Página 1 dos resultados de 1541 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

Mapeamento da variabilidade espacial das plantas daninhas com a utilização de ferramentas da agricultura de precisão.; Mapping weed spatial variability using precision farming tools.

Shiratsuchi, Luciano Shozo
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 04/12/2001 Português
Relevância na Pesquisa
66.76%
Tradicionalmente o manejo das plantas daninhas é realizado levando-se em consideração a infestação média destas plantas nas áreas agrícolas; sendo então adotadas estratégias de manejo de forma homogênea em toda a área. Porém, as plantas daninhas não se distribuem uniformemente, sendo comum o comportamento contagioso, formando manchas ou “reboleiras”. No entanto, a localização e mapeamento de diferentes infestações são tarefas difíceis de serem executadas em larga escala e requerem metodologias adequadas. Desta forma, métodos de determinação dessa variabilidade espacial necessitam de melhores esclarecimentos e estudos científicos. Com o objetivo de estudar o comportamento da variabilidade espacial das plantas daninhas e seu respectivo banco de sementes com a utilização de ferramentas da agricultura de precisão, foram realizados quatro experimentos para avaliar esta variabilidade espacial e temporal e analisar a potencialidade que a mesma pode proporcionar para o manejo racional das plantas daninhas, principalmente a possibilidade da aplicação localizada de herbicidas. O primeiro experimento consistiu do mapeamento do banco de sementes ao longo de dois anos consecutivos no intuito de comparar sua variabilidade espacial com a flora emergente. Concluiu-se que existe uma correlação entre o banco de sementes e a flora emergente e entre bancos de sementes de anos consecutivos...

Aplicação de métodos geoestatísticos para identificar a magnitude e a estrutura da variabilidade espacial de variáveis físicas do solo.; Application of geoestatistical methods to identify the magnitude and structure of spatial variability of physical variable of the soil.

Ortiz, Glaucy da Conceição
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 24/04/2002 Português
Relevância na Pesquisa
66.66%
O estudo da dependencia espacial de variaveis do solo ou da planta, atraves da teoria das variaveis regionalizadas ou geoestatistica, permite a interpretacao e a projecao dos resultados com base na estrutura da sua variabilidade natural. Com o conhecimento das posicoes relativas das amostragens ou medidas feitas a campo, a variabilidade espacial passa a ser utilizada como um fator positivo identicando interacoes importantes nas conclusoes experimentais. O estudo da variabilidade de um solo, alem de caracterizar uma regiao, pode indicar o numero e a distribuicao de amostras a serem retiradas possibilitando ainda maior detalhamento da area e dos resultados. A base para a adocao dos procedimentos geoestatisticos e sua justicativa e o entendimento e o tratamento da variavel em questao. Para aplicacao desses procedimentos e fundamental a compreensao dos instrumentos e conceitosutilizados, tais como: semivariograma, autocorrelacao, hipotese de estacionaridade, efeito pepita, patamar, alcance, anisotropia, krigagem e outros. Desta maneira o presente trabalho apresenta e discute conceitos e metodos geoestatisticos, analisando o comportamento de dados reais de duas variaveis fisicas do solo: densidade do solo e umidade do solo nas tensoes da capacidade de campo e ponto de murcha permanente...

Duração do período de molhamento foliar: medida com sensores eletrônicos, variabilidade espacial em culturas e estimativa com modelos empíricos; Leaf wetness duration: measurement with electronic sensors, spatial variability in crop canopies and estimation with empirical models

Santos, Eduardo Alvarez
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 01/09/2006 Português
Relevância na Pesquisa
66.63%
A duração do período de molhamento (DPM) é de grande importância para a epidemiologia de doenças de plantas, pois desempenha papel fundamental em alguns processos epidemiológicos. Dessa forma, sua determinação torna-se indispensável para o entendimento da relação entre o clima e doenças de plantas. Sendo assim, este estudo teve como objetivos: definir uma posição padrão de instalação de sensores cilíndricos para a medida da DPM sobre gramado, avaliar a variabilidade espacial dessa variável em três diferentes culturas, relacionar a DPM medida em culturas agrícolas com aquela obtida em posto meteorológico e comparar a estimativa da DPM obtida com modelos empíricos com aquela medida com sensores eletrônicos. Na fase anterior à sua instalação no campo, todos os sensores eletrônicos foram previamente pintados com tinta látex e tratados termicamente. Após essa etapa, os sensores cilíndricos foram instalados sobre gramado a 30 cm de altura voltados para o sul. No período inicial, os sensores cilíndricos foram mantidos paralelos à horizontal, visando-se a avaliar a variabilidade entre os mesmos. Posteriormente, foram testados cinco diferentes ângulos de instalação. As medidas obtidas por esses sensores foram comparadas com a medida padrão...

Avaliação da variabilidade espacial do fallout do 'ANTPOT.7Be'; Evaluation of 'ANTPOT.7Be' fallout spatial variability

Pinto, Victor Meriguetti
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 19/09/2011 Português
Relevância na Pesquisa
66.61%
O radioisótopo cosmogênico 'ANTPOT.7Be' é produzido por interações de partículas cósmicas com átomos da atmosfera, e vem sendo usado como traçador em estudos de erosão do solo e de processos climáticos. Após a formação, o 'ANTPOT.7Be' liga-se as partículas dos aerossóis presentes na atmosfera e é depositado na superfície terrestre com outras espécies de isótopos cosmogênicos pelas chuvas. Devido à grande afinidade com as partículas do solo e a meia vida curta de 53,2 dias, este radioisótopo acompanha os processos erosivos do solo e pode ser usado como traçador para estimar taxas de erosão e deposição de sedimentos durante um evento de chuva isolado ou conjunto de eventos de chuva erosivos de curta duração. Uma hipótese fundamental para a avaliação da redistribuição do solo através do 'ANTPOT.7Be' é a uniformidade da distribuição espacial do seu fallout. O método do 'ANTPOT.7Be' foi elaborado recentemente e por isso aplicado em poucas situações, de forma que muitos assuntos em relação ao método ainda não foram propriamente estudados, e algumas hipóteses, como da uniformidade do fallout do 'ANTPOT.7Be', precisam ser avaliadas. O principal objetivo deste estudo foi avaliar a distribuição espacial do fallout do 'ANTPOT.7Be' analisando-se as atividades dos 5 mm iniciais da água da chuva de eventos isolados. Os eventos de chuva foram amostrados em doze pontos de coleta distribuídos em uma área experimental de aproximadamente 300 m² e localizada no campus da Universidade de São Paulo...

Variabilidade espacial do solo em sistema plantio direto estabilizado; Spatial variability of soil in stabilized direct planting system

Duarte, Sara de Jesus
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 10/04/2015 Português
Relevância na Pesquisa
66.53%
A homogeneidade do solo em sistema de plantio direto, é um assunto questionável, pois alguns autores têm considerado que, com o passar do tempo, há aumento da homogeneidade do solo, outros têm verificado a redução. A hipótese deste trabalho é que em sistema de plantio direto consolidado existe correlação e dependência espacial dos atributos físicos-hídrico do solo e do desenvolvimento vegetativo da soja, sendo a cokrigagem colocalizada interpolador mais representativo destas correlações. O objetivo foi avaliar a variabilidade espacial de atributos físicos do solo e do desenvolvimento vegetativo da soja em sistema de plantio direto, adotado há mais de 19 anos. O trabalho foi desenvolvido na fazenda-escola da Universidade Estadual de Ponta Grossa - Paraná. A área de estudo tem como cultura a soja e está inserida em um relevo cuja declividade máxima, no sentido da pendente, é de aproximadamente 10 %. Nesta área, foram avaliados atributos físicos e hídrico do solo, como: densidade do solo (Ds), granulometria (areia e argila) e condutividade hidráulica saturada (Kfs). Avaliou-se, ainda, atributos de planta: altura da planta, estádio reprodutivo e stand. Para tais avaliações, foi demarcado um grid com espaçamento 10 x 10 metros...

VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA MATURAÇÃO DE UVA PARA VINHO - VARIEDADES: ARAGONÊS, TRINCADEIRA.

Marques da Silva, José Rafael; Mesquita, Paulo; Sousa, Adélia; Silva, Luis Leopoldo; Serrano, João M.R.
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Aula Formato: 1332677 bytes; application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
66.53%
O conceito de terroir no vinho é baseado na observação de que diferentes regiões, vinhas ou mesmo secções diferentes dentro da mesma vinha, podem produzir vinhos com uma identidade muito própria e bem diferente uns dos outros. Os franceses começaram a cristalizar este conceito como uma maneira de descrever os aspectos originais de um determinado lugar (solo, topografia e clima), que influencia e molda o vinho feito a partir dele. Para uma determinada posição geográfica, podemos considerar que o solo e a topografia são fixos no espaço e no tempo, mas não o clima. Na verdade, dentro da mesma vinha, várias regiões microclimáticas podem ser definidas. Os microclimas de uma determinada vinha afectam diferenciadamente a maturação das uvas, criando dessa forma uma variabilidade espacial e temporal da qualidade da uva. Foram analisadas duas variedades de uva, Aragonês e Trincadeira, e para cada variedade foram estudados, respectivamente, 7 e 6 talhões dentro da vinha do CASITO, pertencente à Fundação Eugénio de Almeida. Nestes talhões e nestas variedades, foi acompanhada a maturação das uvas em três anos consecutivos. Como resultado constatou-se que existe uma variabilidade espacial e temporal da maturação da uva entre castas e dentro da mesma casta...

VARIABILIDADE ESPACIAL DO pH DA UVA DENTRO DA MESMA UNIDADE DE GESTÃO

Marques da Silva, José Rafael; Sousa, Adélia; Mesquita, Paulo; Silva, Luis Leopoldo; Serrano, João
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Aula Formato: 383532 bytes; application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
66.53%
O talhão, é usualmente a unidade de gestão utilizada nos vários processos (rega, fertilização, amostragem, apanha) que precedem o desenvolvimento do vinho. Este estudo procurou determinar a variabilidade espacial do pH de amostras de bagos de uva recolhidas de um mesmo talhão. Os resultados obtidos mostram que existe variabilidade entre o pH de amostras colhidas em diferentes localizações do mesmo talhão, e que existem fortes indícios que as diferenças observadas se encontram relacionadas com a altimetria do talhão.

Influência da temperatura do ar na variabilidade espacial e temporal da maturação de uva para vinho - variedades: Aragonês e Trincadeira

Marques da Silva, José Rafael; Mesquita, Paulo; Sousa, Adélia; Silva, Luis; Serrano, João; Baptista, F. J.
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Aula
Português
Relevância na Pesquisa
66.53%
O conceito de terroir no vinho é baseado na observação de que diferentes regiões, vinhas ou mesmo secções diferentes dentro da mesma vinha, podem produzir vinhos com uma identidade muito própria e bem diferente uns dos outros. Os franceses começaram a consolidar este conceito como uma maneira de descrever os aspectos originais de um determinado lugar (solo, topografia e clima), que influencia e molda o vinho feito a partir dele. Para uma determinada posição geográfica, podemos considerar que o solo e a topografia são fixos no espaço e no tempo, mas não o clima. Na verdade, dentro da mesma vinha, várias regiões microclimáticas podem ser definidas. Os microclimas de uma determinada vinha afectam diferenciadamente a maturação das uvas, criando dessa forma uma variabilidade espacial e temporal da qualidade da uva. Foram analisadas duas variedades de uva, Aragonês e Trincadeira e para cada variedade foram estudados respectivamente 7 e 6 talhões dentro da vinha do CASITO, pertencente à Fundação Eugénio de Almeida. Nestes talhões e nestas variedades, foi acompanhada a maturação das uvas em três anos consecutivos. Como resultado constatou-se que existe uma variabilidade espacial e temporal da maturação da uva entre castas e dentro da mesma casta...

Influência da temperatura do ar na variabilidade espacial e temporal da maturação da uva para vinho – Variedades: Aragonês e Trincadeira.

Marques da Silva, José Rafael; Mesquita, Paulo; Sousa, Adélia; Silva, Luis Leopoldo; Serrano, João; Baptista, Fatima F.
Fonte: CVRA Publicador: CVRA
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Português
Relevância na Pesquisa
66.53%
O conceito de terroir no vinho é baseado na observação de que diferentes regiões, vinhas ou mesmo secções diferentes dentro da mesma vinha, podem produzir vinhos com uma identidade muito própria e bem diferente uns dos outros. Os franceses começaram a consolidar este conceito como uma maneira de descrever os aspectos originais de um determinado lugar (solo, topografia e clima), que influencia e molda o vinho feito a partir dele. Para uma determinada posição geográfica, podemos considerar que o solo e a topografia são fixos no espaço e no tempo, mas não o clima. Na verdade, dentro da mesma vinha, várias regiões microclimáticas podem ser definidas. Os microclimas de uma determinada vinha afectam diferenciadamente a maturação das uvas, criando dessa forma uma variabilidade espacial e temporal da qualidade da uva. Foram analisadas duas variedades de uva, Aragonês e Trincadeira e para cada variedade foram estudados respectivamente 7 e 6 talhões dentro da vinha do CASITO, pertencente à Fundação Eugénio de Almeida. Nestes talhões e nestas variedades, foi acompanhada a maturação das uvas em três anos consecutivos. Como resultado constatou-se que existe uma variabilidade espacial e temporal da maturação da uva entre castas e dentro da mesma casta...

Variabilidade Espacial e Temporal da maturação de uva para vinho – Variedades: Aragonês, Trincadeira

Marques da Silva, José R.; Mesquita, Paulo; Sousa, Adélia; Serrano, João M.
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Aula
Português
Relevância na Pesquisa
66.53%
O conceito de terroir no vinho é baseado na observação de que diferentes regiões, vinhas ou mesmo secções diferentes dentro da mesma vinha, podem produzir vinhos com uma identidade muito própria e bem diferente uns dos outros. Os franceses começaram a cristalizar este conceito como uma maneira de descrever os aspectos originais de um determinado lugar (solo, topografia e clima), que influencia e molda o vinho feito a partir dele. Para uma determinada posição geográfica, podemos considerar que o solo e a topografia são fixos no espaço e no tempo, mas não o clima. Na verdade, dentro da mesma vinha, várias regiões microclimáticas podem ser definidas. Os microclimas de uma determinada vinha afectam diferenciadamente a maturação das uvas, criando dessa forma uma variabilidade espacial e temporal da qualidade da uva. Foram analisadas duas variedades de uva, Aragonês e Trincadeira, e para cada variedade foram estudados, respectivamente, 7 e 6 talhões dentro da vinha do CASITO, pertencente à Fundação Eugénio de Almeida. Nestes talhões e nestas variedades, foi acompanhada a maturação das uvas em três anos consecutivos. Como resultado constatou-se que existe uma variabilidade espacial e temporal da maturação da uva entre castas e dentro da mesma casta...

Variabilidade Espacial do pH da uva dentro da mesma unidade de gestão

Marques da Silva, José R.; Mesquita, Paulo; Sousa, Adélia; Silva, Luís L.; Serrano, João M.
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Aula
Português
Relevância na Pesquisa
66.53%
O talhão, é usualmente a unidade de gestão utilizada nos vários processos (rega, fertilização, amostragem, apanha) que precedem o desenvolvimento do vinho. Este estudo procurou determinar a variabilidade espacial do pH de amostras de bagos de uva recolhidas de um mesmo talhão. Os resultados obtidos mostram que existe variabilidade entre o pH de amostras colhidas em diferentes localizações do mesmo talhão, e que existem fortes indícios que as diferenças observadas se encontram relacionadas com a altimetria do talhão.

Variabilidade espacial da taxa de infiltração em Argissolo Vermelho

Cichota,R.; Jong van Lier,Q. de; Leguizamón Rojas,C. A.
Fonte: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Publicador: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2003 Português
Relevância na Pesquisa
66.69%
A variabilidade espacial do solo, decorrente de sua formação e manejo agrícola, tem atraído o interesse de cientistas do solo há muito tempo. Quando as variações aumentam com a distância entre amostras, uma parcela explicável pela dependência espacial está embutida na variação geral do atributo. Nesse caso, a análise da variabilidade espacial tem importância no sentido de subsidiar o planejamento de um experimento, bem como na avaliação dos efeitos dos tratamentos, visando reduzir a variação experimental atribuída ao erro aleatório. A taxa de infiltração, que, normalmente, apresenta alta variabilidade espacial, tem importância agronômica pelo seu papel na formação de enxurrada e na determinação de taxas viáveis de irrigação. Este trabalho teve por objetivos estimar o grau de dependência espacial, o seu alcance e sua influência na variabilidade geral da taxa de infiltração, bem como determinar o número necessário de amostras para obter determinada precisão em um experimento realizado num Argissolo Vermelho textura média sob plantio direto. A taxa de infiltração foi medida pelo método dos anéis concêntricos, fazendo observações numa transeção de 40 pontos eqüidistantes de 1 m. O conjunto de resultados foi submetido à análise estatística descritiva...

Variabilidade espacial e temporal da resistência mecânica do solo à penetração em áreas com e sem manejo químico localizado

Mercante,E.; Uribe-Opazo,M. A.; Souza,E. G.
Fonte: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Publicador: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2003 Português
Relevância na Pesquisa
66.63%
O objetivo deste trabalho foi avaliar o comportamento das variabilidades (espacial e temporal) por meio da técnica de escalonamento de semivariogramas, da variável resistência mecânica do solo à penetração (RMSP) nas camadas de 0-0,1, 0,1-0,2, 0,2-0,3 m, para os anos de 1999 a 2001, sob duas formas de manejo: com manejo químico localizado (CML) e sem manejo químico localizado (SML). Os resultados demonstraram que a variável RMSP apresentou variabilidade espacial com comportamento distinto, conforme a camada e o ano de estudo. A variável RMSP apresentou variabilidade temporal tanto nas parcelas CML quanto nas parcelas SML. As duas formas de manejo (com manejo químico localizado (CML) e sem manejo químico localizado (SML)) não influenciaram o comportamento espacial da variável resistência mecânica do solo à penetração (RMSP). O escalonamento dos semivariogramas reduziu o tempo computacional de ajuste dos modelos, não apresentando diferenças no comportamento e amplitude da variabilidade espacial em relação aos semivariogramas não escalonados.

VARIABILIDADE ESPACIAL EM PARCELAS EXPERIMENTAIS DE PERDA DE ÁGUA E SOLO POR CHUVA NATURAL

Albuquerque,Jackson Adriano; Reinert,Dalvan José; Debarba,Lúcio; Amado,Telmo Jorge Carneiro
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1994 Português
Relevância na Pesquisa
66.6%
RESUMO A variabilidade espacial dentro de parcelas experimentais de perdas de água e solo tem sido freqüentemente verificada, dificultando a interpretação de resultados de experimentos, contribuindo assim para o mascaramento de efeito de tratamentos. O experimento foi realizado na área do Departamento de Solos, Universidade Federal de Santa Maria, em solo Podzólico Vermelho-Amarelo, com declividade média de 5%. O objetivo foi caracterizar a variabilidade espacial, usando semivariogramas, em parcelas experimentais de perdas de água e solo. Parcelas de 22 por 3,5m, foram utilizadas para a determinação da estatura de plantas, espessura do horizonte A e produção de milho. Essas determinações foram realizadas no centro de cada parcela, em linha, no sentido do declive, totalizando 22 pontos. Ocorreu variabilidade espacial na estatura de plantas e na espessura do horizonte A. A produção de milho apresentou variação aleatória.

Variabilidade espacial de variáveis físico-hídricas do solo em um pomar de lima ácida Tahiti, irrigado por microaspersão

Coelho Filho,Maurício A.; Coelho,Rubens D.; Gonçalves,Antônio C.A.
Fonte: Departamento de Engenharia Agrícola - UFCG Publicador: Departamento de Engenharia Agrícola - UFCG
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2001 Português
Relevância na Pesquisa
66.51%
Este trabalho foi desenvolvido em um pomar de lima ácida Tahiti, irrigado por microaspersão, e teve como objetivo determinar a variabilidade espacial de variáveis do solo, utilizadas no manejo da irrigação. Amostras de solo foram coletadas a 0,20 m de profundidade, em pontos de amostragem definidos segundo uma malha com 126 amostras para determinação dos teores de areia, silte e argila, densidade do solo (Ds) e da água disponível (AD). O limite superior da faixa de água disponível foi a umidade na capacidade de campo (Ucc). O limite inferior foi tomado como a umidade no limite de funcionamento do tensiômetro (Uft) e na umidade no ponto de murcha permanente (Upmp). O coeficiente de variação (CV) foi baixo para as variáveis Ucc, Uft, Upmp e argila, com valores de CV crescentes nesta ordem. Areia, silte, ADpmp e ADft, apresentaram média variação. As variáveis manifestaram estrutura de dependência espacial, modelada por meio de semivariogramas, os quais permitiram a interpolação por "krigagem". A distribuição es pacial da umidade foi semelhante à da argila, indicando forte correlação espacial, confirmada pelos semivariogramas cruzados.

Variabilidade espacial de atributos físicos do solo em áreas de empréstimo para construção da hidrelétrica de Ilha Solteira (SP).

CARVALHO, J. C. B. de; GREGO, C. R.; VIERIA, S. R.; ESPINDOLA, C. R.
Fonte: In: CONGRESO INTERNACIONAL DE INGENIERÍA AGRÍCOLA, 1., 2010, Chillán, Chile. Anales... Chillán, Chile: Universidad de Concepción, 2010. Publicador: In: CONGRESO INTERNACIONAL DE INGENIERÍA AGRÍCOLA, 1., 2010, Chillán, Chile. Anales... Chillán, Chile: Universidad de Concepción, 2010.
Tipo: Artigo em anais de congresso (ALICE) Formato: 13 p.
Português
Relevância na Pesquisa
66.59%
A retirada de espessas camadas de solo para construção de usinas hidrelétricas provoca grandes modificações ambientais, como a exposição do substrato e compactação do solo devido ao tráfego de máquinas pesadas. A análise da variabilidade espacial dos solos permite detectar estes impactos de modo eficaz e aperfeiçoa o gerenciamento das atividades futuras nestas áreas. O objetivo do trabalho foi avaliar a variabilidade espacial da estrutura, porosidade e densidade do solo em diferentes condições de uso do solo na área de empréstimo para construção da Hidrelétrica de Ilha Solteira (SP). A amostragem dos solos foi efetuada numa grade de 30 pontos de 30 x 40 m em até 0,02 m de profundidade sob os diferentes usos do solo: substrato degradado (SD); substrato com lodo de esgoto e plantado com eucalipto (SDLE); solo com pastagens (SP); capoeira em regeneração (SR) e solo sob cerrado (SC). Avaliou-se a porosidade total do solo (m3.m-3), a densidade do solo (Mg.m-3), o diâmetro médio ponderado ? DMP (mm) dos agregados determinados por via úmida e os percentuais dos agregados determinados pelo método do simulador de chuva. A análise geoestatística foi efetuada a partir do exame do parâmetro de ajuste do semivariograma...

Variabilidade espacial de atributos físicos do solo e parâmetros da cultura da mamona sob semeadura direta.

GREGO, C. R.; FILHO GUEDES, O.; SIQUEIRA, G. M.; VIEIRA, S. R.
Fonte: In: CONGRESSO DOBRE USO Y MANEJO DEL SUELO, 3., 2009, Lugo - ES. Lugo, Espanha, 2009. Publicador: In: CONGRESSO DOBRE USO Y MANEJO DEL SUELO, 3., 2009, Lugo - ES. Lugo, Espanha, 2009.
Tipo: Artigo em anais de congresso (ALICE) Formato: p. 78-79
Português
Relevância na Pesquisa
66.53%
Nos últimos anos a cultura da mamona tem tido grande destaque no sistema de produção agrícola, devido à necessidade de se produzir combustíveis com o mínimo impacto possível ao meio ambiente: os biocombustíveis. Portanto, o estudo de parâmetros dessa planta torna-se fundamental para melhorar seu manejo no campo, principalmente, em semeadura direta, já que a cultura ainda é pouco implantada sob este sistema. A variabilidade espacial dos atributos físicos do solo pode indicar em que local ocorre maior ou menor interferência de fatores do solo, como a compactação, no desenvolvimento da parte aérea e produção desta cultura. O objetivo deste trabalho foi analisar a variabilidade espacial de atributos físicos do solo e parâmetros da cultura da mamona sob semeadura direta.; 2009

Caracterização hidrodinâmica na escala local e da parcela agrícola de dois solos do Estado da Paraíba : variabilidade espacial e temporal, e meio homogêneo equivalente

Soares de Souza, Eduardo; Celso Dantas Antonino, Antônio (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
Português
Relevância na Pesquisa
66.57%
O conhecimento das características hidráulicas dos solos, curva de retenção h(θ) e de condutividade hidraulica K(θ), é indispensável para a descrição e a modelagem do transporte de água e de poluentes em sistemas agrícolas. O trabalho teve como objetivo a caracterização hidrodinâmica na escala local e da parcela agrícola de dois solos do estado da Paraíba, tendo sido: i) analisada a variabilidade espacial e temporal dos cinco parâmetros que descrevem as curvas h(θ) e K(θ), obtidos com o método Beerkan, isto é, dois parâmetros de forma dependentes da textura (n e η) e três parâmetros de normalização dependentes da estrutura (θs, Ks, hg) ; e ii) deduzida a hipótese de um meio homogêneo equivalente a partir da caracterização Beerkan, e que permite reproduzir a evaporação acumulada da parcela. Os ensaios Beerkan (ensaios de infiltração simples anel, com carga próxima de zero) foram conduzidos em duas áreas experimentais cultivadas com feijão (Vigna Unguiculata (L.) Walp.) (≈ 4ha), com condições ambientais distintas. A primeira foi num Neossolo Flúvico (NF) da Fazenda Várzea Grande (FVG), e a segunda parcela foi num Latossolo Amarelo (LA) da Fazenda Experimental Chã de Jardim (FECJ). Nas duas áreas foram realizadas três campanhas de ensaios de infiltração...

VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA QUALIDADE DA ??GUA DE IRRIGA????O NO SISTEMA DE PRODU????O DE MORANGO EM PROPRIEDADES FAMILIARES NO MUNIC??PIO DE TURU??U-RS; SPATIAL AND TEMPORAL VARIABILITY OF THE IRRIGATION WATER QUALITY IN THE STRAWBERRY CROP PRODUCTION SYSTEM IN THE FAMILY FARMERS IN THE TURU??U-RS COUNTY, BRAZIL

ESTRELA, Carina Costa
Fonte: Universidade Federal de Pelotas; Agricultura familiar; Programa de P??s-Gradua????o em Sistemas de Produ????o Agr??cola Familiar; UFPel; BR Publicador: Universidade Federal de Pelotas; Agricultura familiar; Programa de P??s-Gradua????o em Sistemas de Produ????o Agr??cola Familiar; UFPel; BR
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
66.56%
The main economic activities developed at Turu??u-RS (Brazil) are the dairy cattle breeding, cultivation of temperate climate fruit, tobacco and red-hot chili pepper. Among the fruits, strawberry is a relevant crop which is providing worthy investment return for the farmers, generating income, employment, social inclusion and therefore rising quality of life of the farmers. Drip irrigation is one of the adopted technologies by the rural producers in the strawberry crop system. The irrigation water quality has an important role in this system due the potential to cause emitters clogging, reducing the equipment life time and irrigation uniformity. The effect of the water quality may very depending on factors as the kind of water source, local climate and the irrigation management employed by the farmer. This work intended to characterize the irrigation water sources in relation to their origin and to assess the spatial and temporal variability of the water quality utilized in the strawberry crop in 15 rural properties affiliated to the Association of Strawberry Producers of Turu??u-RS. Water samples were collected monthly at water supply for ten months. The water quality was evaluated in terms of its physical (suspended solids, dissolved solids and turbidity)...

Variabilidade espacial da qualidade de frutos de melão em áreas fertirrigadas

Miranda,Neyton de O.; Oliveira,Teógenes S. de; Levien,Sérgio Luiz A.; Souza,Edivan R. de
Fonte: Associação Brasileira de Horticultura Publicador: Associação Brasileira de Horticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 Português
Relevância na Pesquisa
66.63%
Duas áreas de produção de melão fertirrigado por gotejamento foram amostradas em malha para identificar a variabilidade espacial de características de qualidade dos frutos, determinar sua dependência espacial e localizar regiões onde a qualidade dos frutos possa ser melhorada se adotado manejo adequado. Uma área foi cultivada com o híbrido Goldex em Latossolo Vermelho Amarelo eutrófico e a outra com o 'orange Flesh' em Argissolo Vermelho Amarelo. Determinou-se a massa média de frutos comerciáveis, conteúdo de sólidos solúveis totais, firmeza de polpa e espessura da polpa. Os dados foram analisados através da estatística descritiva e da geoestatística, com a qual se avaliou a dependência espacial das variáveis e se confeccionou mapas de isovalores por interpolação. As características estudadas se ajustaram à distribuição normal e apresentaram variabilidade baixa, com exceção do peso médio de frutos comerciáveis do 'Goldex'. A baixa variabilidade foi conseqüência da seleção cuidadosa após a colheita. A dependência espacial foi alta para o teor de sólidos solúveis totais no 'Goldex' e peso médio de frutos comerciáveis nas duas áreas, e foi média para as outras variáveis. Através dos mapas de isovalores...