Últimos itens adicionados do Acervo: Universidade Aberta do SUS

O Sistema Universidade Aberta do SUS - UNASUS, foi criado pelo Ministério da Saúde em 2010 para atender às necessidades de capacitação e educação permanente dos profissionais de saúde que atuam no SUS.

Página 1 dos resultados de 4887 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

Ferramenta de informação

de Lacerda, Josimari Telino; Magajewski, Flávio Ricardo Liberali; Machado, Neila Maria Viçosa
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 1 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
O objeto inicia com o personagem contextualizando como estão a cidade e o bairro fictício no que diz respeito localização, estrutura e investimentos, histórico de desenvolvimento e características profissionais da população, o que dá o devido destaque para a necessidade de haver um reconhecimento do território por parte da equipe de saúde da família. Finalizando o assunto, é destacado que as informações sobre o território devem ir além dos fornecidos pelos limites geográficos. O mapeamento deve conter informações sobre áreas com situações de risco, locais e famílias onde a atuação deve ser prioritária e os locais com as características selecionadas pela gestão ou planejamento de atuação das equipes. Unidade 1 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

Apropriação do território

de Lacerda, Josimari Telino; Machado, Neila Maria Viçosa; Magajewski, Flávio Ricardo Liberali
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 1 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
O objeto inicia com o personagem contextualizando como estão a cidade e o bairro fictício no que diz respeito localização, estrutura e investimentos, histórico de desenvolvimento e características profissionais da população, o que dá o devido destaque para a necessidade de haver um reconhecimento do território por parte da equipe de saúde da família. Finalizando o assunto, é destacado que as informações sobre o território devem ir além dos fornecidos pelos limites geográficos. O mapeamento deve conter informações sobre áreas com situações de risco, locais e famílias onde a atuação deve ser prioritária e os locais com as características selecionadas pela gestão ou planejamento de atuação das equipes. Unidade 1 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

O reconhecimento e enfrentamento dos problemas

de Lacerda, Josimari Telino; Machado, Neila Maria Viçosa; Magajewski, Flávio Ricardo Liberali
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 1 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
Esse objeto, depois de relatar as condições e principais problemas da cidade fictícia do módulo, destaca que os princípios da integralidade, da universalidade e da equidade, norteadores do SUS, apontam para a relevância da qualificação e compreensão do planejamento local, da programação de ações e estratégias orientadas para as necessidades de saúde da população sob sua responsabilidade. Já na sequência destaca que é importante reservar um espaço, no cronograma de atividades da Unidade de Saúde para o monitoramento e avaliação dos objetivos e metas propostos no planejamento conjunto. Isso proporcionará meios de engajamento no trabalho colaborativo e influenciará de forma positiva nos estados de ânimo e, consequentemente, em ações evolutivas. Unidade 1 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

Acolhimento em saúde

de Lacerda, Josimari Telino; Machado, Neila Maria Viçosa; Magajewski, Flávio Ricardo Liberali
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 1 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
O objeto inicia esclarecendo que o acolhimento se estabelece como uma forma de reconhecer a capacidade de todos os membros de uma equipe para atuar sobre os problemas de saúde, exercendo a clínica dentro de suas competências profissionais específicas. Destaca ainda que se trata de um processo de encontro entre indivíduo/família/comunidade e trabalhadores de saúde, capaz de colocar em prática na atenção a integralidade, a equidade e a resolubilidade, que articula três dimensões: Relacional, Organizacional e Ética. Para encerrar, é alertado que a compreensão humanizada não permite que o acolhimento em saúde aconteça centrado na atenção médica e que o acolhimento deve ter continuidade por meio da construção de uma rede de conversação efetivada, a respeito de todo o serviço de saúde. Unidade 1 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

A atuação intersetorial em saúde

de Lacerda, Josimari Telino; Machado, Neila Maria Viçosa; Magajewski, Flávio Ricardo Liberali
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 2 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
O objeto mostra que a saúde precisa ser entendida como um problema social, já que a solução depende da atuação de mais de uma política pública setorial. Comenta sobre ações transdisciplinares, intersetoriais e coletivas, assim como as mudanças provocadas por essa nova concepção de atuar em saúde. Discorre sobre as abordagens de integração e a consideração do cidadão na sua totalidade, mostrando a intersetorialidade como protagonista desta desfragmentação, além de como a integração dos saberes se torna um dos pontos mais importantes no processo de trabalho. Unidade 2 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

Gestão do cuidado e dos serviços de saúde

de Lacerda, Josimari Telino; Machado, Neila Maria Viçosa; Magajewski, Flávio Ricardo Liberali
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 2 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
Este objeto começa mostrando que a descentralização necessita quebrar os moldes conhecidos e estabelecer novas práticas, promovendo a articulação dos envolvidos, através de um modelo de Gestão Participativa da Saúde. Mostra os desafios de envolver todos os atores no contexto da saúde, interdisciplinarmente, a fim de que os profissionais consigam essa integração, gerando projetos terapêuticos que respondam aos princípios de vinculação, corresponsabilização, equidade e integralidade. A gestão participativa e integrada necessita de foco na realidade local e iniciativas de novos arranjos institucionais, como a ampliação da autonomia e poder local, a fim de que se alcance das metas estabelecidas. Para isso, os diferentes níveis de assistência devem ser executados por equipe multidisciplinar e de forma integrada. Unidade 2 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

A participação social

de Lacerda, Josimari Telino; Machado, Neila Maria Viçosa; Magajewski, Flávio Ricardo Liberali
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 2 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
O objeto coloca a participação social como o processo onde grupos sociais norteiam as decisões dentro de um eixo político em uma determinada sociedade, sendo uma noção ética de responsabilidade conquistada, não simplesmente concedida. Mostra o SUS como resultado de mobilizações sociais que se consolidaram neste sistema. Aponta também as diferenças entre controle social na sociologia e na saúde, sendo nessa, exercido pela sociedade através da ação organizada de movimentos sociais. Mostra que o controle social, previsto em lei, define o Conselho de Saúde, composto por três segmentos: governo e prestadores de serviços; profissionais de saúde e usuários do sistema, e a Conferência de Saúde, com periodicidade de até quatro anos, a quem cabe proposições de diretrizes. Além desses, cita outros tipos de conselhos: distritais, gestores e locais, como fruto da participação social e avanço da democratização da gestão pública, não deixando de citar que a ESF é profundamente ligada à defesa da participação popular na saúde, principalmente nos Conselhos Locais de Saúde, e devido a mobilidade de seus profissionais. Unidade 2 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

Aspectos conceituais do planejamento em saúde

de Lacerda, Josimari Telino; Machado, Neila Maria Viçosa; Magajewski, Flávio Ricardo Liberali
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 3 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
Em aspectos conceituais é destacado que os conceitos que orientam a estratégia de saúde da família são os de território, família e co-participação. A partir desses conceitos, caberá a equipe identificar os problemas de saúde no território, realizar o planejamento em conjunto com a comunidade e acompanhar as ações implantadas. Seguindo, o objeto conceitua Planejamento como sendo um instrumento que busca diagnosticar a realidade, propor alternativas para transformá-la, meios para viabilizar essa transformação e ação oportuna para executar as ações pensadas pelas organizações que, por sua vez, fazem com que a realidade seja novamente diagnosticada. Na sequência utiliza o Sistema Único de Saúde, que articula muitas instâncias, como um exemplo de projeto social complexo que seus objetivos só podem ser atingidos se articular um conjunto amplo e, em geral, heterogêneo de organizações. Unidade 3 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

Aspectos históricos do planejamento na esfera pública

de Lacerda, Josimari Telino; Machado, Neila Maria Viçosa; Magajewski, Flávio Ricardo Liberali
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 3 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
O objeto inicia sua abordagem salientando que o planejamento, como parte de um ciclo administrativo, não é um conceito novo. Ele vem sendo utilizado e incrementado em sua essência desde o início do século passado. Logo após, demonstra uma sequência histórica de eventos e da utilização e modernização das ações de planejamento: Planejamento centralizado, depois como ferramenta de prevenção de crises, depois o de recuperação pós-guerra, a teoria da dependência e plano e metas e, por último, o planejamento normativo e o estratégico. Unidade 3 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

Planejamento em saúde

de Lacerda, Josimari Telino; Machado, Neila Maria Viçosa; Magajewski, Flávio Ricardo Liberali
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 3 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
Inicialmente o objeto resgata o processo de transição do planejamento voltado para o desenvolvimento econômico para o atual. Nesse sentido, esclarece que houve uma inclusão gradativa dos setores sociais; destacou a Carta de Punta Del Leste como um marco, que influenciou o lançamento do Programa Aliança para o Progresso, para depois haver a elaboração do método CENDES, que era um planejamento pautado na postura normativa em seguida surgiu o planejamento estratégico situacional, que demonstrou uma atuação bem mais relevante para o contexto social. Elencadas as características detalhadas dos planejamentos normativos e estratégicos, o objeto dá especial destaque para dois teóricos que atuaram para os avanços do pensamento estratégico: Mário Testa e Carlos Matus. Para encerrar, são abordadas as principais contribuições dos dois teóricos para o planejamento estratégico. É esclarecido que Mario Testa formulou o diagnóstico situacional, o postulado de coerência e o poder. Carlos Matus por sua vez, definiu quatro momentos para o planejamento e saúde: o explicativo que refere-se a seleção de problemas e suas causas, o normativo que caracteriza-se pela elaboração de ação a serem desenvolvidas, o estratégico quando são identificados complicadores e facilitadores que interferem no momento normativo e o tático-operacional que se transforma na ação concreta para proporcionar a mudança da realidade para melhorá-la. Unidade 3 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

Aspectos operacionais do planejamento em saúde

de Lacerda, Josimari Telino; Machado, Neila Maria Viçosa; Magajewski, Flávio Ricardo Liberali
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 4 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
Este objeto inicia com o convite ao aluno para acompanhar as etapas do planejamento local e participativo de um caso, a organização dos processos de trabalho na unidade de saúde, operacionalização de planejamento estratégico, identificação dos problemas enfrentados pela ESF e a construção de um plano de auxílio. Propõe também formular um conjunto de ações que visa eliminar esses problemas e melhorar a vida e saúde dos moradores, pautando-se nos sete passos propostos por Carlos Matus. Detalha as diferenças das necessidades de planejamento de gerência e gestão, fala das diversidades das situações e os diferentes interesses que demandam soluções e planejamentos diferentes, e mostra que mudar a realidade é mais difícil do que aparenta, pois depende da equipe reconhecer seus problemas nessa realidade antes de propor um planejamento situacional baseado nos quatro momentos básicos onde estão os sete passos. Fornece também detalhado conteúdo sobre cada um dos momentos: explicativo, normativo, estratégico e tático-operacional, visto que neles recai toda a estruturação do planejamento. Unidade 4 do módulo 4 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

Introdução ao curso de especialização em Saúde da Família: ambiente virtual de aprendizagem

França, Rômulo Martins
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: O módulo é composto por quatro unidades, onde será desenvolvido com a utilização de livros on-line, vídeos informativos e com entrevistas, além de questionário, recursos educacionais interativos, fórum de discussão, diário de atividades.
Português
Módulo 01 do curso de especialização em Saúde da Família, da UNA-SUS/UFMA, expõe os conceitos, princípios, processo de interação, docência e tutoria em Educação a Distância, de forma a provocar uma reflexão crítica sobre essa modalidade de educação. Aborda-se as características do Ambiente Virtual de Aprendizagem – AVA, o sistema Moodle e as suas ferramentas.; 1.0

Desafios contemporâneos e as bases legais de proteção à infância

de Souza, Ana Izabel Jatobá; Döhms, Marcela; Carcereri, Daniela Lemos; Tognoli, Heitor
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 1 do módulo 5 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
O objeto inicia pela colocação dos desafios contemporâneos que permeiam as ações na construção das políticas e programas de assistência à criança e cita a necessidade de conhecimento de bases legais de proteção à infância para lidar com os mesmos. Coloca o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) como o pilar desta proteção, mas ressalva que muito de seu conteúdo ainda continua sem implementação. Discorre sobre o que vem a ser, o que pretende e ressalta que é preciso conhecê-lo para que o trabalho na equipe de Saúde da Família seja significativo à saúde da criança. Unidade 1 do módulo 5 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

Caso complexo Samuel

Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Arquivo compactado em formato .zip contendo texto em versão .pdf e .html, material complementar, atividade pedagógica (tema para discussão em fórum) e figura apresentando a configuração do material no AVA.
Português
O caso Samuel é conjugado com o caso Darlene e Darnley, pois se trata de uma mesma família. São apresentados em dois momentos diferentes, por questões didáticas. Assim, o foco do caso é a abordagem familiar e o enfrentamento da violência doméstica. Dado a complexidade destes temas, os casos desafiam a equipe a um atendimento integral, focado na pessoa e no trabalho em equipe. Enfatiza a importância do vínculo e da relação profissional de saúde e pessoa. O caso Samuel apresenta a importância do registro clínico baseado em problemas e a abordagem dos problemas trazidos pelo usuário, no caso uma unha encravada, problemas sexuais e periodontais. Tem um importante destaque na necessidade da organização da prática clínica dos profissionais envolvidos, além da abordagem das doenças crônicas degenerativas, no caso a diabete melitus e obesidade. Mais uma vez o acolhimento e organização da equipe para enfrentamento da demanda espontânea é destacado como peça fundamental de acesso ao serviço, princípio da atenção primária. Objetivamente o caso trás aprofundamento teórico nos seguintes temas: - Diabete tipo 2 e neuropatias diabéticas - Obesidade e sedentarismo - Disfunção sexual masculina - Dor articular - Periodontite - Luto na família - Violência; Versão 2; Organização Pan-Americana da Saúde - OPAS

Pactos e programas de atenção integral à saúde da criança no Brasil

Tognoli, Heitor; Carcereri, Daniela Lemos; de Souza, Ana Izabel Jatobá; Döhms, Marcela
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 1 do módulo 5 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
Este objeto começa colocando duas ações programáticas em destaque, Agenda de Compromissos para a Saúde Integral da Criança e Redução da Mortalidade Infantil. Ressalta ainda que esta agenda preconiza a vigilância à saúde, principalmente materna e infantil, a educação continuada das equipes de atenção à criança e a organização de linhas de cuidado, ainda colocando algumas das diretrizes básicas e destacando que estes eixos estariam em consonância com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), entre outros programas. Além disso, elenca os oito objetivos do ODM e explica sobre como a mortalidade infantil no Brasil caiu para menos da metade em dezessete anos. Ao final, atenta para que os profissionais da saúde conheçam as ações desenvolvidas por entidades como OMS, UNICEF, e ONU, entre outras que trabalham em prol da saúde da criança. Unidade 1 do módulo 5 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

Caso complexo Danrley e Darlene

Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Arquivo compactado em formato .zip contendo texto em versão .pdf e .html, material complementar, atividade pedagógica (tema para discussão em fórum) e figura apresentando a configuração do material no AVA.
Português
Darlene e Darnley são esposa e filho do Samuel, caso apresentado em outro momento do curso. Tem enfoque num contexto de cuidado materno-infantil do qual surgem vários outros temas a serem discutidos. Permite, portanto, uma reflexão sobre a complexidade que há nas consultas em atenção primária ao se abordarem as pessoas de forma integral, entendendo todo o seu contexto familiar e social. Permite, assim, a discussão da importância de um trabalho em equipe, que vai desde o olhar vigilante e acolhedor para a identificação de pacientes de risco na comunidade até a sua discussão e planejamento de cuidado por toda a equipe. É apresentada uma discussão sobre os níveis de abordagem familiar e sua importância na Saúde da Família. Além disso, o caso reflete sobre a necessidade de um olhar complexo também por parte de cada um desses profissionais para poder realmente acolher o paciente e suas necessidades, avançando sobre os desafios do trabalho em equipe. Propõe a reflexão sobre a consulta como um espaço em que os profissionais sempre estão intervindo psicologicamente sobre os indivíduos (mesmo que não saibam). Ao ser conjugado com o caso Samuel, igualmente acolhido pela equipe, permite um melhor entendimento sobre o olhar sistêmico...

Saúde Materno Infantil: módulo 12: metodologia de pesquisa

Ferreira, Elza Bernardes; Pinho, Judith Rafaelle Oliveira; Sousa, Renata Ribeiro; Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Coordenação geral UNA-SUS/UFMA
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: O módulo é composto por três unidades, onde será desenvolvido com a utilização de vídeos informativos, slides.
Português
Módulo 12 do curso de Especialização em Saúde Materno-Infantil, da UNA-SUS/UFMA, fornece orientações e elementos teóricos fundamentais para possibilitar o entendimento científico e capacitar o aluno para a elaboração adequada de um projeto de pesquisa, promovendo a difusão do conhecimento.; 1.0

Plano de trabalho e avaliação - PTA

Rocha, Sebastião; Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Coordenação geral UNA-SUS/UFMA
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Vídeo com 19 minutos e 51 segundos de duração, imagem colorida
Português
Apresenta-se noções sobre a definição e elaboração do Plano de Trabalho e Avaliação, enquanto novo modelo de promoção da saúde em atenção básica. Para tanto, dispõe de vídeo e livreto explicativo.; 1

Plano de trabalho e avaliação do adolescente

Rocha, Sebastião; Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Coordenação geral UNA-SUS/UFMA
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Recurso textual estruturado em formato de tabela
Português
Expõe indicadores relacionados ao Plano de Trabalho e avaliação do adolescente, além de Legislação sobre os direitos das crianças e adolescentes.; 1.0

Plano de trabalho e avaliação do homem

Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Coordenação UNA-SUS; Rocha, Sebastião; Loyola, Cristina Maria Douat
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Recurso textual estruturado em formato de tabela
Português
Expõe indicadores relacionados ao Plano de Trabalho e avaliação do homem.; 1.0