Página 1 dos resultados de 33 itens digitais encontrados em 0.007 segundos

Ecologia populacional de tres especies de palmeiras em uma paisagem fragmentada no dominio da Mata Atlantica, RJ; Population ecology of three palm species in a fragmented landscape in the Atlantic Rain Forest, RJ

Rita de Cassia Quitete Portela
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 16/07/2008 Português
Relevância na Pesquisa
55.97%
O objetivo dessa tese foi comparar a densidade, estrutura e dinâmica de populações de três espécies de palmeiras (Astrocaryum aculeatissimum (Schott) Burret, Euterpe edulis Mart. e Geonoma schottiana Mart.) em uma paisagem fragmentada de Mata Atlântica. As populações foram marcadas em 2005, reamostradas em 2006 e 2007 em cinco fragmentos florestais (19, 21, 57, 2.400 e 3.500 ha). Todos os indivíduos das três espécies dentro das parcelas foram marcados e medidos: diâmetro à altura do solo, altura até a inserção da última folha, número de folhas e tipo de folha. Esses dados serviram para classificar os indivíduos em cinco classes: plântula, infante, jovem, imaturo e reprodutivo (Capítulo 1). Para testar a existência de relação entre densidade de cada espécie e o tamanho do fragmento, nós fizemos uma correlação para dados ranqueados, usando coeficiente de Spearman. A comparação das estruturas demográficas de cada espécie foi feita pela soma das diferenças entre o número de indivíduos em cada classe, em cada ano, para cada dois fragmentos (Capítulo 2). Para cada espécie, matrizes agregadas foram construídas para cada transição de ano, onde foram juntadas todas as parcelas de todos os fragmentos, depois estimadas as probabilidades de transição e fecundidade e calculado o ? e a sensibilidade (Capítulo 3). Matrizes agregadas foram construídas para E. edulis com os dados dos três fragmentos pequenos para comparar com a população do maior fragmento para cada transição de ano. Comparamos a dinâmica (? e elasticidade) entre os fragmentos...

Fecundidade e fertilidade

Schuler Sobrinho, Octacilio
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 2v.| il., tabs. + anexo
Português
Relevância na Pesquisa
66.13%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciencias Humanas; O trabalho que ora se apresenta - Dissertação à obtenção do título de mestre, junto ao Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Catarina, traz no seu conteúdo uma visão crítica de um enfoque teórico, calcado em dados empíricos,sobre os diversos aspetos da fecundidade e fertilidade, assunto que já atravessa o mundo restrito da ciência, deixa de ser discutido especificamente em rodas acadêmicas, para penetrar no cotidiano e ser assunto da atualidade, pois o Estado, a Igreja, a Família e as diversas Instituições, voltam-se hodiernamente para o problema da reprodução humana, procurando uma postura que justifique sua conceituação política e ideolígica. Esta postura, para não romper com normas seculares, apresenta-se altamente reacionária ou, demasiadamente progressista, cai no utópico. Na dicotomia dos aspectos em estudos, adotaram-se duas definições clássicas de fecundidade, como a capacidade fisiológica ou potencial da reprodução, resultante dos fatores de multiplicação: número de indivíduos gerados por um casal durante um período considerado; idade mínima do primeiro parto como idade máxima do último; intervalo entre os partos de uma mulher e composisão sexual relativa da população. Fertilidade como a capacidade de uma população de produzir nascimentos e indicada pelo número de nascidos vivos...

Gravidez na adolesc??ncia como fator de risco para baixo peso ao nascer no munic??pio do Rio de Janeiro, 1996 a 1998

Gama, Silvana Granado Nogueira da; Szwarcwald, Celia Landmann; Leal, Maria do Carmo; Theme Filha, Mariza Miranda
Fonte: Faculdade de Sa??de P??blica da Universidade de S??o Paulo Publicador: Faculdade de Sa??de P??blica da Universidade de S??o Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
75.96%
OBJETIVO: Observar a evolu????o das taxas de fecundidade e identificar o papel da gravidez na adolesc??ncia como fator de risco para o baixo peso ao nascer (BPN). M??TODOS: Em uma amostra de nascimentos provenientes do Sistema de Informa????es sobre Nascidos Vivos (SINASC/RJ), entre 1996 e 1998, os fatores determinantes do BPN foram analisados em dois grupos de m??es, de 15 a 19 anos e de 20 a 24 anos. Foram estimadas as associa????es entre as vari??veis pela raz??o dos produtos cruzados ?? Odds Ratio (OR) e respectivos intervalos de confian??a. Utilizaram-se tamb??m procedimentos de regress??o log??stica. RESULTADOS: O BPN foi significativamente maior entre o grupo de m??es adolescentes do que no grupo de 20-24 anos. O pr??-natal n??o foi realizado em 13% das adolescentes, enquanto 10% do outro grupo n??o tiveram atendimento. Quando realizado o pr??-natal, as adolescentes tiveram menos consultas. No grupo de adolescentes, o percentual de prematuros foi significativamente maior que no outro grupo. Foram observadas diferen??as por tipo de maternidade (p??blicas/privadas), com predom??nio de uso das p??blicas pelas adolescentes. A an??lise de regress??o log??stica mostrou que existe um efeito da idade materna na explica????o do BPN...

Gravidez na adolescência como fator de risco para baixo peso ao nascer no Município do Rio de Janeiro, 1996 a 1998

Gama,Silvana Granado Nogueira da; Szwarcwald,Célia Landmann; Leal,Maria do Carmo; Theme Filha,Mariza Miranda
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2001 Português
Relevância na Pesquisa
75.96%
OBJETIVO: Observar a evolução das taxas de fecundidade e identificar o papel da gravidez na adolescência como fator de risco para o baixo peso ao nascer (BPN). MÉTODOS: Em uma amostra de nascimentos provenientes do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC/RJ), entre 1996 e 1998, os fatores determinantes do BPN foram analisados em dois grupos de mães, de 15 a 19 anos e de 20 a 24 anos. Foram estimadas as associações entre as variáveis pela razão dos produtos cruzados -- Odds Ratio (OR) e respectivos intervalos de confiança. Utilizaram-se também procedimentos de regressão logística. RESULTADOS: O BPN foi significativamente maior entre o grupo de mães adolescentes do que no grupo de 20-24 anos. O pré-natal não foi realizado em 13% das adolescentes, enquanto 10% do outro grupo não tiveram atendimento. Quando realizado o pré-natal, as adolescentes tiveram menos consultas. No grupo de adolescentes, o percentual de prematuros foi significativamente maior que no outro grupo. Foram observadas diferenças por tipo de maternidade (públicas/privadas), com predomínio de uso das públicas pelas adolescentes. A análise de regressão logística mostrou que existe um efeito da idade materna na explicação do BPN, mesmo quando controlado por outras variáveis CONCLUSÕES: Os achados sugerem que investigações sobre os mecanismos explicativos da associação entre o BPN e a gravidez na adolescência devem ser realizadas...

Fecundidade e diferenciais intra-urbanos de desenvolvimento humano, São Paulo, Brasil, 1997

Martins,Cláudia Maria; Almeida,Márcia Furquim de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2001 Português
Relevância na Pesquisa
86.16%
OBJETIVO: Avaliar possíveis divergências no padrão reprodutivo de mulheres residentes em áreas de diferentes níveis de desenvolvimento humano, pela análise de suas taxas de fecundidade total e taxas específicas de fecundidade por idade. MÉTODOS: Foram estudados os 96 distritos do Município de São Paulo, agrupados em cinco áreas segundo ordem crescente dos valores assumidos pelo Indicador de Desenvolvimento Humano. O estudo compreendeu a população feminina de 15 a 49 anos e os nascimentos vivos ocorridos durante o ano de 1997. As fontes de obtenção dos dados foram as declarações de nascidos vivos e a contagem da população 1996. Foram trabalhadas as seguintes variáveis: IDH, distrito de residência e idade da mulher. RESULTADOS: As mulheres residentes na área de menor desenvolvimento humano apresentaram taxa de fecundidade total de 2,62, sendo que a cúspide (151/1.000 filhos por mulheres) situou-se no grupo etário de 20 a 24 anos. Na área de maior indicador de desenvolvimento humano, observou-se menor número médio de filhos por mulher (1,67), e a cúspide (93/1.000 filhos por mulheres) se situou no grupo etário de 25 a 29 anos. CONCLUSÕES: As mulheres residentes nas áreas de maior desenvolvimento humano apresentaram menor número médio de filhos e tendência a tê-los em idades mais avançadas...

Características da gravidez na adolescência em São Luís, Maranhão

Simões,Vanda Maria Ferreira; Silva,Antônio Augusto Moura da; Bettiol,Heloisa; Lamy-Filho,Fernando; Tonial,Sueli Rosina; Mochel,Elba Gomide
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2003 Português
Relevância na Pesquisa
66.08%
OBJETIVO: Identificar as principais características socioeconômicas, demográficas, antropométricas e comportamentais, bem como os resultados perinatais da gravidez na adolescência. Conhecer os tipos de serviços de saúde utilizados pelas gestantes adolescentes. MÉTODOS: A amostra de 2.429 partos de mulheres residentes em São Luís, MA, abrangeu 94% dos nascimentos hospitalares. As mulheres foram separadas em seis grupos de idade para melhor avaliação do comportamento das variáveis entre os dois grupos de adolescentes (abaixo de 18 anos; 18 a 19 anos) e entre as adolescentes e as demais mulheres. O teste do qui-quadrado foi utilizado para a comparação de proporções e a razão de prevalências foi empregada como medida de efeito. RESULTADOS: Das 2.429 mulheres, 714 eram adolescentes (29,4%). Seu coeficiente específico de fecundidade, 72,2 por mil, foi mais elevado que em outras regiões do País. As adolescentes apresentaram piores condições socioeconômicas e reprodutivas que as demais mulheres, maior proporção de pré-natal inadequado (39,2%) e muitas não tinham companheiro (34,5%). Por outro lado, tiveram menor proporção de parto cesáreo (23,0%) e de fumantes (3.5%). CONCLUSÕES: Apesar da situação socioeconômica igualmente desfavorável...

Mortalidade infantil no Brasil em períodos recentes de crise econômica

Costa,Maria da Conceição Nascimento; Mota,Eduardo Luiz Andrade; Paim,Jairnilson Silva; Silva,Lígia Maria Vieira da; Teixeira,Maria da Glória; Mendes,Carlos Maurício Cardeal
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2003 Português
Relevância na Pesquisa
76.28%
OBJETIVO: Analisar a tendência temporal da mortalidade infantil no Brasil em um período recente (1980 a 1998) de crise econômica. MÉTODOS: Estudo de série temporal tendo o Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde, Fundação IBGE e Fundação Nacional de Saúde como fontes de dados. Pela modelagem Autoregressive integrated moving average (ARIMA) descreveram-se parâmetros da série e, com coeficientes de correlação de Spearman, avaliou-se a associação entre coeficiente de mortalidade infantil e alguns determinantes. RESULTADOS A mortalidade infantil apresentou tendência decrescente (-59,3%) e forte correlação com a maioria dos indicadores analisados. Todavia, apenas as correlações entre coeficiente de mortalidade infantil e taxa de fecundidade total (e taxa de natalidade) diferiram significantemente de uma década para outra. CONCLUSÕES: A variação da fecundidade foi a principal responsável pela persistência do declínio da mortalidade infantil nos anos oitenta. No período seguinte, aqueles relacionados às condições de vida, principalmente, à atenção à saúde, talvez tenham sido mais importantes.

Resultados das técnicas de reprodução assistida em mulheres doadoras de oócitos no ciclo de tratamento

Cavalcante,Edvaldo; Juliano,Yara; Pereira,Dirceu Mendes; Catafesta,Edir; Shimabukuro,Litsuko; Cury,Maria Cristina Faria da Silva; Cavagna,Mario
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2005 Português
Relevância na Pesquisa
65.81%
OBJETIVO: comparar os resultados de ciclos de reprodução assistida em mulheres doadoras de oócitos no ciclo de tratamento com o de mulheres não doadoras. MÉTODOS: foram avaliadas, retrospectivamente, as taxas de gravidez, implantação e abortamento de 50 pacientes que doaram oócitos durante o ciclo de reprodução assistida (grupo de doadoras) e de 50 pacientes que não doaram oócitos (grupo de não-doadoras), em clínica privada de reprodução assistida em São Paulo, entre os anos de 2001 e 2003. Os critérios de inclusão no estudo foram os seguintes: idade menor que 35 anos; ciclos menstruais regulares; dosagem basal de FSH<10 mUI/mL; pacientes submetidas à primeira tentativa de fertilização assistida; recuperação de mais de seis oócitos maduros após a aspiração folicular. Os resultados foram analisados estatisticamente por meio do teste do chi2. RESULTADOS: ambos os grupos eram comparáveis em termos de idade, indicação e duração da infertilidade. A média de idade no grupo de doadoras foi de 30,6 anos e no grupo de não doadoras, 31,1 anos. Todas as pacientes tiveram mais do que seis oócitos aspirados e identificados. No grupo de doadoras foram recuperados 590 oócitos e 215 oócitos foram doados para receptoras (36...

Intenções reprodutivas de mulheres que vivenciam regime de alta fecundidade em um grande centro urbano

Soares,Vânia Muniz Néquer; Schor,Néia; Morell,Maria Graciela Gonzalez de; Souza,Kleyde Ventura de; Diniz,Simone Carmem Grilo
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2013 Português
Relevância na Pesquisa
66.1%
Neste estudo quantitativo e de base populacional objetivou-se identificar as intenções reprodutivas de mulheres com cinco ou mais filhos, residentes em Curitiba, Paraná. Foram entrevistadas 441 mulheres em seus domicílios entre os anos de 2006 a 2008. Calcularam-se frequências, e o teste t de Student e o coeficiente de Spearman para algumas variáveis. Para análise das perguntas abertas utilizou-se a análise de conteúdo e se elaboraram tabelas com as categorias e as respectivas frequências. O estudo revelou que para 51% das mulheres o número ideal de filhos seria dois; 10% tiveram o número de filhos que desejavam. Em 113 casos (40,4%) o marido preferia ter um número maior de filhos do que as mulheres. Identificaram-se dificuldades na definição e na conquista da fecundidade desejada, falhas na assistência à saúde reprodutiva e desigualdades sociais e de gênero. O monitoramento pelos gestores de saúde dos diferenciais de fecundidade é necessário para o alcance da justiça social e a garantia dos direitos humanos, sexuais e reprodutivos, no Brasil.

Associação ecológica entre características dos municípios e o risco de homicídios em homens adultos de 20-39 anos de idade no Brasil, 1999-2010

Duarte,Elisabeth Carmen; Garcia,Leila Posenato; Freitas,Lúcia Rolim Santana de; Mansano,Nereu Henrique; Monteiro,Rosane Aparecida; Ramalho,Walter Massa
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2012 Português
Relevância na Pesquisa
75.81%
No Brasil, a mortalidade por homicídios persiste como importante problema de saúde pública, principalmente entre homens adultos jovens. O objetivo do presente estudo foi analisar o risco de morte por homicídios entre homens de 20-39 anos de idade e sua associação com características sociodemográficas dos municípios brasileiros. Foi realizado estudo ecológico, tendo como unidades de análise todos os municípios do País. Foram estudadas as tendências temporais entre 1999-2010 e as associações do desfecho com indicadores dos municípios em análise transversal referente ao quatriênio 2007-2010. Entre os quatriênios 1999-2002 e 2007-2010, houve aumento das taxas medianas de mortalidade por homicídios entre homens de 20-39 anos, de 22,7 para 35,5 por 100 mil habitantes. No quatriênio 2007-2010, os riscos de homicídios foram estatisticamente superiores (p<0,001) nos municípios de maior porte populacional, maior taxa de fecundidade, baixa proporção de alfabetizados, maior desigualdade aferida pela renda 20/40 e maior urbanização. Para a proporção da população de baixa renda e renda média per capita, as associações indicam excessos nas estimativas de risco de homicídios nos municípios com valores intermediários desses indicadores. Os achados podem auxiliar na focalização de políticas públicas.

Taxa de natalidade e métodos anticoncepcionais

dos Santos, Evanguelia Kotzias Atherino; Zampieri, Maria de Fátima Mota; de Oliveira, Maria Conceição; Carcereri, Daniela Lemos; Correa, Ana Patrícia; Tognoli, Heitor
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Publicado em // Português
Relevância na Pesquisa
65.8%
O objeto lembra que o conceito de saúde reprodutiva é relativamente recente, trazendo a definição apresentada pela Conferência de População do Cairo, em 1994. Lembra o princípio da integralidade deve ser o foco dos serviços de planejamento familiar, garantindo que a questão reprodutiva seja considerada prioritária. Reforça que as ações de planejamento familiar têm três eixos principais, que são o aumento da oferta de métodos anticoncepcionais, a ampliação do acesso à esterilização cirúrgica voluntária e a introdução da atenção à reprodução humana assistida no SUS. Enfatiza a proposta do Ministério da Saúde de reorganização dos serviços para orientar as mulheres e os casais, chamada “Educação para escolha livre informada”, sobre o método anticoncepcional a ser usado. Apresenta um gráfico sobre a evolução da taxa de fecundidade no Brasil no período de 1940 a 2000, observando a significativa queda da taxa nas últimas décadas. Finaliza enumerando os métodos anticoncepcionais disponibilizados pelo Ministério da Saúde, relacionando-os com o papel da enfermagem na disponibilização desses à população, especialmente sobre a importância de os profissionais de saúde conversarem com os usuários sobre as vantagens e limitações...

Taxa de natalidade e métodos anticoncepcionais

dos Santos, Evanguelia Kotzias Atherino; Zampieri, Maria de Fátima Mota; de Oliveira, Maria Conceição; Carcereri, Daniela Lemos; Correa, Ana Patrícia; Tognoli, Heitor
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 4 do módulo 6 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
Português
Relevância na Pesquisa
75.8%
O objeto lembra que o conceito de saúde reprodutiva é relativamente recente, trazendo a definição apresentada pela Conferência de População do Cairo, em 1994. Lembra o princípio da integralidade deve ser o foco dos serviços de planejamento familiar, garantindo que a questão reprodutiva seja considerada prioritária. Reforça que as ações de planejamento familiar têm três eixos principais, que são o aumento da oferta de métodos anticoncepcionais, a ampliação do acesso à esterilização cirúrgica voluntária e a introdução da atenção à reprodução humana assistida no SUS. Enfatiza a proposta do Ministério da Saúde de reorganização dos serviços para orientar as mulheres e os casais, chamada “Educação para escolha livre informada”, sobre o método anticoncepcional a ser usado. Apresenta um gráfico sobre a evolução da taxa de fecundidade no Brasil no período de 1940 a 2000, observando a significativa queda da taxa nas últimas décadas. Finaliza enumerando os métodos anticoncepcionais disponibilizados pelo Ministério da Saúde, relacionando-os com o papel da enfermagem na disponibilização desses à população, especialmente sobre a importância de os profissionais de saúde conversarem com os usuários sobre as vantagens e limitações...

Características da gravidez na adolescência em São Luís, Maranhão; Characteristics of adolescent pregnancy, Brazil

Simões, Vanda Maria Ferreira; Silva, Antônio Augusto Moura da; Bettiol, Heloisa; Lamy-Filho, Fernando; Tonial, Sueli Rosina; Mochel, Elba Gomide
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/10/2003 Português
Relevância na Pesquisa
66.08%
OBJETIVO: Identificar as principais características socioeconômicas, demográficas, antropométricas e comportamentais, bem como os resultados perinatais da gravidez na adolescência. Conhecer os tipos de serviços de saúde utilizados pelas gestantes adolescentes. MÉTODOS: A amostra de 2.429 partos de mulheres residentes em São Luís, MA, abrangeu 94% dos nascimentos hospitalares. As mulheres foram separadas em seis grupos de idade para melhor avaliação do comportamento das variáveis entre os dois grupos de adolescentes (abaixo de 18 anos; 18 a 19 anos) e entre as adolescentes e as demais mulheres. O teste do qui-quadrado foi utilizado para a comparação de proporções e a razão de prevalências foi empregada como medida de efeito. RESULTADOS: Das 2.429 mulheres, 714 eram adolescentes (29,4%). Seu coeficiente específico de fecundidade, 72,2 por mil, foi mais elevado que em outras regiões do País. As adolescentes apresentaram piores condições socioeconômicas e reprodutivas que as demais mulheres, maior proporção de pré-natal inadequado (39,2%) e muitas não tinham companheiro (34,5%). Por outro lado, tiveram menor proporção de parto cesáreo (23,0%) e de fumantes (3.5%). CONCLUSÕES: Apesar da situação socioeconômica igualmente desfavorável...

Mortalidade infantil no Brasil em períodos recentes de crise econômica; Infant mortality in Brazil during recent periods of economic crisis

Costa, Maria da Conceição Nascimento; Mota, Eduardo Luiz Andrade; Paim, Jairnilson Silva; Silva, Lígia Maria Vieira da; Teixeira, Maria da Glória; Mendes, Carlos Maurício Cardeal
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2003 Português
Relevância na Pesquisa
76.28%
OBJETIVO: Analisar a tendência temporal da mortalidade infantil no Brasil em um período recente (1980 a 1998) de crise econômica. MÉTODOS: Estudo de série temporal tendo o Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde, Fundação IBGE e Fundação Nacional de Saúde como fontes de dados. Pela modelagem Autoregressive integrated moving average (ARIMA) descreveram-se parâmetros da série e, com coeficientes de correlação de Spearman, avaliou-se a associação entre coeficiente de mortalidade infantil e alguns determinantes. RESULTADOS A mortalidade infantil apresentou tendência decrescente (-59,3%) e forte correlação com a maioria dos indicadores analisados. Todavia, apenas as correlações entre coeficiente de mortalidade infantil e taxa de fecundidade total (e taxa de natalidade) diferiram significantemente de uma década para outra. CONCLUSÕES: A variação da fecundidade foi a principal responsável pela persistência do declínio da mortalidade infantil nos anos oitenta. No período seguinte, aqueles relacionados às condições de vida, principalmente, à atenção à saúde, talvez tenham sido mais importantes.; OBJECTIVE: To analyze time trends in infant mortality in Brazil during a recent period of economic crisis (1980-1998). METHODS: Time-series study based on the Ministry of Health's Mortality Information System...

Reproductive intentions of women who experienced high fertility in a major urban center; Intenções reprodutivas de mulheres que vivenciam regime de alta fecundidade em um grande centro urbano

Soares, Vânia Muniz Néquer; Schor, Néia; Morell, Maria Graciela Gonzalez de; Souza, Kleyde Ventura de; Diniz, Simone Carmem Grilo
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/09/2013 Português
Relevância na Pesquisa
56.04%
This quantitative and population-based study aimed to identify reproductive intentions of women with five or more children living in Curitiba, Paraná. 441 women were interviewed in their homes between the years 2006 to 2008. Frequencies were calculated, as well as Student's t test and Spearman coefficient for some variables. To analyse the open questions it was used content analysis and worked out tables with categories , their frequencies and percentages. The study revealed that for 51% of women the ideal number of children would have been two children; 10% had the number of children they wanted. In 113 cases (40.4%) the husbands would rather have a larger number of children than women. Difficulties were identified in the definition and achievement of desired fertility, besides failures in reproductive health care and social and gender inequalities. Health managers should monitor the differentials in fertility rates in order to pursue social justice and ensure human rights, as well as sexual and reproductive rights in Brazil.; Neste estudo quantitativo e de base populacional objetivou-se identificar as intenções reprodutivas de mulheres com cinco ou mais filhos, residentes em Curitiba, Paraná. Foram entrevistadas 441 mulheres em seus domicílios entre os anos de 2006 a 2008. Calcularam-se frequências...

Gravidez na adolescência como fator de risco para baixo peso ao nascer no Município do Rio de Janeiro, 1996 a 1998

Gama,Silvana Granado Nogueira da; Szwarcwald,Célia Landmann; Leal,Maria do Carmo; Theme Filha,Mariza Miranda
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2001 Português
Relevância na Pesquisa
75.96%
OBJETIVO: Observar a evolução das taxas de fecundidade e identificar o papel da gravidez na adolescência como fator de risco para o baixo peso ao nascer (BPN). MÉTODOS: Em uma amostra de nascimentos provenientes do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC/RJ), entre 1996 e 1998, os fatores determinantes do BPN foram analisados em dois grupos de mães, de 15 a 19 anos e de 20 a 24 anos. Foram estimadas as associações entre as variáveis pela razão dos produtos cruzados -- Odds Ratio (OR) e respectivos intervalos de confiança. Utilizaram-se também procedimentos de regressão logística. RESULTADOS: O BPN foi significativamente maior entre o grupo de mães adolescentes do que no grupo de 20-24 anos. O pré-natal não foi realizado em 13% das adolescentes, enquanto 10% do outro grupo não tiveram atendimento. Quando realizado o pré-natal, as adolescentes tiveram menos consultas. No grupo de adolescentes, o percentual de prematuros foi significativamente maior que no outro grupo. Foram observadas diferenças por tipo de maternidade (públicas/privadas), com predomínio de uso das públicas pelas adolescentes. A análise de regressão logística mostrou que existe um efeito da idade materna na explicação do BPN, mesmo quando controlado por outras variáveis CONCLUSÕES: Os achados sugerem que investigações sobre os mecanismos explicativos da associação entre o BPN e a gravidez na adolescência devem ser realizadas...

Características da gravidez na adolescência em São Luís, Maranhão

Simões,Vanda Maria Ferreira; Silva,Antônio Augusto Moura da; Bettiol,Heloisa; Lamy-Filho,Fernando; Tonial,Sueli Rosina; Mochel,Elba Gomide
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2003 Português
Relevância na Pesquisa
66.08%
OBJETIVO: Identificar as principais características socioeconômicas, demográficas, antropométricas e comportamentais, bem como os resultados perinatais da gravidez na adolescência. Conhecer os tipos de serviços de saúde utilizados pelas gestantes adolescentes. MÉTODOS: A amostra de 2.429 partos de mulheres residentes em São Luís, MA, abrangeu 94% dos nascimentos hospitalares. As mulheres foram separadas em seis grupos de idade para melhor avaliação do comportamento das variáveis entre os dois grupos de adolescentes (abaixo de 18 anos; 18 a 19 anos) e entre as adolescentes e as demais mulheres. O teste do qui-quadrado foi utilizado para a comparação de proporções e a razão de prevalências foi empregada como medida de efeito. RESULTADOS: Das 2.429 mulheres, 714 eram adolescentes (29,4%). Seu coeficiente específico de fecundidade, 72,2 por mil, foi mais elevado que em outras regiões do País. As adolescentes apresentaram piores condições socioeconômicas e reprodutivas que as demais mulheres, maior proporção de pré-natal inadequado (39,2%) e muitas não tinham companheiro (34,5%). Por outro lado, tiveram menor proporção de parto cesáreo (23,0%) e de fumantes (3.5%). CONCLUSÕES: Apesar da situação socioeconômica igualmente desfavorável...

Mortalidade infantil no Brasil em períodos recentes de crise econômica

Costa,Maria da Conceição Nascimento; Mota,Eduardo Luiz Andrade; Paim,Jairnilson Silva; Silva,Lígia Maria Vieira da; Teixeira,Maria da Glória; Mendes,Carlos Maurício Cardeal
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2003 Português
Relevância na Pesquisa
76.28%
OBJETIVO: Analisar a tendência temporal da mortalidade infantil no Brasil em um período recente (1980 a 1998) de crise econômica. MÉTODOS: Estudo de série temporal tendo o Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde, Fundação IBGE e Fundação Nacional de Saúde como fontes de dados. Pela modelagem Autoregressive integrated moving average (ARIMA) descreveram-se parâmetros da série e, com coeficientes de correlação de Spearman, avaliou-se a associação entre coeficiente de mortalidade infantil e alguns determinantes. RESULTADOS A mortalidade infantil apresentou tendência decrescente (-59,3%) e forte correlação com a maioria dos indicadores analisados. Todavia, apenas as correlações entre coeficiente de mortalidade infantil e taxa de fecundidade total (e taxa de natalidade) diferiram significantemente de uma década para outra. CONCLUSÕES: A variação da fecundidade foi a principal responsável pela persistência do declínio da mortalidade infantil nos anos oitenta. No período seguinte, aqueles relacionados às condições de vida, principalmente, à atenção à saúde, talvez tenham sido mais importantes.

Fecundidade e diferenciais intra-urbanos de desenvolvimento humano, São Paulo, Brasil, 1997

Martins,Cláudia Maria; Almeida,Márcia Furquim de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2001 Português
Relevância na Pesquisa
86.16%
OBJETIVO: Avaliar possíveis divergências no padrão reprodutivo de mulheres residentes em áreas de diferentes níveis de desenvolvimento humano, pela análise de suas taxas de fecundidade total e taxas específicas de fecundidade por idade. MÉTODOS: Foram estudados os 96 distritos do Município de São Paulo, agrupados em cinco áreas segundo ordem crescente dos valores assumidos pelo Indicador de Desenvolvimento Humano. O estudo compreendeu a população feminina de 15 a 49 anos e os nascimentos vivos ocorridos durante o ano de 1997. As fontes de obtenção dos dados foram as declarações de nascidos vivos e a contagem da população 1996. Foram trabalhadas as seguintes variáveis: IDH, distrito de residência e idade da mulher. RESULTADOS: As mulheres residentes na área de menor desenvolvimento humano apresentaram taxa de fecundidade total de 2,62, sendo que a cúspide (151/1.000 filhos por mulheres) situou-se no grupo etário de 20 a 24 anos. Na área de maior indicador de desenvolvimento humano, observou-se menor número médio de filhos por mulher (1,67), e a cúspide (93/1.000 filhos por mulheres) se situou no grupo etário de 25 a 29 anos. CONCLUSÕES: As mulheres residentes nas áreas de maior desenvolvimento humano apresentaram menor número médio de filhos e tendência a tê-los em idades mais avançadas...

Associação ecológica entre características dos municípios e o risco de homicídios em homens adultos de 20-39 anos de idade no Brasil, 1999-2010

Duarte,Elisabeth Carmen; Garcia,Leila Posenato; Freitas,Lúcia Rolim Santana de; Mansano,Nereu Henrique; Monteiro,Rosane Aparecida; Ramalho,Walter Massa
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2012 Português
Relevância na Pesquisa
75.81%
No Brasil, a mortalidade por homicídios persiste como importante problema de saúde pública, principalmente entre homens adultos jovens. O objetivo do presente estudo foi analisar o risco de morte por homicídios entre homens de 20-39 anos de idade e sua associação com características sociodemográficas dos municípios brasileiros. Foi realizado estudo ecológico, tendo como unidades de análise todos os municípios do País. Foram estudadas as tendências temporais entre 1999-2010 e as associações do desfecho com indicadores dos municípios em análise transversal referente ao quatriênio 2007-2010. Entre os quatriênios 1999-2002 e 2007-2010, houve aumento das taxas medianas de mortalidade por homicídios entre homens de 20-39 anos, de 22,7 para 35,5 por 100 mil habitantes. No quatriênio 2007-2010, os riscos de homicídios foram estatisticamente superiores (p<0,001) nos municípios de maior porte populacional, maior taxa de fecundidade, baixa proporção de alfabetizados, maior desigualdade aferida pela renda 20/40 e maior urbanização. Para a proporção da população de baixa renda e renda média per capita, as associações indicam excessos nas estimativas de risco de homicídios nos municípios com valores intermediários desses indicadores. Os achados podem auxiliar na focalização de políticas públicas.