Página 1 dos resultados de 2948 itens digitais encontrados em 0.036 segundos

Percepção de factores de risco e de protecção ao desenvolvimento infantil:a questão da resiliência educacional

Lopes, Patrícia Esperança
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
108.19037%
O presente estudo incide sobre a questão da resiliência psicológica em contexto escolar e, mais especificamente, as percepções que os educadores têm sobre os factores de risco e de protecção ao desenvolvimento infantil, que poderão conduzir à resiliência educacional. O objectivo foi analisar a percepção que os educadores têm dos diferentes factores, bem como verificar se existe correspondência entre as suas percepções e a prática educativa; ou seja, se os agentes educativos podem funcionar como promotores de resiliência educativa através da sua prática. Como tal, avaliaram-se também os diferentes tipos de práticas implementadas e valorizadas pelos educadores de infância, tendo-se procurado analisar possíveis diferenças em função de variáveis como idade do educador, vínculo laboral, local de ensino (público, privado, IPSS) e zona de trabalho (rural ou urbana). No estudo empírico utilizaram-se dois instrumentos concebidos para o efeito, além de uma “Ficha de Dados Sócio-demográficos”: o “Questionário de Caracterização de Práticas Educativas” (QCPE) e o “Questionário de Percepção de Factores de Risco e de Protecção ao Desenvolvimento Infantil” (QPFRPDI). Os sujeitos da amostra foram 139 educadores de infância...

Factores de Risco da Depressão Pós-Parto: Uma Abordagem Multidimensional

Marques, Mariana Vaz Pires
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Tese de Doutorado
Português
Relevância na Pesquisa
117.76385%
Introdução: São poucos os estudos que, no nosso país, tenham investigado simultaneamente o papel de factores de risco (FRs) e correlatos pertencentes a vários domínios (e.g. clínico, social…) no desenvolvimento de sintomatologia depressiva no pós-parto (PPt)/depressão pósparto (DPP). Por outro lado, quer em Portugal, quer internacionalmente, poucos combinam as abordagens categorial e dimensional quando se dedicam ao tema e/ou exploram o papel das variáveis de sono e da insónia na determinação dos outcomes. O nosso principal objectivo foi analisar potenciais associações e o papel preditivo de vários FRs e correlatos de diferentes domínios no desenvolvimento dos outcomes. Apresentamos, também, alguns dados epidemiológicos e sobre o curso da depressão perinatal. Metodologia: 236 mulheres no terceiro trimestre de gravidez (M=32.58 semanas de gestação; DP=3.61), idade média=30.51 anos (DP=4.02; variação=19-41 anos) preencheram uma booklet com dois questionários (Postpartum Depression Screening Scale/PDSS; Profile of Mood States/POMS), questões avaliando variáveis sócio-demográficas, sociais, de saúde, de sono, cronobiológicas e a insónia, entre outras. Em três momentos distintos do PPt (3, 6 e 12 meses PPt; T1/T2 e T3) as participantes voltaram a preencher a booklet com os mesmos questionários e questões sobre variáveis sociais e algumas questões obstétricas e sobre o bebé (e.g. temperamento difícil). As versões portuguesas da Diagnostic Interview for Genetic Studies (DIGS) e do OPerational CRITeria Checklist for Psychotic Illness (OPCRIT) foram usadas em todos os momentos de avaliação como gold standard para o diagnóstico (ICD-10 e DSM-IV). Nas análises estatísticas recorremos à versão 15.0 do SPSS para Windows e a uma funcionalidade do mesmo para realizar análises de bootstrapping/mediação. Depois de exploradas potenciais associações com diferentes outcomes categoriais e dimensionais...

Prevalência dos factores de risco para a epicondilite lateral numa população praticante de ténis

Moreira, Carla Sofia de Oliveira
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
118.16961%
Introdução: “Epicondilite” Lateral representa uma lesão de sobrecarga frequente nos tenistas, no entanto, os factores de risco foram identificados para populações maioritariamente laborais e não para praticantes de ténis. Objectivo: Pretende-se com este estudo determinar qual a prevalência da “epicondilite” e quais os factores de risco mais determinantes, de modo a estabelecer um conjunto de recomendações que possam ajudar a prevenir a patologia. Métodos: 69 pessoas, com idades compreendidas entre 10 e 67 anos, de uma população de 120 que praticam ténis de forma regular, participaram no estudo, respondendo a um inquérito que avalia factores demográficos, aspectos relacionados com a prática de ténis e dados relativos à eventual presença de “epicondilite”. Resultados: 36 casos (52.2%) tinham doença, dos quais 42.9% tinham entre 13 a 24 anos; o género dominante foi o masculino (63.8%); 53.6% fazem competição. Tempo de treino contínuo sem intervalos de 2 ou mais horas (Odds Ratio (OR):3.07; Intervalo de Confiança 95% (CI): 1.13, 8.33; p:0.026); treino de 4 a mais de 6 horas semanais (OR:2.8; CI: 1.04, 7.47; p:0.037), demonstraram ser os factores de risco mais preponderantes para atingir a “doença”. Outros factores mostraram alguma relevância como a prática fora de locais onde haja a supervisão do treinador (OR: 4.97; CI: 1.70...

Complicações urológicas do transplante renal: factores de risco e influência na sobrevivência do enxerto

Ribeiro, Inês Valente de Sá Sousa
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
117.93352%
Introdução: As complicações urológicas do transplante renal são responsáveis por uma significativa morbilidade e mortalidade. A sua incidência tem vindo a diminuir ao longo dos anos, quer devido a uma melhor imunossupressão, quer devido a melhoramentos das técnicas cirúrgicas, encontrando-se, nos dias de hoje, entre os 2,5% e os 14,1%. Objectivos: Este estudo teve como objectivo encontrar factores de risco associados às complicações urológicas do transplante renal e determinar a influência destas na evolução do transplante. Metodologia: Recorrendo à base de dados do Serviço de Urologia e Transplantação Renal dos Hospitais da Universidade de Coimbra, fez-se uma análise retrospectiva de 1864 transplantes consecutivos realizados desde 1980 até 30 de Junho de 2009. Caracterizou-se a amostra e recorreu-se a testes estatísticos para determinar a relação das variáveis com a ocorrência de complicações urológicas. Resultados: Registaram-se 119 (6,4%) casos de complicações urológicas, sendo que 45 (2,4%) foram fístula, 38 (2,0%) obstrução e 29 (1,6%) estenose. Houve ainda 3 (0,2%) casos de litíase renal, 2 (0,1%) de refluxo vesico-uretérico, 1 caso de calcificação do cateter duplo-J e 1 de cateter uretérico partido. Identificaram-se os seguintes factores de risco: patologia urológica prévia...

Caracterização dos factores de risco cardiovascular em pessoas idosas; Characterization of cardiovascular risk factors in the older people

Martins, Ana Margarida Ribeiro
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
108.31904%
O envelhecimento populacional é uma realidade não só mundial como também nacional. Associado ao aumento do número de pessoas idosas ocorre um aumento da prevalência de doenças crónico-degenerativas como as doenças cardiovasculares. Estas representam a maior causa de mortalidade em todo o Mundo, e Portugal não é excepção. O sedentarismo é um dos factores de risco mais importantes para a morbilidade e mortalidade cardiovascular, contudo é susceptível de significativas mudanças através da actividade física. Adoptar a actividade física regular é uma estratégia de intervenção na saúde cardiovascular segura, económica mas também eficaz. O presente estudo tem como objectivo caracterizar a distribuição dos factores de risco para as doenças cardiovasculares numa população de pessoas idosas com idade superior a 74 anos residentes no Concelho de Aveiro, através da mensuração da actividade física para determinar o sedentarismo, da consulta documental individual sobre a hipertensão arterial, hiperglicémia, hipercolesterolémia, hipertrigliceridémia para o cálculo das prevalências, assim como alguns elementos definidores do estilo de vida. Trata-se de um estudo de carácter epidemiológico transversal e descritivo realizado em pessoas com mais de 74 anos residentes no Concelho de Aveiro (Portugal)...

Factores de risco vasculares e alterações arteriais cervicais em doentes com AVC: População hospitalar de Évora

Mateus, Sónia Matilde Fonseca
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
108.36241%
Existem factores de rotura entre Ecologia e o Homem, surgindo formas de desadaptação ao Ecossistema e consequente desequilíbrio biológico do Homem. Acidentes Vasculares Cerebrais, são a terceira causa de mortalidade e primeira de morbilidade nos países industrializados. Factores de risco vasculares extrínsecos, interagem com factores de risco intrínsecos. O objectivo deste trabalho é verificar relação entre alterações da parede vascular, factores de risco vasculares e factores de risco familiares em doentes com AVC Isquémico do distrito de Évora. Foram incluídos, todos os doentes consecutivos com AVC isquémico, referenciados ao Laboratório de Ultra-sonografia Cardíaca e Neurovascular, entre 1 de Maio de 2003 e 31 de Março de 2004. Todos os factores de risco extrínsecos se associavam à presença de alterações na parede vascular e apenas dois factores de risco intrínsecos tinham associação. Concluímos que embora importantes, os factores de risco vasculares extrínsecos são factores de risco mais importantes para o AVC. /***Abstract - There are break factors between ecology and man, which brings ways of non-adaptation to the ecosystem and not equilibrated biologic of man body. Stroke is the third mortality cause and the first morbidity cause in industrialized countries. Extrinsic risk factors interact with intrinsic risk factors. Our goal is to look for the possible correlation between arterial wall atheromatosis...

Contribuição para aprevenção da osteoporose: avaliação de factores genéticos, antropométricos, ambientais laboratoriais e de dados densitométricos e de ultrasons em portugueses de ambos os sexos

Canhão, Helena Cristina de Matos, 1967-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2007 Português
Relevância na Pesquisa
108.46984%
Tese de doutoramento em Medicina (Reumatologia), apresentada à Universidade de Lisboa através da Faculdade de Medicina, 2008; Ao contrário do que se verifica para os factores de risco da osteoporose (OP), não é possível enumerar de forma simples uma lista de factores protectores. A identificação de variáveis que se associam a melhor qualidade óssea, entendida como a optimização do balanço entre estrutura, geometria, microarquitectura, massa, composição e função, é fundamental porque os conhecimentos sobre esses parâmetros poderão ajudar-nos a obter e manter um osso de melhor qualidade, com uma massa óssea que permaneça acima do limiar fracturário. Por outro lado, a compreensão dos factores que determinam uma massa óssea mais elevada e uma melhor qualidade do osso, poderá contribuir para o desenvolvimento de terapêuticas capazes de restabelecer o equilíbrio da remodelação óssea. Objectivos: 1- Identificar e avaliar a importância relativa dos factores de risco e protectores de OP em ambos os sexos; 2- Estabelecer associações entre parâmetros laboratoriais como o balanço fosfo-cálcico, marcadores de remodelação óssea, hormonas sexuais, hormonas relacionadas com o crescimento e a massa corporal, citocinas envolvidas na inflamação e na remodelação óssea e a massa óssea; 3- Estudar a associação de polimorfismos na posição 308 do promotor do gene do factor de necrose tumoral (TNF) alfa e a massa óssea. Métodos: Os trabalhos de investigação foram desenvolvidos no Serviço de Reumatologia do Hospital de Santa Maria (Director: Prof. Doutor M. Viana Queiroz)...

O que sabe a população sobre factores de risco da diabetes tipo 2

Parreira, Cláudia Alexandra Marinho da Silva Alves, 1974-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 Português
Relevância na Pesquisa
108.31598%
Tese de mestrado, Nutrição, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa - 2012; Objectivo: A diabetes é uma das principais causas de mortalidade e de perda de qualidade de vida em países desenvolvidos. Em Portugal há actualmente 1.782.663 portugueses com pré-diabetes. Para inverter a tendência de crescimento da diabetes, as estratégias nacionais incidem nos factores de risco da doença. Sabendo que a informação influencia a adopção de estilos de vida saudáveis, analisou-se o nível de conhecimentos da população acerca dos factores de risco da diabetes tipo 2, e factores associados à variação dos níveis de conhecimentos. Métodos: O estudo foi descritivo, analítico, transversal e aplicado numa população não diabética. Aplicou-se um questionário com questões fechadas e semi-fechadas, entre os dias 1 e 10 de Maio de 2011. Realizou-se a análise estatística no software Epi-info, versão 3.5.3, com intervalo de confiança de 95%. Resultados: 51,7% da amostra obteve um score de conhecimento acima da média. 80% a 90% da população identificou o sedentarismo e excesso de peso como factores de risco e 40% a 60% não identificou como factores de risco: diabetes gestacional, alimentação pobre em fibras e vegetais...

Factores de risco para lesões costais em vacas leiteiras mantidas em regime intensivo

Azevedo, João Monjardino de Brito de
Fonte: Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária Publicador: Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em 25/07/2011 Português
Relevância na Pesquisa
117.93581%
Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária; Fazendo uma analogia com as lesões costais em humanos, é-nos compreensível que estas lesões devem ser dolorosas e limitam o bem-estar e a saúde das vacas, originando como consequência quebras na produtividade e no retorno económico da exploração. Este parece ser mais um problema de bem-estar animal identificado em vacarias com regime de produção intensivo, e como tal urge sabermos de que forma afectam os animais e o que pode ser feito para evitarmos estas situações. A presente dissertação tem como objectivo determinar a prevalência de lesões costais em vacas de leite mantidas em regime intensivo e tentar identificar quais os factores de risco para as mesmas, quer associados às vacarias, quer associado aos animais com lesões. Para o efeito foram estudadas 22 vacarias e 1.319 animais da Região da Beira Litoral de Portugal. A prevalência de lesões costais em todo o efectivo estudado foi de 2,3%. Relativamente às lesões das 7ª, 8ª e 9ª costelas uni ou bilateral, registámos intervalos de prevalência por exploração que vão desde os 0% (n=12) a 6,08% (n=1). Da amostra total de animais com lesões em estudo (n=31), resultou a seguinte prevalência de lesões costais de acordo com as costelas afectadas: lesão bilateral da 8ª costela – 26%; lesão bilateral da 9ª costela – 3%; lesão unilateral da 7ª costela – 3%; lesão unilateral da 8ª costela – 23%; lesão unilateral da 9ª costela – 11%; lesão unilateral da 10ª costela – 3%; lesão unilateral da 11ª costela – 5%; lesão unilateral da 12ª costela – 6% e lesão unilateral da 13ª costela – 20%. Conclui-se do estudo que os factores de risco para as lesões associados às infraestruturas das vacarias são: maus cubículos...

Contribuição para a caracterização do parasitismo em suínos de raça Ibérica e javalis silvestres das Comunidades Autónomas da Extremadura e Castilla y León (Espanha) e dos factores de risco associados

Neves, Marisa de Guadalupe Carriço
Fonte: Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária Publicador: Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 28/05/2013 Português
Relevância na Pesquisa
127.94305%
Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária; De Novembro de 2011 a Abril de 2012, o principal objectivo foi conhecer a parasitofauna dos suínos da raça ibérica e javalis, zoonóticos e não zoonóticos, pertencentes às Comunidades Autónomas da Extremadura e Castilla y León (Espanha). O estudo parasitológico do porco Ibérico com base em amostras de fezes recolhidas antemortem e analisadas por métodos coprológicos qualitativos, quantitativo, coprocultura e Método de Baermann, em lotes de produção de 55 explorações pecuárias revelou que todas elas estavam infectadas pelo menos por um parasita, destacando a alta prevalência de Balantidium coli (94,5%), Subordem Strongylida (65,5%) e Família Eimeriidae (56,4%) e uma moderada presença de Metastrongylus spp. (23,6%), Trichuris suis (18,2%) e Ascaris suum (12,7%). Identificámos, em cinco de seis explorações estudadas, larvas L3 de Oesophagostomum spp. (83,3%). Os factores de risco obtidos a partir da análise dos inquéritos efectuados nas suiniculturas e que mais influenciam a presença de parasitas nessas explorações, são os relativos às medidas de biossegurança e às características das pocilgas (OR>1). O estudo da parasitofauna do porco Ibérico procedente de amostras biológicas recolhidas postmortem em matadouros...

Prevalência e factores de risco de hipertiroidismo felino em 80 gatos da região da grande Lisboa

Ferreira, Rita de Oliveira Reis
Fonte: Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária Publicador: Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 13/03/2014 Português
Relevância na Pesquisa
127.93707%
Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária; Objectivo: Determinar a prevalência e potenciais factores de risco de hipertiroidismo felino na região da Grande Lisboa, Portugal, de modo a prevenir o desenvolvimento de tirotoxicose nos felinos domésticos. Métodos: Foi medida a tiroxina total sérica em 80 gatos com 6 ou mais anos de idade que se apresentaram num hospital veterinário na Grande Lisboa, quer para visitas de rotina como por problemas de saúde. Foi realizado um estudo observacional transversal com base num questionário em pacientes que cumprissem os critérios de inclusão e exclusão. Os dados recolhidos incluíam informação acerca da dieta, exposições ambientais, características demográficas e tipo de vida. Resultados: A prevalência de hipertiroidismo (T4 > 4 μg/dL) foi de 12,5% e não houve diferença significativa na prevalência em pacientes doentes (13,5%) e saudáveis (10,7%). Gatos que eram mais velhos, comeram carne cozinhada ou foram expostos a insecticidas estavam mais propensos a ser diagnosticados com hipertiroidismo. Foi detectado um efeito protector associado à utilização de ectoparasiticidas em pipeta, desparasitação externa e utilização de recipientes de plástico para a comida e água. Conclusões: A prevalência de hipertiroidismo no grupo de estudo foi semelhante à prevalência reportada noutras regiões do globo. São necessários mais estudos para avaliar os factores de risco e de protecção demonstrados...

Factores de Risco para Sensibilização ao Látex em Crianças com Espinha Bífida

Pires, G; Morais-Almeida, M; Gaspar, A; Godinho, N; Calado, E; Abreu-Nogueira, J; Rosado-Pinto, J
Fonte: Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica Publicador: Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //1999 Português
Relevância na Pesquisa
108.21673%
OBJECTIVO: Pretendeu-se com este estudo determinar a prevalência e identificar factores de risco para sensibilização ao látex em crianças com espinha bífida. MÉTODOS: Estudaram-se 57 crianças com espinha bífida, com uma idade média de 5.6 anos(6 meses a 18 anos) e uma relação sexo M/F de 0.8/1. A todas as crianças foram efectuados questionário, bateria de TC incluindo látex (extractos UCBStallergenes, Lofarma e ALK-Abelló), aeroalergenos comuns e frutos (UCB-Stallergenes) e determinação sérica de IgE total (AlaSTAT). RESULTADOS: A prevalência de sensibilização ao látex foi de 30%; apenas duas crianças sensibilizadas (12%) apresentavam sintomatologia relacionada com a exposição (urticária/angioedema e rinite). Foram identificados como factores de risco para sensibilização ao látex: idade ≥ 5 anos (p=0.008; OR=6.0, IC95%=1.7-22.1); existência de 4 ou mais intervenções cirúrgicas (p<0.0001; OR=18.5, IC95%=3.6-94.8); cirurgias nos primeiros 3 meses de vida (p=0.008; OR=5.4, IC95%=0.7-29.2); níveis séricos de IgE total ≥ 44UI/ml (p=0.03; OR=3.8, IC95%=1.1-13.1). Pela realização de regressão logística foram identificados como factores de risco independentes, história de 4 ou mais cirurgias (p<0.0001; OR=26.3...

Prevalência e Factores de Risco para Síndrome Látex-Frutos em Doentes com Alergia ao Látex

Gaspar, A; Pires, G; Matos, V; Loureiro, V; Morais-Almeida, M; Rosado-Pinto, J
Fonte: Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica Publicador: Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2004 Português
Relevância na Pesquisa
108.16092%
A associação de alergia ao látex e alergia alimentar a frutos e outros vegetais com reactividade cruzada com látex é denominada síndrome látex-frutos (SLF). Não existem estudos que avaliem factores de risco para SLF em doentes alérgicos ao látex, nomeadamente incluindo diferentes grupos populacionais de risco. Objectivo: Investigar a prevalência e factores de risco para SLF. Material e Métodos: Foram estudados 61 doentes alérgicos ao látex, com média etária de 25.9 (±16.6) anos e relação sexo M/F de 0.3/1, pertencendo a diferentes grupos de risco: 15 com espinha bífida (EB), 13 submetidos a múltiplas cirurgias sem EB e 33 profissionais de saúde (PS). A todos os doentes foram efectuados questionário, testes cutâneos por prick (TC) com aeroalergénios comuns e látex(extractos comerciais) e alimentos com reactividade cruzada descrita com látex (extractos comerciais e alimentos em natureza), IgE total sérica (AlaSTAT®, DPC) e IgE específica para látex (UniCAP®, Pharmacia Diagnostics). Definiu-se SLF se história clínica e TC para o alimento positivos. Resultados: A prevalência de SLF nos doentes alérgicos ao látex foi 28% (17). Os alimentos implicados foram castanha-71% (12), banana-47% (8), pêssego-29% (5)...

Factores de Risco para Sensibilização ao Látex em Crianças com Espinha Bífida

Pires, G; Morais-Almeida, M; Gaspar, A; Godinho, N; Calado, E; Abreu-Nogueira, J; Rosado-Pinto, J
Fonte: Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica Publicador: Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //1999 Português
Relevância na Pesquisa
108.21673%
OBJECTIVO: Pretendeu-se com este estudo determinar a prevalência e identificar factores de risco para sensibilização ao látex em crianças com espinha bífida. MÉTODOS: Estudaram-se 57 crianças com espinha bífida, com uma idade média de 5.6 anos(6 meses a 18 anos) e uma relação sexo M/F de 0.8/1. A todas as crianças foram efectuados questionário, bateria de TC incluindo látex (extractos UCBStallergenes, Lofarma e ALK-Abelló), aeroalergenos comuns e frutos (UCB-Stallergenes) e determinação sérica de IgE total (AlaSTAT). RESULTADOS: A prevalência de sensibilização ao látex foi de 30%; apenas duas crianças sensibilizadas (12%) apresentavam sintomatologia relacionada com a exposição (urticária/angioedema e rinite). Foram identificados como factores de risco para sensibilização ao látex: idade ≥ 5 anos (p=0.008; OR=6.0, IC95%=1.7-22.1); existência de 4 ou mais intervenções cirúrgicas (p<0.0001; OR=18.5, IC95%=3.6-94.8); cirurgias nos primeiros 3 meses de vida (p=0.008; OR=5.4, IC95%=0.7-29.2); níveis séricos de IgE total ≥ 44UI/ml (p=0.03; OR=3.8, IC95%=1.1-13.1). Pela realização de regressão logística foram identificados como factores de risco independentes, história de 4 ou mais cirurgias (p<0.0001; OR=26.3...

Prevalência e Factores de Risco para Síndrome Látex-Frutos em Doentes com Alergia ao Látex

Gaspar, A; Pires, G; Matos, V; Loureiro, V; Morais-Almeida, M; Rosado-Pinto, J
Fonte: Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica Publicador: Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2004 Português
Relevância na Pesquisa
108.16092%
A associação de alergia ao látex e alergia alimentar a frutos e outros vegetais com reactividade cruzada com látex é denominada síndrome látex-frutos (SLF). Não existem estudos que avaliem factores de risco para SLF em doentes alérgicos ao látex, nomeadamente incluindo diferentes grupos populacionais de risco. Objectivo: Investigar a prevalência e factores de risco para SLF. Material e Métodos: Foram estudados 61 doentes alérgicos ao látex, com média etária de 25.9 (±16.6) anos e relação sexo M/F de 0.3/1, pertencendo a diferentes grupos de risco: 15 com espinha bífida (EB), 13 submetidos a múltiplas cirurgias sem EB e 33 profissionais de saúde (PS). A todos os doentes foram efectuados questionário, testes cutâneos por prick (TC) com aeroalergénios comuns e látex(extractos comerciais) e alimentos com reactividade cruzada descrita com látex (extractos comerciais e alimentos em natureza), IgE total sérica (AlaSTAT®, DPC) e IgE específica para látex (UniCAP®, Pharmacia Diagnostics). Definiu-se SLF se história clínica e TC para o alimento positivos. Resultados: A prevalência de SLF nos doentes alérgicos ao látex foi 28% (17). Os alimentos implicados foram castanha-71% (12), banana-47% (8), pêssego-29% (5)...

Rastreio aos factores de risco modificáveis da doença isquémica da doença isquémica coronária no concelho de Faro

Tomé, Ana Maria Conceição 
Fonte: Faculdade de Ciências Médicas. Universidade Nova de Lisboa Publicador: Faculdade de Ciências Médicas. Universidade Nova de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 Português
Relevância na Pesquisa
108.41598%
RESUMO: Introdução: As doenças cardiovasculares (DCV) são a principal causa de morbilidade, e mortalidade prematura em Portugal e na Europa. A sua causa é multifactorial e a maior parte dos casos resultam de factores de risco modificáveis. O cálculo do RCVG, pretende ser uma estimativa da probabilidade de desenvolver DCV. Este estudo pretende identificar e caracterizar indivíduos em risco de desenvolver doença isquémica coronária e respectivos factores de risco modificáveis, no Concelho de Faro e determinar a sua prevalência e calcular SCORE global de risco cardiovascular Material e métodos: Estudo, observacional transversal, que incluiu um total de 601 individuos, com idades entre os 40-64 anos de idade, residentes no concelho de Faro, inscritos no Centro de Saúde de Faro e que consistiu da avaliação da prevalência dos factores de risco modificáveis da doença isquémica coronária pela utilização de instrumentos específicos. Resultados e discussão: Foram incluídos 601 individuos de ambos os géneros. Trata-se de uma população potencialmente menos literada e num contexto social, cultural, familiar e profissional que, eventualmente, condicionará o estilo de vida e opções em saúde. 55,9% dos indivíduos tem HTA; 42...

Estudo dos factores de risco associados a infecções do tracto urinário em idosos institucionalizados

Araújo, Rita Amaral de
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2011 Português
Relevância na Pesquisa
108.26723%
Introdução: As infecções do tracto urinário (ITU) são particularmente incidentes nos idosos institucionalizados devido a factores de risco característicos desta população. Além disso, os sintomas atípicos de ITU podem atrasar o seu diagnóstico e tratamento, piorando o prognóstico. A terapia antibiótica deve ser seleccionada com cuidado uma vez que se trata de uma população polimedicada, mais predisposta a efeitos adversos e a complicações devidas à infecção. A identificação dos principais factores de risco associados a ITU nos idosos institucionalizados revela-se por isso fundamental, como estratégia preventiva e orientadora da terapêutica. Objectivo: Identificar e caracterizar os factores de risco que predispõem à ocorrência de ITU, bem como os sinais e sintomas característicos desta infecção nos idosos institucionalizados, analisando ainda a antibioterapia utilizada. Material e métodos: Efectuou-se um estudo descritivo em dois lares de idosos da cidade da Covilhã. Para identificação dos factores de risco de ITU foram comparadas as proporções destes entre o grupo de 30 idosos que tiveram ITU durante o ano de 2010 e um grupo de 30 idosos, escolhidos aleatoriamente a partir de toda a população de idosos institucionalizados. As diferenças foram calculadas com recurso ao teste do Qui-quadrado ou teste T de Student...

Estudo dos factores de risco associados a infecções do tracto urinário em idosos institucionalizados

Araújo, Rita Amaral de
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2011 Português
Relevância na Pesquisa
108.26723%
Introdução: As infecções do tracto urinário (ITU) são particularmente incidentes nos idosos institucionalizados devido a factores de risco característicos desta população. Além disso, os sintomas atípicos de ITU podem atrasar o seu diagnóstico e tratamento, piorando o prognóstico. A terapia antibiótica deve ser seleccionada com cuidado uma vez que se trata de uma população polimedicada, mais predisposta a efeitos adversos e a complicações devidas à infecção. A identificação dos principais factores de risco associados a ITU nos idosos institucionalizados revela-se por isso fundamental, como estratégia preventiva e orientadora da terapêutica. Objectivo: Identificar e caracterizar os factores de risco que predispõem à ocorrência de ITU, bem como os sinais e sintomas característicos desta infecção nos idosos institucionalizados, analisando ainda a antibioterapia utilizada. Material e métodos: Efectuou-se um estudo descritivo em dois lares de idosos da cidade da Covilhã. Para identificação dos factores de risco de ITU foram comparadas as proporções destes entre o grupo de 30 idosos que tiveram ITU durante o ano de 2010 e um grupo de 30 idosos, escolhidos aleatoriamente a partir de toda a população de idosos institucionalizados. As diferenças foram calculadas com recurso ao teste do Qui-quadrado ou teste T de Student...

Exacerbações na asma persistente grave: Impacto do controlo dos factores de risco

Ferreira,Diva; Duarte,Raquel; Carvalho,Aurora
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pneumologia Publicador: Sociedade Portuguesa de Pneumologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2007 Português
Relevância na Pesquisa
108.20596%
Nos países desenvolvidos, 1 a 2% do total dos custos em cuidados de saúde são gastos no controlo da asma. Ahistória natural e as causas da asma grave não estão ainda bem definidas. A asma persistente grave é uma situação menos comum, representando 5% do total de doentes asmáticos. Apesar de constituir um pequeno número de doentes, este grupo é responsável por elevados custos na asma. Como consequência, o controlo dos factores de risco pode levar a ganhos socioeconómicos e também na saúde. O objectivo deste trabalho foi analisar os factores de risco de exacerbações na asma persistente rave num grupo de doentes asmáticos. Consistiu num estudo retrospectivo de doentes com asma persistente grave em vigilância em consulta hospitalar de asma entre 1984 e 2005, baseando-se na revisão de processos clínicos. Foram incluídos 27 doentes, idade média=50,64±12,7 anos, 81,5% do sexo feminino. Analisaram-se os principais factores de risco de exacerbações: atopia, infecções respiratórias, asma pré-menstrual, sintomas nasais, refluxo gastroesofágico, psicológicos e obesidade. A correcção destes factores permitiu um melhor controlo da doença. O impacto mais significativo foi conseguido através da polipectomia e contracepção oral numa adolescente Em conclusão...

Avaliação do Nível de Consciência Acerca dos Factores de Risco para Cancro Gástrico na População do Concelho de Vila Nova de Gaia

Tavares,Amélia; Gandra,António; Viveiros,Fernando; Cidade,Cassilda; Maciel,Jorge
Fonte: Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia Publicador: Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2011 Português
Relevância na Pesquisa
108.24581%
INTRODUÇÃO: Apesar da incidência mundial de cancro gástrico estar a diminuir, este permanece a segunda causa de morte por cancro (700,000/ano). Deste modo, a prevenção do cancro gástrico é uma estratégia essencial para o controlo desta patologia. Para a prevenção primária do cancro gástrico, a sensibilização pública dos factores de risco e a necessidade da alteração dos hábitos de vida são passos fundamentais. Em Portugal, ainda não se realizaram estudos para perceber o nível de conhecimento da etiopatogenia e necessidade de rastreio desta patologia, por parte da nossa população. OBJECTIVOS: Este estudo baseia-se num inquérito populacional com o objectivo de fornecer informação sobre o nível de consciência da população do concelho de Vila Nova de Gaia, acerca dos factores de risco para o desen­volvimento do cancro gástrico. MATERIAL E MÉTODOS: O inquérito foi entregue para preenchimento livre aos utentes referenciados para Pequena Cirurgia no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho E.P.E., entre Março e Setem­bro de 2010. A análise estatística foi realizada recorrendo ao programa PASW 18. RESULTADOS E CONCLUSÕES: Após a análise estatística dos dados, constatamos que a maioria dos inquiridos não tem percepção da elevada incidência de cancro gástrico na nossa população. Cerca de 65% pensa que a taxa de mortalidade por esta patologia é moderada...