Página 1 dos resultados de 77 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

Efeito do armazenamento na germinação, na resposta do fitocromo e no conteudo de carboidratos em aquenios de Bidens gardneri Baker, uma especie herbacea do cerrado

Josimara Nolasco Rondon
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 10/04/2001 Português
Relevância na Pesquisa
58.449%
Bidens gardneri Baker é uma espécie herbácea dos cerrados, cujos aquênios são fotoblásticos a 25°C, mas tornam-se indiferentes à luz quando armazenados em solo. Por isso, objetivo deste estudo foi verificar as causas da perda da fotossensibilidade dos aquênios armazenados em solo e em condições refrigeradas (4°). A perda da fotossensibilidade dos aquênios de B. gardneri pode ser causada pelo teor de umidade, temperaturas altas durante a germinação e tempo de armazenamento e interação entre estes fatores. Os resultados mostraram que não há diferença na taxa de embebição dos aquênios a 4°C, 25°C e a 20/30°C. O teor de água dos aquênios curtos, médios e longos coletados em Itirapina é semelhante ao dos aquênios de Mogi Guaçu. Alto teor de umidade não afeta a fotossensibilidade dos aquênios durante a germinação mas alto teor de umidade associado a temperaturas de armazenamento de 25°C e de 20/30°C tem efeito deletério na longevidade dos aquênios. Aquênios embebidos e armazenados a 4°C por até 30 dias mantém a viabilidade. Portanto, alto teor de umidade das sementes é uma das principais causas na baixa germinação de sementes na maioria da espécies. Sementes com alto teor de umidade tem sido usado por várias espécies tropicais como uma estratégia para manter a viabilidade. O teor de umidade inicial presente nos aquênios desta espécie é fundamental no controle da viabilidade e do fotoblastismo. Por isso...

Crescimento foliar em arvores e crescimento inicial em plantulas de Kielmeyera coriacea

Felicio Ryoji Arasaki
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em //1993 Português
Relevância na Pesquisa
58.526753%
Neste trabalho foi investigado o crescimento lento que ocorre na parte aérea de Kielmevera coriacea, característica esta que parece ser comum em espécies perenes dos cerrados. O estudo foi realizado em plântulas mantidas em casa de vegetação (UNICAMP) e em câmara de crescimento (Universidade de Edinburgo), assim como em árvores no campo (região de cerrado no município de Itirapina, SP). Os dados de TCR obtidos em plântulas mantidas em condições de casa de vegetação apresentaram valores baixos. Aparentemente, as diferenças de TCR com outras espécies lenhosas, em intervalos de tempo semelhantes, dizem respeito à velocidade de crescimento que cada espécie apresenta durante o seu primeiro ano de vida. Os valores de TCR para plântulas de K. coriacea mantidas em casa de vegetação não são muito diferentes do que os obtidos para plântulas de outras espécies arbóreas do cerrado, tampouco para a mesma espécie, quando as plântulas foram mantidas em condições diferentes. O padrão das curvas de TCR em casa de vegetação e câmara de crescimento foi semelhante e com valores maiores que em plântulas crescendo no cerrado. A TAL mostrou padrões semelhantes em casa de vegetação e câmara de crescimento, sendo diferentes e com valores menores em plântulas de cerrado. Os padrões de RAF entre casa de vegetação e câmara de crescimento foram semelhantes e com valores maiores que em plântulas no cerrado. Diferenças no crescimento relativo poderiam ser explicadas através das condições de germinação e desenvolvimento inicial diferentes entre as plântulas mantidas em casa de vegetação e câmara de crescimento. Além disso...

Desenvolvimento de Vernonia oxylepis, uma especie herbacea do cerrado

Dalila Figueiredo
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em //1994 Português
Relevância na Pesquisa
58.39472%
O cerrado é um dos mais ricos e extensos ecossistemas brasileiros apresentando uma fisionomia bastante característica. Entretanto, a ocupação da área central do país para expandir a produção o agrícola é responsável pela devastação das áreas de cerrado. Poucos são os estudos sobre essa formação vegetal com relação aos mecanismos utilizados para a sobrevivência das espécies ai existente. A flora nativa dos cerrados está adaptada a solos pobres e, tanto quanto se perceba, não apresenta sinais de deficiência nutricional. As médias de temperatura não variam muito no decorrer do ano, mas a distribuição o das chuvas apresenta uma variação, sendo acentuada nos meses de novembro a março e com um período de seca entre maio e setembro. Esse período de seca corresponde também há dias mais curtos; o período de chuvas corresponde a dias mais longos.Neste trabalho, teve-se por objetivo estudar um pouco o desenvolvimento de uma espécie do cerrado, Vernonia oxylepis,analisando o crescimento vegetativo, floração e desenvolvimento da parte subterrânea em relação a alguns fatores ambientais e hormonais. As plantas desta espécie mostraram-se independentes do fotoperiodo para a floração, entretanto, diferentes fotoperiodos afetaram o crescimento das plantas e certos aspectos da floração. Em 8 horas diárias de luz...

Composição floristica e estrutura de cerrados do sudoeste de Minas Gerais

Douglas Antonio de Carvalho
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 15/12/1987 Português
Relevância na Pesquisa
59.37207%
Objetivando a contribuir para o melhor conhecimento da composição florística dos cerrados brasileiros e das relações existentes entre os locais onde essa vegetação ocorre, foram analisadas três áreas de cerrados disjuntos, marginais, localizadas no sudoeste de Minas Gerais (20-23ºS e 44-47ºW). O cerrado de Alpinópolis apresenta fisionomia de cerrado sensu stricto com área de 16,32 há; o de Campo do Meio também é um cerrado sensu stricto com 73,80 ha de área, e o de Pimenta é quase um cerradão com área de 50,00 ha. Em cada um desses cerrados efetuou-se o levantamento dos recursos dos solos e da flora fanerogâmica (exceção das famílias Gramineae e Cyperaceae). A amostragem dos espécimes com altura igual ou superior a um metro foi realizada através de 49 parcelas de 20 X 20m, distribuídas aleatoriamente nas áreas. Além disso, foram coletados todos os espécimes que se encontravam floridos durante os 2 anos em que essas áreas foram visitadas, através de caminhadas aleatórias feitas nas mesmas. Os espécimes com altura igual ou superior a um metro somaram 175 espécies (140 nas parcelas e 35 fora delas) pertencentes a 105 gêneros e 46 famílias e os com altura inferiores a um metro, trepadeiras e escandentes totalizaram 140 espécies pertencentes a 91 gêneros e 42 famílias. Considerada globalmente...

Estudo floristico e fitossociologico em um cerrado na Chapada dos Guimarães - Mato Grosso : uma analise de gradientes

Ary Teixeira de Oliveira Filho
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 20/06/1984 Português
Relevância na Pesquisa
58.191646%
Um levantamento florístico e um wstudo fitossociológico quantitativo e um cerrado na Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, aliados a uma análise deambiente físico, forneceram os subsídios para uma análise de gradientes. É apresentada uma lista completa de espécies arbustiva e arbóreas para uma área restrita de cerrado no sopé da Chapada dos Guimarães, na região conhecida por Salgadeira. Comparações florísticas com outros levantamentos realizados no Mato Grosso são feitas de forma qualitativa. Um transecto amostral, com área de 1 ha e dimensões de 20 x 500 m, foi estabelecido na área, procurando captar a descrição da estrutura desta subcomunidade. O ambiente físico foi analisado do ponto de vista (a) da fertilidade total em nutrientes minerais e matéria orgânica nos solos, (b) das condições de drenagem e saturação de água nos solos e (c) daprofundidade e carácter litólico dos solos. Com a fertilidade manifestou muito pouca variação ao longo do transecto, os outros dois fatores foram identificados como sendo os mais fortemente associados aos gradientes da vegetação. A análise de gradientes foi realizada em três níveis: (a) análise direta dos gradientes, que analisou a vegetação do ponto de vista fisionômico e fitossociológico ao longo dos gradientes previamente identificados...

Anatomia foliar de leguminosas arboreas de cerrado com enfase nas estruturas secretoras; Leaf anatomy of cerrado Leguminosae trees with emphasis on secretory sctructures

Glaucia Morelli Alves
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/02/2006 Português
Relevância na Pesquisa
48.32528%
Este trabalho aborda a anatomia foliar (limbo foliolar, peciólulo e raque) de quatro espécies arbóreas de Papilionoideae visando reinvestigar a anatomia foliolar de Acosmium subelegans, A. dasycarpum e Bowdichia virgilioides; descrever a anatomia foliar de Dalbergia miscolobium bem como do peciólulo e da raque das outras três espécies; efetuar um levantamento das estruturas secretoras foliares identificando as principais classes de substâncias presentes no exsudato por meio de testes microquímicos e histoquímicos; verificar a ocorrência de padrões anatômicos entre as leguminosas arbóreas de cerrados. Os tipos de estruturas secretoras observados nas quatro espécies estudadas foram a epiderme da face adaxial e os idioblastos no mesofilo. Hipoderme da lâmina foliolar, anel de células taníferas no peciólulo e idioblastos na raque foram estruturas encontradas apenas nas espécies de Acosmium e em B. virgilioides. O conteúdo da epiderme da face adaxial da lâmina foliolar de A. dasycarpum, A. subelegans e B. virgilioides é constituído por mucilagem; a hipoderme e os idioblastos do mesofilo e da raque de A. dasycarpum produzem compostos fenólicos. A secreção dos idioblastos (mesofilo e raque) e da hipoderme de A. subelegans e B. virgilioides é heterogênea...

Padrões de diversidade da flora lenhosa dos cerrados do nordeste do Brasil; Diversity pattern of woody flora of cerrados of northeastern Brazil

Leandro Tavares Vieira
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 30/07/2012 Português
Relevância na Pesquisa
49.558584%
O Cerrado é um domínio fitogeográfico que apresenta diversas fitofisionomias que vão do campestre (campo limpo), passando pelo savânico (campo sujo, campo cerrado e cerrado sensu stricto) até o florestal (cerradão). Cerrado com inicial maiúscula refere-se ao domínio fitogeográfico enquanto com inicial minúscula às diferentes fitofisionomias. O Cerrado é o segundo maior domínio fitogeográfico do Brasil e abrange vários estados em sua área central, além de diversas áreas disjuntas na Amazônia, Caatinga e Mata Atlântica. Conhecido por sua grande biodiversidade e endemismo, o Cerrado é um dos 25 "hotspots" de biodiversidade com prioridade para conservação devido à sua baixa porcentagem de área protegida em unidades de conservação. Além disso, a destruição dos ecossistemas que constituem o Cerrado continua de forma muito acelerada, resultado da expansão econômica da região central do Brasil iniciada nos anos de 1970, restando hoje 51,54% de sua vegetação. A flora do Cerrado pode ser dividida em seis províncias fitogeográficas distintas. O Cerrado do nordeste, uma dessas províncias, faz fronteiras com outros domínios fitogeográficos: Caatinga a leste, Amazônia a oeste-noroeste, Mata Atlântica a sudeste e com cerrado central ao sul-sudoeste. A pressão antrópica por novas áreas de cultivos de grãos e oleaginosas em direção ao norte do Cerrado faz com que os cerrados nordestinos sejam foco de atenção conservacionista e pesquisa para que se garanta sua diversidade biológica e funcionalidade ecossistêmica em longo prazo. O primeiro capítulo desta tese introduz ao banco de dados FLORACENE (FLORA do CErrado do nordeste - NE)...

Florística e estrutura de comunidades arbóreas em cerrados de Rondônia,Brasil

Miranda,Izildinha Souza; Almeida,Samuel Soares; Dantas,Paulo Jorge
Fonte: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia Publicador: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2006 Português
Relevância na Pesquisa
48.41559%
O cerrado constitui o segundo maior e mais diverso bioma brasileiro, configurando um heterogêneo mosaico fisionômico e florístico. Mais de seis mil espécies de fanerógamas são reportadas para o cerrado do Brasil Central. Este trabalho teve o objetivo de descrever e analisar a flora e a estrutura de quatro comunidades de árvores dos cerrados sensu latu do município de Vilhena, Rondônia, Brasil. As áreas estudadas foram: cerradão (Área 1), campo sujo (Área 2) e duas comunidades do cerrado sensu stricto (Áreas 3 e 4). Em cada área foi posicionado aleatoriamente um transecto de 10 x 1000 m (1 ha), dividido em 100 parcelas de 10 X 10 m. Todas as plantas vivas e mortas com circunferência do tronco e" 10 cm ao nível do solo foram registradas. O cerradão apresentou a maior riqueza específica, estrutura de tamanho e área basal. As percentagens de árvores mortas foram mais altas nas áreas de cerradão e campo sujo, com ocorrência de fogo recente. As famílias mais importantes foram Vochysiaceae, Ochnaceae, Clusiaceae, Malpighiaceae e Melastomataceae. As espécies mais importantes foram Qualea multiflora, Byrsonima crassifolia (área 1), Eugenia sp., Miconia sp.1 (área 2), Ouratea hexasperma, Caraipa savannarum (área 3)...

Sistemas reprodutivos e visitantes florais em melastomataceae dos campos rupestres no limite Sul do cerrado, Tibagi, Paraná

Maia, Fabiano Rodrigo da
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
57.713%
Resumo: Têm sido visto que os sistemas reprodutivos das espécies podem variar ao longo da distribuição das mesmas. O Cerrado apresenta uma alta riqueza de espécies de Melastomataceae e diferentes condições ambientais que variam ao longo de sua distribuição. Assim, são bons locais para estudos dos efeitos geograficos sobre a reprodução nessa família. Cerca de 98 % das espécies da família Melastomataceae apresentam pólen como recurso. Contudo, a produção de néctar ocorre em algumas espécies da família, e nesse caso ocorre uma maior guilda de polinizadores, além das abelhas. O tipo de reprodução também pode exercer influencia sobre os polinizadores, principalmente devido ao fato de espécies assexuadas apresentarem baixa viabilidade de polen em relação às sexuadas. O presente estudo tem por objetivo (1) verificar os sistemas reprodutivos e (2) estudar os visitantes florais de Melastomataceae em uma área localizada no limite sul do Cerrado, Tibagi, Paraná. Foram obtidos dados sobre a biologia floral e reprodutiva, e verificado a riqueza e abundância dos visitantes florais entre espécies com e sem néctar e entre especies sexuadas e assexuadas, caracterizando o tipo de interação entre as plantas e os visitantes. Os resultados deste trabalho foram comparados com outros estudos sobre reproducao para a família no Cerrado. Esses resultados indicam que existe variação geográfica na proporcao de espécies sexuadas e autocompatíveis em cada local...

Padrões de germinação dos diásporos e emergência das plântulas de espécies arbóreas do cerrado, do Vale do Rio Araguari, MG

Dorneles, Marieta Caixeta
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Tese de Doutorado
Português
Relevância na Pesquisa
57.713%
Diásporos de espécies arbóreas apresentam características peculiares que, em conjunto com as condições do ambiente, os faz responder de maneira distinta para a germinação e emergência. Em função disso, objetivou-se estudar a germinação dos diásporos e a emergência das plântulas de 19 espécies arbóreas do Cerrado ocorrentes do Vale do Rio Araguari, MG, em condições controladas e de campo, na tentativa de encontrar padrões que permitam agrupálas. Os diásporos foram submetidos aos testes de germinação ou de emergência, sob condições controladas ou em condições de campo. As medidas de germinação e de emergência analisadas nos experimentos sob condições controladas permitiram reunir as espécies em dois grupos, um com as espécies rápidas e o outro com as lentas. De maneira geral, as espécies foram heterogêneas em relação ao tempo para a ocorrência dos processos e assíncronas, apresentando também variabilidade entre os indivíduos. Anadenanthera colubrina, Astronium fraxinifolium, Ceiba speciosa, Dipteryx alata, Myracrodruon urundeuva e Tapirira guianensis foram as mais rápidas e apresentaram porcentagem de germinação entre 68 e 100% e de emergência entre 26 e 100%. Na germinação, A. fraxilifolium e T. guianensis tiveram o menor tempo e a maior velocidade (to = 3 e 2; tf = 15 e 5; t = 4 e 3 dias e v = 0...

Colonização de ambientes abertos do cerrado por espécies arbóreas florestais: a ação facilitadora de Bowdichia virgilioides Kunth; Colonization of cerrado open habitats by forest tree species: the Bowdichia virgilioides Kunth facilitator action

Arantes, Carolina de Silvério
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
48.11761%
Esta dissertação trata do estudo de uma comunidade de espécies arbóreas florestais colonizadoras de núcleos de Bowdichia virgilioides em uma área de cerrado sentido restrito da Estação Ecológica do Panga. O estudo foi contextualizado, na introdução geral, destacando os principais conceitos teóricos abordados e a situação da Estação Ecológica do Panga, que tornou este local propício para tal estudo. Em seguida foram apresentadas as descrições gerais de localização e características ambientais e vegetacionais do local de estudo, na seção de material e métodos geral. Após esta descrição, a dissertação foi dividida em dois capítulos. O primeiro capítulo buscou caracterizar a comunidade arbórea florestal colonizadora abaixo da copa de B. virgilioides em área de cerrado sentido restrito, por meio da composição florística, da estrutura dos núcleos (número de espécies e indivíduos e as características de tamanho de cada núcleo), do agrupamento das espécies colonizadoras em grupos de diferentes estágios de colonização e a classificação dos núcleos quanto ao estágio de colonização pela proporção de indivíduos dos grupos. No segundo capítulo o objetivo foi descrever as características morfológicas foliares das principais espécies colonizadoras do núcleo...

O papel das beiras de estradas na conservação da diversidade vegetal do cerrado; The role of roadsides in conserving Cerrado plant diversity

Vasconcelos, Pedro Braunger de
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
48.13848%
Existem evidências de que vegetações de beiras de estradas podem conservar a flora nativa local. Contudo, os estudos existentes foram, em sua maioria, realizados em ambientes campestres. Não se conhece muito o potencial de conservação das vegetações de beiras de estradas para fisionomias mais complexas, como as savânicas. Para isso, comparamos a estrutura da vegetação de cerrado (sensu stricto) de áreas de beiras de estradas com áreas preservadas. Em média, no estrato superior, encontramos 2,7 vezes mais indivíduos e 1,4 vezes mais espécies nas reservas do que nas beiras de estrada. No estrato intermediário encontramos 1,7 vezes mais indivíduos e 25% mais espécies nas reservas do que nas beiras de estrada. Além disso, na beira de estradas, houve menor prevalência de espécies no estrato superior com súber fino, de origem florestal e polinizadas por agentes especialistas. De forma similar, no estrato intermediário, encontramos uma menor proporção de espécies de origem florestal e dispersas por animais na beira de estradas. Essas diferenças ocorrem, possivelmente, porque durante a construção da estrada, as vegetações das suas margens são derrubadas e parte da terra é retirada para aterro da rodovia. Posteriormente...

Estrutura de vegetação de cerradão e de transição entre cerradão e floresta paludicola no Horto Santa Fe "1" da Internacional Paper do Brasil Ltda

Bruno Zacarias Gomes
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/08/2003 Português
Relevância na Pesquisa
48.59829%
Estrutura da vegetação de cerradão e de transição entre cerradão e floresta paludícola no Horto Santa Fé "1" da International Paper do Brasil Ltda. (Brotas, SP)). A biodiversidade existente no cerrado está seriamente ameaçada pela devastação, pois muitas das espécies que ali ocorrem possuem distribuição geográfica restrita. Pela sua posição central no continente sul-americano, no cerrado, ocorrem associações entre a vegetação do cerrado e outras formações, dentre estas, a floresta paludícola. Os objetivos deste trabalho foram conhecer a flora e descrever a comunidade arbustivoarbórea de um cerradão e da transição entre este cerradão e uma floresta paludícola em Brotas, e investigar as similaridades e diferenças florísticas entre levantamentos realizados no cerradão e cerrado sensu stricto no estado de São Paulo. No fragmento ocorreram 125 espécies de 91 gêneros e 49 famílias. Myrtaceae e Leguminosae foram as famílias mais ricas em espécies, um padrão consistente com o encontrado em outros levantamentos nos cerrados paulistas. Somente em Brotas, Lauraceae e Euphorbiaceae apresentaram alta riqueza específica. No levantamento fitossociológico, em 1,0 ha, foram amostrados 3787 indivíduos (H' = 3...

Composição e similaridade floristica, fenologia e espectro biologico do cerrado da reserva biologica de Moji Guaçu, Estado de São Paulo

Waldir Mantovani
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 18/01/1984 Português
Relevância na Pesquisa
48.507983%
Buscando-se contribuir para o melhor conhecimento da flora do cerrado, foi analisada uma área de 343,42 ha, situada numa pequena mancha disjunta, na sua região marginal, no município de Moji Guaçu (Reserva Biológica de Moji Guaçu), estado de São Paulo, SE do Brasil (22?GRAUS?15-16'S e 47?GRAUS?8-12'W). A área do cerrado estudada possui, predominantemente, fisionomias abertas que vão do campo cerrado ao cerrado "sensu stricto", está assentada sobre Latossolo Vermelho-Amarelo, álico, sob o clima Cwa de Koeppen e em altitudes que variam de 585 a 635 m. Efetuou-se o levantamento das plantas vasculares, de outubro de 1979 a agosto de 1981, através de coletas em inter valos de 30-45 dias, durante as quais anotou-se os dados fenológicos das espécies e suas formas de vida. Foram obtidas 2019 exsicatas, depositadas no herbário do Instituto de Botânica de São Paulo (SP), que foram distribuídas em 525 espécies de 277 gêneros e 82 famílias. A partir dos dados obtidos foram efetuados estudos das variações fenológicas das espécies, buscando-se entendê-las como estratégias adaptativas, das suas formas de vida e do espectro biológico formado, procurando relacioná-lo às condições ecológicas da região e comparando-o com os espectros biológicos obtidos de outras áreas do cerrado e de outras formações vegetais...Observação: O resumo...

Comparação floristico-geografica (Brasil) e fitossociologica (Piaui-Sao Paulo) de amostras de cerrado

Antonio Alberto Jorge Farias Castro
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 27/09/1994 Português
Relevância na Pesquisa
59.04392%
Uma comparação florística qualitativa entre 78 áreas e 146 listas de espécies do cerrado sensu lato foi realizada a partir de dados de campo levantado até 1992 no Brasil. As amplitudes latitudinal, longitudinal e altitudinal das áreas foram de '27 GRAUS'30', '28 GRAUS'00' e 1.167 m, respectivamente. A flora lenhosa magnoliófita dos cerrados é composta por, no mínimo, de 1.019 a 1.753 espécies, de 366 a 386 gêneros e de 88 a 89 famílias (sensu Cronquist). A flora total do cerrado é estimada com 5.000 a 7.000 espécies, sendo 38% desconhecidas. A fitodiversidade e a situação taxonômica do cerrado são pouco conhecidas. Cinqüenta tipos de classificação fisionômica e 42 critérios de inclusão são arrolados. Pouco concenso existe quanto àquela classificação. A noção de taxocenose ainda não foi incorporada. Mesmo em levantamentos quantitativos pouco se tem avaliado a representatividade florística das amostras. A comparação florística considerou 336 espécies arbustivo-arbóreas. A classificação das amostras foi realizada pelo método de agrupamento aos pares através da média aritmética simples não ponderada (AMANP) (unweighted pair grouping method with arithmetic average, UPGMA) levando em conta dois índices de similaridade...

Efeito dessecação na qualidade de sementes de cultivares de soja, na região dos Cerrados; Effect of the desecation in the quality of seed, in to cultivate soybean, of the Cerrado region

Sant'anna Júnior, Jerson de Castro
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
59.140493%
Dissertação(mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, 2006.; A região dos Cerrados caracterizava-se como referência no país em termos de qualidade de produção de sementes da cultura de soja. Porém, devido às condições climáticas inadequadas que vêm ocorrendo nos últimos anos em épocas de colheita, como alta pluviosidade e umidade relativa, o fato está prejudicando drasticamente a produção de sementes, principalmente as variedades de ciclo precoce. Por esse motivo a alternativa de dessecação de plantas em pré-colheita é um dispositivo tecnológico que já foi utilizado no sul do país, mas que também pode ser tornar-se a ser viabilizado nas condições do centro oeste. O objetivo do presente trabalho é testar a eficácia da dessecação de plantas em campos de produção de sementes de soja em algumas variedades semeadas nos cerrados de MG, DF, BA,TO e GO, às quais são BRS 218-Nina , BRS-Rosa, BRS 217- Flora, BRS- Milena e BRS-Raimunda. Foram aplicados três produtos dessecantes, os herbicidas paraquat, glufosinato de amônio e glifosate, em quatro épocas de aplicação: a primeira no dia do ponto de maturação fisiológica das sementes (PMF), a segunda aos quatro dias do PMF...

Avaliações de parametros fitossociologicos e de manejo de uma savana em Brasilia

Flor, Hildebrando de Miranda
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 195 p. : il. ; 29 cm.; application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
48.34051%
Orientador: Roberto Tuyoshi Hosokawa; Tese (doutorado) - Universidade Federal do Parana, Setor de Ciencias Agrarias; Área de concentração: Manejo florestal; A intenção deste estudo é analisar os aspectos, fitossociológicos e de índices de manejo, que ofereçam subsídios técnicos ao plano de manejo, da vegetação de savana localizada na Fazenda Água Limpa da Fundação Universidade de Brasília, a sudeste de Brasília, D.F. O objetivo primordial do estudo é descrever a vegetação de savana, esplanar sua estrutura e fornecer um levantamento detalhado flor1'tico-quantitativo. O propósito é oferecer informações acerca das diversidades das espécies, da dominância, da freqüência e densidade bem como descrever o porte e estratificação das árvores, valor de cobertura e de valor de importância de cada espécie e estima-se elementos de mensuração, que possibilitem tomadas de decisões de manejo. A área de estudo apresenta uma vegetação natural composta de mistura variável de pequenas árvores com outros vegetais que formam camadas coberturas de solo. Possui estação climática definida e uma flora de característica ampla composta de algumas plantas resistentes ao fogo. No local de estudo com 240.000 metros quadrados foram distribuídas 29 sub--amostras de 25 X 10 metros...

O cerradão e o cerrado sentido restrito no Parque Ecológico dos Pequizeiros, Distrito Federal

Casella, Felipe Meirelles
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
48.487314%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Botânica, Programa de Pós-Graduação em Botânica, 2014.; O cerradão figura entre as 11 fitofisionomias descritas para o bioma Cerrado, cuja composição florística resulta da colonização de espécies generalistas, savânicas e florestais, porém, frequentemente, mais similar com o cerrado sentido restrito (s.r.). No presente trabalho foram avaliadas a florística e a estrutura das vegetações lenhosas de cerradão (Cd) e cerrado s.r. (Cr) adjacentes localizadas no Parque Ecológico dos Pequizeiros, DF (PEP-DF). Avaliou-se também a magnitude dos efeitos das propriedades físico-químicas dos solos e da topografia sobre as variações anotadas através de modelos de regressão nos quais o componente espacial foi modelado. Para isso, foram alocadas 10 parcelas de 20 x 50 m no Cd e outras 10 no Cr, onde todos os indivíduos lenhosos com DAS30cm ≥ 5 cm foram amostrados e as amostras de solo coletadas. Com esses dados foram calculados os parâmetros fitossociológicos e a diversidade, através do índice de Shannon (H’). Os resultados apresentaram, em sua maioria, valores incluídos na variação até então registrada em outros estudos no bioma e refletiram alta diversidade florística. Entretanto...

O cerradão e o cerrado sentido restrito no Parque Ecológico dos Pequizeiros, Distrito Federal

Casella, Felipe Meirelles
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
48.487314%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Botânica, Programa de Pós-Graduação em Botânica, 2014.; O cerradão figura entre as 11 fitofisionomias descritas para o bioma Cerrado, cuja composição florística resulta da colonização de espécies generalistas, savânicas e florestais, porém, frequentemente, mais similar com o cerrado sentido restrito (s.r.). No presente trabalho foram avaliadas a florística e a estrutura das vegetações lenhosas de cerradão (Cd) e cerrado s.r. (Cr) adjacentes localizadas no Parque Ecológico dos Pequizeiros, DF (PEP-DF). Avaliou-se também a magnitude dos efeitos das propriedades físico-químicas dos solos e da topografia sobre as variações anotadas através de modelos de regressão nos quais o componente espacial foi modelado. Para isso, foram alocadas 10 parcelas de 20 x 50 m no Cd e outras 10 no Cr, onde todos os indivíduos lenhosos com DAS30cm ≥ 5 cm foram amostrados e as amostras de solo coletadas. Com esses dados foram calculados os parâmetros fitossociológicos e a diversidade, através do índice de Shannon (H’). Os resultados apresentaram, em sua maioria, valores incluídos na variação até então registrada em outros estudos no bioma e refletiram alta diversidade florística. Entretanto...

CERRADOS DE ALTITUDE E CAMPOS RUPESTRES DO PARQUE ESTADUAL DO IBITIPOCA, SUDESTE DE MINAS GERAIS: DISTRIBUIÇÃO E FLORÍSTICA POR SUBFISIONOMIAS DA VEGETAÇÃO

Rodela, Luciana Graci
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 02/11/2011 Português
Relevância na Pesquisa
48.41559%
Este trabalho se constitui em um estudo sobre a distribuição florística das formações denominadas cerrados de altitude e campos rupestres (e de suas subfisionomias) na área do Parque Estadual do Ibitipoca, que situa-se entre a Serra da Mantiqueira Meridional e o Planalto de Andrelândia, no sudeste do Estado de Minas Gerais. Essas formações, embora endêmicas e com grande concentração de biodiversidade, abrigando espécies de flora e da fauna em extinção, ainda são pouco conhecidas. Apresenta-se neste artigo; mapeamento da vegetação da área do parque em escala 1:40.000; levantamento de espécies e tratamento florístico por subfisionomias dos cerrados de altitude e campos rupestres; considerações preliminares sobre a distribuição da vegetação da área, e de suas subfisionomias, e suas relações com os solos, rochas e formas de relevo.