Página 1 dos resultados de 104 itens digitais encontrados em 0.011 segundos

Produtividade e qualidade de híbridos de tomate (Solanum lycopersicum L.) dos segmentos Santa Cruz e Italiano em função do raleio de frutos, em ambiente protegido; Yield and qualitative characterization of tomato (Solanum lycopersicum L.) hybrids of Santa Cruz and Italian types in function of fruit thinning under greenhouse environmental conditions

Shirahige, Fernando Hoshino
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 21/07/2009 Português
Relevância na Pesquisa
38.022693%
Os objetivos do trabalho foram determinar o efeito do raleio de frutos sobre o rendimento e seus componentes e caracterizar qualitativamente os frutos de híbridos de tomate dos segmentos Santa Cruz e Italiano de crescimento indeterminado, cultivados em ambiente protegido, visando ao consumo in natura. Utilizaram-se 12 cultivares de tomate de mesa, sendo seis híbridos experimentais e seis testemunhas comerciais. Usou-se delineamento em blocos completos ao acaso, com parcelas divididas, com 12 tratamentos e três repetições. As parcelas foram representadas pelas cultivares e as subparcelas pelo efeito de raleio, avaliando-se plantas com e sem raleio de frutos. Avaliaram-se a produção total (PT), comercial (PC) e de frutos nãocomercializáveis (PR), massa média do fruto (MM), número de frutos por planta (FP), número de frutos por inflorescência (FI), número de lóculos por fruto (LC), comprimento (CM), largura (LR) e relação entre comprimento e largura do fruto (CM/LR), tamanho da cicatriz peduncular (CP) e espessura da parede do fruto (EP). Para as análises qualitativas dos frutos, foram avaliados o teor de sólidos solúveis (SS), acidez titulável (AT), teor de ácido ascórbico (AA), pH, relação entre SS e AT (SS/AT) e teor de licopeno (LI). Nas condições em que o presente trabalho foi realizado e baseado nos resultados obtidos...

Poda, raleio de frutos e uso de fitorreguladores em tangerineiras (Citrus deliciosa Tenore) cv. Montenegrina

Sartori, Ivar Antonio
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
38.124294%
Com o propósito de estudar a poda, o raleio de frutos e o uso de fitorreguladores para quebrar a alternância de produção e melhorar a qualidade físico-química dos frutos de tangerineiras ‘Montenegrina’ (Citrus deliciosa Tenore), enxertadas sobre laranjeira ‘Caipira’, em um pomar comercial de 6 anos, situado no município de Butiá-RS, realizouse dois experimentos. No primeiro, foram testados os seguintes tratamentos: A) Testemunha com planta de carga excessiva; B) Testemunha com plantas sem carga; C) Raleio manual de 66% dos frutos de plantas com carga excessiva; D) Pulverização de plantas excessivamente carregadas com 200 mg.L-1 de etefon; E) Poda de plantas excessivamente carregadas; F) Idem “E” + raleio manual de 33 % dos frutos; G) Idem “E” + pulverização com 50 mg.L-1 de 2,4-DP; H) Poda de plantas em alternância de produção (sem carga); I) Idem “H” + pulverização com 15 mg.L-1 de AG3. No outro experimento, testou-se o efeito de pulverizações de etefon nas concentrações de 200, 300, 400 mg.L-1 e Testemunha. Avaliou-se o número de frutos retidos e seu crescimento; número, massa e massa média dos frutos produzidos; qualidade química dos frutos; classificação dos frutos em primeira, segunda e terceira categoria; diâmetro e cor dos frutos e teor de substâncias de reservas das raízes. Verificou-se que a poda melhora a qualidade dos frutos...

Efeito do raleio e do anelamento do tronco no crescimento, produção e qualidade da ameixeira japonesa

Ilha, Luciano Larruscahim Hamilton; Marodin, Gilmar Arduino Bettio; Seibert, Eduardo; Barradas, Carlos Iguacu Nogue
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
38.079014%
Na produção de ameixas (Prunus salicina Lindley) para consumo in natura, o tamanho do fruto é um dos aspectos mais valorizados. O raleio de frutos é tradicionalmente utilizado para obter, entre outros efeitos, a melhoria do tamanho dos frutos remanescentes. Uma antiga prática, que está recebendo renovada atenção, é o anelamento, que em muitas situações pode aumentar o tamanho dos frutos e antecipar a colheita. Este trabalho avaliou os efeitos do raleio manual de frutos em intensidades de 0, 25, 50 e 75%, associado ou não ao anelamento do tronco (4 mm de largura), sobre o crescimento, a produção e a qualidade da ameixeira cv. Amarelinha. O experimento foi conduzido na Estação Experimental Agronômica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EEA/UFRGS) no ciclo 1995/96. O raleio foi realizado em 16/10/95, 36 dias após a plena floração, e o anelamento, sete dias após o raleio. O raleio reduziu a produção proporcionalmente à intensidade de raleio aplicada. O anelamento antecipou a colheita, diminuiu a firmeza e a acidez titulável, e aumentou a relação sólidos solúveis totais/acidez titulável dos frutos; mas diminuiu o vigor e o crescimento das plantas. Nenhum dos tratamentos alterou significativamente o peso médio dos frutos.; In the production of plums (Prunus salicina Lindley) for in natura consumption the fruit size is a very important feature. Fruit thinning is traditionally used to increase fruit size. Girdling is a practice which is deserving renewed attention...

Caracterização físico-química, anatômica e potencial tecnológico de frutos de raleio da ameixeira (Prunus salicina) cultivar Harry Pickstone

Podestá, Rossana
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 148 p.| il., tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
37.950723%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos.; O cultivo de ameixas (Prunus salicina cultivar Harry Pickstone), no Estado de Santa Catarina, tem grande importância para os pequenos agricultores da colônia japonesa do município de Frei Rogério. Até a colheita, nos meses de janeiro e fevereiro, a cultura passa por diversos processos comuns na fruticultura; sendo um deles a prática do raleio que se caracteriza pela retirada dos frutos ainda verdes, 45 dias após a floração, totalizando em 80 a 90% dos frutos da planta, podendo representar aproximadamente 5 mil toneladas de resíduo por safra no município, estes são descartados em regiões ociosas da propriedade sem utilização definida. O objetivo deste trabalho é analisar as características anatômicas, físico-químicas e potencial tecnológico dos frutos de raleio, avaliando quanto ao pH, acidez, sólidos solúveis (oBrix), umidade, lipídeos, proteínas, carboidratos totais, fibras, minerais, vitamina C, perfil de (poli)fenóis em diferentes soluções extratoras (etanol 80%, etanol acidificado com HCl 1,5N, metanol 80%, metanol acidificado com HCl 1,5N e água destilada)...

Poda e raleio manual de tangerineira (Citrus deliciosa Tenore) cv. Montenegrina no Sudoeste do Paraná

Rosa,Rafael Dalla; Nava,Gilmar Antônio; Piva,André Luiz; Mezzalira,Éder Júnior; Paulus,Dalva
Fonte: Universidade Federal de Viçosa Publicador: Universidade Federal de Viçosa
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2012 Português
Relevância na Pesquisa
28.16149%
O bom calibre e a coloração adequada dos frutos cítricos para consumo in natura são importantes fatores de qualidade que elevam o seu consumo e melhoram os preços do produto. Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito de diferentes intensidades de raleio manual dos frutos e da poda sobre a produção e qualidade dos frutos da tangerina Montenegrina. O experimento foi realizado em pomar comercial no município de Dois Vizinhos, no Sudoeste do Paraná. O experimento bifatorial (raleio x poda) constituiu-se dos seguintes tratamentos. 1) sem raleio e sem poda (testemunha); 2) sem raleio, com poda; 3) 33% de raleio, sem poda; 4) 33% de raleio, com poda; 5) 66% de raleio, sem poda; e 6) 66% de raleio, com poda. O delineamento experimental foi de blocos completamente casualizados, com quatro repetições, sendo cada unidade experimental constituída por uma planta. Nas condições em que o experimento foi realizado, concluiu-se que o raleio nas intensidades de 33 e 66% promove aumento da massa fresca, melhora a cor da epiderme, aumenta o diâmetro e melhora a classificação comercial dos frutos da tangerina Montenegrina. A poda leve, de abertura e levantamento da base da copa, não contribui para a melhoria da qualidade dos frutos.

Efeito do raleio e do anelamento do tronco no crescimento, produção e qualidade da ameixeira japonesa

Ilha,Luciano Larruscahim Hamilton; Marodin,Gilmar Arduino Bettio; Seibert,Eduardo; Barradas,Carlos Iguassú Nogueira
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/1999 Português
Relevância na Pesquisa
28.022693%
Na produção de ameixas (Prunus salicina Lindley) para consumo in natura, o tamanho do fruto é um dos aspectos mais valorizados. O raleio de frutos é tradicionalmente utilizado para obter, entre outros efeitos, a melhoria do tamanho dos frutos remanescentes. Uma antiga prática, que está recebendo renovada atenção, é o anelamento, que em muitas situações pode aumentar o tamanho dos frutos e antecipar a colheita. Este trabalho avaliou os efeitos do raleio manual de frutos em intensidades de 0, 25, 50 e 75%, associado ou não ao anelamento do tronco (4 mm de largura), sobre o crescimento, a produção e a qualidade da ameixeira cv. Amarelinha. O experimento foi conduzido na Estação Experimental Agronômica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EEA/UFRGS) no ciclo 1995/96. O raleio foi realizado em 16/10/95, 36 dias após a plena floração, e o anelamento, sete dias após o raleio. O raleio reduziu a produção proporcionalmente à intensidade de raleio aplicada. O anelamento antecipou a colheita, diminuiu a firmeza e a acidez titulável, e aumentou a relação sólidos solúveis totais/acidez titulável dos frutos; mas diminuiu o vigor e o crescimento das plantas. Nenhum dos tratamentos alterou significativamente o peso médio dos frutos.

Cianamida hidrogenada no raleio químico de flores e frutos de pessegueiros (Prunus persica, L. Batsch) cv. Eldorado

Rodrigues,Alexandre Couto; Ferri,Valdecir Carlos; Schwartz,Elisane; Fachinello,José Carlos
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/1999 Português
Relevância na Pesquisa
37.855537%
O trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar o efeito da cianamida hidrogenada (CH2N2) no raleio de flores e frutos de pessegueiros do cultivar Eldorado. Utilizaram-se plantas com idade de 6 anos, conduzidas sob a forma de vaso e espaçamento de 6,0 x 4,0m, localizadas no Centro Agropecuário da Palma - UFPel. Os tratamentos (0; 0,15; 0,3; 0,45 e 0,6% de CH2N2) foram pulverizados em cobertura sobre ramos selecionados aleatoriamente, até o início de gotejamento, quando 100% das flores encontravam-se totalmente abertas. O produto comercial utilizado foi o Dormex (52% de CH2N2). O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, com três repetições. As variáveis avaliadas foram: percentual de flores raleadas 36 dias após a aplicação do produto e percentual de frutos raleados, peso médio, coloração, diâmetro, firmeza da polpa e sólidos solúveis totais por ocasião da colheita. A maior intensidade de raleio de flores (50,96%) foi obtida com utilização de 0,5% de CH2N2. Na percentagem de frutos raleados, observou-se valor máximo de 9,53%, utilizando-se CH2N2 a 0,6%. O peso dos frutos aumentou com o raleio químico, porém, este não interferiu nos sólidos solúveis totais, firmeza de polpa e índice de cor dos frutos.

Intensidade de raleio de frutos em pessegueiro flordaprince conduzidos em pomar com alta densidade de plantio.

SCARPE FILHO, J.A.; MINAMI, K.; KLUGE, R.A.
Fonte: Pesquisa Agropecuaria Brasileira, Brasilia, v.35, n.6, p.1109-13, jun.2000. Publicador: Pesquisa Agropecuaria Brasileira, Brasilia, v.35, n.6, p.1109-13, jun.2000.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Português
Relevância na Pesquisa
38.022693%
O objetivo deste trabalho foi verificar o comportamento de pessegueiros (Prunus persica (L.) Batsch.) cultivar Flordaprince, conduzidos em pomar com alta densidade (3.333 plantas/ha), submetidos a diferentes intensidades de raleio manual de frutos. Os tratamentos utilizados foram 120, 100 e 80 frutos por planta, e o controle sem raleio (230 frutos por planta). As plantas submetidas ao raleio produziram frutos significativamente maiores e mais pesados do que os do controle. A produção por planta (kg) e a produtividade estimada (t/ha) foram maiores nas plantas sem raleio, mas a classificação comercial e a receita bruta (R$/ha) desse tratamento foram menores, devido ao menor tamanho e peso dos frutos. Os tratamentos 100 e 80 frutos por planta (56,52% e 65,21% de raleio, respectivamente) apresentaram os melhores resultados.; 2000

Produtividade e qualidade de tomates Santa Cruz e Italiano em função do raleio de frutos; Yield and fruit quality of Santa Cruz and Italian tomatoes depending on fruit thinning

SHIRAHIGE, Fernando H; MELO, Arlete MT de; PURQUERIO, Luis Felipe V; CARVALHO, Cássia Regina L; MELO, Paulo César T de
Fonte: Associação Brasileira de Horticultura Publicador: Associação Brasileira de Horticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
28.079014%
O manejo do tomateiro cultivado em ambiente protegido, com ênfase no raleio de frutos, pode contribuir de forma significativa para a produção de frutos de qualidade superior, expressando assim o potencial de cada cultivar. Foi avaliado o efeito do raleio de frutos na produtividade e seus componentes e em alguns atributos de qualidade de frutos de genótipos de tomateiro dos segmentos Santa Cruz e Italiano de crescimento indeterminado, visando ao consumo in natura. Avaliaram-se 12 genótipos de tomate de mesa (seis híbridos experimentais e seis cultivares) e dois modos de condução (plantas conduzidas com e sem raleio de frutos). O experimento foi com parcelas subdivididas, distribuídas em blocos completos ao acaso com três repetições. As parcelas foram representadas pelos genótipos e as subparcelas pelos modos de condução. Avaliaram-se o número de frutos por planta, produtividade comercial de frutos, produtividade de frutos não-comercializáveis, massa média do fruto, comprimento e largura do fruto, pH, teor de sólidos solúveis totais (SS), acidez titulável (AT), relação entre SS e AT, teor de ácido ascórbico e teor de licopeno. O raleio dos frutos proporcionou incremento da produtividade comercial, massa média...

Efeito da poda, raleio de frutos e uso de fitorreguladores na produção de tangerinas (Citrus deliciosa Tenore) cv. montenegrina

Sartori,Ivar Antonio; Koller,Otto Carlos; Theisen,Sergiomar; Souza,Paulo Vitor Dutra de; Bender,Renar João; Marodin,Gilmar Arduino Bettio
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2007 Português
Relevância na Pesquisa
38.124294%
O experimento aqui relatado teve o propósito de estudar a poda de ramos, raleio de frutos e uso de fitorreguladores para diminuir a alternância de produção e melhorar a qualidade físico-química dos frutos de tangerineiras 'Montenegrina' (Citrus deliciosa Tenore). São plantas enxertadas sobre laranjeira 'Caipira'(Citrus sinensis L. Osbeck) e estão em um pomar comercial de 6 anos de idade, da empresa Panoramas Citrus, situada no município de Butiá-RS, na latitude 29º57'S e longitude 51º40'W. Neste experimento, foram realizados os seguintes tratamentos: A) Testemunha nº1: plantas com carga excessiva; B) Testemunha nº2: plantas sem carga; C) Raleio manual de 66% dos frutos em plantas com carga excessiva, em fevereiro; D) Pulverizações de plantas excessivamente carregadas, utilizando-se de 200 mg.L-1 de Ethrel (24% ethephon), em novembro; E) Poda de frutificação, em plantas excessivamente carregadas, em dezembro; F) Idem "E" acrescido de raleio manual de 33 % dos frutos, em fevereiro; G) Idem "E" acrescido de pulverização com 50 mg.L-1 de 2,4-DP (95% de 2,4 diclorofenoxipropiônico), no final da queda natural de frutos, em dezembro; H) Poda de plantas com alternância de produção, em dezembro; I) Idem "H" acrescido de pulverização com 15 mg.L-1 de ácido giberélico (10% de AG3)...

O pessegueiro no sistema de pomar compacto: IV. Intensidade e época de raleio dos frutos dos cultivares Tropical e Aurora-1

Barbosa,Wilson; Campo-Dall'orto,Fernando Antonio; Ojima,Mário; Martins,Fernando Picarelli; Igue,Toshio
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1991 Português
Relevância na Pesquisa
37.950723%
A intensidade e a época do raleio dos frutos do pessegueiro podem influenciar diretamente a qualidade do produto, razão pela qual foram pesquisadas em um pomar compacto (4.167 plantas por hectare), sob poda drástica anual de renovação da copa. O experimento foi executado na Estação Experimental de Jundiaí (23°08'S e 46°55'W), do Instituto Agronômico (IAC), sob clima do tipo Cwa, mesotérmico úmido, também denominado de tropical de altitude, com cerca de 80 horas anuais de frio abaixo de 7°C. Utílizaram-se os cultivares Tropical, de maturação bem precoce (fins de setembro), e Aurora-1, de maturação precoce (meados de outubro). Efetuou-se o raleio com 30, 40 e 50 dias pós-antese (DPA), deixando-se 30, 60 e 90 frutos por planta. Os melhores resultados, reunindo fatores qualitativos e quantitativos, foram obtidos no raleio aos 30 DPA, mantendo-se 60 frutos por planta. Neste tratamento, o 'Tropical' apresentou frutos com peso médio de 60,9 gramas, o que equivale à produção de 3,654kg/planta (15,2t/ha); com o 'Aurora-1', o peso médio dos frutos foi de 72,0 gramas, correspondendo à produção de 4,320kg/planta (18,0t/ha). Aqualidade final do produto diminuiu à medida que se atrasou a época do raleio e...

Raleio de frutos em lichieira 'Bengal'

Santos,Carlos Eduardo Magalhães dos; Silva,José Osmar da Costa e; Cavatte,Rithiely da Paschoa Queiroz; Salomão,Luiz Carlos Chamhum; Bruckner,Claudio Horst
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2009 Português
Relevância na Pesquisa
38.079014%
Originária da região sudeste da China, a lichieira tem apresentado significativo crescimento em área cultivada nos últimos anos devido aos excelentes sabor e aroma dos frutos. Porém, alternâncias de produção, associadas ao baixo vingamento de frutos, são problemas importantes da cultura. O raleio de frutos pode contribuir para a redução da alternância de produção e aumentar o percentual de frutos comercializáveis e de melhor qualidade, através do ganho em tamanho. Objetivou-se, neste trabalho, avaliar o efeito do raleio de frutos em lichieira 'Bengal' para as condições de cultivo em Viçosa, Minas Gerais. O experimento foi conduzido no delineamento experimental em blocos casualizados, com 5 tratamentos e 7 repetições, sendo cada planta uma repetição. Os tratamentos consistiram em diferentes intensidades de raleio manual representados pelo número de frutos deixados nas panículas do ramo terminal, sendo: T1: 3 frutos/ramo; T2: 6 frutos/ramo; T3: 9 frutos/ramo; T4: 12 frutos/ramo; T5: sem raleio (controle). Analisaramse o comprimento longitudinal e equatorial dos frutos (cm), a massa de fruto (g); a massa da casca, polpa e semente (g); o teor de sólidos solúveis totais (ºBrix); a acidez titulável da polpa (% ácido málico); a percentagem de matéria seca da polpa...

Raleio químico em macieiras 'Fuji suprema' e 'Lisgala'

Petri,José Luiz; Hawerroth,Fernando José; Leite,Gabriel Berenhauser; Couto,Marcelo
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2013 Português
Relevância na Pesquisa
28.022693%
O raleio químico é uma prática viável na cultura da macieira, pois permite ser realizada em curto período de tempo, reduzindo o custo de mão de obra em relação ao raleio manual. Trabalhos realizados nas principais regiões produtoras de maçãs mostram os benefícios do uso da 6-benziladenina (BA) no raleio químico. A realização de estudos com esta substância é fundamental para o aperfeiçoamento do raleio químico e posterior uso pelo setor produtivo da maçã no Brasil. Neste sentido, foram realizados quatro experimentos, objetivando avaliar a resposta da aplicação de BA, isolada ou em mistura com carbaryl e Promalin®, em diferentes épocas e concentrações, no raleio de macieiras 'Fuji Suprema' e 'Lisgala'. A aplicação de BA em maiores concentrações é efetiva no raleio de macieiras 'Fuji Suprema' e 'Lisgala'. Há uma redução na efetividade da aplicação de benziladenina em frutos com diâmetro superior a 10 mm. A concentração de BA pode ser diminuída pelo uso do carbaryl, sem comprometimento do efeito raleante.

Intensidade de raleio de frutos em pessegueiros 'flordaprince' conduzidos em pomar com alta densidade de plantio

SCARPARE FILHO,JOÃO ALEXIO; MINAMI,KEIGO; KLUGE,RICARDO ALFREDO
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2000 Português
Relevância na Pesquisa
38.022693%
O objetivo deste trabalho foi verificar o comportamento de pessegueiros (Prunus persica (L.) Batsch.) cultivar Flordaprince, conduzidos em pomar com alta densidade (3.333 plantas/ha), submetidos a diferentes intensidades de raleio manual de frutos. Os tratamentos utilizados foram 120, 100 e 80 frutos por planta, e o controle sem raleio (230 frutos por planta). As plantas submetidas ao raleio produziram frutos significativamente maiores e mais pesados do que os do controle. A produção por planta (kg) e a produtividade estimada (t/ha) foram maiores nas plantas sem raleio, mas a classificação comercial e a receita bruta (R$/ha) desse tratamento foram menores, devido ao menor tamanho e peso dos frutos. Os tratamentos 100 e 80 frutos por planta (56,52% e 65,21% de raleio, respectivamente) apresentaram os melhores resultados

O pessegueiro no sistema de pomar compacto: VI. Frutificação efetiva e raleio químico em seleções IAC

Barbosa,Wilson; Campo Dall'Orto,Fernando Antonio; Ojima,Mário; Santos,Rui Ribeiro dos
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1992 Português
Relevância na Pesquisa
37.723745%
Verificou-se o potencial de frutificação e o efeito da pulverização de uréia a 12%, no raleio de frutos, em cinco pessegueiros e duas nectarineiras, cultivados em pomar compacto, na Estação Experimental de Monte Alegre do Sul (22°41'S. e 46°43'W.), do Instituto Agronômico de Campinas (IAC). Dos cultivares e seleções pesquisados, 'Talismã', IAC 6782-83, IAC N 2680-91, 'Aurora-2' e IAC 282-24 apresentaram as maiores taxas de frutificação natural, a saber: 60,9; 54,2; 44,6; 41,4 e 40,0% respectivamente. A uréia a 12%, pulverizada na plena floração, mostrou-se efetiva no raleio dos frutos, reduzindo as frutificações para a faixa de 12-17%, considerada adequada para pessegueiros e nectarineiras sob altas densidades de plantio. O número médio de pêssegos e nectarinas remanescentes por ramo foi, respectivamente, de 1,1; 1,6; 1,8; 1,9; 2,0; 2,6 e 3,2 para IAC 280-28; IAC 6782-83; 'Aurora-2'; IAC 282-24; IAC N 1880-76; IAC N 2680-91 e Talismã'. A produtividade não foi prejudicada pela ação raleadora da uréia a 12%. As plantas em que permaneceram até dois frutos em média, por ramo, apresentaram produtos de melhor padrão.

Intensidade e Epocas de Raleio Manual em Tangerinaeira 'Montenegrina'.

SCHWARZ, S.F.; KOLLER, O.C.; NIENOW, A.A.
Fonte: Pesquisa Agropecuaria Brasileira, Brasilia, v.27, n.8, p.1161-1165, ago.1992 Publicador: Pesquisa Agropecuaria Brasileira, Brasilia, v.27, n.8, p.1161-1165, ago.1992
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Português
Relevância na Pesquisa
28.079014%
Em plantas de um pomar de tangerineiras 'Montenegrina' (Citrus deliciosa Tenore), de sete anos de idade, enxertadas sobre Poncirus trifoliata Raf., localizado no municipio de Viamao, estado do Rio Grande do Sul, que apresentavam alternancia de producao, foram testadas tres intensidades de raleio manual: testemunhas (sem raleio), raleio manual de 2/3 ou 66,6% dos frutinhos e raleio manual de 5/6 ou 83,3% dos frutinhos, em tres epocas distintas: janeiro, fevereiro, marco, correspondentes a 60, 90 e 120 dias apos a plena queda natural de frutinhos. Os resultados das duas primeiras safras apos o raleio evidenciaram que, independentemente de epoca, o raleio manual de frutinhos nas intensidades de 66,6% e 83,3% aumentou a qualidade dos frutos produzidos na safra em que foi aplicado o raleio e quebrou a alternancia de producao no ano seguinte.; 1992

Qualidade da uva 'Cabernet Sauvignon' submetida ao raleio de cachos no sistema de condução latada.

SANTOS, H. P. dos; AMARANTE, C. V. T. do; STEFFENS, C. A.; VENTURA, D. V.; MIQUELOTO, A.
Fonte: Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 9, n. 2, p. 160-168, jul.-dez. 2010. Publicador: Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 9, n. 2, p. 160-168, jul.-dez. 2010.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Português
Relevância na Pesquisa
38.16149%
A concorrência no mercado tem estimulado as vinícolas a melhorar o manejo das vinhas e, consequentemente, a qualidade das uvas. Dentre essas práticas está o raleio de cachos. No entanto, não existem critérios para indicar o nível de raleio adequado. Para verificar o efeito desta prática, foi conduzido um experimento em Bento Gonçalves, RS, durante os anos agrícolas de 2004/2005, 2005/2006 e 2006/2007, em videiras de 8-10 anos de idade, da cultivar Cabernet Sauvignon, enxertadas sobre Paulsen 1103, plantadas em espaçamento de 1,5 x 3 m e submetidas à poda mista, no sistema de condução latada. O raleio foi feito no início da maturação (50% de mudança de cor da baga), e os critérios utilizados para definir o número de classes de raleio testadas em cada safra foram o número máximo disponível de gemas brotadas e cachos/planta. Sendo assim, na safra 2004/2005 foram deixados 5, 10, 20 e 30 cachos por planta, em 2005/2006, 15, 25, 40, 60 e 80 cachos por planta e, em 2006/2007, 15, 25, 40 e 60 cachos por planta. Foi utilizado o delineamento em blocos casualizados, com cinco repetições de seis plantas (unidade experimental). Os dados foram analisados através de contrastes ortogonais polinomiais. Os efeitos do raleio de cachos foram mais intensos no primeiro ano (2004/2005)...

Produtividade e qualidade de tomates Santa Cruz e Italiano em função do raleio de frutos

Shirahige,Fernando H; Melo,Arlete MT de; Purquerio,Luis Felipe V; Carvalho,Cássia Regina L; Melo,Paulo César T de
Fonte: Associação Brasileira de Horticultura Publicador: Associação Brasileira de Horticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2010 Português
Relevância na Pesquisa
28.079014%
O manejo do tomateiro cultivado em ambiente protegido, com ênfase no raleio de frutos, pode contribuir de forma significativa para a produção de frutos de qualidade superior, expressando assim o potencial de cada cultivar. Foi avaliado o efeito do raleio de frutos na produtividade e seus componentes e em alguns atributos de qualidade de frutos de genótipos de tomateiro dos segmentos Santa Cruz e Italiano de crescimento indeterminado, visando ao consumo in natura. Avaliaram-se 12 genótipos de tomate de mesa (seis híbridos experimentais e seis cultivares) e dois modos de condução (plantas conduzidas com e sem raleio de frutos). O experimento foi com parcelas subdivididas, distribuídas em blocos completos ao acaso com três repetições. As parcelas foram representadas pelos genótipos e as subparcelas pelos modos de condução. Avaliaram-se o número de frutos por planta, produtividade comercial de frutos, produtividade de frutos não-comercializáveis, massa média do fruto, comprimento e largura do fruto, pH, teor de sólidos solúveis totais (SS), acidez titulável (AT), relação entre SS e AT, teor de ácido ascórbico e teor de licopeno. O raleio dos frutos proporcionou incremento da produtividade comercial, massa média...

Ethephon no raleio de tangerinas 'Ponkan'

Ramos,José Darlan; Cruz,Maria do Céu Monteiro da; Pasqual,Moacir; Hafle,Oscar Mariano; Ramos,Patrícia de Siqueira; Rossi,Erick Pretti
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2009 Português
Relevância na Pesquisa
37.723745%
Este trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar o efeito do ethephon sobre o raleio químico das frutas de tangerineira "Ponkan". O ethephon foi aplicado nas tangerineiras em dois estádios de desenvolvimento das frutas: um e dois cm de diâmetro, sendo testadas quatro concentrações: 0,0; 100; 200 e 400mg L-1. Foram utilizadas três plantas úteis por parcela, com quatro repetições, perfazendo um total de 96 plantas. A qualidade das frutas foi avaliada a prtir das características: massa fresca da fruta, diâmetro transversal e longitudinal da fruta, número de gomos, número de sementes, sólidos solúveis (°Brix), pH do suco, acidez titulável, relação sólidos solúveis/acidez (ratio) e produção. A aplicação de ethephon na concentração de 400mg L-1, no estádio de desenvolvimento de dois cm para o raleio químico da tangerineira "Ponkan" proporciona o melhor resultado com maior massa fresca das frutas, quando comparado com o resultado da não aplicação do produto.

Qualidade de regularidade da produção de tangerineira 'Ponkan' submetida ao raleio químico; Quality and yield regularity in ´Ponkan´ mandarin tree submitted to chemical thinning

Cruz, Maria do Céu Monteiro da
Fonte: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS; DAG - Departamento de Agricultura; UFLA; BRASIL Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS; DAG - Departamento de Agricultura; UFLA; BRASIL
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em 02/09/2014 Português
Relevância na Pesquisa
28.079014%
Este trabalho foi realizado com os objetivos de testar diferentes concentrações de Ethephon no raleio químico em tangerineiras ´Ponkan´ (Citrus reticulata Blanco), enxertadas sobre o limoeiro ´Cravo´ (Citrus limonia Osbeck) e avaliar os efeitos sobre o desenvolvimento, a qualidade, a produtividade e a regularidade da produção. A pesquisa foi conduzida em pomar comercial, com 10 anos de idade, localizado no município de Perdões, região sul de Minas Gerais, no período de dezembro de 2006 a julho de 2008. Foram avaliadas cinco concentrações de Ethephon: 0; 150; 300, 450 e 600 mg L-1, aplicadas em dois estádios de desenvolvimento da fruta: diâmetro transversal de 30 mm e 40 mm. Utilizou-se o esquema fatorial de 5 x 2, distribuído em blocos casualizados, com quatro repetições. No primeiro ano após a aplicação do Ethephon, foram avaliados o desenvolvimento, a qualidade das frutas e o rendimento da produção. No segundo ano, avaliaram-se a alternância de produção, a qualidade das frutas e o rendimento da produção. O raleio químico com a aplicação de Ethephon favoreceu o desenvolvimento e melhorou a qualidade da tangerina ´Ponkan´. O raleio realizado no estádio de 40 mm proporcionou o desenvolvimento de frutas com maiores diâmetros em todas as concentrações avaliadas. O Ethephon aplicado promoveu a abscisão de frutas em todas as concentrações testadas. As concentrações a partir de 300 mg L-1 apresentaram maior eficiência no raleio. As frutas remanescentes apresentaram melhor uniformidade no tamanho...