Página 1 dos resultados de 2 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Utilização do etefom e do tidiazurom na desfolha do algodoeiro e na deiscência de seus frutos

Paulo,Edison Martins; Fujiwara,Mamor; Dodo,Shizuo
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1989 Português
Relevância na Pesquisa
38.85664%
Estudou-se o efeito do etefom nas doses de 0,96, 1,44 e 1,92kg/ha, do tidiazurom, a 0,075kg/ha, e de misturas contendo 0,48 + 0,05, 0,96 + 0,05 e 1,44 + 0,05kg/ha de etefom e de tidiazurom, respectivamente, na desfolha do algodoeiro e na deiscência e seus frutos. Avaliações realizadas aos 7 e aos 14 dias após a pulverização dos produtos e de suas misturas indicaram que os mesmos, excetuando-se a dose 0,96kg/ha isolada de etefom e aos 7 dias após a aplicação, promoveram sensível desfolha do algodoeiro. O etefom acelerou a deiscência dos capuchos do algodoeiro a partir da dose 1,44kg/ha, o que não se observou para o tidiazurom. Os resultados indicaram que os produtos, quando aplicados conjuntamente, não possuem ação antagônica. Os diversos tratamentos não diferiram estatisticamente entre si na produção de algodão.

Fitorreguladores no aumento da frutificação efetiva e partenocarpia em peras cv. Garber

Tavares,Jacqueline Cardoso; Fachinello,José Carlos; Silva,Joao Baptista da; Herter,Flavio Gilberto
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2002 Português
Relevância na Pesquisa
17.173743%
O trabalho foi realizado em pereiras da cultivar Garber (Pyrus communis x Pyrus pyrifolia), com o objetivo de verificar o efeito de ácido giberélico (AG3), ácido naftalenoacético (ANA), aminoetoxivinilglisina (AVG) e tidiazurom (TDZ) no aumento da frutificação e na indução e desenvolvimento de frutas partenocárpicas. Durante a plena floração, aplicaram-se sobre os cachos florais 13 diferentes tratamentos: (50; 300 e 500 mg.L-1), ANA (50; 100 e 200 mg.L-1), TDZ (5; 15 e 25 mg.L-1) e AVG (50; 100 e 200 mg.L-1), sendo que, na testemunha, foi aplicada somente água. A polinização entomófila foi controlada em 50% dos ramos. As variáveis avaliadas foram o número total e médio de frutas fixadas, peso fresco, número de sementes, deformação e coloração das frutas. Dentre os tratamentos, o TDZ, na concentração de 15 mg.L-1, proporcionou o maior o número total de frutas, número médio de frutas fixadas, promovendo aumento no peso e coloração das mesmas. As deformações foram superiores nas peras tratadas com TDZ e naquelas com menor quantidade de sementes por fruta.