Página 1 dos resultados de 10043 itens digitais encontrados em 0.127 segundos

Envelhecimento no meio rural : condições de vida, saúde e apoio dos idosos mais velhos de Encruzilhada do Sul - RS

Morais, Eliane Pinheiro de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
105.88%
O envelhecimento populacional é um fenômeno de abrangência mundial, traduzido pela diminuição progressiva das taxas de fecundidade, mortalidade e aumento da expectativa de vida. Dentre a população envelhecida (60 anos ou mais), são os idosos mais velhos (80 anos ou mais), a parcela que mais cresce, e com eles também aumentam as demandas sociais, de saúde e de infra-estrutura, para comportar e assegurar a qualidade de vida dessa “elite”. Os idosos que vivem em áreas rurais, 60% em todo o mundo, devem ter especial atenção, pois as doenças que apresentam podem ser diferentes, em função das condições do ambiente, da falta de serviços de ajuda e de saúde disponíveis, e das características socioeconômicas. Trata-se de um estudo transversal que teve por objetivo descrever e analisar as condições de vida e saúde dos idosos com 80 anos ou mais residentes no meio rural do município de Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul (Brasil). A população constituiu-se de 137 idosos (87 mulheres e 50 homens), que estão distribuídos em 24 microáreas definidas no Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Os dados foram coletados utilizando-se um instrumento multidimensional, em entrevistas domiciliares, entre março e maio de 2006...

Violência e desigualdade social: mortalidade por homicídios e condições de vida em Salvador, Brasil

Macedo,Adriana C; Paim,Jairnilson S; Silva,Lígia M Vieira da; Costa,Maria da Conceição N
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2001 Português
Relevância na Pesquisa
105.87%
OBJETIVO: A relação entre pobreza e violência tem sido questionada por alguns autores. Nesse sentido, foi realizado estudo com o objetivo de analisar os diferenciais intra-urbanos de mortalidade por homicídio segundo as condições de vida. MÉTODOS: Estudo de agregados referente aos anos de 1991 e 1994, considerando as 75 zonas de informação de Salvador, BA, e a classificação de sua população em quatro estratos de condições de vida, a partir das variáveis renda e escolaridade. Para cada estrato, foram calculados a taxa de mortalidade por homicídios e o risco relativo de morte para o estrato de piores condições de vida em relação aos demais. Os dados foram obtidos de declarações de óbito, dos registros do Instituto Médico Legal e do Censo Demográfico de 1991. Foram calculados os intervalos de confiança a 95%, mediante o aplicativo Confidence Interval Analysis. RESULTADOS: As taxas de mortalidade por homicídio mais elevadas foram registradas nas áreas mais pobres da cidade. O risco relativo de morte por essa causa entre o estrato de piores e o de melhores condições de vida variou entre 2,9 e 5,1, sendo essa relação estatisticamente significante em nível de 5%. CONCLUSÃO: Os achados são sugestivos das possíveis relações entre homicídios e desigualdades sociais...

Condições de vida e estrutura ocupacional associadas a transtornos mentais comuns

Ludermir,Ana Bernarda; Melo Filho,Djalma A de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2002 Português
Relevância na Pesquisa
115.84%
OBJETIVO: Determinar a prevalência de transtornos mentais comuns e analisar sua associação a condições de vida e inserção na estrutura ocupacional. MÉTODOS: Estudo transversal conduzido em 1993, em Olinda, PE, envolvendo 621 adultos de 15 ou mais anos em uma amostra domiciliar aleatória, aos quais se aplicaram o Self Reporting Questionnaire (SRQ-20) e um questionário socioeconômico. Estimaram-se os odds-ratios (OR) simples e ajustados, utilizando-se regressão logística. RESULTADOS: A prevalência total dos transtornos mentais comuns (TMC) foi de 35%. As variáveis relativas às condições de vida foram ajustadas entre si e por sexo, idade e situação conjugal. Apenas escolaridade (p<0,0001) e condições de moradia (p=0,02) mantiveram-se associadas aos TMC. Em relação à estrutura ocupacional, os trabalhadores manuais informalmente inseridos no processo produtivo (OR=2,21; IC95% 1,1-4,5), e os indivíduos com pior situação de renda familiar per capita (OR=2,87; IC95%1,4-5,8) apresentaram maior prevalência de TMC. CONCLUSÃO: Baixa escolaridade, baixa renda e exclusão do mercado formal de trabalho, expressões da estrutura das classes sociais, proporcionam situações de estresse contribuindo para a produção dos TMC.

Mortalidade por doenças infecciosas e parasitárias em Salvador - Bahia: evolução e diferenciais intra-urbanos segundo condições de vida

Teixeira,Maria da Gloria; Meyer,Marcos de Argolo; Costa,Maria da Conceição N.; Paim,Jairnilson Silva; Silva,Ligia Maria Vieira da
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2002 Português
Relevância na Pesquisa
115.81%
Analisa-se a evolução da mortalidade por DIP em Salvador-BA e seus diferenciais intra-urbanos mediante estudo de série temporal e de agregados espaciais, nos anos noventa. O DATASUS e declarações de óbitos foram as fontes de dados. Na análise temporal, empregou-se mortalidade proporcional, taxa de mortalidade e razão de mortalidade padronizada (RMP). No estudo espacial, analisou-se as taxas de mortalidade por DIP segundo um índice de condições de vida (ICV). Entre 1991 e 1995, a mortalidade proporcional por DIP foi de 8,3% e o risco de morrer variou entre 55,9 e 34,0 por 100 mil habitantes. No período seguinte, a variação foi entre 52,8 e 41,1 por 100 mil habitantes. A razão de mortalidade padronizada por doenças infecciosas e parasitárias em 1998 foi de 1,3. As doenças infecciosas intestinais continuam sendo uma das principais causas de morte desse grupo. As áreas da cidade onde as condições de vida eram mais baixas concentravam as maiores taxas de mortalidade por DIP. A despeito do declínio, ainda existe um excesso de mortalidade por DIP em Salvador. O modelo de desenvolvimento do país e a reemergência de algumas doenças podem estar contribuindo para este padrão.

Condições de vida e mortalidade infantil no Estado do Paraná, Brasil, 1997/2001

Andrade,Selma Maffei de; Soares,Darli Antonio; Matsuo,Tiemi; Souza,Regina Kazue Tanno de; Mathias,Thaís Aidar de Freitas; Iwakura,Maria Luiza Hiromi; Zequim,Maria Angelina
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2006 Português
Relevância na Pesquisa
115.9%
Com o objetivo de verificar se as condições de vida e de infra-estrutura dos municípios do Estado do Paraná, Brasil, se relacionam com a taxa de mortalidade infantil e seus componentes, foi realizado estudo de agregados, com os 399 municípios do Estado agrupados em cinco clusters de condições de vida. As taxas de mortalidade infantil, neonatal e pós-neonatal foram calculadas para o qüinqüênio 1997/2001. Observaram-se taxas médias de mortalidade infantil, neonatal e pós-neonatal no Estado de 19,3, 12,0 e 7,3 por mil nascidos vivos, respectivamente. A taxa de mortalidade infantil pós-neonatal variou de 8,7 (cluster de piores condições) a 6,3 por mil nascidos vivos (cluster de melhores condições de vida). Com relação ao componente neonatal, os clusters de melhor e pior situação apresentaram as menores taxas, com valores semelhantes: 11,8 e 11,4 por mil nascidos vivos, respectivamente. Conclui-se que o componente pós-neonatal ainda discrimina adequadamente as condições de vida no Estado do Paraná, porém há necessidade de estudos complementares visando esclarecer as causas das taxas semelhantes de mortalidade neonatal dos clusters classificados como de melhores e de piores condições de vida.

A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida: negatividade e positividade no trabalho das profissionais de enfermagem de um hospital escola

Elias,Marisa Aparecida; Navarro,Vera Lúcia
Fonte: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto / Universidade de São Paulo Publicador: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto / Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2006 Português
Relevância na Pesquisa
105.87%
Este artigo é resultado de pesquisa realizada com profissionais de enfermagem do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia, MG, e teve por objetivo investigar as relações entre o trabalho, a saúde e as condições de vida daquelas profissionais. Os dados foram coletados através de entrevistas semi-estruturadas e de observações do ambiente de trabalho. Os resultados apontam ser comum a ocorrência de problemas de saúde orgânicos e psíquicos decorrentes principalmente do estresse e do desgaste provocado pelas condições laborais, com reflexos nas condições de vida. Paradoxalmente, os dados revelam que aquelas trabalhadoras não realizam seus tratamentos de saúde de forma sistematizada. A análise do trabalho, articulada à questão de gênero e à especificidade da atividade de enfermagem, contribuiu para melhor compreensão das condições de trabalho, vida e de saúde desse grupo profissional.

Uso de indicadores de nível local para análise espacial da morbidade por diarreia e sua relação com as condições de vida

Torres,Raquel Marica Cardoso; Bittencourt,Sonia Azevedo; Oliveira,Rosely Magalhães de; Siqueira,Alexandre San Pedro; Sabroza,Paulo Chagastelles; Toledo,Luciano Medeiros de
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2013 Português
Relevância na Pesquisa
115.87%
Nos países em desenvolvimento, cada criança, apresentou em média três episódios de diarreia por ano, no século XX. No Brasil, a diminuição do número de óbitos por diarreia esteve mais associada à aplicação de técnicas de controle do que por transformações nas condições de vida. Este artigo tem por objetivo analisar a distribuição espacial da morbidade por diarreia em crianças e sua associação com condições de vida. Estudo ecológico, tendo como unidade de análise os bairros do município de Itaboraí. A população do estudo foram as crianças < 5 anos hospitalizadas por diarreia, nos anos 2006 a 2009, disponíveis no SIH. Foram estabelecidos os indicadores Razão de Internações por Diarreia (RID) e Indicador Composto de condições de vida (ICV). As diarreias ainda representam elevada parcela das hospitalizações em crianças (15,5% entre 2006 e 2009). A RID foi elevada no período (69,7 hospitalizações/ 1.000 NV). A análise espacial identificou que os bairros com maiores valores de RID foram, em sua maioria, aqueles com maiores aglomerações populacionais e melhores condições de vida.

Distribuição espacial da tuberculose e a relação com condições de vida na área urbana do município de Campina Grande - 2004 a 2007

Queiroga,Rodrigo Pinheiro Fernandes de; Sá,Lenilde Duarte de; Nogueira,Jordana de Almeida; Lima,Eduardo Rodrigues Viana de; Silva,Ana Cristina Oliveira; Pinheiro,Patrícia Geórgia Oliveira Diniz; Braga,José Ueleres
Fonte: Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2012 Português
Relevância na Pesquisa
115.88%
A pesquisa objetivou estudar a distribuição espacial da tuberculose e a sua relação com condições de vida na área urbana do município de Campina Grande no período de 2004 a 2007. Trata-se de um estudo ecológico que utilizou a malha dos bairros do município; dados demográficos, sociais e econômicos do censo 2000; e os casos novos de tuberculose notificados no Sistema de Informação de Agravos e Notificação. Realizou-se o georeferenciamento dos casos de tuberculose e calculou-se a taxa de incidência da doença por bairro. Foi feita suavização das taxas e calculado o Índice de Moran Global. Os dados socioeconômicos foram agrupados em quartis segundo o Índice de Condições de Vida e calculou-se a incidência da tuberculose em cada estrato de condições de vida. Os resultados mostram que a distribuição espacial da tuberculose na cidade não é uniforme. O agrupamento dos bairros de acordo com o Índice de Condições de Vida revelou diferenças sociais que podem justificar a ocorrência das maiores taxas de incidência nas regiões social e economicamente mais vulneráveis. O estrato de melhor condição de vida apresentou elevada incidência, possivelmente devido à subnotificação dos casos de tuberculose causada principalmente pela centralização do serviço de controle da doença. Espera-se que este estudo possa subsidiar o delineamento das estratégias de controle no município de Campina Grande...

Fatores associados à mortalidade dos idosos com as condições de vida da população do Nordeste do Brasil

Santos, Jozemar Pereira dos
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde; Ciências da Saúde Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde; Ciências da Saúde
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
105.92%
As condições de vida são usualmente entendidas como importantes fatores intervenientes das causas básicas de mortalidade e da qualidade de vida da população. Ao considerar esta questão em uma população idosa e sua influência nas causas mais relevantes que as levam à morte, teve-se como objetivo principal, estudar a associação da mortalidade dos idosos por doenças cardiovasculares para ambos os sexos, com indicadores que expressam as condições de vida da população do Nordeste, nos anos 2000 e 2010. Para atingir tal propósito foi traçado um desenho de estudo ecológico com cortes transversais nos anos 2000 e 2010 tendo como unidades de análises as microrregiões e a mesorregiões do Nordeste. Utilizou-se a Modelagem de Equações Estruturais (MEE) para explicar essas associações, tomando como base as estatísticas de óbitos por doenças cardiovasculares (construto endógeno) e variáveis socioeconômicas e demográficas (construto exógeno) das microrregiões do Nordeste, para o ano 2000. Utilizou-se o Método dos Componentes Principais como recurso metodológico na construção de um índice sintético que permitiu classificar as condições de vida nas mesorregiões do Nordeste, tomadas como unidades de análises...

Coeficientes de incidência do dengue e sua relação com os diferenciais intra-urbanos segundo condições de vida no município do Natal, Rio Grande do Norte

Souto, Maria Cristiana da Silva
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente PRODEMA; Meio Ambiente, Cultura e Desenvolvimento Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente PRODEMA; Meio Ambiente, Cultura e Desenvolvimento
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
115.89%
This study sprang from the hypothesis that spatial variations in the morbidity rate for dengue fever within the municipality of Natal are related to intra-city socioeconomic and environmental variations. The objective of the project was to classify the different suburbs of Natal according to their living conditions and establish if there was any correlation between this classification and the incidence rate for dengue fever, with the aim of enabling public health planners to better control this disease. Data on population density, access to safe drinking water, rubbish collection, sewage disposal facilities, income level, education and the incidence of dengue fever during the years 2001 and 2003 was drawn from the Brazilian Demographic Census 2000 and from the Reportable Disease Notification System -SINAN. The study is presented here in the form of two papers, corresponding to the types of analysis performed: a classification of the urban districts into quartiles according to the living conditions which exist there, in the first article; and the incidence of dengue fever in each of these quartiles, in the second. By applying factorial analysis to the chosen socioeconomic and environmental indicators for the year 2000, a compound index of living condition (ICV) was obtained. On the basis of this index...

Desenvolvimento rural sustentável e as condições de vida dos agricultores familiares na Zona da Mata mineira: os casos comparados de Tombos e Araponga; Sustainable rural development and the conditions of life of family farmers in the Zona da Mata mineira: cases compared to Tombos and Araponga

Oliveira, Brasilina Elisete Reis de
Fonte: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais (PRPG); Pró-Reitoria de Pós-graduação (PRPG) Publicador: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais (PRPG); Pró-Reitoria de Pós-graduação (PRPG)
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
115.87%
This work presents the results of a study on the potential for rural development and the livelihoods of family farmers in Tombos and Araponga cities, both located in the Forest Zone of Minas Gerais – Brazil. For that, two synthetic indicators were used: Rural Development Index - IDR and Living Conditions Index - ICV. These indicators are based on the works of Kageyama (2004 and 2008), Rambo et al. (2012) and Sepúlveda (2008). To calculate the IDR were collected secondary data from the Population Censuses (2000 and 2010), Census of Agriculture (2006) from the Brazilian Institute for Geography and Statistics – IBGE, Rural Development Planes and others studies concerned to both cities mentioned. And to determine the ICV were collected primary data applying questionnaires to the family farmers and interviews were done with institutions´ agents and public agencies. This study promotes a discussion about rural development in the course of time showing the new rurality that has been debated by many researchers, government agencies and rural class´ representatives. The essential of this debate is to understand the reality of rural population and construct collectively programs and public policies that provide subsidies for the promotion of rural development in the economic...

Desigualdade racial no Brasil: evolução das condições de vida na década de 90; Texto para Discussão (TD) 807: Desigualdade racial no Brasil: evolução das condições de vida na década de 90; Racial inequality in Brazil: evolution of living conditions in the 90s

Henriques, Ricardo
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
115.81%
Este texto pretende apresentar um mapeamento das condições de vida da população brasileira nos anos 1990, privilegiando o recorte racial de forma a servir como mais uma contribuição ao diagnóstico da desigualdade socioeconômica e da pobreza no Brasil. Realiza-se uma análise das informações domiciliares extraídas das Pesquisas Nacionais por Amostra de Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Não se pretende, portanto, no corpo deste volume, realizar uma investigação teórica sobre os determinantes e as consequências da desigualdade racial, nem definir um conjunto propositivo de políticas públicas que enfrentem as questões da discriminação e da desigualdade racial. Trata-se de uma análise de economia do bem-estar que pretende contribuir para o diagnóstico da desigualdade racial no Brasil, identificando várias de suas dimensões, a partir da investigação das desvantagens dos negros em relação aos brancos e da variação das distâncias entre as raças.; 49 p. : il.

Condições de vida e estrutura ocupacional associadas a transtornos mentais comuns; Living conditions and occupational organization associated with common mental disorders

Ludermir, Ana Bernarda; Melo Filho, Djalma A de
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/04/2002 Português
Relevância na Pesquisa
115.82%
OBJETIVO: Determinar a prevalência de transtornos mentais comuns e analisar sua associação a condições de vida e inserção na estrutura ocupacional. MÉTODOS: Estudo transversal conduzido em 1993, em Olinda, PE, envolvendo 621 adultos de 15 ou mais anos em uma amostra domiciliar aleatória, aos quais se aplicaram o Self Reporting Questionnaire (SRQ-20) e um questionário socioeconômico. Estimaram-se os odds-ratios (OR) simples e ajustados, utilizando-se regressão logística. RESULTADOS: A prevalência total dos transtornos mentais comuns (TMC) foi de 35%. As variáveis relativas às condições de vida foram ajustadas entre si e por sexo, idade e situação conjugal. Apenas escolaridade (p; OBJECTIVE: To determine the prevalence of common mental disorders (CMD) and evaluate their association with living conditions and occupational organization. METHODS: A cross-sectional survey of a random sample of private households was carried out in Olinda, Brazil, in 1993. The sample consisted of 621 adults aged 15 years or over and the participants were interviewed using the Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20) and a second questionnaire on social and economic characteristics. Crude and adjusted odds ratios were estimated using logistic regression analysis. RESULTS: The overall prevalence of CMD was 35%. Only the variables education level (p

A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida: negatividade e positividade no trabalho das profissionais de enfermagem de um hospital escola; La relación entre trabajo, salud y condiciones de vida: negatividad y positividad en el trabajo de profesionales de enfermería en un hospital de enseñanza; The relation between work, health and living conditions: negativity and positivity in nursing work at a teaching hospital

Elias, Marisa Aparecida; Navarro, Vera Lúcia
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/08/2006 Português
Relevância na Pesquisa
105.9%
Este artigo é resultado de pesquisa realizada com profissionais de enfermagem do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia, MG, e teve por objetivo investigar as relações entre o trabalho, a saúde e as condições de vida daquelas profissionais. Os dados foram coletados através de entrevistas semi-estruturadas e de observações do ambiente de trabalho. Os resultados apontam ser comum a ocorrência de problemas de saúde orgânicos e psíquicos decorrentes principalmente do estresse e do desgaste provocado pelas condições laborais, com reflexos nas condições de vida. Paradoxalmente, os dados revelam que aquelas trabalhadoras não realizam seus tratamentos de saúde de forma sistematizada. A análise do trabalho, articulada à questão de gênero e à especificidade da atividade de enfermagem, contribuiu para melhor compreensão das condições de trabalho, vida e de saúde desse grupo profissional.; Este artículo resulta de una investigación llevada a cabo con profesionales de enfermería del Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (MG), situado en Uberlândia (MG), Brasil y tuvo como objetivo investigar las relaciones existentes entre el trabajo, la salud y las condiciones de vida de esas profesionales. La recopilación de datos fue realizada a través de entrevistas semiestructuradas y de observaciones del ambiente de trabajo. Los resultados indican que es común la ocurrencia de problemas de salud orgánicos y psíquicos provenientes principalmente del estrés y del desgaste provocado por las condiciones de trabajo...

Trabalho Extrativista e condições de vida dos trabalhadores/famílias na Ilha Combú-Pará

Gomes, Vera Lúcia Batista; Carvalho, Raimundo Sócrates de Castro
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Política Social da UFES Publicador: Programa de Pós-Graduação em Política Social da UFES
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 27/02/2013 Português
Relevância na Pesquisa
115.8%
Este artigo analisa o trabalho extrativista do açaí na ilha do Combú-Pará e as condições de vida dos trabalhadores. Tem como base a pesquisa de campo cujos sujeitos foram trabalhadores que exercem esse trabalho na referida ilha. Parte da reflexão sobre o trabalho extrativista e o modelo de desenvolvimento imposto para a Amazônia, o qual responde aos interesses do capital em versão globalizada, reeditando a sua inserção na divisão internacional do trabalho, via reprimarização da economia. Esse modelo determina as formas de trabalho precário e as condições de vida dos trabalhadores/famílias que dependem do trabalho para a reprodução social. Ao final, destaca que a renda obtida com esse trabalho e a precariedade dos serviços públicos de saúde, educação, saneamento básico atendem minimamente as necessidade imediatas dos mesmos, mas contraditoriamente, aumenta a comercialização do açaí.

Condições de vida e mortalidade infantil no Estado do Paraná, Brasil, 1997/2001

Andrade,Selma Maffei de; Soares,Darli Antonio; Matsuo,Tiemi; Souza,Regina Kazue Tanno de; Mathias,Thaís Aidar de Freitas; Iwakura,Maria Luiza Hiromi; Zequim,Maria Angelina
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2006 Português
Relevância na Pesquisa
115.9%
Com o objetivo de verificar se as condições de vida e de infra-estrutura dos municípios do Estado do Paraná, Brasil, se relacionam com a taxa de mortalidade infantil e seus componentes, foi realizado estudo de agregados, com os 399 municípios do Estado agrupados em cinco clusters de condições de vida. As taxas de mortalidade infantil, neonatal e pós-neonatal foram calculadas para o qüinqüênio 1997/2001. Observaram-se taxas médias de mortalidade infantil, neonatal e pós-neonatal no Estado de 19,3, 12,0 e 7,3 por mil nascidos vivos, respectivamente. A taxa de mortalidade infantil pós-neonatal variou de 8,7 (cluster de piores condições) a 6,3 por mil nascidos vivos (cluster de melhores condições de vida). Com relação ao componente neonatal, os clusters de melhor e pior situação apresentaram as menores taxas, com valores semelhantes: 11,8 e 11,4 por mil nascidos vivos, respectivamente. Conclui-se que o componente pós-neonatal ainda discrimina adequadamente as condições de vida no Estado do Paraná, porém há necessidade de estudos complementares visando esclarecer as causas das taxas semelhantes de mortalidade neonatal dos clusters classificados como de melhores e de piores condições de vida.

Condições de vida e estrutura ocupacional associadas a transtornos mentais comuns

Ludermir,Ana Bernarda; Melo Filho,Djalma A de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2002 Português
Relevância na Pesquisa
115.84%
OBJETIVO: Determinar a prevalência de transtornos mentais comuns e analisar sua associação a condições de vida e inserção na estrutura ocupacional. MÉTODOS: Estudo transversal conduzido em 1993, em Olinda, PE, envolvendo 621 adultos de 15 ou mais anos em uma amostra domiciliar aleatória, aos quais se aplicaram o Self Reporting Questionnaire (SRQ-20) e um questionário socioeconômico. Estimaram-se os odds-ratios (OR) simples e ajustados, utilizando-se regressão logística. RESULTADOS: A prevalência total dos transtornos mentais comuns (TMC) foi de 35%. As variáveis relativas às condições de vida foram ajustadas entre si e por sexo, idade e situação conjugal. Apenas escolaridade (p<0,0001) e condições de moradia (p=0,02) mantiveram-se associadas aos TMC. Em relação à estrutura ocupacional, os trabalhadores manuais informalmente inseridos no processo produtivo (OR=2,21; IC95% 1,1-4,5), e os indivíduos com pior situação de renda familiar per capita (OR=2,87; IC95%1,4-5,8) apresentaram maior prevalência de TMC. CONCLUSÃO: Baixa escolaridade, baixa renda e exclusão do mercado formal de trabalho, expressões da estrutura das classes sociais, proporcionam situações de estresse contribuindo para a produção dos TMC.

Violência e desigualdade social: mortalidade por homicídios e condições de vida em Salvador, Brasil

Macedo,Adriana C; Paim,Jairnilson S; Silva,Lígia M Vieira da; Costa,Maria da Conceição N
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2001 Português
Relevância na Pesquisa
105.87%
OBJETIVO: A relação entre pobreza e violência tem sido questionada por alguns autores. Nesse sentido, foi realizado estudo com o objetivo de analisar os diferenciais intra-urbanos de mortalidade por homicídio segundo as condições de vida. MÉTODOS: Estudo de agregados referente aos anos de 1991 e 1994, considerando as 75 zonas de informação de Salvador, BA, e a classificação de sua população em quatro estratos de condições de vida, a partir das variáveis renda e escolaridade. Para cada estrato, foram calculados a taxa de mortalidade por homicídios e o risco relativo de morte para o estrato de piores condições de vida em relação aos demais. Os dados foram obtidos de declarações de óbito, dos registros do Instituto Médico Legal e do Censo Demográfico de 1991. Foram calculados os intervalos de confiança a 95%, mediante o aplicativo Confidence Interval Analysis. RESULTADOS: As taxas de mortalidade por homicídio mais elevadas foram registradas nas áreas mais pobres da cidade. O risco relativo de morte por essa causa entre o estrato de piores e o de melhores condições de vida variou entre 2,9 e 5,1, sendo essa relação estatisticamente significante em nível de 5%. CONCLUSÃO: Os achados são sugestivos das possíveis relações entre homicídios e desigualdades sociais...

Distribuição espacial da tuberculose e a relação com condições de vida na área urbana do município de Campina Grande - 2004 a 2007

Queiroga,Rodrigo Pinheiro Fernandes de; Sá,Lenilde Duarte de; Nogueira,Jordana de Almeida; Lima,Eduardo Rodrigues Viana de; Silva,Ana Cristina Oliveira; Pinheiro,Patrícia Geórgia Oliveira Diniz; Braga,José Ueleres
Fonte: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2012 Português
Relevância na Pesquisa
115.88%
A pesquisa objetivou estudar a distribuição espacial da tuberculose e a sua relação com condições de vida na área urbana do município de Campina Grande no período de 2004 a 2007. Trata-se de um estudo ecológico que utilizou a malha dos bairros do município; dados demográficos, sociais e econômicos do censo 2000; e os casos novos de tuberculose notificados no Sistema de Informação de Agravos e Notificação. Realizou-se o georeferenciamento dos casos de tuberculose e calculou-se a taxa de incidência da doença por bairro. Foi feita suavização das taxas e calculado o Índice de Moran Global. Os dados socioeconômicos foram agrupados em quartis segundo o Índice de Condições de Vida e calculou-se a incidência da tuberculose em cada estrato de condições de vida. Os resultados mostram que a distribuição espacial da tuberculose na cidade não é uniforme. O agrupamento dos bairros de acordo com o Índice de Condições de Vida revelou diferenças sociais que podem justificar a ocorrência das maiores taxas de incidência nas regiões social e economicamente mais vulneráveis. O estrato de melhor condição de vida apresentou elevada incidência, possivelmente devido à subnotificação dos casos de tuberculose causada principalmente pela centralização do serviço de controle da doença. Espera-se que este estudo possa subsidiar o delineamento das estratégias de controle no município de Campina Grande...

Uso de indicadores de nível local para análise espacial da morbidade por diarreia e sua relação com as condições de vida

Torres,Raquel Marica Cardoso; Bittencourt,Sonia Azevedo; Oliveira,Rosely Magalhães de; Siqueira,Alexandre San Pedro; Sabroza,Paulo Chagastelles; Toledo,Luciano Medeiros de
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2013 Português
Relevância na Pesquisa
115.87%
Nos países em desenvolvimento, cada criança, apresentou em média três episódios de diarreia por ano, no século XX. No Brasil, a diminuição do número de óbitos por diarreia esteve mais associada à aplicação de técnicas de controle do que por transformações nas condições de vida. Este artigo tem por objetivo analisar a distribuição espacial da morbidade por diarreia em crianças e sua associação com condições de vida. Estudo ecológico, tendo como unidade de análise os bairros do município de Itaboraí. A população do estudo foram as crianças < 5 anos hospitalizadas por diarreia, nos anos 2006 a 2009, disponíveis no SIH. Foram estabelecidos os indicadores Razão de Internações por Diarreia (RID) e Indicador Composto de condições de vida (ICV). As diarreias ainda representam elevada parcela das hospitalizações em crianças (15,5% entre 2006 e 2009). A RID foi elevada no período (69,7 hospitalizações/ 1.000 NV). A análise espacial identificou que os bairros com maiores valores de RID foram, em sua maioria, aqueles com maiores aglomerações populacionais e melhores condições de vida.