase estímulo para cada una de cinco categorías de DC: catastrofismo, pensamiento dicotómico, autovalorización externa, autoetiquetización negativa y perfeccionismo. Éste se aplicó a 21 pacientes con IRC (11 mujeres y 10 hombres). Con base en la técnica de redes semánticas naturales, se identificó el conjunto de respuestas (palabras definidoras) con mayor peso semántico para cada frase estímulo (núcleo de la red), con las que se construyó el instrumento piloto. Éste se aplicó junto con los Inventarios de Ansiedad y Depresión de Beck a 255 pacientes con IRC (118 mujeres, 137 hombres) de cuatro centros hospitalarios. Resultados El cuestionario piloto se integró con 46 reactivos con mayor peso semántico de entre 343 palabras definidoras originales. Se descartaron 16 reactivos por falta de capacidad de discriminación (1)...

Características de las crisis epilépticas en niños con insuficiencia renal crónica terminal.

Juárez Belaúnde,Alan Luis; Gasha Tamashiro,Carlos Gianpaulo; Lam Milay,Luis; Guillén Pinto,Daniel; Loza Munárriz,Reyner
Fonte: Revista Medica Herediana Publicador: Revista Medica Herediana
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2008 Português
Relevância na Pesquisa
126.25%
Las crisis epilépticas son complicaciones frecuentes en niños que padecen de Insuficiencia Renal Crónica Terminal (IRC-T). Objetivo: Describir la frecuencia y características de las crisis epilépticas en niños con IRC-T. Material y Métodos: Estudio retrospectivo, tipo serie de casos. Se incluyeron 24 pacientes menores de 14 años de ambos sexos con IRC-T que presentaron al menos un episodio de crisis epiléptica, atendidos en el Hospital Nacional Cayetano Heredia entre enero de 1998 y marzo de 2006. Resultados: La frecuencia encontrada de crisis epiléptica en esta población fue de 24/188 (12,7%); 18/24 (75%) se encontraban en tratamiento dialítico crónico al momento de presentarse la primera crisis epiléptica; las glomerulopatías fueron la etiología más frecuente de la IRC-T; la mayoría de niños (41,6%) presentaron crisis parciales, y el hallazgo tomográfico más frecuente fue la hemorragia intraparenquimal. Conclusiones: La frecuencia de crisis epilépticas en esta serie de niños con IRC-T es menor que la descrita en la literatura revisada. (Rev Med Hered 2008;19:1-4).

Lesiones Endoscópicas del Tracto Digestivo Alto en Pacientes con Insuficiencia Renal Crónica Terminal

Chacaltana,Alfonso; Velarde,Héctor; Espinoza,Julio
Fonte: Revista de Gastroenterología del Perú Publicador: Revista de Gastroenterología del Perú
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2007 Português
Relevância na Pesquisa
126.28%
INTRODUCCIÓN: La Insuficiencia Renal Crónica Terminal (IRCT) ocasiona alteraciones a nivel sistémico, y entre ellas, las relacionadas al aparato digestivo manifestadas por sintomatología variada y responsable de significativa morbi-mortalidad. El objetivo principal del estudio fue determinar las alteraciones endoscópicas del tracto digestivo superior más frecuentes en los pacientes con IRCT. MATERIAL Y MÉTODOS: Se desarrolló un estudio descriptivo y retrospectivo en pacientes mayores de 18 años con diagnóstico de IRCT incluidos en el Programa de Hemodiálisis del Hospital Central FAP, desde Enero del 2000 a Febrero del 2007, con estudio de endoscopía alta realizada durante el mismo período de tiempo, revisándose las respectivas historias clínicas para la recolección de variables demográficas, clínicas y endoscópicas. RESULTADOS: Se estudiaron 54 pacientes. La edad promedio fue 73.2 años, siendo más frecuente en varones con una relación M/F de 1.45. La población tenía en promedio 32 meses de diagnóstico de IRCT y valores promedio de urea y creatinina sérica en 94.4 y 3.9 mg/dl respectivamente. Sólo el 37.1% de los pacientes fueron sintomáticos. La indicación más frecuente del estudio endoscópico fue la hemorragia digestiva alta (29.6%). Los hallazgos endoscópicos más prevalentes fueron las erosiones gástricas (35.2%)...

Repercusión psicosocial y carga en el cuidador informal de personas con insuficiencia renal crónica terminal

Velázquez Pérez,Yuneisi; Espín Andrade,Margarita
Fonte: Centro Nacional de Información de Ciencias Médicas Publicador: Centro Nacional de Información de Ciencias Médicas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2014 Português
Relevância na Pesquisa
126.25%
Objetivos: describir características demográficas, socioeconómicas, y psicológicas en cuidadores informales de pacientes con insuficiencia renal crónica terminal, y evaluar la carga, atendiendo a edad, sexo, parentesco, ansiedad y depresión. Métodos: estudio descriptivo, transversal, en 24 cuidadores informales, de febrero a septiembre de 2011. Se aplicaron el cuestionario de caracterización del cuidador, inventarios autoevaluativos para depresión y ansiedad, la escala psicosocial del cuidador y la escala de carga de Zarit. Resultados: los cuidadores eran en su mayoría mujeres de 40 a 59 años, preuniversitarias, cónyuges del enfermo, sin vínculo laboral, convivían con este, lo cuidaban hacía más de 5 años a tiempo completo y lo atendían por razones afectivas. Poseían información sobre la enfermedad, no tenían experiencia en cuidar y padecían de problemas nerviosos, osteomusculares y cefalea. Utilizaban estrategias de afrontamiento centrado en el problema y en las emociones. El 100 % tuvo niveles medios y altos de ansiedad y depresión. Como afectación socioeconómica predominó la limitación del tiempo libre, poco apoyo percibido, escasas relaciones sociales, problemas económicos y dificultades laborales. Emergieron sentimientos negativos como miedo...

Costo-efectividad de intervenciones para insuficiencia renal crónica terminal

Arredondo,Armando; Rangel,Ricardo; Icaza,Esteban de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/1998 Português
Relevância na Pesquisa
116.28%
OBJETIVO: Analisó el costo-efectividad en intervenciones para pacientes con insuficiencia renal crónica terminal (IRCT) en términos de los costos económicos de cada intervención, los años de vida ganados y la calidad de vida que generan tres alternativas comparables y mutuamente excluyentes: diálisis peritoneal contínua ambulatoria (DPCA), la hemodiálisis (HD) y el trasplante renal (TR). MÉTODO: El diseño del estudio fue de tipo longitudinal. Los costos de cada intervención se determinaron mediante la técnica de manejo de caso promedio. Las medidas para evaluar los criterios de efectividad elegidos fueron la probabilidad de sobrevida y el Año de Vida Ajustado por Calidad (QALY, Quality Adjusted Life Year) medido por el Indice de Rosser. RSULTADOS: Los costos de manejo anual de caso fueron: diálisis peritoneal $5,643.07, hemodiálisis $9,631.60 y trasplante $3,021.63. En cuanto a la efectividad, la sobrevida del injerto de trasplante renal resultó de 89,9% y 79,6% a uno y tres años respectivamente, mientras que los pacientes sometidos a DPCA tienen una sobrevida de 86,2% y 66,9% a un año y a tres años respectivamente. En cuanto a los QALY's, los resultados para cada intervención fueron: DPCA 0,879; HD 0,864; y para el TR 0...