Página 1 dos resultados de 66 itens digitais encontrados em 0.020 segundos

A semântica e a pragmática na compreensão das oposições present perfect X past simple do inglês e pretérito perfecto X pretérito indefinido do espanhol; Semantics and Pragmatics in the English Present Perfect x Past Simple and the Spanish Pretérito Perfecto x Pretérito Indefinido comprehension

Fonseca, Maria Cristina Micelli
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 01/02/2007 Português
Relevância na Pesquisa
49.30306%
Nesta tese observa-se o papel que a semântica e a pragmática desempenham, na gramática inicial (early grammar) da interlíngua de falantes de português, na compreensão de textos em inglês e em espanhol nos quais se relatam eventos passados e se empregam as oposições Present Perfect x Past Simple e Pretérito Perfecto x Pretérito Indefinido. Assumimos (MICHAELLIS, 1998) que um dos valores mais fortes das formas compostas dessas duas línguas é o resultativo e que como o português, na maioria das vezes, expressa o resultado de outros modos, o aprendiz vê naquelas apenas uma maneira de expressar ações passadas. Em função disso, ao analisar a estrutura da língua estrangeira, acaba atribuindo aos tempos compostos de ambas os valores aspectuais das perífrases [TER+Particípio] e [ESTAR+Gerúndio] do português, que em muitos casos não coincide com os valores das formas perifrásticas das línguas que estão aprendendo. Enquanto as perífrases da língua estrangeira têm o aspecto perfectivo resultativo, as do português têm valor imperfectivo continuativo. Tal fato, que afeta a compreensão do texto, não é percebido pelos aprendizes. Estes analisam primeiramente a sintaxe da língua-alvo (top-down procedure, Liceras...

A perífrase [estar + gerúndio/estar + gerundio] em pretérito perfeito no português brasileiro e no espanhol; The periphrasis [estar + gerúndio/estar + gerundio] in past tense in Brazilian Portuguese and River Plate Spanish

Moço, Talita Vieira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 26/09/2011 Português
Relevância na Pesquisa
69.610605%
A partir de ocorrências retiradas de textos dos jornais Folha de São Paulo e La Nación, foi possível descrever as condições de uso e os valores semânticos representados pela perífrase [estar + gerúndio/estar + gerundio] com auxiliar em pretérito perfeito simples numa amostra coletada modalidade escrita do português brasileiro e do espanhol platino, na esfera jornalística. Da análise qualitativa e da observação contrastiva entre as perífrases em tempo perfeito, verificaram-se, na amostra coletada, três principais valores imperfectivos, sendo eles o durativo, o iterativo e o destelizador. Os resultados revelaram, ainda, que, entre esses subtipos aspectuais, destaca-se, em ambas as línguas, nas variantes observadas, uma forte tendência à expressão da duratividade de eventos representados simbolicamente como contínuos. Constatou-se, também, que a perífrase perfectiva no PB apresenta um emprego mais restrito, o que se justifica inclusive pela sua maior incompatibilidade com determinadas bases léxicas. Na variedade platina observada, além dos frequentes enunciados de caráter durativo, encontrou-se uma quantidade maior de ocorrências que, em função das características dos lexemas, permitem, com mais frequência...

Estudo das formas verbais do pretérito perfeito do modo indicativo nas Cantigas de Santa Maria

Favaro, Gisela Sequini
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 200 f. : il., gráfs., tabs. + 1 CD-ROM
Português
Relevância na Pesquisa
49.45236%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa - FCLAR; Este estudo tem como objetivo principal fazer um vínculo entre o passado e o presente, comparando processos morfofonológicos desencadeados pela flexão verbal através das formas do pretérito perfeito do modo indicativo, ou seja, processos que alteram a forma dos morfemas e geram alomorfias em vários níveis no Português Arcaico (PA) dos séculos XII-XIII analisados a partir de teorias não lineares (cf. Fonologia Lexical, Fonologia métrica e Geometria de Traços). Para a realização desta pesquisa foram considerados como objeto as formas verbais do pretérito perfeito do modo indicativo, tanto dos verbos regulares quanto dos verbos irregulares. A metodologia foi baseada no mapeamento das formas verbais nas Cantigas de Santa Maria. Contamos também com glossários, vocabulários, dicionários, e especialmente o glossário de Mettmann (1972), como auxílio na categorização das formas verbais. Depois de coletados, os dados foram separados de acordo com o tipo de processo morfofonológico verificado. O corpus de base, para o PA...

Tenho feito/fiz a tese: uma proposta de caracterização do pretérito perfeito no Português

Barbosa, Juliana Bertucci
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 280 f. : il.
Português
Relevância na Pesquisa
50.706543%
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa - FCLAR; Essa pesquisa tem por objetivo um estudo descritivo-comparativo do Pretérito Perfeito Simples (PPS) e do Pretérito Perfeito Composto (PPC) do modo Indicativo do Português. Buscamos (i) testar a hipótese de uma caracterização dessas formas verbais que parta de uma definição semântica abstrata para chegar a uma explicação dos possíveis usos e funções atribuídos às duas formas pretéritas no Português; (ii) realizar um estudo diacrônico em textos escritos do Português Brasileiro (PB), do século XVI ao XX, procurando verificar se a forma composta nunca teve os mesmos valores semânticos que a forma simples e (iii) identificar semelhanças e/ou diferenças nos usos e funções desses tempos em duas diferentes variedades do português atual (Português Brasileiro e Português Europeu). Esse estudo mais aprofundado do PPC e do PPS justifica-se com base, principalmente, em argumentos tais como (i) as características aspectuais do Pretérito Perfeito Composto (PPC) e do Pretérito Perfeito Simples (PPS), (ii) o contraste entre o uso do PPC no português e nas demais línguas românicas...

The perfective aspect in english and portuguese: a constrative study on semantic basis

Monteiro, Dirce Charara; Neves, Maria Helena de Moura; Rodrigues, Sonia Veasey
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
48.89581%
An exam of the occurrences of the PRESENT PERFECT in Englishwas made in such a way as to establish the prevailing semantic features ofthis verbal form. I t was verified up to what an extent the meaning of thePERFECTIVE thus characterized is expressed in the corresponding Portuguesesentences in the PRETÉRITO PERFEITO. It was found that in Portuguesethe verbal inflexion itself characterizes in a much smaller degree the PERFECTIVE ASPECT.

Interpretações semânticas no pretérito perfeito: pretérito ou presente

Barbosa, Juliana Bertucci
Fonte: Universidade Estadual Paulista Publicador: Universidade Estadual Paulista
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 177-183
Português
Relevância na Pesquisa
49.79485%
An analysis of “Pretérito Perfeito Simples” (Simple Past Tense) and “Pretérito Per‐ feito Composto” (Compound Past Tense) in Brazilian Portuguese showed that such tenses must be distinguished according to semantic and pragmatic features other than temporal; both tenses can be used to express a situation that begins in the past and extends up to the present.; Realizou‐se um estudo a respeito do significado e do uso do Perfeito Simples e do Perfeito Composto (PC) do modo Indicativo no português brasileiro Observou‐se, em exemplos da modalidade escrita, que a distinção entre esses tempos deve ser buscada em seus traços se‐ mânticos e/ou pragmáticos, pois ambos podem expressar um evento que começa no passado e continua até o momento presente.

As duas formas do pretérito perfeito em espanhol

Oliveira, Leandra Cristina de
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 130 f.| grafs., tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
48.89581%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão. Programa de Pós-Graduação em Linguistica; Este trabalho apresenta um estudo do pretérito perfeito simples e composto na conjugação castelhana, a partir de dados concretos da língua em uso. Acreditando na importância da pesquisa empírica, optamos pela elaboração de um corpus que pudesse representar a língua espanhola escrita. Para tanto, selecionamos notícias de repercussão mundial, publicadas virtualmente, de fevereiro de 2005 a janeiro de 2006, em sete países hispânicos: Argentina, Bolívia, Chile, Cuba, Espanha, México e Peru. Nosso interesse é verificar: i) a freqüência das duas formas verbais em contextos geográficos distintos; ii) se a presença de advérbios temporais influencia na escolha por uma forma ou outra, conforme prevêem alguns estudos sobre o sistema verbal espanhol; iii) relação entre norma gramatical e norma funcional. Destarte, com o apoio da tecnologia computacional e de pacotes estatísticos, podemos examinar a variação diatópica na aplicação dos dois pretéritos, e a relação entre a norma estabelecida e o uso efetivo das duas formas verbais. This research presents a study of the simple and perfect forms of the past tense in Spanish in a sample of tokens collected from authentic data. Having in mind the importance of empirical research...

Estágio da gramaticalização do pretérito perfeito composto no espanhol escrito de sete capitais hispano-falantes

Oliveira, Leandra Cristina de
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 270 p.| il., tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
49.45236%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Florianópolis, 2010; Assumindo a língua como um fenômeno de interação social, na qual a variação e a mudança estão sempre presentes, investigo nesta tese a gramaticalização do pretérito perfeito composto (PPC) da língua espanhola. Assentada nos pressupostos teóricos do Funcionalismo Linguístico, com enfoque na gramaticalização, meu objetivo é verificar a etapa de evolução em que se encontra o PPC castelhano, analisando dados presentes em notícias de periódicos virtuais, publicadas em sete capitais hispano-falantes: Buenos Aires, Santiago do Chile, La Paz, Lima, Havana, Cidade do México e Madri. A partir da consideração de estudos diacrônicos já realizados, discorro sobre a gramaticalização do PPC desde a forma da qual se origina - a construção perifrástica latina "habere + particípio flexionado" - até os diferentes valores exibidos nas línguas românicas. Conforme essas investigações, o PPC passa por quatro estágios de evolução, indicando: I) Resultado, II) Continuidade, III) Relevância presente e IV) Perfectividade. Na análise dos resultados, verifico estágios diferentes na evolução do PPC...

A formação da interlíngua dos aprendentes chineses : aprendizagem do uso do pretérito imperfeito versus pretérito perfeito simples do indicativo

Gonçalves, Liliana Maria do Vale Cerqueira Faria
Fonte: Porto : [Edição do Autor] Publicador: Porto : [Edição do Autor]
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
49.50426%
Este trabalho, tal como o título deixa adivinhar, tem como objectivo principal analisar a aprendizagem do uso do Pretérito Imperfeito do Indicativo versus Pretérito Perfeito Simples do Indicativo, mais concretamente algumas dificuldades que surgem ao longo dessa mesma aprendizagem nos aprendentes chineses dos níveis A2 e B1 (segundo o Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas). Assim sendo, começaremos por dar conta de como diversos especialistas definem Interlíngua e, posteriormente, abordaremos as suas características principais. Para melhor compreendermos como se desenvolveram os estudos da Interlíngua, estudaremos os seus antepassados. Então, descreveremos os principais aspectos (dentro da Linguística Contrastiva) da Análise Contrastiva e da Análise de Erros. Numa outra fase do nosso trabalho, pretendemos examinar não só como determinadas gramáticas tratam o uso do Pretérito Imperfeito, como também enunciados (escritos) produzidos pelo nosso público aprendente. A partir desta análise, ser-nos-á possível tirar algumas conclusões que, esperamos, possam constituir uma ajuda no processo de ensino/aprendizagem de Português Língua Estrangeira, especialmente no que diz respeito a aprendentes chineses.

Aquisição das propriedades morfológicas e semânticas do pretérito perfeito e imperfeito do português por falantes nativos de crioulo de Cabo Verde

Fonseca, Ana Sofia Sobral
Fonte: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa Publicador: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /09/2010 Português
Relevância na Pesquisa
69.6366%
Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Ciências da Linguagem; O presente trabalho visou investigar a aquisição das formas morfo-fonológicas do Pretérito Perfeito e Imperfeito do Português e o seu mapeamento para os valores semânticos correspondentes, por falantes nativos de Crioulo de Cabo-Verde. Assumimos que o aspecto gramatical é um fenómeno regulado pela Gramática Universal, representado sintacticamente por uma categoria funcional Asp, e que as categorias funcionais e todos os seus traços são adquiríveis em língua segunda (2), o que pressupõe um acesso pleno à Gramática Universal, após a aquisição de uma língua materna (L1). Partindo deste pressuposto, procurámos perceber se a L1 dos aprendentes teria alguma influência na aquisição da distinção aspectual em estudo, ou se, pelo contrário, essa aquisição seria regulada por um fenómeno de índole universal, de acordo com a Hipótese da Primazia do Aspecto (Andersen & Shirai, 1996). Para alcançarmos os nossos objectivos, elaborámos um instrumento (teste lacunar de produção) de elicitação das formas em estudo. Os resultados indicam que os aprendentes conseguem associar aos valores semânticos que já dominam novas formas morfo-fonológicas e que a classe aspectual das formas verbais pode guiá-los na utilização da morfologia aspectual adequada...

O pretérito perfeito composto em português e o pretérito perfecto compuesto em castelhano: aproximação e afastamento

Paiva, Susana Andreia Teixeira
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 Português
Relevância na Pesquisa
49.6366%

O pretérito perfeito simples e composto em português e castelhano: semelhanças e diferenças

Correia, Liliana Filipa Pais
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 Português
Relevância na Pesquisa
49.79485%

O uso do pretérito perfeito simples e composto no português e no castelhano

Roque, Bárabara da Silva
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 Português
Relevância na Pesquisa
70.026855%
A presente dissertação incide sobre o uso do Pretérito Perfeito Simples e Composto no Português e no Castelhano. Em concreto, a primeira parte da dissertação tem como objetivo o estudo das semelhanças e diferenças na morfologia e nos usos destes tempos verbais no Português e no Castelhano, estabelecendo a comparação entre o Pretérito Perfeito Simples e Composto nas línguas respetivas. Posteriormente, a segunda parte desta dissertação assenta na exploração do Pretérito Perfeito Simples e Composto nos manuais Português Para todos 1 e Español 1. Para além disso, nesta segunda parte, apresentamos algumas propostas de atividades que produzimos no âmbito do português e do espanhol e que poderiam ser empregadas numa aula de língua estrangeira. Esta dissertação contém, ainda, uma terceira parte que diz respeito ao relatório final de estágio e que revela toda a experiência vivida durante o ano letivo 2011/2012 na Escola Secundária Campos Melo.

Os pretéritos mais-que-perfeito simples e imperfeito sob a ótica da iconicidade e da gramaticalização

Back,Angela Cristina Di Palma; Coan,Márluce
Fonte: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP Publicador: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2012 Português
Relevância na Pesquisa
39.902046%
Este artigo propõe-se a demonstrar que os pretéritos mais-que-perfeito simples e imperfeito do subjuntivo são formas que codificam várias funções em Língua Portuguesa. Parte-se da premissa de que não há relação categórica de um-para-um entre função e forma. Apresentamos, inicialmente, o princípio da iconicidade e os princípios de gramaticalização, com o propósito de, ao final deste artigo, mostrar que se aplicam aos dados sob análise. Na sequência, ilustramos a multifuncionalidade do pretérito mais-que-perfeito simples (em perspectiva diacrônica) e do pretérito imperfeito do subjuntivo (em perspectiva sincrônica), considerando-se como motivações para essa multifuncionalidade as categorias Tempo e Modalidade. Os resultados apontam a Modalidade, pela generalização do traço irrealis, como fator que desencadeia mudanças tanto de tempo como de ponto de referência. Os pretéritos sob análise migram de passado com ponto de referência passado ao futuro: o mais-que-perfeito simples passa a codificar projeção futura e o imperfeito do subjuntivo, a codificar situações menos referenciais e menos factuais.

A alternância entre o futuro do pretérito e o pretérito imperfeito do indicativo na oração principal em contextos hipotéticos na fala de alagoanos; The alternation between two verb tenses future do pretérito ( future of past tense) and pretérito imperfeito do indicativo (imperfect tense) in main clauses of hypothetical contexts in the speech of alagoanos

Oliveira, Fernando Augusto de Lima
Fonte: Universidade Federal de Alagoas; BR; Linguística; Literatura Brasileira; Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística; UFAL Publicador: Universidade Federal de Alagoas; BR; Linguística; Literatura Brasileira; Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística; UFAL
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
49.30306%
The goal of this work is the study of the alternation between two verb tenses Futuro do Pretérito ( Future of Past Tense) and Pretérito Imperfeito of the Indicativo (Imperfect Tense) in main clauses of hypothetical contexts in the speech of alagoanos (people who live in Alagoas, in the northeast of Brazil). We adopt as the theoretical and methodological framework the theory of Linguistic Variation (LABOV, 1972). The alternation between these two verb tenses becomes possible because of the fact that these tenses share the property to refer to unfinished/unbounded events/actions. What puzzles us is the reason(s) that makes a speaker choose one or another verb tense. We start from the hypothesis that the Imperfect Tense supersedes the Future of Past Tense in main clauses of hypothetical contexts of spoken language. In this dissertation we intend to verify what linguistic and non-linguistic variables are statistically significant in terms of VARBRUL for the dependent variable. For this purpose, we selected as external factors age, gender and educational level; and as internal factors we selected the formal parallelism and the order of the clause.; Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; O presente trabalho tem como objeto de estudo a variação entre o futuro do pretérito (FP) e o pretérito imperfeito do indicativo (PII) na oração principal em contextos hipotéticos na fala de alagoanos. Seguimos como pressuposto teórico/metodológico o da Teoria da Variação Linguística...

Notes on the english present perfective, and on its cousin, the portuguese pretérito perfeito composto

Maia, Belinda Mary Harper Sousa
Fonte: Porto : Universidade do Porto. Faculdade de Letras Publicador: Porto : Universidade do Porto. Faculdade de Letras
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
49.45236%
The author compares the way the English Present Perfective, and its cousin, the Portuguese Pretérito Perfeito Composto, behave with different types of lexical verb. This comparison, and a reflection on the semantic and pragmatic nature of these structures, leads to the proposal that the distinction between State, Habit and Event notions of time are not as clearcut as at first appear, and a case is made for re-considering certain examples of the English Present Perfective in the light of the 'iterative' tendency typical of the Portuguese Pretérito Perfeito Composto.

O uso do pretérito perfeito simples e composto no português e no castelhano

Roque, Bárabara da Silva
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 Português
Relevância na Pesquisa
70.026855%
A presente dissertação incide sobre o uso do Pretérito Perfeito Simples e Composto no Português e no Castelhano. Em concreto, a primeira parte da dissertação tem como objetivo o estudo das semelhanças e diferenças na morfologia e nos usos destes tempos verbais no Português e no Castelhano, estabelecendo a comparação entre o Pretérito Perfeito Simples e Composto nas línguas respetivas. Posteriormente, a segunda parte desta dissertação assenta na exploração do Pretérito Perfeito Simples e Composto nos manuais Português Para todos 1 e Español 1. Para além disso, nesta segunda parte, apresentamos algumas propostas de atividades que produzimos no âmbito do português e do espanhol e que poderiam ser empregadas numa aula de língua estrangeira. Esta dissertação contém, ainda, uma terceira parte que diz respeito ao relatório final de estágio e que revela toda a experiência vivida durante o ano letivo 2011/2012 na Escola Secundária Campos Melo.

O pretérito perfeito composto em português e o pretérito perfecto compuesto em castelhano: aproximação e afastamento

Paiva, Susana Andreia Teixeira
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 Português
Relevância na Pesquisa
49.6366%

O pretérito perfeito simples e composto em português e castelhano: semelhanças e diferenças

Correia, Liliana Filipa Pais
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 Português
Relevância na Pesquisa
49.79485%

Cuidamos(s) e cuidemo(s): a variação morfêmica na P4 em verbos regulares de 1ª conjugação

Pereira, Ivelã; Universidade Federal de Santa Catarina
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Lingüística da UFSC Publicador: Programa de Pós-Graduação em Lingüística da UFSC
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; "Avaliado por pares"; Pesquisa Quantitativa e qualitativa Formato: application/pdf
Publicado em 31/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
49.79485%
 http://dx.doi.org/10.5007/1984-8420.2014v15n2p49Este trabalho objetiva mapear se está havendo variação morfêmica na P4 (nesse caso, nós) no presente do Indicativo e pretérito perfeito do Indicativo em verbos regulares de 1ª conjugação, para estabelecer uma diferenciação entre esses dois contextos temporais. Trata-se de uma pesquisa quantitativo-qualitativa, com foco na morfologia verbal; por isso, baseamo-nos em Camara Junior (1970), Monteiro (2002 [1987]) e Zanotto (2001), mas nossa metodologia está de acordo com Labov (2008 [1972]) e WLH (2006 [1968]). Ademais, baseamos nosso estudo nas seguintes pesquisas brasileiras: Amaral (1976 [1920]); Costa (1990); Zilles, Maya e Silva (2000); Zilles e Batista (2006); e Rubio e Gonçalves (2012). O córpus é composto por entrevistas gravadas com informantes de alguns bairros de Florianópolis (Costa da Lagoa, Santo Antônio de Lisboa e Ratones), totalizando-se apenas 30 dados. A variável dependente é composta por duas variantes: os morfemas –a– e –e–. As variáveis independentes externas são: ‘sexo’, ‘escolaridade’, ‘idade’ e ‘bairro’, e as variáveis independentes internas:‘assertividade da sentença’ (sentença afirmativa ou negativa), ‘realização do sujeito’ (explícito ou nulo)...