Página 1 dos resultados de 4 itens digitais encontrados em 0.012 segundos

Óleos essenciais: verificação da ação antimicrobiana in vitro, na água e sobre a microbiota da pele humana

Machado, Bruna Fernanda Murbach Teles
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 111 f.
Português
Relevância na Pesquisa
47.897266%
Pós-graduação em Biologia Geral e Aplicada - IBB; Esta dissertação encontra-se dividida em introdução geral e 3 capítulos, sendo estes no formato de manuscritos a serem enviados para publicação em 3 periódicos distintos. Considerando a crescente utilização dos produtos naturais, especialmente dos obtidos a partir de plantas, objetivou-se estudar a ação antibacteriana de 27 óleos essenciais de uso em aromaterapia, sobre linhagens de Staphylococcus aureus (n=10), Escherichia coli (n=9), e Pseudomonas aeruginosa (n=9), isoladas de casos clínicos humanos, utilizando a metodologia dos discos (difusão) e determinação da concentração inibitória mínima (CIM) (diluição) em Mueller Hinton Ágar (Capítulo I). Verificou-se que as linhagens de S. aureus foram mais susceptíveis que as de Gram negativas, sendo que os valores de CIM90% foi de 0,21mg/mL para os óleos de pimenta negra (Piper nigrum) e tea tree (Melaleuca alternifolia) e 26,52mg/mL para o óleo de copaíba (Copaíba officinalis). Para E. coli, o óleo de canela (Cinnamomum cassia) foi o mais efetivo, com 2,0 mg/mL para CIM90% enquanto para P. aeruginosa o valor foi de 8,29 mg/mL com cravo da índia (Syzigium aromaticum). Utilizando valores de CIM obtidos in vitro foram selecionados 5 óleos (cravo da índia-Syzygium aromaticum...

Micropropagação e aclimatização de gerânio (Pelargonium graveolens L.)

Arrigoni-Blank,M.F; Almeida,S.A; Oliveira,A.C.L; Blank,A.F
Fonte: Sociedade Brasileira de Plantas Medicinais Publicador: Sociedade Brasileira de Plantas Medicinais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2011 Português
Relevância na Pesquisa
58.960107%
O gerânio (Pelargonium graveolens L.) é uma planta medicinal e aromática nativa do sul da África, cujo óleo essencial é amplamente empregado nas indústrias de perfumaria e cosmético, além de ser usado como terapêutico. Avaliou-se o efeito da luminosidade e dos reguladores de crescimento BAP e ANA na multiplicação in vitro e o uso de diferentes substratos na aclimatização de mudas micropropagadas. Foram avaliadas as concentrações 0; 0,5; 1,0 e 2,0 mg L-1 de BAP, 0; 0,1 e 0,5 mg L-1 de ANA e duas condições de luminosidade (ausência e presença de luz), em esquema fatorial 4x3x2; para a aclimatização foram utilizados quatro substratos, pó de coco + Biosafra® (3-12-6) (12 g L-1) + calcário (1 g L-1) (PCBC); pó de coco + Biosafra® (3-12-6) (12 g L-1) + calcário (1 g L-1) + vermiculita (1:1) (PCBCV 1:1); pó de coco + Biosafra® (3-12-6) (12 g L­-1) + calcário (1 g L-1) + vermiculita (PCBCV 2:1) e vermiculita e adição semanal de sais MS (VS). Para a micropropagação de P. graveolens a utilização de 1,3 mg L-1 de BAP e 0,5 mg L-1 de ANA é eficiente na regeneração direta de plantas de gerânio, sendo a condição de escuro a mais indicada por proporcionar o maior número de brotos por explante. Para a aclimatização das mudas de gerânio...

Murcha bacteriana do eucalipto causada por Ralstonia solanacearum Raça 3 biovar 2 T : etiologia, influência do solo e controle

Marques, Eder
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
Português
Relevância na Pesquisa
27.98377%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de ciências Biológicas, Departamento de Fitopatologia, 2012.; A murcha bacteriana do eucalipto é causada por Ralstonia solanacearum (Smith) Yabuuchi, biovares 1 e 3. Entretanto, em 2009, foi descrita a biovar 2 em cultivo do campo de híbrido "urograndis" de eucalipto no município de Alexânia GO, Brasil. O controle dessa bacteriose é dificultado devido a natureza sistêmica da infecção e pela eficiente sobrevivência do patógeno. Além disso, pouco se conhece a cerca da ecologia, evolução, resistência genética e de fontes de controle da doença. Dessa forma, torna-se necessário um maior conhecimento do patógeno e a busca por formas de controle, tais como: o controle biológico e o emprego de fontes de resistência genética. Este trabalho teve como objetivos: 1) caracterizar isolados de R. solanacearum de eucalipto com o uso de testes bioquímicos, além da avaliação de diferentes plantas hospedeiras e identificação por PCR com oligonucleotídios iniciadores para espécie, biovar e filótipo; 2) realizar a prospecção de bactérias isoladas em condições extremas de temperatura, pH e salinidade, de cinco diferentes tipos de solo com potencial no controle in vitro e in vivo de R. R3bv2T solanacearum da...

Organogénesis de raíces en geranio

Alva T,Sandra; Oropeza C,Maira; Vargas C,Teresa Edith
Fonte: Instituto Nacional de Investigaciones Agrícolas INIA de Venezuela Publicador: Instituto Nacional de Investigaciones Agrícolas INIA de Venezuela
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2006 Português
Relevância na Pesquisa
58.374697%
La inducción de formación de raíces mediante técnicas de cultivo in vitro se propone como una vía para la obtención de metabolitos secundarios de diferentes plantas en condiciones asépticas, representando una alternativa para las diferentes especies de geranio, apreciadas por sus cualidades medicinales. En Pelargonium peltatum la inducción hacia la formación de raíces fue observada al cultivar secciones de diferentes explantes en el medio con las sales Murashige y Skoog (MS) en 1962 suplementado con tiamina (0,4 mg l-1), mio-inositol (100 mg l-1), sacarosa (30 g l-1), ácido ascórbico (100 mg l-1), cisteína (50 mg l-1), diferentes combinaciones hormonales y solidificado con agar (8 g l-1), e incubadas bajo condiciones de luz. Las combinaciones hormonales empleadas para cada explante fueron: Para segmentos de hoja se empleó Cinetina (K, 5mg l-1) + Ácido Naftaleno Acético (ANA, 1 mg l-1); para segmentos nodales K (8 mg l-1) + ANA (1 mg l-1); para microesquejes Bencilaminopurina (BA 0,5 mg l-1) y BA (2 mg l-1) + Ácido Indol Acético (AIA, 0,2 mg l-1). Bajo estas condiciones en todos los explantes probados se observó la formación de callo a la primera semana de cultivo. A los 3 meses se apreció el desarrollo de raíces en los diferentes explantes...