Página 1 dos resultados de 4468 itens digitais encontrados em 0.019 segundos

Sistema penal e violência de gênero: análise sociojurídica da Lei 11.340/06

Azevedo,Rodrigo Ghiringhelli de
Fonte: Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília Publicador: Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2008 Português
Relevância na Pesquisa
36.68%
O presente artigo parte da reflexão acerca do papel da sociologia jurídica na compreensão do funcionamento da atividade legislativa, para analisar a racionalidade e os efeitos prováveis da entrada em vigor da Lei nº 11.340/06 (Lei Maria da Penha). Conclui-se que, ao invés de avançar e desenvolver mecanismos alternativos para a administração de conflitos, possivelmente mais eficazes para alcançar o objetivo de redução da violência, mais uma vez recorreu-se ao mito da tutela penal, neste caso ela própria uma manifestação da mesma cultura que se pretende combater.

Salivary agglutinin and lung scavenger receptor cysteine-rich glycoprotein 340 have broad anti-influenza activities and interactions with surfactant protein D that vary according to donor source and sialylation

Hartshorn, Kevan L.; Ligtenberg, Antoon; White, Mitchell R.; van Eijk, Martin; Hartshorn, Max; Pemberton, Lily; Holmskov, Uffe; Crouch, Erika
Fonte: Portland Press Ltd. Publicador: Portland Press Ltd.
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
27.18%
We previously found that scavenger receptor cysteine-rich gp-340 (glycoprotein-340), isolated from lung or saliva, directly inhibits human IAVs (influenza A viruses). We now show that salivary gp-340 has broad antiviral activity against human, equine and porcine IAV strains. Although lung and salivary gp-340 are identical in protein sequence, salivary gp-340 from one donor had significantly greater antiviral activity against avian-like IAV strains which preferentially bind sialic acids in α(2,3) linkage. A greater density of α(2,3)-linked sialic acids was present on the salivary gp-340 from this donor as compared with salivary gp-340 from another donor or several preparations of lung gp-340. Hence, the specificity of sialic acid linkages on gp-340 is an important determinant of anti-IAV activity. Gp-340 binds to SP-D (surfactant protein D), and we previously showed that lung gp-340 has co-operative interactions with SP-D in viral neutralization and aggregation assays. We now report that salivary gp-340 can, in some cases, strongly antagonize certain antiviral activities of SP-D. This effect was associated with greater binding of salivary gp-340 to the carbohydrate recognition domain of SP-D as compared with the binding of lung gp-340. These findings may relate to inter-individual variations in innate defence against highly pathogenic IAV and to effects of aspiration of oral contents on SP-D-mediated lung functions.

The scavenger receptor, cysteine-rich domain-containing molecule gp-340 is differentially regulated in epithelial cell lines by phorbol ester

KANG, W; NIELSEN, O; FENGER, C; MADSEN, J; HANSEN, S; TORNOE, I; EGGLETON, P; REID, K B M; HOLMSKOV, U
Fonte: Blackwell Science Inc Publicador: Blackwell Science Inc
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /12/2002 Português
Relevância na Pesquisa
27.12%
Gp-340 is a glycoprotein belonging to the scavenger receptor cysteine rich (SRCR) group B family. It binds to host immune components such as lung surfactant protein D (SP-D). Recent studies found that gp-340 interacts directly with pathogenic microorganisms and induces their aggregation, suggesting its involvement in innate immunity. In order to investigate further its potential immune functions in the appropriate cell lines, the expression of gp-340 in four conventional immune cell lines (U937, HL60, Jurkat, Raji), and two innate immune-related epithelial cell lines (A549 derived from lung and AGS from stomach), was examined by RT-PCR and immunohistochemistry. The resting immune cell lines showed weak or no gp-340 mRNA expression; while the two epithelial cell lines expressed gp-340 at much higher level, which was differentially regulated by phorbol myristate acetate (PMA) treatment. In the A549 cells, gp-340 was up-regulated along with the PMA-induced proinflammatory expression of both IL-6 and IL-8. In AGS cells, PMA down-regulation of gp-340 was seen in parallel with an up-regulation of the two mature gastric epithelial specific proteins TFF1 (trefoil factor 1) and TFF2, which are implicated as markers of terminal differentiation. Analysis of the distribution of gp-340...

Combined MicroRNA-340 and ROCK1 mRNA Profiling Predicts Tumor Progression and Prognosis in Pediatric Osteosarcoma

Cai, Haiqing; Lin, Lijun; Cai, Haikang; Tang, Mingjie; Wang, Zhigang
Fonte: Molecular Diversity Preservation International (MDPI) Publicador: Molecular Diversity Preservation International (MDPI)
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em 06/01/2014 Português
Relevância na Pesquisa
27.12%
To investigate the association of combined microRNA-340 (miR-340) and ROCK1 mRNA profiling with clinicopathologic features and prognosis in pediatric patients with osteosarcoma. Quantitative real-time reverse transcriptase-polymerase chain reaction analysis was performed to detect expression levels of miR-340 and ROCK1 mRNA in cancerous and noncancerous bone tissues from 92 children treated for primary osteosarcomas. Compared with noncancerous bone tissues, the expression levels of miR-340 and ROCK1 mRNA were, respectively, downregulated and upregulated in osteosarcoma tissues (both p < 0.001), which was consistent with the results of in situ hybridization and immunohistochemistry analysis. The downregulation of miR-340 was negatively correlated with the upregulation of ROCK1 mRNA in osteosarcoma tissues (r = −0.78, p = 0.001). In addition, the combined miR-340 downregulation and ROCK1 upregulation (miR-340-low/ROCK1-high) occurred more frequently in osteosarcoma tissues with positive metastasis (p < 0.001) and poor response to pre-operative chemotherapy (p = 0.002). Moreover, miR-340-low/ROCK1-high expression was significantly associated with both shortest overall survival (p < 0.001) and progression-free survival (p < 0.001). Multivariate analysis further confirmed that miR-340-low/ROCK1-high expression was an independent prognostic factor of unfavorable survival in pediatric osteosarcoma (for overall survival: p = 0.006...

miR-340 suppresses glioblastoma multiforme

Huang, Daquan; Qiu, Shuwei; Ge, Ruiguang; He, Lei; Li, Mei; Li, Yi; Peng, Ying
Fonte: Impact Journals LLC Publicador: Impact Journals LLC
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em 16/03/2015 Português
Relevância na Pesquisa
27.12%
Deregulation of microRNAs (miRs) contributes to tumorigenesis. Down-regulation of miR-340 is observed in multiple types of cancers. However, the biological function of miR-340 in glioblastoma multiforme (GBM) remains largely unknown. In the present study, we demonstrated that expression of miR-340 was downregulated in both glioma cell lines and tissues. Survival of GBM patients with high levels of miR-340 was significantly extended in comparison to patients expressing low miR-340 levels. Biological functional experiments showed that the restoration of miR-340 dramatically inhibited glioma cell proliferation, induced cell-cycle arrest and apoptosis, suppressed cell motility and promoted autophagy and terminal differentiation. Mechanistic studies disclosed that, miR-340 over-expression suppressed several oncogenes including p-AKT, EZH2, EGFR, BMI1 and XIAP. Furthermore, ROCK1 was validated as a direct functional target miR-340 and silencing of ROCK1 phenocopied the anti-tumor effect of mR-340. Our findings indicate an important role of miR-340 as a glioma killer, and suggest a potential prognosis biomarker and therapeutic target for GBM.

Lei 11.340/2006 : seu contexto, conteúdo e aplicação

Bisognin, Carolina Vicente; Stahlhöfer, Iásin Schäffer; Pereira, Matheus Castelan
Fonte: Superior Tribunal de Justiça do Brasil Publicador: Superior Tribunal de Justiça do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
36.81%
Entrou em vigor, em setembro de 2006, a lei 11.340/2006, também conhecida como Lei Maria da Penha, em homenagem à senhora que através de suas tragédias pessoais propiciou a elaboração da lei. Tal conjunto normativo é considerado uma forma de discriminação positiva, ao lado de outros marcos regulatórios, como o Estatuto da criança e do Adolescente e Estatuto do Idoso. A nova lei regulamenta os casos de violência doméstica, trazendo diversas mudanças, dentre as quais vale destacar as do processo judicial, do resgate do inquérito policial, do papel participativo da autoridade policial, além das alterações no Código Penal, Código de Processo Penal e Lei de Execução Penal.; September, 2006. The law no. 11.340, also known as “Maria da Penha” law is published. It is named after the lady who, through her personal tragedy, inspired the law. This law is considered a kind of “positive discrimination”, along with the statutes created to protect the children and the elderly. Maria da Penha law defines domestic violence and inovates in many aspects, mostly when it comes to the law suit, the inquiry, the participative role of policial authorities and alterations in the penal code, penal process code and penal execution law.

Lei Maria da Penha (lei n° 11.340/2006): estudo sobre a efetividade do comando normativo

Silva, Clície Ribeiro da
Fonte: Superior Tribunal de Justiça do Brasil Publicador: Superior Tribunal de Justiça do Brasil
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Português
Relevância na Pesquisa
36.68%
Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Direito Penal e Processual Penal, como requisito parcial à obtenção do grau de especialista.; O presente trabalho tem por enfoque o estudo da potencial efetividade da Lei nº 11.340/2006, “Lei Maria da Penha”, cujo principal objetivo é a prevenção e o enfrentamento da violência contra a mulher. A novel legislação representou relevante instrumento de combate à violência contra a mulher, por sua tríplice atuação, consistente na prevenção e repressão desse tipo de violência e, ainda, no tratamento terapêutico das partes envolvidas. A lei possibilitou a criação de juizados especiais específicos para cuidar dos casos de violência contra a mulher, com competência cível e criminal, o que denota seu caráter híbrido. Previu, também, como forma de garantir a efetiva proteção e segurança da integridade física, psicológica, moral, sexual e patrimonial da vítima, medidas protetivas de urgência a serem adotadas em âmbito policial e judicial. Neste contexto, permitiu a prisão em flagrante delito e decretação de prisão preventiva. Trouxe, ademais, a previsão de tratamento terapêutico para agressor e vítima, dando ênfase à necessidade de observância dos direitos humanos de ambas as partes.; Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Breves críticas e comentários à Lei 11.340/06 e inconstitucionalidade do artigo 41 da Lei Maria da Penha

Costa, Ana Carolina Garcia; Corrêa, Luciana Perpétua
Fonte: Superior Tribunal de Justiça do Brasil Publicador: Superior Tribunal de Justiça do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
36.68%
Onde se lê Lei nº 430/06, leia-se Lei nº 340/06.; Tece comentários e críticas à Lei Maria da Penha, discorrendo acerca de sua inconstitucionalidade e ofensa ao princípio da razoabilidade, aos direitos e garantias individuais, à preservação do instituto familiar, à conciliação no processo penal, ao princípio da isonomia, dentre outros. Enfoca a análise do artigo 41 da referida lei, no qual consta que a Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, não é aplicável aos crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher. Propõe a aplicação dos artigos 89 e 88 da Lei nº 9.099/95 aos crimes previstos na Lei Maria da Penha, por abordarem “medidas de natureza híbrida, penais e processuais, podendo ser aplicados a crimes não albergados no conceito de delito de menor potencial ofensivo”.

O reconhecimento legal do conceito moderno de família : o art. 5°, II e parágrafo único, da Lei n° 11.340/2006, Lei Maria da Penha

Alves, Leonardo Barreto Moreira
Fonte: Superior Tribunal de Justiça do Brasil Publicador: Superior Tribunal de Justiça do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
36.68%
Tece breves comentários sobre a Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006, verificando o conceito moderno de família na legislação civil, tendo em vista os princípios do reconhecimento da união estável, da família monoparental e da dignidade da pessoa humana.

Aplicação das Medidas Protetivas Lei 11.340/2006 em favor do homem vítima de agressões domésticas.

FREITAS, Daniela Borges
Fonte: Centro Universitário Eurípedes de Marília Publicador: Centro Universitário Eurípedes de Marília
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
36.81%
A presente dissertação tem por objetivo demonstrar que as medidas protetivas da Lei 11.340/2006, são perfeitamente aplicáveis nos casos em que o homem figurar como vítima de agressões domésticas, praticadas por uma mulher. Esta afirmação fundamenta-se no princípio da igualdade, da dignidade humana, bem como na analogia in bonam partem. Este trabalho pautou-se em uma decisão cuiabana de 2008, que deferiu, ineditamente até então, as medidas protetivas de urgência para um ex-marido vítima de ameaças e prejuízos materiais, morais e psicológicos. Ainda que a Lei Maria da Penha tenha sido criada ‘exclusivamente’ para proteger a mulher agredida na entidade familiar, achou por bem o juiz cuiabano reconhecer que aquele homem tinha, também, o direito de proteger seus bens jurídicos. Justificando na analogia in bonam partem, que autoriza aplicação, quando houver lacuna da lei, a casos semelhantes, entendeu que a proteção do homem se faz necessária e o meio mais adequado são as medidas protetivas instituídas pela Lei 11.340/2006. Além disso, verificar que o princípio da igualdade e da dignidade humana, são normas capazes, juntamente com a analogia, de dar segurança ao homem agredido, protegendo-o de novas e futuras agressões. Com esta decisão...

Human salivary agglutinin binds to lung surfactant protein-D and is identical with scavenger receptor protein gp-340.

Ligtenberg, T J; Bikker, F J; Groenink, J; Tornoe, I; Leth-Larsen, R; Veerman, E C; Nieuw Amerongen, A V; Holmskov, U
Fonte: PubMed Publicador: PubMed
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em 01/10/2001 Português
Relevância na Pesquisa
27.12%
Salivary agglutinin is a 300-400 kDa salivary glycoprotein that binds to antigen B polypeptides of oral streptococci, thereby playing a role in their colonization and the development of caries. A mass spectrum was recorded of a trypsin digest of agglutinin. A dominant peak of 1460 Da was sequenced by quadrupole time-of-flight (Q-TOF) tandem MS. The sequence showed 100% identity with part of the scavenger receptor cysteine-rich ('SRCR') domain found in gp-340/DMBT1 (deleted in malignant brain tumours-1). The mass spectrum revealed 11 peaks with an identical mass as a computer-simulated trypsin digest of gp-340. gp-340 is a 340 kDa glycoprotein isolated from bronchoalveolar lavage fluid that binds specifically to lung surfactant protein-D. DMBT1 is a candidate tumour suppressor gene. A search in the human genome revealed only one copy of this gene. The molecular mass, as judged from SDS/PAGE and the amino acid composition of agglutinin, was found to be nearly identical with that of gp-340. It was shown by Western blotting that monoclonal antibodies against gp-340 reacted with salivary agglutinin, and monoclonals against agglutinin reacted with gp-340. It was demonstrated that gp-340 and agglutinin bound in a similar way to Streptococcus mutans and surfactant protein-D. Histochemically...

Lei 11.340/2006 (Lei Maria da Penha): discussão sobre sua inconstitucionalidade diante dos princípios da igualdade e proporcionalidade; Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha): discussão sobre sua inconstitucionalidade diante dos princípios da igualdade e proporcionalidade

Nunes, Télyo Rodrigues
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
Português
Relevância na Pesquisa
37.01%
Este trabalho trata da inconstitucionalidade da Lei 11.340/2006, tratada como Lei Maria da Penha, e o prejuízo que ela trás para o sonho constitucional de uma sociedade justa e igualitária. Para desenvolver o tema, procurei dividir o trabalho em três capítulos. O primeiro capítulo trás uma abordagem geral sobre os princípios constitucionais da igualdade e proporcionalidade. O segundo capítulo faz referências sobre o histórico da Lei 11.340/2006, sua contextualização, seus conceitos. O terceiro capítulo trata das ofensas ao Texto Constitucional, demonstrando sua ofensa fundamental, a questão de discriminação de gênero. Passamos então a discussão.; This work deals with the unconstitutionality of Law 11.340/2006 treated as Maria da Penha Law, and the damage it brings to the dream of a constitutional fair and equal society. To develop the theme, I tried to divide the work into three chapters. The first chapter behind a general approach on the principles constitutional equality and proportionality. The second chapter contains references about the history of Law 11.340/2006, his background, his concepts. The third chapter deals with harm to Text Constitutional, demonstrating its fundamental offense, the issue of gender discrimination. We then proceeded to discussion.; Direito

A violência contra a mulher à luz da lei nº 11.340/2006 / Lei Maria da Penha

Lago, Paula Zorilde de Souza Martins do
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
Português
Relevância na Pesquisa
37.01%
Na busca de entender o fenômeno social da violência doméstica e familiar praticada contra a mulher no Brasil à luz da Lei 11.340/2006, Lei Maria da Penha, o presente trabalho busca analisar o referido preceptivo legal, procurando alcançar os seus relevantes aspectos inovadores no âmbito constitucional, penal, processual penal, civil e na execução penal. Apesar de ainda jovem o diploma jurídico objeto deste trabalho, não deixa de viabilizar as previsões de sua repercussão no mundo jurídico bem como no mundo fático, onde verdadeiramente as normas jurídicas têm por foco acrescentar modificações. Assim, pode-se encontrar neste trabalho a evolução histórica acerca da violência contra a mulher, sob o entendimento da Lei 11.340/2006, em que se constituem os vários tipos de violência de gênero, os pontos de vista jurídicos controvertidos entre algumas autoridades no assunto, a estrutura jurídica anterior, atual e futura por ela previstas, e por fim, a conclusão acerca da possível eficácia da norma aplicada à realidade social, sobre a qual se fundam e estruturam as normas jurídicas como um todo.; In the search to understand the social phenomenon of the domestic and familiar violence practised against the woman in Brazil to the light of Law 11.340/2006...

O reconhecimento das uniões homoafetivas pela lei nº. 11.340/2006 (Lei Maria da Penha); O reconhecimento das uniões homoafetivas pela Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha)

Gomes, Ivenisy Oliveira
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
Português
Relevância na Pesquisa
36.9%
Em 07 de agosto de 2006, foi sancionada a Lei nº 11.340/2006, a chamada Lei Maria da Penha. Esta lei cria mecanismos no sentido de coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Trata-se de um documento legal que visa principalmente compensar as mulheres por séculos de tratamento desigual, preconceituoso e toda espécie de violência cometida contra as mesmas. Não é a toa que a Lei se chama “Maria da Penha”: é em homenagem à farmacêutica Maria da Penha, que foi vítima de um marido violento, o qual tentou matá-la por duas vezes. O caso de Maria da Penha ganhou repercussão internacional em razão da extrema demora em punir o agressor. Além de demorar mais de 19 anos entre os fatos criminosos e o cumprimento da pena, o agressor de Maria da Penha, que tinha sido condenado a 10 anos de prisão, só cumpriu dois anos da pena. Diante desta situação, foi feita uma denúncia ao Comitê de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos, que condenou o Brasil ao pagamento de uma indenização a Maria da Penha, bem como recomendou que adotasse medidas que diminuíssem o tempo de tramitação dos processos. Diante dos inúmeros institutos criados pela Lei Maria da Penha, há um dispositivo na lei que merece atenção especial. O art. 5º...

A inconstitucionalidade dos artigos 1º, 5º, 7º e 42 da Lei 11.340/2006

Alves, Elaine Moreira De Oliveira
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
Português
Relevância na Pesquisa
36.96%
O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre a existência de artigos inconstitucionais na Lei 11.340/2006 conhecida nacionalmente como “Lei Maria da Penha. Para tanto, fez-se necessário, no primeiro capítulo, uma abordagem da origem da própria Lei influenciada pela Convenção de Belém do Pará sobre os órgãos legislativos brasileiros. No segundo capítulo procurou-se demonstrar os princípios constitucionais existentes na Constituição de 1988, que poderiam ter sido feridos pelo texto da referida Lei. O terceiro capítulo discute a questão da inconstitucionalidade propriamente dita dos artigos 1º, 5º, 7º e 42 da Lei 11.340. Antes, porém, procurou-se firmar alguns conceitos de Direito Constitucional, Penal e Execução Penal, estabelecendo-se as bases necessárias à compreensão do tema.; The present work aims to reflect on the existence of unconstitutional articles at the Law 11,340/2006 known nationally as "Maria da Penha Act”. Thus, it was necessary in the first chapter, an approach of the origin of the Maria da Penha Act itself which was influenced by the Convention of Belém do Pará on the Brazilian legislative bodies. The second chapter intends to demonstrate the constitutional principles of Brazilian Constitution of 1988 that could have been infringed by the text of the Act. The third chapter discusses the issue of unconstitutionality itself of Articles 1st...

Aplicação do principio da isonomia na lei 11.340/06 em defesa do sujeito passivo homem

Nascimento, Gabriel Henrique de Moraes
Fonte: Centro Universitário de Brasília Publicador: Centro Universitário de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Português
Relevância na Pesquisa
36.81%
O presente trabalho tem como objetivo fazer uma análise da Lei 11.340/06, também conhecida como Lei Maria da Penha, em conjunto com uma análise do Principio da Isonomia, utilizando tanto dos artigos constitucionais que versam sobre este principio como estudo doutrinário para analisar casos em que o sujeito do gênero masculino se encontra como sujeito passivo dos tipos de violência previstos na Lei 11.340/06 e averiguar se a aplicação da lei para tais situações seria compatível com o Principio da Isonomia.

A natureza jurídica das medidas protetivas na lei 11.340/06 e suas consequências: um mecanismo de prevenção à violência da mulher

Martinhago, Cristiane Zanette
Fonte: Universidade do Extremo Sul Catarinense Publicador: Universidade do Extremo Sul Catarinense
Tipo: Monografia de Curso de Pós-graduação Lato Sensu
Português
Relevância na Pesquisa
37.01%
Trabalho monográfico apresentado como conclusão de curso da Escola Superior de Magistratura do Tribunal de Justiça de Santa Catarina em convênio com a Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC.; O presente estudo tem como objetivo geral descobrir a natureza das medidas protetivas da Lei 11.340/06, demonstrando suas consequências, de maneira que se consiga dar as medidas protetivas o que a Lei objetiva: a efetiva proteção das vítimas da violência doméstica. Para tanto, será apresentado a evolução histórica da proteção das vítimas de violência doméstica ao surgimento da Lei 11.340/06; sendo identificados os tipos de violências e das medidas protetivas de urgência previstas na Lei 11.340/06; bem como a natureza jurídica destas medidas, analisando a problemática do tipo de natureza, sendo esta cautelar ou inibitória, confere maior efetividade as medidas protetivas da Lei 11.340/06. O método de abordagem da pesquisa é de pensamento dedutivo, pois parte-se de um estudo acerca da evolução histórica legal da proteção à violência da mulher a natureza jurídica das medidas protetivas da Lei 11.340/06. A natureza da pesquisa é qualitativa, sendo o método procedimental monográfico. A técnica de pesquisa é bibliográfica...

A Lei nº 11.340/06 e suas Repercussões no Contrato Individual de Trabalho

Pereira Filho, Waldeny; Lucena Filho, Humberto Lima de
Fonte: Prim@ Facie - Law, History and Politics; Prima Facie - Direito, História e Política Publicador: Prim@ Facie - Law, History and Politics; Prima Facie - Direito, História e Política
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 12/12/2013 Português
Relevância na Pesquisa
36.81%
A Lei n° 11.340/06 que assegura à vítima de violência doméstica e familiar a manutenção do vínculo trabalhista por até seis meses está incompleta. Pretende-se demonstrar a ineficácia social dessa norma na seara trabalhista e fornecer os meios para a sua efetividade. Para tanto, apresentar-se-á o processo de integração das normas jurídicas como elemento de concretização dos fins desejados pelo legislador. A pesquisa emprega o método lógico-dedutivo, com levantamento bibliográfico da doutrina, legislação e jurisprudência. Conclui-se que o dispositivo solicita regulamentação para a efetividade do direito, embora a sentença normativa assegure o benefício, mas restrinja a concessão ao universo feminino.

EXPLORAÇÃO DO CONCEITO DE VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA NA LEI 11.340/06

Vier Machado, Isadora; Dezanoski, Mayara
Fonte: Revista Gênero & Direito Publicador: Revista Gênero & Direito
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 19/04/2014 Português
Relevância na Pesquisa
36.68%
A cultura de submissão das mulheres em relação aos homens, continua presente na atual sociedade e favorece, em grande medida, os índices do fenômeno de violência doméstica. Desta forma, diante da insuficiência protetiva às mulheres, houve a necessidade da criação da Lei 11.340/06, também conhecida como Lei Maria da Penha, que instituiu as diversas formas de violências a serem prevenidas ou enfrentadas; dentre elas, a violência psicológica, sem, contudo, criminalizá-las, ao passo que, como será visto adiante, alguns países possuem a violência psicológica como figura típica no âmbito penal. O tema aqui tratado é de suma relevância, tendo em vista que a violência doméstica não está atrelada somente ao campo jurídico, tanto que a mencionada lei trouxe diversos mecanismos extrapenais para que houvesse efetiva ação visando diminuir os números da violência doméstica. Portanto, o presente trabalho possui como objetivo explorar este conceito de violência psicológica inserido na Lei Maria Penha e verificar como se dá sua aplicabilidade. A metodologia utilizada será a revisão bibliográfica dos campos do Direito, da Criminologia e da Sociologia.

Uma reflexão sobre a participação da mulher na sociedade e a aplicação da Lei nº 11.340/2006 (Lei Maria da Penha) no contexto da violência

Veggi Moreira,Raquel; Medeiros de Souza,Carlos Henrique; Dias de Souza,Luciano
Fonte: Universidad Autónoma de Asunción Publicador: Universidad Autónoma de Asunción
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2015 Português
Relevância na Pesquisa
36.68%
O trabalho em questão apresenta uma reflexão sobre a história da mulher numa sociedade com fortes marcas do patriarcado. Assim, nossas discussões serão estruturadas em torno da violência contra a mulher, no contexto da aplicação da Lei Maria da Penha. A mulher moderna conquistou espaço importante e de destaque dentro da sociedade, entretanto ainda existem casos onde a violência deixa sua marca revelando o preconceito, existente ao longo dos anos. Em diferentes períodos da história, em diferentes organizações sociais, percebemos que as mulheres não são devidamente reconhecidas, o que aflora o obsoleto preconceito existente. Mesmo depois do advento da Lei nº 11.340/06 (Lei Maria da Penha), a violência é ainda um ato praticado pelos homens, na atualidade.