Página 1 dos resultados de 84 itens digitais encontrados em 0.004 segundos

Pegamento de frutos em pepino caipira não partenocárpio sob cultivo protegido com aplicação de ácido naftaleno acético

Godoy, Amanda Regina; Cardoso, Antonio Ismael Inácio
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 25-29
Português
Relevância na Pesquisa
79.588975%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Os experimentos foram realizados para verificar a possibilidade de aumentar o pegamento de frutos de pepino caipira (Cucumis sativus) ginóico não partenocárpico (híbrido Guarani AG - 370), cultivado sob ambiente protegido, através da aplicação de ácido naftaleno acético (ANA). No primeiro experimento foram avaliados sete tratamentos resultantes da combinação de dois fatores: doses de ANA (25, 50 e 100 mg.L-1) e dois intervalos de aplicação na planta inteira (a cada sete ou quatorze dias), além da testemunha sem aplicação de qualquer produto. O delineamento foi em blocos ao acaso, com seis repetições e quatro plantas por parcela. No segundo experimento foram avaliados quatro tratamentos, sendo aplicação na flor no dia de sua antese com diferentes doses de ANA (25, 50 e 100 mg.L-1), além da testemunha sem aplicação de qualquer produto. O delineamento foi em blocos ao acaso, com seis repetições e quatro plantas por parcela. No terceiro experimento foram avaliados quatro tratamentos, sendo aplicação na flor no dia de sua antese com diferentes doses de ANA (100, 200 e 400 mg.L-1), além da testemunha sem aplicação de qualquer produto. O delineamento foi em blocos ao acaso...

Pegamento de frutos em pepino caipira não partenocárpio sob cultivo protegido com aplicação de ácido naftaleno acético

Godoy,Amanda Regina; Cardoso,Antonio Ismael Inácio
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2004 Português
Relevância na Pesquisa
79.587383%
Os experimentos foram realizados para verificar a possibilidade de aumentar o pegamento de frutos de pepino caipira (Cucumis sativus) ginóico não partenocárpico (híbrido Guarani AG - 370), cultivado sob ambiente protegido, através da aplicação de ácido naftaleno acético (ANA). No primeiro experimento foram avaliados sete tratamentos resultantes da combinação de dois fatores: doses de ANA (25, 50 e 100 mg.L-1) e dois intervalos de aplicação na planta inteira (a cada sete ou quatorze dias), além da testemunha sem aplicação de qualquer produto. O delineamento foi em blocos ao acaso, com seis repetições e quatro plantas por parcela. No segundo experimento foram avaliados quatro tratamentos, sendo aplicação na flor no dia de sua antese com diferentes doses de ANA (25, 50 e 100 mg.L-1), além da testemunha sem aplicação de qualquer produto. O delineamento foi em blocos ao acaso, com seis repetições e quatro plantas por parcela. No terceiro experimento foram avaliados quatro tratamentos, sendo aplicação na flor no dia de sua antese com diferentes doses de ANA (100, 200 e 400 mg.L-1), além da testemunha sem aplicação de qualquer produto. O delineamento foi em blocos ao acaso, com cinco repetições e cinco plantas por parcela. Os resultados mostraram que nos tratamentos com aplicação na planta inteira não houve pegamento de frutos...

Aumento da produção de grãos de pinhão-manso pela aplicação de benziladenina

Gouveia,Everson Jacinto; Rocha,Rodrigo Barros; Laviola,Bruno Galvêas; Ramalho,André Rostand; Ferreira,Maria das Graças Rodrigues; Dias,Luiz Antônio dos Santos
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2012 Português
Relevância na Pesquisa
79.063774%
O objetivo deste trabalho foi quantificar o florescimento e a produção de grãos de pinhão-manso (Jatropha curcas) em resposta à aplicação de benziladenina diretamente sobre inflorescências fechadas. O experimento foi realizado em campo, com plantas em idade produtiva, em cultivo adensado. Foram avaliados: número de flores femininas e masculinas por inflorescência, número de inflorescências e de cachos por planta, número de frutos por cacho, percentual de abortamento de frutos e produção por planta. O número de flores femininas aumentou pela aplicação do regulador vegetal, com incremento de 170% no número de frutos por cacho. Apesar do menor pegamento de frutos nas plantas tratadas, a aplicação da benziladenina aumentou a produção em 92%.

Efeito de horários de polinização artificial no pegamento e qualidade de frutos de pinha (Annona squamosa L.)

Pereira,Marlon Cristian Toledo; Nietsche,Silvia; Santos,Fabrício Silveira; Xavier,Adelica Aparecida; Cunha,Lize de Moraes Vieira da; Nunes,Claudinéia Ferreira; Santos,Fernando Almeida
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2003 Português
Relevância na Pesquisa
69.42061%
O Brasil tem se destacado como grande produtor de frutas, especialmente a pinha. A cultura é encontrada desde o norte do país até o estado de São Paulo. Atualmente, o cultivo desta fruteira se espalhou, com a ocorrência de grandes áreas em vários estados brasileiros. A polinização inadequada é um dos fatores limitantes na produção comercial destes frutos. Com o objetivo de estudar os efeitos da polinização artificial foram utilizadas 20 plantas provenientes de um pomar comercial de pinha localizado no município de Nova Porteirinha, Minas Gerais. As flores foram polinizadas no estádio de fêmea por meio do uso de um pincel número dois. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado. Os tratamentos foram compostos de seis horários de polinização (5, 6, 7, 8, 9 e 10 horas), com cinco repetições, utilizando-se 10 flores por parcela. Foram avaliados a porcentagem de pegamento dos frutos, o comprimento, o diâmetro e o peso dos frutos, a porcentagem de frutos desuniformes, o peso da casca, polpa e sementes, o número de sementes e o teor de sólidos solúveis totais. Os melhores tratamentos para as características de peso de frutos e porcentagem de pegamento foram obtidos entre 6 e 10 horas. O teor de sólidos solúveis totais não foi afetado. Foram detectadas correlações positivas e significativas para os seguintes pares de caracteres: peso de fruto e diâmetro e peso de fruto e peso de casca.

Polinização natural, manual e autopolinização no pegamento de frutos de pinheira (Annona squamosa L.) em Alagoas

Campos,Rousseau da Silva; Lemos,Eurico Eduardo Pinto de; Oliveira,Jaqueline Figueredo de; Fonseca,Fernanda Karina Pereira da; Santiago,Antônio Dias; Barros,Pericles Gabriel
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2004 Português
Relevância na Pesquisa
88.51605%
A pinheira (Annona squamosa L) é cultivada no Estado do Alagoas há mais de um século, sendo a principal cultura de valor econômico para centenas de pequenos agricultores. Um dos principais entraves para melhorar a produtividade da cultura é o baixo índice de polinização das flores e a conseqüente produção de frutos. Embora sejam morfologicamente perfeitas, as flores da pinheira apresentam dicogamia protogínica, fenômeno no qual a maturação dos carpelos acontece antes da maturação dos estames, inviabilizando a autofecundação. O presente trabalho objetivou estudar o efeito da polinização natural, manual e da autopolinização no número de frutos fixados em pinheiras. Foram utilizadas plantas de 4 anos de idade oriundas de pés-francos da variedade local "Crioula". As flores foram selecionadas na porção média das árvores em toda a sua circunferência. Foram utilizados os seguintes tratamentos: flores em polinização natural; flores cobertas para induzir a autopolinização; flores polinizadas com pincel usando pólen puro; flores polinizadas com pincel usando 75 % de pólen e 25 % de amido de milho; flores polinizadas com pincel usando 50 % de pólen e 50 % de amido de milho; flores polinizadas com pincel usando 25 % de pólen e 75 % de amido de milho; flores polinizadas com bomba usando pólen puro; flores polinizadas com bomba usando 75 % de pólen e 25 % de amido de milho; flores polinizadas com bomba usando 50 % de pólen e 50 % de amido de milho; flores polinizadas com bomba usando 25 % de pólen e 75 % de amido de milho. Os resultados obtidos mostraram que o uso da polinização artificial com pincel ou com bomba polinizadora aumentou em até 10 vezes o número de frutos fixados em polinização natural ou em autopolinização. A adição do amido de milho seco como veículo para o pólen não reduziu a percentagem de frutos fixados e pode ser utilizado em até 50% da mistura sem reduzir a eficiência na polinização com pincel e em até 75% com bomba.

Comparação de métodos para a produção de frutos autofecundados em pimenteiras ornamentais

Rêgo,Elizanilda R do; Nascimento,Mayana F; Nascimento,Naysa Flávia F do; Santos,Rusthon Magno C dos; Fortunato,Flávia Laís G; Rêgo,Mailson M do
Fonte: Associação Brasileira de Horticultura Publicador: Associação Brasileira de Horticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 Português
Relevância na Pesquisa
79.723604%
O mercado de pimenteiras no Brasil passa por grandes modificações, sendo crescente a exploração de novos tipos de pimentas, incluindo aquelas de interesse ornamental. Com o plantio em ambientes protegidos, aumentou a procura por híbridos com maior produtividade e valor comercial, de forma a tornar rentável o investimento nessa infraestrutura de produção. As sementes híbridas são obtidas a partir do cruzamento de linhagens endogâmicas que por sua vez, são obtidas por autofecundações sucessivas. O objetivo deste trabalho foi comparar dois métodos de proteção de botões florais após a autofecundação em pimenteiras ornamentais. O experimento foi conduzido em casa de vegetação, em laboratório da UFPB. Plantas de 15 híbridos e seus recíprocos foram utilizadas no teste de dois métodos de proteção do botão floral: 1= cobertura dos botões com papel alumínio e 2= fechamento dos botões com cola branca. Para cada metodologia foram realizadas dez autofecundações em cada híbrido, em pré-antese. Ao final, as médias de pegamento de frutos em cada metodologia foram contrastadas para cada híbrido. A média geral da taxa de pegamento de frutos observada para o método 1 (16%) foi inferior à observada para o método 2 (51%)...

Taxa de pegamento de frutos de melancia em polinizacoes artificiais e implicacoes na producao de semente hibrida.

QUEIROZ, M. A. de; DIAS, R. de C. S.; ARAUJO, H.M. de.
Fonte: Horticultura Brasileira, Brasilia, DF, v. 19, n. 2, jul. 2001. Publicador: Horticultura Brasileira, Brasilia, DF, v. 19, n. 2, jul. 2001.
Tipo: Artigo em anais de congresso (ALICE) Formato: 1 CD-ROM,
Português
Relevância na Pesquisa
89.48258%
A cultura da melancia no Brasil, e feita, principalmente, com cultivares desenvolvidas para os EUA e Japao, nao adaptadas as condicoes edafoclimaticas brasileiras. Assim, programas de melhoramento para o desenvolvimento de cultivares adaptadas aos ambientes dos diferentes polos de producao tornam-se necessarios. Em programas de melhoramento com melancia, normalmente sao necessarias polinizacoes controladas, que apresentam na literatura corrente, 20% de pegamento de frutos, em media. Considerando que o programa de melhoramento da Embrapa Semi-Arido dispoe de linhas parcialmente endogamicas e que foi desenvolvida uma tecnica de polinizacao para utilizacao expedita em campo, foram realizados dois experimentos visando estimar as percentagens de pegamento em polinizacoes controladas de linhas de melancia (autofecundações e cruzamentos com as cultivares Charleston Gray e Sunshade), bem como averiguar preliminarmente a producao de semente hibrida. Os experimentos foram realizados no Campo Experimental de Bebedouro, Petrolina-PE, no ano de 2000. No primeiro experimento, conduzido de maio a agosto onde foram cultivadas 200 plantas de 12 linhas, foram realizadas 870 polinizacoes das quais, 197 frutificaram (23% ) e no segundo, conduzido de setembro a novembro...

Viabilidade polínica e propagação in vitro de Etlingera elatior (Jack) R.M. Smith

Oliveira, Jaqueline Figueredo de
Fonte: Universidade Federal de Alagoas; BR; Agronomia; Produção vegetal; Proteção de plantas; Programa de Pós-Graduação em Agronomia; UFAL Publicador: Universidade Federal de Alagoas; BR; Agronomia; Produção vegetal; Proteção de plantas; Programa de Pós-Graduação em Agronomia; UFAL
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
77.796797%
The Etlingera elatior is a tropical perennial and rhizomatous herbaceous plant that possesses beautiful flowers with different colors and a great ornamental appeal. To produce new cultivars it is necessary crossings between existing varieties which are rare for this species. Among the difficulties found to grow Etingera elatior is the acquisition of quality seedlings with appropriate sanitary standards to supply the demand of the producers. Another considerable problem is the seedlings production that, usually made by bunch division, brings high costs and disease problems. This work aimed to evaluate the viability of the pollen grains in flowers of the Red Torch, Pink Torch and Porcelain cultivars to be used in a future breeding program to create new commercial types of the Etlingera elatior, and developing a protocol for multiplication in vitro of Etlingera elatior cv. Red Torch. Therefore, it was carried out an study to check the viability of the pollen grains in open and closed flowers of small, medium and tall stick flowers. The pollen grains were stained in a lugol solution and observed on a stereoscopic microscope. The micropropagation potential was evaluated by testing the effects of 6-benzilaminopurine alone in different concentrations (1...

Pegamento de frutos em pepino caipira não partenocárpio sob cultivo protegido com aplicação de ácido naftaleno acético

Godoy, Amanda Regina; Cardoso, Antonio Ismael Inácio
Fonte: Bragantia Publicador: Bragantia
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
69.586484%
Os experimentos foram realizados para verificar a possibilidade de aumentar o pegamento de frutos de pepino caipira (Cucumis sativus) ginóico não partenocárpico (híbrido Guarani AG – 370), cultivado sob ambiente protegido, através da aplicação de ácido naftaleno acético (ANA). No primeiro experimento foram avaliados sete tratamentos resultantes da combinação de dois fatores: doses de ANA (25, 50 e 100 mg.L-1) e dois intervalos de aplicação na planta inteira (a cada sete ou quatorze dias), além da testemunha sem aplicação de qualquer produto. O delineamento foi em blocos ao acaso, com seis repetições e quatro plantas por parcela. No segundo experimento foram avaliados quatro tratamentos, sendo aplicação na flor no dia de sua antese com diferentes doses de ANA (25, 50 e 100 mg.L-1), além da testemunha sem aplicação de qualquer produto. O delineamento foi em blocos ao acaso, com seis repetições e quatro plantas por parcela. No terceiro experimento foram avaliados quatro tratamentos, sendo aplicação na flor no dia de sua antese com diferentes doses de ANA (100, 200 e 400 mg.L-1), além da testemunha sem aplicação de qualquer produto. O delineamento foi em blocos ao acaso, com cinco repetições e cinco plantas por parcela. Os resultados mostraram que nos tratamentos com aplicação na planta inteira não houve pegamento de frutos...

Fixação de frutos de limeiras ácidas 'Tahiti' aneladas e tratadas com ácido giberélico

Pereira,Cassiano Spaziani; Siqueira,Dalmo Lopes De; Salomão,Luiz Carlos Chamum; Cecon,Paulo Roberto
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 Português
Relevância na Pesquisa
109.84527%
O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito do ácido giberélico (GA3) e do anelamento de ramos sobre a abscisão de estruturas florais e o pegamento de frutos em limeira ácida 'Tahiti'. Para as variáveis relacionadas à abscisão de estruturas reprodutivas, o esquema experimental foi em parcelas subdivididas no tempo, com o fatorial 4 x 3 nas parcelas. Quanto ao pegamento de frutos, o esquema experimental foi apenas o fatorial 4 x 3. O primeiro fator foi a aplicação de GA3 em quatro concentrações (0; 7; 14 e 21 mg/L), e o segundo, as duas épocas de anelamento: no início do florescimento (AIF) e a um mês após o florescimento (AMAF), mais a testemunha sem anelamento (SA). O delineamento experimental foi em blocos casualizados (DBC), com cinco repetições. Verificou-se que o GA3 não inibe a abscisão das estruturas reprodutivas e não afeta o pegamento dos frutos de limeira ácida 'Tahiti'. O anelamento reduziu a abscisão das estruturas reprodutivas. O pegamento de frutos nas plantas com o AIF foi 15,66% e com o AMAF, de 16,11%, o que significa aumentos de 220% e 229%, respectivamente, em relação às plantas SA, que tiveram pegamento de 4,89%.

Índice de pegamento de frutos em goiabeiras

Corrêa,Márcio Cleber de Medeiros; Prado,Renato de Mello; Natale,William; Silva,Marcos Antonio Camacho da; Pereira,Luciano
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2002 Português
Relevância na Pesquisa
89.60042%
A produção das plantas está relacionada com o florescimento e frutificação, podendo variar em função de fatores genéticos, ambientais e de manejo dos pomares. Informações dessa natureza, tal como índice de pegamento de frutos, são importantes na caracterização biológica, estudos comparativos de cultivares e predição de safra. O objetivo deste estudo foi determinar o índice de pegamento de frutos em goiabeiras adultas das cultivares Pedro Sato, Paluma e Rica, em pomares comerciais de elevada produtividade, localizados no município de Taquaritinga-SP. No auge do florescimento de cada cultivar ('Pedro Sato': final de fevereiro; 'Paluma' e 'Rica': final de outubro), foram marcados ramos em volta das plantas, à altura do terço médio da copa e contados o número de botões, flores e frutinhos presentes. A operação repetiu-se cerca de 30 dias depois. A contagem final de frutos foi feita quando estes apresentavam diâmetro ³ 3 cm nas plantas de 'Pedro Sato' e uma semana antes da colheita nas plantas de 'Paluma' e 'Rica'. A partir do número total de botões florais emitidos (NB) e do número de frutos fixados (NF), calculou-se o índice de pegamento de frutos [IP=(NF/NB)100]. A cultivar Pedro Sato apresentou IP=32...

Fenologia da goiabeira 'Paluma' sob diferentes sistemas de cultivos, épocas e intensidades de poda de frutificação

Serrano,Luiz Augusto Lopes; Marinho,Cláudia Sales; Lima,Inorbert de Melo; Martins,Marlon Vagner Valentim; Ronchi,Cláudio Pagotto; Tardin,Flávio Dessaune
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2008 Português
Relevância na Pesquisa
89.19701%
O trabalho teve como objetivo avaliar os efeitos de diferentes épocas e intensidades de poda de frutificação sobre a fenologia da goiabeira 'Paluma', em dois sistemas de cultivo, em Pedro Canário (ES). O delineamento experimental foi o de blocos ao acaso, em esquema de parcelas sub-subdivididas. As parcelas foram os sistemas de cultivo irrigado e sequeiro; as subparcelas foram as épocas de poda (10/11/2005, 9/12/2005, 13/1/2006 e 10/2/2006); e as sub-subparcelas foram as intensidades de poda (curta, média e longa). O ciclo da goiabeira 'Paluma', entre a poda até o início da colheita dos frutos, variou de 182 (poda em novembro e dezembro) a 203 dias (poda em fevereiro). A queda fisiológica dos frutos ocorreu até os 56 dias após o final do florescimento. A irrigação e a poda longa proporcionaram maior brotação e estabelecimento dos ramos. As plantas submetidas à poda longa em fevereiro produziram maior número de frutos por ramo. Independentemente da época de poda, as plantas submetidas à poda curta apresentaram menor número de frutos por ramo e menor índice de pegamento de frutos. A irrigação e as podas realizadas em dezembro e janeiro favoreceram a produção de frutos maiores.

Doses de ácido giberélico na frutificação efetiva e qualidade de frutos de atemoieira 'Gefner'

Pereira,Marlon Cristian Toledo; Santos,Rayka Kristian Alves; Nietsche,Silvia; Mizobutsi,Gisele Polete; Santos,Edson Fagne dos
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 Português
Relevância na Pesquisa
79.539976%
Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito da aplicação de ácido giberélico (GA3) no pegamento, frutificação efetiva e qualidade de frutos de atemoieira 'Gefner', nas condições irrigadas do norte de Minas Gerais. O experimento foi conduzido em pomar comercial de atemoieira 'Gefner', em Matias Cardoso. O delineamento experimental foi o de blocos casualizados, com quatro repetições e cinco frutos por parcela. Os tratamentos utilizados foram diferentes doses do produto comercial Pro-Gibb®, composto por 10% de GA3, na forma de pó solúvel, sendo: 0 (testemunha), 250; 500; 750 e 1.000 mg.L-1. O produto foi aplicado diretamente nas flores de atemoieira, no momento da antese, e repetido nos frutos aos 7; 21 e 35 dias após a antese. Foram avaliados quinzenalmente pegamento, comprimento e diâmetro dos frutos. Após a colheita, as características físico-químicas avaliadas foram submetidas à análise de variância, e os efeitos das doses foram testados e ajustados em equações de regressão. A porcentagem de pegamento e frutificação efetiva dos frutos de atemoieira 'Gefner', a massa de polpa, casca e frutos, e o pH aumentaram com o incremento das doses de GA3. A aplicação de GA3 proporcionou a produção de frutos sem sementes e não influenciou no teor de sólidos solúveis dos frutos de atemoieira 'Gefner'.

Épocas e intensidades de poda de frutificação na goiabeira ' Paluma' , em Pinheiros-ES

Serrano,Luiz Augusto Lopes; Martins,Marlon Vagner Valentim; Lima,Inorbert de Melo; Marinho,Cláudia Sales; Tardin,Flávio Dessaune
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2008 Português
Relevância na Pesquisa
88.56348%
Este trabalho teve como objetivo avaliar os efeitos de diferentes intensidades de poda de frutificação realizadas em diferentes épocas do ano sobre a fenologia e a produção da goiabeira 'Paluma', em Pinheiros-ES. As plantas foram submetidas a três intensidades de poda de frutificação (curta, média e longa), em quatro diferentes épocas (25-11-2005, 21-12-2005, 27-01-2006 e 23-02-2006). O ciclo da goiabeira 'Paluma', entre a poda até o início da colheita dos frutos, variou de 189 dias (podas em novembro e dezembro) a 203 dias (poda em fevereiro). Independentemente da época de poda, as plantas submetidas à poda longa apresentaram maior emissão de brotos novos e maior número de ramos estabelecidos. As plantas submetidas à poda curta apresentaram menores números de brotos emitidos e de ramos estabelecidos, bem como menor índice de pegamento de frutos, menor número de frutos por planta e, conseqüentemente, menor produção; entretanto produziram frutos de maior peso médio em relação às plantas submetidas à poda longa. A maior produção e o maior número de frutos colhidos por planta ocorreram nas plantas podadas em fevereiro. A época e a intensidade da poda de frutificação afetam a brotação e a produção da goiabeira 'Paluma'.

Fenologia da goiabeira 'Paluma' sob diferentes sistemas de cultivos, épocas e intensidades de poda de frutificação.

SERRANO, L. A. L.; MARINHO, C. S.; LIMA, I. de M.; MARTINS, M. V. V.; RONCHI, C. P.; TARDIN, F. D.
Fonte: Bragantia, Campinas, v. 67, n. 3, p. 701-712, 2008. Publicador: Bragantia, Campinas, v. 67, n. 3, p. 701-712, 2008.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Português
Relevância na Pesquisa
89.19701%
O trabalho teve como objetivo avaliar os efeitos de diferentes épocas e intensidades de poda de frutificação sobre a fenologia da goiabeira 'Paluma', em dois sistemas de cultivo, em Pedro Canário (ES). O delineamento experimental foi o de blocos ao acaso, em esquema de parcelas sub-subdivididas. As parcelas foram os sistemas de cultivo irrigado e sequeiro; as subparcelas foram as épocas de poda (10/11/2005, 9/12/2005, 13/1/2006 e 10/2/2006); e as sub-subparcelas foram as intensidades de poda (curta, média e longa). O ciclo da goiabeira 'Paluma', entre a poda até o início da colheita dos frutos, variou de 182 (poda em novembro e dezembro) a 203 dias (poda em fevereiro). A queda fisiológica dos frutos ocorreu até os 56 dias após o final do florescimento. A irrigação e a poda longa proporcionaram maior brotação e estabelecimento dos ramos. As plantas submetidas à poda longa em fevereiro produziram maior número de frutos por ramo. Independentemente da época de poda, as plantas submetidas à poda curta apresentaram menor número de frutos por ramo e menor índice de pegamento de frutos. A irrigação e as podas realizadas em dezembro e janeiro favoreceram a produção de frutos maiores.; 2008

Épocas e intensidades de poda de frutificação na goiabeira 'Paluma', em Pinheiros-ES.

SERRANO, L. A. L.; MARTINS, M. V. V.; LIMA, I. de M.; MARINHO, C. S.; TARDIN, F. D.
Fonte: Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 30, n. 4, p. 994-1000, dez. 2008. Publicador: Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 30, n. 4, p. 994-1000, dez. 2008.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Português
Relevância na Pesquisa
78.5643%
Este trabalho teve como objetivo avaliar os efeitos de diferentes intensidades de poda de frutificação realizadas em diferentes épocas do ano sobre a fenologia e a produção da goiabeira ?Paluma?, em Pinheiros-ES. As plantas foram submetidas a três intensidades de poda de frutificação (curta, média e longa), em quatro diferentes épocas (25-11-2005, 21-12-2005, 27-01-2006 e 23-02-2006). O ciclo da goiabeira ?Paluma?, entre a poda até o início da colheita dos frutos, variou de 189 dias (podas em novembro e dezembro) a 203 dias (poda em fevereiro). Independentemente da época de poda, as plantas submetidas à poda longa apresentaram maior emissão de brotos novos e maior número de ramos estabelecidos. As plantas submetidas à poda curta apresentaram menores números de brotos emitidos e de ramos estabelecidos, bem como menor índice de pegamento de frutos, menor número de frutos por planta e, conseqüentemente, menor produção; entretanto produziram frutos de maior peso médio em relação às plantas submetidas à poda longa. A maior produção e o maior número de frutos colhidos por planta ocorreram nas plantas podadas em fevereiro. A época e a intensidade da poda de frutificação afetam a brotação e a produção da goiabeira ?Paluma?. Termos para indexação: Psidium guajava L....

Seleção de linhagens com tolerância ao calor em germoplasma de tomateiro coletado na região Norte do Brasil

Giordano,Leonardo de B.; Boiteux,Leonardo S.; Silva,João Bosco C. da; Carrijo,Osmar A.
Fonte: Associação Brasileira de Horticultura Publicador: Associação Brasileira de Horticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2005 Português
Relevância na Pesquisa
78.605864%
As altas temperaturas nas regiões tropicais e equatoriais induzem uma série de distúrbios morfológicos e/ou fisiológicos em estruturas florais do tomateiro, resultando em menor produtividade devido a maiores taxas de abortamento e má formação de frutos. Neste trabalho foram avaliadas linhagens de tomateiro oriundas de duas populações que vêm sendo cultivadas em Roraima, região Norte do Brasil. Doze linhagens foram obtidas após um ciclo prévio de seleção (em Brasília-DF) em condições de temperatura elevada. A avaliação destas doze linhagens e duas cultivares testemunhas ('Viradoro' e 'Santa Clara') foi conduzida em casa de vegetação com temperaturas média das mínimas de 15ºC e média das máximas de 46,2ºC. Foram observadas diferenças significativas para número de frutos abortados, número de frutos maduros, peso de frutos maduros, teores de sólidos solúveis, firmeza e coloração de frutos. As linhagens (como um grupo) apresentaram melhor desempenho do que as testemunhas 'Viradoro' e 'Santa Clara' para os parâmetros número de frutos abortados, peso, número e coloração de frutos maduros. A metodologia adotada no presente trabalho, permite a identificação de genótipos superiores adaptados ao cultivo em regiões tropicais e equatoriais com elevadas temperaturas.

PEGAMENTO DE FRUTOS DE LARANJEIRA `PERA' EM DIFERENTES ALTURAS NA COPA RELACIONADO AOS QUADRANTES GEOGRÁFICOS

Araújo,Paulo Sérgio Rodrigues de; Mourão Filho,Francisco de Assis Alves; Sposito,Marcel Bellato
Fonte: São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" Publicador: São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1999 Português
Relevância na Pesquisa
88.8725%
Observou-se o pegamento de frutos de laranjeira `Pera' enxertada sobre limoeiro `Cravo' em relação aos quadrantes geográficos (Sudeste, Nordeste, Sudoeste e Noroeste) nos diferentes terços da copa (basal, mediano e apical) em cinco períodos de coleta. O trabalho foi conduzido em Piracicaba-SP, com localização 22º43'S, 43º38'W e 540 metros de altitude. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, considerando-se cada planta um bloco, no esquema fatorial 3x4x5, perfazendo um total de 300 sub-subparcelas. Os parâmetros avaliados foram o número de flores (1a coleta) e frutos (chumbinhos, nas quatro coletas subsequentes), analisando-se separadamente o 1º período e conjuntamente os demais. Os resultados permitiram observar uma diferença significativa a nível de 5% tanto para o número de flores em relação aos quadrantes, destacando-se o SE, como para a interação alturas x quadrantes, destacando-se o terço mediano dentro do referido quadrante que diferiu dos demais. Não foi detectada diferença significativa entre as alturas. Com relação a percentagem de chumbinhos, foi possível distinguir uma diferença significativa ao nível de 5% entre as alturas, os quadrantes e períodos, destacando-se o terço basal e o quadrante SO. A interação do quadrante dentro da altura e vice-versa...

Produção, florescimento e frutificação de tangerineira 'Poncã' submetida à aplicação de ácido giberélico

Maia,Emanuel; Siqueira,Dalmo Lopes de; Cecon,Paulo Roberto
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2010 Português
Relevância na Pesquisa
98.87531%
O florescimento e a produção de tangerinas são influenciados pela safra anterior. Assim, a inibição do florescimento excessivo pode evitar uma frutificação elevada e a exaustão das reservas da planta, contribuindo para uma produção mais uniforme ao longo dos anos. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de giberelina na redução do florescimento em tangerinas 'Poncã' e na produção de frutos em duas safras consecutivas. Os resultados demonstram que a aplicação de ácido giberélico reduziu a emissão de flores e aumentou a porcentagem de pegamento de frutos em relação ao ano de florescimento excessivo. A aplicação de giberelinas cerca de 90-150 dias antes do pleno florescimento pode contribuir para redução do efeito da alternância de produção.

Produtividade de híbridos de abobrinha italiana cultivados sob diferentes coberturas de solo

Olinik,JR; Oliveira Júnior,A; Kepp,MA; Reghin,MY
Fonte: Associação Brasileira de Horticultura Publicador: Associação Brasileira de Horticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2011 Português
Relevância na Pesquisa
89.2052%
Um experimento foi realizado na empresa Sakata Seed Sudamerica Ltda., em Bragança Paulista-SP, de 22 de agosto a 11 de outubro de 2006, com o objetivo de avaliar diferentes tipos de materiais para cobertura do solo e seu efeito na ocorrência de frutos com sintomas de viroses e na produtividade de dois híbridos de abobrinha. O delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados, com quatro repetições. Os tratamentos foram arranjados em esquema de parcelas subdivididas, sendo as parcelas constituídas por seis tipos de cobertura de solo (polietileno preto, polietileno prata, polietileno branco, polipropileno preto, casca de arroz e solo descoberto); as sub-parcelas foram constituídas de dois híbridos de abobrinha [Novita Plus (cv. tipo caserta) e Samira (cv. tipo libanesa)]. Observou-se que a técnica de cobertura de solo com plástico, independentemente da coloração utilizada, mostrou-se superior ao solo descoberto para todas as características avaliadas. Entre os tipos de materiais coube o destaque para o polietileno prata que promoveu a maior produtividade e menor infecção de viroses, em relação às demais coberturas de solo. Entre os híbridos, Novita Plus foi superior a Samira para as características de pegamento de frutos...